Jul M

Oi

domingo, 20 de setembro de 2015

De Olhos Bem Fechados -- Cap 30

O Grande Final...

Os dias foram se passando e mesmo com a ameaça constante da presença de Victoria, Isabella não parou com a sua vida. Ela seguiu fazendo tudo que sempre fez. Pela manhã, acompanhava Angel a Escola e logo após seguia para empresa, onde depois de uma discursão, mesmo que branda, a jovem ganhou a sua própria sala. Ela passou, de fato, a exercer a sua formação, algo que ela vinha demostrando que era muito boa.
E naquele ritmo louco, em meio a reuniões, ser mãe, dona de casa, mulher incrivelmente capacitada para lidar com os problemas da empresa e funcionários, os meses foram passando e dezembro finalmente chegou.
Duas batidas na porta e logo ela foi aberta. Edward estava de cabeça baixa, lendo alguns documentos em companhia de seu melhor amigo Emmett.
-- Por que bateu na porta? - Edward perguntou olhando rapidamente por cima da papelada e voltando a sua atenção para eles novamente.
-- Sue disse que estava ocupado! - Bella justificou sorrindo - Olá Emmett, como esta Rose?
-- Esperando você para um almoço, acredito... - Emmett replicou sorrindo — Ela está bem, destruindo pessoas no tribunal!
-- É realmente o que ela faz de melhor! – Bella anuiu — Eu vou marcar com ela o almoço para breve.
-- Ótimo... - Edward disse ranzinza — Agora, o que a minha querida Senhora deseja?
-- Ah, só quero lembrar o meu marido que hoje é a apresentação de nossa querida filha na Escola.
-- Hoje? - Edward perguntou surpreso, estava na cara que ele não se lembrava.
-- Ainda bem que eu me lembro dessas coisas! - Bella disse irônica.
-- Você é uma esposa perfeita, por isso me casei com você! - Edward elogia piscando para esposa que pareceu ficar em choque — Também tem outras qualidades, mas acredito que não vá querer que eu diga na frente de Emmett, não é?
-- Edward! - Ela grita corando — Às sete! E é bom que esteja pronto quando eu passar por aqui!
-- Mais alguma ordem querida? - Ele foi sarcástico.
-- Só esteja pronto! - Bella repetiu — Eu estou indo! Tenho uma reunião com um grupo Francês agora!
-- Boa reunião! Traga mais dinheiro para nossa empresa!
-- Claro, claro! - Ela sorriu e mandou um beijo para ele, saindo em seguida.
..............................
Às sete em ponto, como Isabella havia dito, ela passou na sala do marido, levando-o consigo para o teatro da Escola, local em que a pequena Angel iria se apresentar.
-- Diga-me que ela não vai dançar balé! – Edward disse fazendo careta.
-- Não... A nossa filha será a princesa! - Bela disse toda orgulhosa.
-- Nada mais justo, ela já é uma verdadeira princesa.
Não existia no mundo pais mais orgulhos do que aqueles dois. Bella sabia que Angel não era a sua filha biológica, mas ela amava a menina como se tivesse saído de sua barriga. Todos se apresentaram e Angel foi uma das derradeiras a subir no palco, o pai não perdeu tempo e com um celular de última geração, filmava e batia fotos da filha em sua primeira apresentação teatral. Foi tudo grandioso, a menina recitou detalhadamente as suas falas e fez uma dancinha no final junto aos coleguinhas.
Quando tudo chegou ao fim, Bella e Edward foram ao encontro da menina, que estava deveras feliz.
-- Mamãe, mamãe! - Angel disse extasiada se jogando nos braços da bela morena — Eu acertei tudinho!
-- Você estava linda querida! - Bella elogiou beijando a pequena, várias e várias vezes no rosto.
-- Hei, o papai não tem espaço nesse abraço?
-- É claro que tem! - Ambas falaram juntas.
A duas puxaram Edward para um abraço em família, e no final, quando os flashes tomaram conta deles, se separaram e Edward fechou a cara, colocando a mão na cintura da esposa e pegando a pequena Angel no colo. Eles saíram do teatro que já estava tomando por alguns fotógrafos.
-- Vamos para onde? - Angel perguntou.
-- Vamos jantar em algum lugar! - Bella respondeu — Certo papai?
-- Acho que você já tinha tudo planejado! - Edward disse abrindo a porta do carro e colocando Angel na cadeirinha depois abriu a porta do carona para Bella — Vamos jantar em um restaurante recém-inaugurado. Eu tenho certeza que as minhas princesas vão gostar.
-- Oba! - Angel disse sorrindo radiante com a ideia.
-- Nos surpreenda, Senhor Cullen!
...........
O jantar foi perfeito, ambas, mãe e filha, gostaram do lugar. Era um local brejeiro, mas que tinha uma boa comida, e o melhor, havia ali privacidade e eles podiam agir como pessoas normais, sem toda a pampa de fotógrafos ao redor deles, querendo saber o que o casal mais bem quisto na sociedade, estaria fazendo, comendo ou bebendo.
Angel dormia no banco de trás quando Edward parou o carro em frente à garagem de sua casa, esperando que o portão fosse aberto para que eles entrassem. Algo estranho aconteceu então, ninguém abria o portão, não havia seguranças na guarita e nem mesmo no jardim. Edward buzinou, mas Bella impediu que ele fizesse barulho novamente para não acorda Angel.
-- Ok! - Edward disse olhando para a mulher e retirando o cinto de segurança — Eu vou ver o que está acontecendo!
-- Tome cuidado! - Bella o advertiu.
Bella não se sentia bem perante aquela situação, ela tinha um motivo especifico para tal, já fazia meses que Victoria não dava sinal de vida, e aquilo não era um bom sinal, já que ela se mantinha muito quieta.
Edward não viu, e mesmo que tivesse visto, teria como impedir aquilo, lá estava ela, Victoria parada na escuridão e quando Edward chamou a sua atenção, ao sair do carro, ela sorriu, era quem ela esperava. Edward deu dois passos em direção ao portão quando houver o disparou, um único tiro que o atingiu, em cheio, no peito.
--Não! - Um gritou emudecido saiu da boca de Isabella, que levou a mão a boca em agonia, tentando não ser notada.
A morena viu quando Victoria saiu das sombras e o corpo de Edward escorregou até chegar ao chão. A ruiva usava um vestido preto e os seus cabelos estavam presos em um rabo de cavalo, sendo noite, ela usava óculos escuros. Claro que Isabella logo soube quem era que estava ali. O corpo de Edward estava longe de Victoria, mas ela estava andando em direção ao jovem, que ofegava no chão com a mão sobre o peito, a camisa branca que vestia, estava coberta de sangue.
Foi algo rápido, Isabella não sabia bem o que estava fazendo quando soltou o cinto e passou para o banco do motorista, quando ela deu por si, ela já havia lingando o carro e arrancando com tudo para cima de Victoria, acertando em cheio a ruiva, jogando o corpo dela ao chão. Isabella sentiu o baque e alguns ossos sendo quebrados pelo impacto. Ela olhou para Angel, que ainda dormia profundamente e ela ficou grata pela menina ter um sono tão pesado. Isabella deu uma ré no carro e saiu correndo em direção ao marido, que ainda estava cociente.
-- Edward! Edward! - Bella se jogou no chão ao lado do marido. — Querido, por favor, por favor, não morra!
-- Ligue para a Emergência! - Edward pediu com voz rouca e falhada.
- Claro! Claro! - Ela anuiu levantando e correndo novamente de volta para carro, lá ela pegou a bolsa e tirou o celular, já lingando para a Emergência.
.............
No Hospital, Edward fora atendido e entrou em cirurgia rapidamente para a remoção da bala. Ele teve muita sorte que Victoria não tivesse uma mira boa, pois o projétil não afetou os órgãos vitais do homem, e nem mesmo chegou próximo de alguma vertebra, no entanto, foi preciso fazer uma cirurgia para remoção da bala.
Angel ficou na casa Rose e Emmett, ambos conseguiram convencer a menina de que o seu papai e mamãe só queriam um noite sozinhos. O mistério ainda estava em voga, nada se sabia sobre o que acontecera na casa do Cullen com os seguranças, nada disso havia sido explicado ainda, mas Isabella só queria saber do marido e da saúde dele.
-- Sra. Cullen ! - Um homem vestido de branco, que Isabella sabia ser o médico que cuidava do marido, chamou-a – Ele será mandado para um quarto agora. Você poderá ficar com ele, mas nada de deixá-lo fazer esforços. O Sr. Cullen teve muita sorte que a bala não tenha afetado algum órgão importante e nem mesmo alguma vertebra.
-- E então, ele está bem?
-- Sim, Sra. Cullen, o seu marido está passando bem. Ele receberá alta logo! - O Doutor a comunicou — Já a Senhorita que deu entrada com ele, temo que não passe dessa noite. Ela quebrou muitos ossos e alguns órgãos foram perfurados também. Quem a atropelou não queria que ela sobrevivesse.
Bella não comentou nada sobre aquilo. Emmett conseguiu cuidar de tudo e Rose havia adiado o depoimento de Isabella para o dia seguinte pela tarde, de fato, se Victoria morresse seria um alívio para todos. Angel quase não se lembrava da mãe e poucas foram vezes, desde que Bella se casou com o seu pai, que a pequena perguntou por pela mãe biológica. Com o tempo, ela provavelmente esqueceria que um dia teve uma mãe chamada Victoria.
....................
Ao poucos as coisas foram voltando ao normal. Edward recebeu alta, mas precisaria passar algum tempo em repouso. Bella pediu licença da empresa para cuidar do marido, de fato, Victoria morreu, não havia como ela sobreviver, após tudo o que aconteceu.
Bella tomou todo o cuidado para contar a Angel que a mamãe dela havia falecido, a menina ficou triste por alguns dias, mas aos poucos ela foi esquecendo, futuramente não lembraria mais, já que Victoria não era uma mãe presente na vida da pequena.
-- Olá! - Ela disse entrando no quarto com uma bandeja de café para o marido.
-- Oi, meu amor! - Edward respondeu feliz – Como está Angel!
-- Ela foi para a Escola! - Bella disse — No entanto, antes de ir, ela passou aqui, mas você ainda dormia.
-- Ontem foi meio difícil dormir... - Ele reclamou com um sorriso cínico nos rosto — Eu sofri abuso físico!
-- Edward! – Ela disse corando e colocando a bandeja sobre a cama, ajudando-a a se sentar ali — Você não parecia com alguém que estivesse sofrendo alguma espécie de abuso...
-- Nunca um homem iria reclamar por receber carinho de uma bela mulher! - Edward disse maroto — Venha, tome café comigo! Já que você não me deixa sair dessa maldita cama.
-- Edward! Não seja ingrato, são as recomendações médicas! - Bella disse se sentando ao seu lado.
Edward pegou o copo de suco e então se deu conta de alguns documentos estavam na bandeja. Ele olhou para a esposa que apenas deu de ombro para o marido e sorriu timidamente.
-- Que papéis são esses? - Ele perguntou encafifado.
-- Por que não olha e descobre! - Ela disse bebendo um pouco de suco.
Edward fez exatamente o que ela dissera, pegou os documentos para si, primeiro, os seus olhos ficaram bem estreitos, depois um pequeno sorriso foi surgindo levemente no canto de seus lábios, e então, ele virou e olhou para mulher que estava com os olhos atento em cada movimento dele, esperando a sua reação.
-- Grávida? - Ele sussurrou ainda com aquele sorriso no cantinho dos lábios, ficando cada veze maior.
-- Seis semanas... - Ela disse com pequeno rubor na face e ainda sorrido para o marido.
-- Eu vou ser pai novamente? - Ele exaltou mais para si do que para Bella — Eu vou ser pai! - Ele repetiu.
-- De novo! - Bella anuiu.
-- Eu quero fazer amor com você!
-- Edward! - Ela disse corando ainda mais.
-- O quê? Eu não posso querer fazer amor com a minha adorada mulher?
-- Eu nem vou responder a isso!
-- Não precisa! - Ele disse sorrindo ainda mais para ela e com aquele olhar malicioso, que ela conhecia muito bem. — Só tem que tirar a roupa e rebolar gostoso.
-- Edward! - Ela gritou completamente vermelha, o que fez com que ele gargalhasse ainda mais.
-- Você é impagável Senhora Cullen! – Ele brincou puxando-a para perto e beijando os seus lábios levemente. — Precisamos contar para Angel. Acredito que ela vá pirar um pouco.
-- E se ela não gostar da ideia! - Bella diz mordendo os lábios.
-- Ela vai aceitar! - Edward garante fazendo um leve carinho no rosto da mulher — Ela ama você, e assim como eu, ela também quer ver você feliz. Ela sempre me perguntava o porquê de nós não lhe darmos um irmão. Bem, ela ganhou um agora e vai gostar muito, acredite!
-- E a sua mãe... - Bella lembrou escondendo o rosto na curva do pescoço dele.
-- A minha querida mãe... - Ele repetiu fazendo um carinho nas costas dela — Ela vai ter que aceitar que a família está crescendo, e que ela será avó de novo.
-- Eu amo você! - Bella disse dando um beijinho em volta do pescoço dele — E também, eu quero fazer amor com você... Só que Emmett está lá embaixo querendo falar com você agora.
-- Você me dá uma notícia tão boa quanto essa e agora vem com outra ruim! - Edward disse lhe afastando um pouco para olhar em seu rosto — Emmett poderá esperar um pouco, a final não estou com presa hoje.
As mãos dele foram mais rápidas. Ele puxou-a para o seu colo, levando as suas mãos diretamente para a bunda dela, enquanto a boca dele tomava a dela em beijo cheio luxúria e felicidade.

Bella sabia que a sua vida nunca seria como ela planejou, porque tudo era diferente agora e era bem melhor... Ela tinha ganhado tudo, uma família, uma filha que lhe amava de verdade, um marido que era o único amor de sua vida. Tudo estava perfeito agora, eles teriam um filho para comprovar o amor dos dois... ...uma parte dela e dele resultando em um novo ser... Ela ainda não sabia o sexo do bebê, mas sabia que aquela criança seria muito amada por eles.
Com a morte de Victoria, as coisas voltaram ao seu lugar e ela sabia que ninguém mais poderia machucá-la, e que Edward daria a vida por ela, assim como ela também daria a vida por ele.
Ela sabia que ele seria um problema desde o primeiro dia em que o viu, mas sabia também, que nunca poderia fugir dele, porque ela se sentia atraída por ele de igual forma... O amor era assim, acontecia quando menos se esperava e vinha como um furacão.
De tudo que aconteceu em sua vida, ela tinha apenas uma grande certeza...
Que tudo que ela queria era amar e ser amada por Edward Cullen e junto a ele ter o seu para sempre...


..........................
-- Menino! - Bella disse deitada na maca do consultório de sua Medica.
-- Menina! - Edward contradizia.
Aquela era a quinta vez que eles tentavam descobrir o sexo do bebê e nunca tinham sorte, mas tudo indicava que eles saberiam hoje. Bella torcia fortemente para ter um menino, porque Angel já era uma menina e ela tinha sonhado com um menino com os olhos de Edward. Já Edward desejava uma menina, com olhos de Bella e o sorriso meigo da filha, mas ainda não sabiam quem havia acertado.
-- Menino! - Bella dizia.
-- Menina! - Ele contradizia.
-- Menino! - Bella disse olhando feio para o marido.
-- Menina! - Ele disse sorrindo abertamente.
-- Sr. E Sra. Cullen! - A Médica Sasha Belicove disse sorrindo — Meus parabéns, vocês terão...


Fim!

domingo, 13 de setembro de 2015

Epílogo.


"O efeito dele sobre mim era como o da cafeína. Me deixava extremamente feliz e miseravelmente viciada.”
— red velvet

Epílogo

Saltos tocavam o chão de madeira, passos apresados nos corredores vazios, então uma porta se abriu com brutalidade e imediatamente se fechou.
-- Quanto tempo! - Edward exclamou puxando a mulher para si, beijando-a com vontade e desejo, enquanto a sua mão corria pelo corpo dela, livrando-a de suas roupas.
-- 45 minutos?!
-- O quê? Como?
-- Seja bem rápido, eles logo estarão entrando por essa porta! - Bella o lembrou.
Se passou três anos desde que tudo acabou, eles mudaram de cidade, foram viver em Forks, local em que o pai de Bella morava. Lá tudo era calmo e tranquilo, um ótimo lugar para criar as crianças.
Emmett e Rose apareciam nas festas de natal e nas férias de verão, naquele ano, eles não viriam porque Rose estava grávida e Emmett não queria que o seu filho nascesse em um avião.
Jasper se mudou para Londres depois de tudo o que houve. Já Alice, ela ainda não conseguiu superar os fatos passados, aqui e ali ela se envolve em algum romance, que os jornais têm o maior prazer em noticiar, mas nada que dure tempo o bastante para virar um namoro ou casamento.
Victoria continua sofrendo nas mãos de James, o qual foi colocado em liberdade condicional, ele deve se apresentar ao Tribunal todo final de mês. Bella cortou relações com Victoria, à última vez em que as duas se viram, foi em um café e Victoria acusou-a de não querer vê-la feliz e pediu que Bella ficasse longe de sua vida.
Em Forks, Edward abriu a sua própria empresa de publicidade, ainda era pequena, mas já tinha um grande prestigio pelas redondezas. Carlisle colocou Sue para tomar conta da Cullen, enquanto ele saia de férias prolongadas com a sua esposa Esme.
Elizabeth, mãe de Edward, ainda mantinha-se internada, não conseguia largar o vício pelo álcool.
Bella passou a ficar em casa cuidado dos filhos e do marido, ela ainda mantinha o sonho de ter algo que fosse apenas seu. Edward sabia disso e deixou claro que quando ela desejasse começar o seu próprio negócio, ele a ajudaria, mas por enquanto, ela preferia apenas cuidar de sua família, pois aquilo estava sendo a melhor coisa do mundo, e claro, ficar perto de seu pai em Forks, além de perto dos seus velhos amigos.
-- Por que eles não podem ficar mais um tempo na Escola? - Edward inqueriu enquanto Bella arrancava a sua camisa, jogando- no chão.
-- Porque seria ilegal! - Bella retruca mordendo levemente o ombro do amado.
-- Eles precisam dormir mais à noite! - Ele reclama.
-- Nessie só tem três anos! - Bella replica — Ela tem medo do escuro e gosta de dormir com a gente. Ela se sente mais segura assim.
-- Aí ela atrapalha o papai, de comer a mamãe!
-- Edward! - Bella se indigna divertida, batendo contra o peito viril do marido — Ela é nossa filha!
-- Eu começo a achar que ela faz de proposito! - Bella gargalha.
-- O tempo está passando rápido...
-- E você esta falando muito! - Ele disse puxando-a para o seu colo e penetrando-a de uma vez.
Bella estava de frente para ele, Edward olhava fixamente nos olhos da morena, enquanto a ajudava a subir e descer em seu colo, penetrando-a com intensidade.

 As mãos de Isabella estavam na lateral do rosto dele e a boca da menina escovava levemente a boca do marido, de um jeito deveras provocativo. Já fazia três semanas que eles não faziam sexo, os meninos não deixavam. Nessie invadia o quarto toda noite com uma desculpa diferente para dormir com os pais.
Naquela manhã Edward voltou mais cedo para casa, somente para ter uma rapidinha com a esposa, antes que as crianças voltassem da Escola.
-- Oh! Delicia! - Bella gemia mordendo os lábios — Mais forte, rápido, mais forte...
Edward jogou Isabella na cama, investido ainda mais forte contra ela, a buceta dela estava cada vez mais apertada.

 A perna de Isabella estava levantada bem ao lado da cintura dele, a mão da menina passava pelo rosto de Edward, que acabou chupando os dedos da mulher, mantendo o ritmo intenso de suas investidas, já fazendo Isabella urrar ainda mais alto.
-- Sem gritos! - Edward demandou tomando a boca dela ao mesmo tempo em que a penetrava bem fundo.
-- Droga! - Ela gritou — Eu estou quase gozando! - Ela fechou os olhos voltando a gemer, enquanto o membro dele entrava mais uma vez, profundamente nela.
-- Você continua ainda mais gostosa! Céus! - Ele gemia — Eu não posso mais ficar tanto tempo assim sem sexo! - Ele mordeu o pescoço dela, chupando-o.
-- Eu pensei que estivéssemos fazendo amor! - Bella pranteou, em meio as investida apressada deles.
-- Duvido querida! Isso aqui é sexo puro! - Ele admitiu enterrando fundo dentro dela e fazendo-a gritar. — S.E.X.O! - Ele recitou letra por letra.
A cabeça de Isabella caiu para fora da cama e logo os seus braços também, resultado de uma investida forte do marido.

 A boca da morena estava aberta, ela gemeia como cadela no cio, mas ela não poderia se conter, não quando o marido estava fazendo um sexo gostoso com ela... Algo que ela não tinha há mais de uma semana, devido aos caprichos de seus filhos. E naquele momento, tudo o que ela queria, era gozar com força no pau do marido.

Edward lhe agarrou por trás, um braço em volta do pescoço dela e o outro braço em volta dela, mas a sua mão acariciava o seios da mulher, enquanto ele investia dentro dela por trás, fazendo ambos gemerem e gritarem.
Bella soltou um grito alto de puro prazer quando conseguiu o seu tão esperado orgasmo, Edward ainda investiu duas vezes, antes de se libertar dentro da buceta apertada dela.
...........................
-- Mamãe! - Nessie e Thonny entraram em casa correndo e gritando.
Bella estava vestindo um vestido florido e os cabelos estavam presos, ela não teve muito tempo para se arrumar devidamente, tão pouco para tomar um bom banho. Edward desceu as escadas usando apenas uma bermuda preta e chinelos de dedo,
-- Sr. Swan ! - Ele cumprimentou o pai de Bella — Deseja algo para beber!
-- Claro! - Charlie disse — Está quente hoje, e esses meninos têm muita energia!
-- Herdaram tudo de Bella! - Edward brinca e olha para esposa com malícia, fato que a faz corar.
-- Ok! - Ela diz - Nessie, Thonny, meus amores, vamos lá, hora de lavar as mãos, que o almoço já está pronto! - Ela sorri para eles — Vai ficar para almoçar pai?
-- Vou sim! - Charlie admitiu -- Quando é que vocês vão dá-me outro neto? Eu quero mais netos.
-- Primeiro, os seus netos precisam deixar de invadir o nosso quarto à noite! - Edward explica — Porque senão, vai ser difícil lhe dar netos.
Bella corou como um tomate, o que fez o pai dela sorrir e se juntar a Edward no sofá, enquanto eles tomavam uma cerveja gelada. Não demorou muito e todos estava à mesa comendo e sorrido, combinando o feriado de 4 de julho. Edward queria acampar no quintal com as crianças, mas Bella queria algo mais do tipo, filme, pipoca e festa do pijama. Charlie já tinha os seus próprios planos, ele sairia para pescar do Billy, então não estava dando opinião nos planos da filha.
Bella estava na cozinha lavando as louças quando Edward chegou por trás dela, abraçando-a e beijando o pescoço dela.
-- Você não imagina a vontade que estou de comer você em cima dessa pia! - Ele sussurrou em seu ouvido e mordeu a ponta da orelha dela — Eu sei que você está sem calcinha Sra. Cullen!
-- Edward! - Ela disse corando e sentindo o corpo quente — O meu pai está na sala e os nossos filhos estão em casa, por favor!
-- Essa é a sua sorte! - Ele proferiu dando uma tapa na bunda dela e girando os pés — Você não imagina o que lhe espera Sra. Cullen...
Bella arregalou os olhos, igualmente ao gato de botas, o que fez Edward gargalhar mais do que deveria. Ele voltou para sala e ficou conversando com Charlie sobre o jogo que passava na TV.
..............................
Já era noite e as crianças estavam na cama, Bella entrou no quarto, mas Edward não estava lá, ela seguiu para o banheiro e trocou de roupa, quando ela voltou para o quarto, nada ainda de Edward, a morena já estava pronta para sair atrás do marido quando a porta da alcova foi aberta. Ele entrou usando apenas a calça do pijama.
-- Boa noite Sra. Cullen! - Ele disse sorrindo com malícia — Você está divinamente apetitosa!
-- Virei comida agora? - Ela perguntou travessa, já entrando na brincadeira.
-- Na verdade, você será a minha comida... - Ele acentuou sem a menor vergonha e aquilo fez com que ela ficasse rubra — Eu não entendo como ainda consegue corar depois de tanto tempo juntos.
-- Porque você é um depravado!
-- E você gosta!
-- Lógico... Ou você acha que eu me casaria com você, se você fosse um santo?
- Bom, não tenho jeito de santo! - Ele diz matreiro, chegando perto dela e puxando-a pela cintura – Eu não seria um bom santo, tenho pensamentos sujos sobre você, o tempo todo...
-- É mesmo? E quais são? - Ela instiga passando os braços em volta do pescoço dele.
-- Vamos ver... - Ele diz colocando o cabelo dela atrás da orelha — Há dias que eu quero ter você em minha mesa do escritório... Eu comeria você lá, com as pernas bem abertas e de todos os jeitos possíveis!

Bella suspirou e sentiu as mãos do marido em sua bunda, por cima da camisola preta, que ela vestia.
-- Mas também há dias, que imagino você deitada no meu colo e eu lhe dando umas boas palmadas...

-- E o que mais? - Ela perguntou eufórica.
-- Comer você no jardim daqui de casa... - Ele sussurrou arfante.

-- Você tem uma mente bem pervertida! - Ela percebe beijando o pescoço do marido.
-- E isso porque você não tem ideia de como eu vou comer você no chão da sala...

-- Merda Edward! - Bella diz gemendo de tesão — Você tá me deixando molhada.
-- Que bom! - Ele anui — Vou chupar você toda...
Ele sorriu malicioso para ela e a empurrou na cama. Bella sorriu com argúcia para marido que caminhou como felino em sua direção e quando ele estava pronto para subir na cama, a porta do quarto foi aberta, tanto Nessie quanto Anthony entrarem correndo.
-- Vamos dormi aqui! - Eles gritaram juntos se jogando na cama.
-- Oba! - Bella rezingou fazendo uma carinha triste para o marido, que tinha um olhar frustrado.
-- Tudo bem... - Edward disse se jogando na cama junto com eles — Eu amo vocês!
-- Eu também os amo! - Bella completou se juntando ao marido e prendendo os filhos em um grande abraço de família feliz.
Não demorou muito para que eles dormissem, em meio à folia e cosquinhas, eles logo cansaram. Conformados, os pais não pareceram se importar muito com a presença deles lá.
-- Amanhã... - Edward ponderou — ...eu vou agarrar você na cozinha!
-- Eles estão aqui e podem ouvir! - Bella sussurrou.
-- Relaxa, eles estão dormindo! - Edward garantiu — Já disse que amo você?
-- Não hoje...
-- Amo você, Sra. Cullen!
-- Não aceito! Do outro jeito, por favor!
-- Isabella Mary Swan Cullen, eu te amo muito! - Edward falou sorrindo e olhando para ela — E obrigado pela vida feliz que me dá todos os dias.
-- Você me deu as melhores coisas do mundo! - Ela falou emocionada, já com os olhos meio lacrimejados — Dois filhos lindos e uma vida de sonhos. Eu te amo!
-- Eu sei! - Ele anuiu presunçoso — E amanhã vou te fazer gritar isso bem alto!
-- Depravado! - Ela brinca feliz.
-- E você gosta assim!
-- Desse jeitinho! - Ela confirma sorrindo
Edward passou a mão por cima dos filhos e segurou à mão de sua esposa, fechando os olhos, ambos adormeceram. Sim, eles eram felizes e Bella não tinha duvida disso. O amanhã seria o vislumbre de novo dia para todos eles, porque aquele era o seu final feliz...

FIM.