Jul M

Oi

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Capitulo 5



“Tenho um humor variável. Já sorri tão intensamente que cheguei a perder o fôlego, e chorei escandalosamente a ponto de achar que o mundo estivesse desabando.”
— Pedro Pinheiro

Capitulo 5

Isabella vibrou quando o telefone de sua madrinha tocou aquela manhã, avisando que ela tinha sido selecionada para o estágio. A morena só faltou sair cantando e pulando de tamanho alegre.
-- Oh minha querida, fico feliz por você! - Sue disse abraçando a menina.
-- Se tudo dê certo, madrinha, logo eu sairei dessa miséria toda.
-- Oh querida, fico de todo modo feliz por você! - Sue voltou a dizer, claro que ela acreditava que a menina estava falando aquilo porque começaria a trabalhar em uma empresa grande e faria carreira ali.
-- Me ajude a vestir algo incrível!
-- Claro! - Sue anuiu — Eu tenho um vestido que é perfeito para você, minha querida.
-- Oh madrinha, você é a melhor.
Edward parecia mais ansioso do que o normal naquele dia, Alice, a sua irmã notou aquilo durante o café. Ele estava inquieto, meio inseguro, ela não sabia descrever, de fato, o que ele tinha, mas sabia que aquele não era o seu estado normal.
-- Algum problema? - Alice perguntou não aguentando mais.
-- Não... - Edward disse passando as mãos pelos cabelos. — Hoje começam os novos estagiários.
-- Que bom! É sinal de que você se agradou de algum.
-- Conseguir quatro estagiários ótimos. Assim espero!
-- Conseguiu um novo assistente pessoal, também? - Alice perguntou.
-- Sim, mas é uma garota, e bastante jovem. - Edward confidenciou — Foi a melhor de todos. Tem uma capacidade incrível.
-- Então por que a preocupação?- Alice quis saber.
-- Porque nunca vi alguém como ela antes, que dizer, já havia visto, mas era eu...
-- Então ela será uma ótima advogada, assim como você!
-- Acredito que sim. - Edward concordou — Ela é uma mistura de desejo, força de vontade, determinação, tudo na dosagem certa, além da capacidade ilimitada para resolução de casos.
-- Então qual é o problema? - Alice não entendia.
-- Sabe como são pessoas assim. Elas não veem limites, passam por cima de qualquer uma para ter o que desejam.
-- Edward, você não pode tirar conclusões sem antes ter contato ou conhecer a pessoa afundo - Alice ponderou — Sabemos que pessoas assim são como são, vivemos isso com os nossos pais e sabemos como terminaram... Eles estão morto e as pessoas que fizeram isso com eles presas, então, deixe-a começar a trabalhar, depois você tira as suas conclusões.
-- Ah irmãzinha, você tem toda a razão. - Edward assentiu abraçando Alice — Preciso ir, ela começará hoje, e provavelmente passaremos mais tempo trabalhando aqui em casa. Você sabe que vou à empresa bem vagamente, só em caso urgentes.
-- Então eu também irei conhecer a garota!
-- Com toda certeza. Vejo você à noite irmãzinha.
-- Até a noite!
..............
Naquela manhã Isabella chegou à empresa usando um vestido branco e preto, saltos altos e cabelos soltos. 

O vestido era de um ombro apenas e de alça, a menina usava maquiagem bem leve e estava deveras elegante. As costas do vestido eram em alguma parte nua, mas os cabelos longos da morena as cobriam.
-- Olá! - Ela disse parando enfrente a mesa de Irina, a loira que um olhar analítico para a jovem, que mesmo bem vestida, era visível que as suas roupas e seus sapatos não eram de uma grife famosa. — Fui encaminhada para cá pelo Doutor MCcarte.
-- Você irá falar com o Sr. Cullen, espere um momento. - Irina disse a muito a contragosto, pegou o telefone e avisou da chegada da estagiária ao chefe – Sr. Cullen, a Srta. Swan está aqui.
-- Irina mande-a entrar.
-- Claro! - A resposta do chefe deixou-a ainda mais intrigada, os novos estagiários nunca vinha falar com ele, normalmente eram espalhados pelos setores e só. — Você pode entrar. Bata na porta antes de entrar.
-- Claro! - Isabella disse olhando para loira, no mesmo nível em que ela olhava para ela. Com superioridade.
Duas batidas na porta, então a moça escutou “entre”. Isabella adentrou a sala do todo poderoso Cullen. A morena, primeiro, ficou deslumbrada com magnitude da elegância daquela sala, depois com a beleza daquele homem, algo que nem em seus melhores sonhos conseguiria descrever. Ela agora podia ver melhor e mais de perto o homem mais falado de toda cidade.
-- Srta. Swan! - Edward cumprimentou-a ficando de pé atrás de sua mesa — Sente-se, por favor! - Ele apontou para uma cadeira — Devo-lhe dizer que o seu teste de admissão foi incrível. Surpreendi-me com você.
-- Fico feliz! - Ela agradeceu — Só procuro me sair bem em meus objetivos. Satisfazer é a minha meta...
Edward engoliu a seco aquele comentário, por mais que ela tenha dito sem malícia, a sua mente pervertida teve o disparate de imaginar aquele comentário em outro sentido. Um pensamento que ele mandou para longe, ela seria apenas a sua assistente, nada mais do que isso e além do mais, ela era apenas uma menina de dezoito anos e já com um grande talento.
-- Analisei o seu currículo. Você estudou nas melhores Escolas, lógico, com bolsista. Estou a par sobre as suas condições financeiras e também sei que é bolsista integral na Universidade que cursa no momento. Você é a melhor aluna de sua classe, possui um nível de inteligência sem comparação e está finalizando o seu segundo semestres na Faculdade.
-- Você leu a minha ficha... - Ela disse meio sem graça, por ele saber que ela não possui condições financeiras relevantes.
-- Eu estou surpreso com a sua ficha. - Edward admitiu — Por isso tenho uma proposta para você...
-- Qual é a sua proposta? - Ela pediu.
-- Sempre direta?
-- Não gosto muito de rodeios.
-- Bom, nem eu! - Edward concordou saindo detrás da mesa e caminhando para frente, parando próxima a jovem — O seu currículo, a sua entrevista, o seu conhecimento... Você tem todas as qualidades que preciso, seria um desperdício de talento manter você em um setor qualquer. Eu preciso de uma assistente, que possa trabalhar comigo em meu escritório em casa. Há alguns casos que são muito pessoais e que urgem por total descrição. Você tem um ótimo conhecimento sobre leis, além da incontrolável vontade de aprender. A minha proposta é manter você como a minha assistente, trabalhando ao meu lado e acompanhar o seu desenvolvimento até o final de seu curso, se você for tão bem como foi na entrevista, garanto a você um lugar permanente em minha equipe e na empresa.
-- A sua proposta é bem mais do que eu esperava - Isabella disse — Eu aceito esse desafio.
-- Não esperava outra coisa de você...


Contínua..

sábado, 19 de dezembro de 2015

Capitulo 4


"Por favor, me salva desse imenso vazio que está me consumindo."
— Arctic Ocean.

Capítulo 4

Edward ficou admirado com o que viu, Irina teve que bater na porta duas vezes para pode chamar a atenção de seu chefe. Ele parecia perdido em seus próprios pensamentos.
-- Senhor! - Irina disse quando ele olhou feio para ela, ato que fez com que a loira se encolhesse de medo e receio. — O Senhor Fernandes lhe espera...
-- Diga-lhe que já estou indo! - Edward proferiu e se levantou da cadeira, então ele seguiu até a porta que dava acesso a sala de Emmett e abriu — Quero essa garota nas listas dos contratados! - Essas foram às únicas palavras dele para o amigo.
Edward tinha um ótimo senso de julgamento e sabia reconhecer quando alguém tinha potencial e Isabella Swan tinha muito mais do que isso... Claro que a beleza da moça era algo que contava ponto, não que ela fosse a mulher mais linda do universo, mas ela tinha presença e sabia usar aquilo em seu favor, era direta, não fazia rodeios, qualidade que ele admirava muito.
-- Fernandes desculpe-me tê-lo feito esperar tanto. - Edward pediu ao entrar e reconhecer o velho amigo. Fernandes fora amigo de seu pai e agora era amigo dele, também.
-- Não tem problema! - Fernandes compadeceu — Eu tive uma ótima companhia, a sua secretaria é incrivelmente linda!
-- Cuidado Fernandes! - Ele advertiu ao se sentar — Carmem é uma mulher ciumenta, se ela descobre as suas aventuras, você será homem morto.
-- Carmem é uma mulher admirável, mas o seu temperamento e incontrolável! - Fernandes anuiu sorrindo
-- Não quero ser grosso, mas a que devo a honra?
-- Oh, sim claro! - Fernandes disse rapidamente, passando as mãos pelos cabelos e sorrindo gentil — Eu vim pessoalmente lhe dar os parabéns. Soube hoje que você voltará a dar aulas na Faculdade. Fique muito feliz com isso, você é um professor extraordinário e aqueles alunos precisam de exemplos como você. Talvez assim, tenham mais motivação e inspiração.
-- O Reitor Aro Volture me fez uma proposta. Eu já estava planejando voltar a dar aulas, então ele me fez o convite e eu aceite! - Edward explicou — Já faz tempo que não dou aula, eu precisava me afastar um pouco da sala de aula, mas agora acho que já posso retomar essa minha paixão.
-- Nós somos quem agradecemos! - Fernandes pontuou — Você é, sem duvida, um ótimo professor e um excelente advogado.
-- Obrigado! Também tive bons professores, e você sabe, os meus pais me incentivaram muito.
-- Verdade! Os seus pais era ótimas pessoas, e sempre lhe apoiaram em tudo! - Fernandes lembrou — Mas não vamos falar de coisas tristes, eu vim só lhe dar os parabéns e dizer que estou feliz por isso. Vai ser bom ter você com companheiro de trabalho.
-- Obrigado novamente! - Edward falou – Devemos marcar um almoço, assim eu poderei rever Carmem e o seu filho, por falar nisso, como está Jasper?
-- Em Londres! - Fernandes respondeu — Ele está projetando dois prédios novos lá, depois segue para Dubai.
-- É, pelo visto, ele está mais bem encaminhado do que eu imaginava.
-- Fico feliz por ele esta seguindo os seus sonhos, mesmo eu não gostando muito disso, mas ele está indo bem na carreira que escolheu e terá um futuro brilhante.
-- Não há duvida disso! - Edward assentiu.
Fernandes ainda ficou alguns minutos conversando com Edward. O jovem deu a maior atenção ao velho amigo. Após a saída do homem, Edward voltou ao trabalho novamente.
Isabella não disse nada a sua mãe, nem mesmo disse onde tinha ido naquela manhã, apenas se arrumou e saiu. Renée sabia que a filha estava armando alguma coisa e que a qualquer momento ela descobriria, para poder ajudar Isabella. Sue, que era uma boa amiga da mãe da moça e adora Isabella, pois tinha a menina como um filha. Sue era um ótima costureira e tinha grande talento, era ela quem produzia as roupas da menina, e claro, Ângela, aqui e acolá, doava algumas de suas roupas para a amiga.
A vida da futura Advogada era cercada de miséria e golpes, ela nunca conheceu o pai biológico, tudo que sabia dele era que ele a deixou quando ela só tinha alguns meses de nascida. Ela ficou para trás com uma mãe alcoólatra e com péssimo gosto para namorados.
-- Olá madrinha! - Isabella disse entrando na casa da Senhora.
-- Querida! - Sue exclamou olhando para ela por cima dos óculos de grau. Ela tinha nas mãos um tecido, que com toda certeza, se transforaria em uma bela roupa — Estava sumida!
-- Andei meio ocupada! - Isabella respondeu se sentando no sofá — Estou vindo de uma entrevista!
-- Sério? - Sue ficou surpresa, não que a menina fosse folgada, ou algo assim, Isabella sempre trabalhou e algumas vezes, ajudou a mãe dela em alguns golpes.
-- Sim! - Ela assentiu — Hoje fui a uma entrevista na Firma Cullen!
-- Querida, isso me parece ser coisa grande.
-- Sim madrinha! É uma ótima empresa de advocacia e com sorte, eu conseguirei ficar lá.
-- Claro que conseguirá minha querida! - Sue afirmou deixando de lado a roupa que costurava — Você é muito inteligente e bem preparada. Sempre estudou muito para ter o que tem.
-- Vamos ver madrinha...
Havia um brilho nos olhos da menina, algo que demonstrava desejo e força. Sue sabia disso porque já tinha visto aquele mesmo brilho nos olhos da menina muitas vezes.
....
Já era noite quando Emmett se juntou a Edward para lhe dar o relatório das entrevistas daquele dia. Edward olhou com atenção cada relatório, e assim como ele, Emmett também ficou surpreso com desempenho da Swan.
-- Ela foi a melhor de todos. - Emmett disse — Ela possui uma confiança inacreditável, mas achei ela soou meio arrogante.
-- Ela destroçou os três casos, apenas usando as teorias apreendidas em sala de aula. - Edward pontuou — Sim, eu vi cada entrevistado por de trás do vidro, e ela realmente foi a melhor de todos. Quero-a em minha equipe, principalmente, quero-a como a minha assistente pessoal.
-- Como desejar... - Emmett concordou — Não teria nem como descartá-la, foi a melhor!
-- Quem são os outros escolhidos? - Edward perguntou.
-- Kate Denali, Peter Park, Alex Blocke... São apenas esses, ficaremos com quatro, contando com Isabella.
-- A Srta. Denali foi uma surpresa, nunca imaginei que ela seguiria os passos dos pais.
-- Ela vem de uma grande família de Advogados, não entendo porque ela não tentou um estágio na empresa do pai.
-- Lá ela não teria o devido valor. Seria sempre a filha do dono. Eu a entendo. - Edward ponderou — Pode contatar com todos, mas a Srta. Swan... Mande-a diretamente para a minha sala, os demais divida entre os setores.
-- Claro! - Emmett disse sorrindo — Eu preciso ir agora. A minha esposa chegará hoje de viagem e você sabe como ela fica quando eu me atraso para o jantar.
-- Claro, mande lembranças minhas para Heidi.
-- Com prazer! Te vejo amanhã.
-- Até mais!
Edward tentou se concentrou nos papéis em sua mesa. O rosto da menina a quem acabara de contratar, não lhe saia do pensamento, é claro que ele não sabia muito sobre ela, a não ser que alguns dias atrás ele quase a matou quando a atropelou. Mas ele não conseguia esquecer-se do quanto ela era linda e extremamente inteligente. Emmett tinha razão, ela possuía um ar arrogante em seu olhar.


Contínua...

sábado, 12 de dezembro de 2015

Capitulo 3


"O mundo não é ruim, apenas está mal frequentado."
— Tumblr.

Capitulo 3

O caminho de volta para casa foi feito em silêncio. Isabella estava envolta com os seus pensamentos bem longe. Ao final, ela agradeceu ao motorista que ela nem sabia nome. Ela e a sua família saíram do carro e voltaram à realidade em que viviam. Já dentro de casa, Renée não aguentou mais e cuspiu as palavras.
-- O que se passou Isabella? Será que você não notou que ele era um homem rico?
-- Claro que notei Renée! Não só notei como sei muito bem quem ele é.
-- O que quer dizer? - Renée quis saber interessada
-- Ele é ninguém mais, ninguém menos do que Edward Cullen. O melhor advogado de todo o país. Ele é dono da maior Firma de Advocacia de nosso estado. Ele é deveras conhecido por suas grandes atuações nos tribunais.
-- Melhor ainda menina burra! - Phil disse irritado — Nós teríamos arrancado uma boa grana daquele Mané!
-- Cale a sua boca! - Bella o repreendeu — Você não é ninguém nessa casa, e fracamente, eu estou cansada demais para dar atenção para vocês dois.
-- Isabella! Volte aqui e não me deixe falando sozinha! - Renée gritou, mas a menina já havia se trancado em seu quarto.
Enquanto Isabella pensava no futuro brilhante que ela poderia ter, se conseguisse se aproximar do Cullen, Edward não conseguia tirar o rosto inocente da menina de sua memoria.
-- Terra chamando! - Emmett estralou dedos na frente do rosto do amigo — Você está distante, cara.
-- Desculpe-me! – Ele replicou passando a mão pelos cabelos — Hoje meio que atropelei uma garota!
-- Como?
-- Mas eu consegui frear a tempo! - Ele tranquilizou o amigo — Contudo, não consigo imaginar o que teria acontecido se não tivesse conseguido.
-- Mas a jovem está bem? Você prestou os primeiros socorros?
-- Claro! E sim, ela está bem.
-- Então, por que está tão preocupado?
-- Porque ela era muito jovem ainda! - Edward justificou — Lembrei-me do acidente dos meus pais.
-- Entendo... - Emmett assentiu — O bom é que está tudo bem, a garota segue viva e você não matou ninguém.
-- Sabe o que é mais incrível?
-- O quê?
-- Os pais dela...
-- Como assim, Edward?
-- Eles são dois picaretas nitidamente falando. - Edward disse — E me acredite, ainda bem que ela estava bem, porque tenho certeza de que se ela tivesse se machucado, eles teriam arrancado até as minhas calças naquele momento.
-- Fala sério! E a garota?
-- Ela pareceu ser a única com juízo na família! - Edward respondeu — Ela reconheceu que atravessou a rua sem olhar, mas eu também não disse que estava ao celular, contudo, eu prestei ajuda mesmo assim, ambos estávamos errados, de fato.
-- Bem, você fez a sua parte, agora já foi!
-- Ainda bem Emmett! - Edward anuiu sorrindo — Vamos começar a trabalhar, até porque a reunião já foi perdida mesmo.
Naquela manhã, Edward estava apreensivo demais para prestar atenção em alguma coisa. Ele que fazer as entrevista para os novos estagiários, decidir sobre quais tinham potencial para trabalhar ali, e claro, em meio a vários candidatos, encontrar alguém competente o bastante pra ser o seu assistente pessoal, trabalhar lado a lado com ele.
Naquela mesma manhã Isabella acordou bem animada, a morena tinha planos... Quando ela achava que já estava se conformando com a vida miserável que tinha, algo novo aconteceu, e ela precisava tentar a sorte, e seria naquele dia. Então, ela se colocou incrivelmente linda para ir a entrevista e tenta uma das vagas no escritório do Cullen.
Ela sabia que não seria única em almejar uma vaga ali, mas de fato, ela tinha grande potencial, não era à toa que conseguira uma bolsa de estudos em umas das melhores Escolas de sua cidade, além de no momento estar em uma das Faculdades mais renomadas do país.
Edward se manteve escondido por de atrás de vidro duplo, igual aqueles de Delegacia, de onde era feito reconhecimentos incógnitos. Ele acompanhou cada das entrevistas, e a cada novo candidato, ele se sentia ainda mais frustrado. Apenas três pessoas possuíam um nível de conhecimento bom para o estágio proposto, mas nem um dos três, se mostrou bom o bastante para ser o seu assistente pessoal.
-- O que foi agora Irina? - Ele perguntou de mau humor.
-- Desculpe-me! - Ela sussurrou tímida — É que o Senhor Fernandes está aí e deseja falar com você.
-- Diga-lhe que espere. Eu assistirei a essa última entrevista e já vou ao encontro dele. Até lá o deixe bem à vontade.
-- Claro Senhor!
Irina já era a sua secretaria a algum tempo. A mulher sempre teve uma paixonite por ele, algo que não passava despercebido por Edward, mas a sua ética moral era bem maior, então ele nunca deu uma chance para jovem.
-- Próximo! - Emmett pediu. Ele estava ajudando Edward naquela missão – Sente-se Senhorita, por favor... Srta. Swan, eu vejo que você tem um ótimo desempenho em seus estudos, além de ser a melhor aluna de sua turma.
Emmett ficou meio bobo com a beleza da menina, e claro, Isabella se valia disso também, pois vestia uma saia preta, estilo secretaria e blusa branca, meio decotada e Emmett era um homem como qualquer outro e não estaria tão imune aquela beleza toda.
-- Sim! - Ela assentiu sorrindo — Eu sou a melhor aluna da turma. Possuo as melhores notas e o melhor potencial de crescimento.
-- Além de ser dona de uma alto-confiança inabalável! - Emmett pontuou dando um sorriso de canto de lábios.
-- Verdade! Se eu não confiar em meu potencial, quem é que vai? Você?
-- boa! - Emmett concordou — Temos três casos distintos, bem aí a sua frente. Escolha dois e me der o melhor parecer, quando acabar lhe farei uma pergunta.
-- Certo...
Isabella olhou rapidamente, pegando dois dos três casos sobre a mesa, ela analisou ligeiramente as situações e então rabiscou algo no papel a sua direita, depois devolveu a mesa. Não se passou nem vinte minutos até ela concluir a tarefa.
-- É uma piada? - Ela perguntou e Emmett levantou uma sobrancelha.
--Srta. Swan, eu não entendi...
-- São ridículos esses casos... - Bella disse se levantou — Primeiro, o cara é penalizado por seis a sete anos de cadeia. Não existe prova mais concreta, a não ser o seu DNA no local do crime. O qual pode ter sido implantado e se ele não tem um álibi seguro e confiável será condenado. O segundo, bem, foi suicídio. Ela tomou remédios em grande dosagem. Havia o DNA e as digitais dela nos fracos. Ela, claramente, cometeu suicídio e francamente, eu esperava mais...
-- Tem uma mente bem esperta! - Emmett elogia — Dê uma olhada no terceiro caso...
-- Pena de morte! - Bella falou sem titubear — Ele será condenado a pena de morte. Ele matou e esquartejou. Ninguém conseguirá provar a inocência dele, a única saída seria alegar insanidade!
-- Realmente, o seu potencial é incrível! Já que você consegue afirmar o que disse com apenas uma simples analise.
-- São apenas casos falsos. Em casos reais, seria preciso acompanhar tudo com mais profundidade, as investigações seriam mais precisas, as provas examinadas em detalhes, bem de perto, passo a passo.
-- Srta. Swan, eu tenho que admitir que você fosse a melhor candidata que já passou por essa sala.
O sorriso de Isabella fora discreto, mas ela se sentia o máximo pro dentro. Ela sempre teve um bom desempenho em sala de aula, sempre teve um faro para as coisas, sabia exatamente como resolver cada caso. Claro que, os motivos que a levaram a entrar na Faculdade de Direito não foi amor à profissão, mas uma forma de aprendizado para driblar a lei.
-- Entraremos em contato com você, em breve. - Emmett garantiu —Tenha um bom dia!
-- Obrigada! - Isabella disse se levantando e lhe oferecendo a mão para um aperto firme.
A morena sabia que seria contratada, era visível a admiração nos olhos daquele homem, e claro, ela sabia que a sua beleza havia o impressionado também.

Contínua...

sábado, 5 de dezembro de 2015

Capitulo 2


"Existem muitas coisas que o tempo não pode apagar."
— Evanescence

Capitulo 2

Naquela manhã, Edward acordou meio perturbado. Já fazia algum tempo que ele não sonhava com Tania, a sua ex-noiva, que o deixou no altar há alguns anos. Ele nunca falava sobre o assunto, mas sempre se recordava do ocorrido. Alice, a sua irmã mais nova, tinha medo que ele tivesse outra recaída e voltasse a beber novamente.
-- Você me parece preocupado... - Alice disse olhando de sua cadeira para ele.
-- Amanhã começará a seleção de estagiários para empresa.
-- Você sempre escolhe os melhores. Por que está nervoso? - Alice não acreditou muito naquela desculpa.
-- Dessa vez não sei bem, quais seriam os melhores... - Ele fechou os olhos e suspirou — Está cada vez mais difícil de achar pessoas competentes e comprometidas.
-- Você vai conseguir encontrá-las! - Alice assegurou.
-- Espero que sim! - Edward disse passando as mãos pelos cabelos — Ano passado foi bem complicado, já que só consegui dois estagiários que tinham o nível que precisávamos.
-- É melhor esperar e amanhã descobrirá o que lhe espera.
-- Não tenho outra escolha mesmo... - Edward disse sorrindo — Eu tenho que ir agora, eu preciso me reunir com alguns sócios essa tarde!
-- Você vem jantar em casa?
-- Claro!
-- Tudo bem! Vejo você mais tarde. O que deseja para o jantar?
-- Qualquer coisa serve Alice! Até mais tarde irmãzinha.
-- Até Ed!
......................
O tempo é algo que ninguém consegue controlar e Isabella sabia bem disso, naquela tarde quando chegou a sua casa encontrou a mãe na companhia do novo namorado, Phil Dwyer, um cara que ela não suportava e o odiava, mas a sua opinião não importava muito para a sua mãe. Em meio ao almoço, ela acabou batendo boca com o namorado da mãe, Renée como sempre, entrou em defesa do cretino e acabou batendo em Isabella, deu uma tapa que lhe deixo a marca de sua mão, não só no rosto da moça, mas principalmente em sua alma. A menina saiu de casa sem se dar conta de nada, caminhando sem destino e nem rumo.
Enquanto Isabella vagava pelas ruas, Edward dirigia o seu Lamborghini clássico, na cor preta. Ele se distraiu por um segundo, para poder atender o seu celular, o homem estava a caminho de sua firma e pela primeira vez, estava deveras atrasado.
Foi apenas uma fração de segundos, mas aquilo colocou em perigo a vida de ambos. Edward freou com brutalidade, os pneus comeram o asfalto... Isabella gritou assustada, desmaiando em seguida.
Nos hospital, os médicos examinavam Isabella em uma das enfermarias, enquanto do lado de fora, Renée e Phil ameaçavam processar o jovem Cullen, mal sabia ele que Phil era um tremendo picareta e sempre tentava tirar proveito das situações inusitadas, e claro, não seria diferente desta vez, já que ele notou que o homem que atropelou a sua enteada era rico.
-- Nem pense em fugir! - Phil disse fingindo indignação — Eu já vi o seu rosto e anotei a placa de seu caro. Você não vai se livrar dessa tão fácil, se alguma coisa acontecer com a minha pequena, você vai tá bem encrencado, cara.
-- Meu Senhor, eu não tenho a menor intenção de fugir, tanto que fui eu quem prestou os primeiros socorros para a jovem.
-- Oh Céus! A minha menina! - Renée de fato estava preocupada com Isabella, mas era só em termos, muito material e bem pouco materna.
-- Parentes e familiares da Srta. Swan! - O médico chamou.
-- Somos nós! - Renée levantou a mão — Eu sou a mãe dela e ele é o padrasto.
-- Bom, a Srta. Swan está bem, nada de grave, nem uma fratura, somente pequenas escoriações e alguns arranhões! - O médico explicou quando viu que eles não entenderam.
-- Então, ela ficará bem? - Renée perguntou.
-- Claro! - O médico que era um senhor de certa idade disse e sorriu — Ela já recebeu alta! Preciso que ela procure um médico com urgência, caso ela sinta alguma tontura ou sonolência além do normal, fora isso, a Srta. Swan pode fazer tudo que está acostumado a fazer.
-- Isso e ótimo! - Edward palpitou — Então não aconteceu nada grave, de fato?
-- Não, apenas um susto! - Ele confortou — E você, meu jovem, agiu rápido e está de parabéns.
-- Obrigado! - Edward disse e agradeceu ao médico — Bem, eu levarei você até em casa, o meu motorista está lá fora esperando.
-- Querida! - Renée disse quando Isabella saiu do quarto do Hospital — Oh, não sabe como fique preocupada!
Renée abraçou Isabella como se ela fosse sumir a qualquer momento, a menina não entendeu patavinas, até que os seus olhos focaram no homem de terno e engravatado. Ele era incrivelmente lindo, e claro, estava na cara de que ele era rico, então era daí que vinha toda a preocupação da Renée, ela queria mostrar que tinha amor pela filha.
-- Eu estou bem! - Ela disse dando um sorriso gentil — Nada de grave, já podemos ir embora.
-- Desculpe! - Edward disse levantando os óculos escuros — Eu não tive culpa, você apareceu na minha frente de repente.
-- Não jogue a culpa para cima de minha menina! - Phil disse e Bella olhou querendo arrancar os olhos dele.
-- Eu sei! - Bella assentiu — Eu atravessei a rua sem olhar, você não teve culpa, sei bem disso.
-- O quê? Querida! - Phil disse e Bella levantou a mão mandando ele se calar.
-- Está tudo bem! - Bella sorriu gentil – Vamos, eu preciso descansar!
-- O motorista levará você em casa! - Edward garantiu — Acredito que seja o mínimo que eu possa fazer!
-- Obrigada! - Bella disse — Eu aceito sim! Vamos mamãe. Phil você vem também?
Renée não entendeu nada, normalmente Bella tentaria algo. Tentaria tirar algum dinheiro, ela sempre viu o lado da vantagem financeira em todas as situações. Ela faria qualquer coisa para sair da miséria, mas nesse caso, que ela poderia tirar um bom proveito, a moça não fez nada, fato que deixou Phil e Renée meio surpresos. Não seria a primeira vez que eles aplicariam um golpe desses, Isabella já havia aplicados outro golpe assim com a ajuda de sua mãe.
Sim, ela era uma menina dedicada aos estudos, mas as suas condições financeiras eram limitadas e ela também gostava de ter uma pouco de luxo. Ela parou com os golpes quando conheceu Ângela, a sua melhor amiga hoje em dia. O que Renée não entendia era o porquê dela não ter feito algo para lucrar com o acidente, excerto, aceitar a carona do homem rico.

Contínua...

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Capítulo 1


“Não adianta, não sei explicar. As palavras traem o que a gente sente.”
— Caio Fernando Abreu

Capítulo 1

Isabella olhava mais uma vez para fora da janela da sala. Ela estava distraída pelos vários carros parado no estacionamento, ao seu lado estava Ângela, a sua melhor amiga desde a época de Escola. A morena parecia estar com pensamento longe, enquanto o Professor Fernandes ministrava a sua aula, esperando que todos os alunos presentes estivessem prestando atenção.
Claro que para Isabella não era problema, já que ela era muito esperta e inteligente. A jovem estudou nas melhores Escolas do país, sempre como Bolsista, graças a sua força de vontade de vencer na vida. Assim sendo, a moça havia ganhado uma Bolsa de Estudos integral para a Faculdade de Direito. As suas notas eram sempre altas, possuía um cognitivo bem elevado, além de sua força de vontade em se tornar alguém de sucesso na vida, fato que a motiva a ser cada vez mais aplicada.
-- Srta. Swan, a qual seguimento, nós deveríamos recorrer nesse caso? - O Professor Fernandes perguntou.
-- Ao Direito Pena! - Isabella disse como se fosse à coisa mais óbvia — Foi um crime cometido contra um cidadão de bem, então recorremos ao Direito Penal.
-- Muito bem Srta. Swan! Como sempre, está deveras atenta a minha aula! - Ele sorriu gentilmente para ela.
O problema era que Isabella sabia que esse velho hipócrita estava dando encima dela descaradamente, ela apenas fingia não ver, mas tinha ciência do fato. Isabella era uma mulher bonita, na verdade, uma garota bonita, já que ela tinha somente dezoitos anos e era a mais jovem da classe, além de Ângela, a sua amiga.
-- Achei que você não estava prestando atenção na aula! - Ângela sussurrou.
-- Eu estou bem atenta a tudo, Ângela! - Isabella respalda e ficou feliz pelo sinal ter batido. — Acho que já podemos ir para a próxima aula!
-- Tudo bem! - Ângela disse recolhendo as suas coisas.
-- Srta. Swan, você vai se candidatar ao estágio da Firma Cullen? – O Professor Fernandes lhe perguntou.
-- Não acho que consiga passar! - Bella disse dando um sorriso sem graça.
-- Deveria fazer isso. Você tem muito potencial! - Ele argumentou — Mas se não conseguir a vaga, eu posso lhe arrumar uma em meu Escritório... O que acha?
-- É muito gentil de sua parte! - Bella agradeceu enquanto puxava a sua bolsa — Vamos Ângela?
-- Ele é um cretino! - Ângela disse quando já estava fora da sala de aula — Ele dá encima de você descaradamente — Bella bufou de raiva — Ele é muito velho, e pior ainda, é casado e fica se jogando para cima das alunas.
-- Deixa isso para lá, Ângela! - Bella pede.
-- O que aconteceu? Você está muito calada hoje!
-- Eu sei... Só pensando...
-- Bella, você sabe que pode sempre contar comigo, não é?
-- Eu sei... - Ela divaga e sorri gentilmente para a amiga – Lá vem Ben, acho que estarei sobrando agora.
-- Sabe que pode ficar!
-- Não, na verdade, estou passando o cargo de vela! - Bella sorri —Vejo você depois!
-- Hei! - Ângela chamou-a antes que ela sumisse — Qualquer coisa me liga, eu estou aqui sempre.
-- Eu sei, eu sei!
Ângela era uma menina rica, que nunca precisou passar por sofrimentos, ou mesmo, necessidades básicas, nunca sentiu o que era passar fome, noites mal dormidas com o estomago roncando. O pai dela era um renomado médico e ganhava muito bem para que ela não passasse por nada daquele tipo. Ela tinha uma família perfeita, mesmo após a morte de sua mãe, tinha um pai carinhoso, um namorado rico e lindo e que a amava acima de tudo.
No fundo, Isabella tinha um pouco de inveja da amiga, já que ela sempre foi rodeada por tudo aquilo que Bella sempre desejou. Não que a futura advogada se importasse muito com fato de Ângela ter tido pais amorosos. Na verdade, Bella não sabia muito sobre afeto, já que a sua mãe era rancorosa e o seu pai havia sumido no mundo e ninguém sabia de pista alguma sobre ele. Carinho e amor nunca tiveram vez na vida da jovem. Quando achou que tinha encontrado algum afeto, ela descobriu que era tudo fingimento. Então a jovem jurou se vingar de cada um daqueles que um dia a ridicularizaram na época de escola, dentre eles Mike Newton e Jessica.
Mike foi namorado de Bella, mas quando ele descobriu que ela era de origem humilde, o rapaz humilhou-a perante toda a turma deles. Já Jessica era uma garota nojenta que nunca conseguiu engolir o fato de Mike te tido olhos para a menina pobre, por causa disso, ela passou a fazer da vida de Isabella um inferno e sempre que podia, humilhava ela e ridicularizava a moça. Hoje em dia, ambas estudavam na mesma Faculdade e era meio difícil escapar do passado que as rodeava.
-- Vejam só... - Jessica disse zombando ao lado de Lauren – ...se não é a pobretona da Faculdade! Hey, espera! Essa roupa que você veste não é herança de Ângela? É a coleção passada, está vendo Lauren?
-- Totalmente!
-- Por que vocês duas não viram as costas e se afogam no chafariz da praça central, hein? - Bella revida ironicamente — Assim ficaremos todos felizes. Vocês duas mortas e eu aqui ainda viva e linda!
-- Vadia de merda! - Jessica replicou irritada — Não pense você que me esqueci do constrangimento ridículo que você me fez passar na aula.
-- Então deveria ter estudado! - Bella disse sorrindo com ironia — OPS! Esqueci! O seu cérebro é do tamanho de um amendoim.
-- Sua...
-- Sua... O quê? Preste muita atenção, Jessica... Eu quero é mais que você e os seus amigos se fodam! Agora que já sabe, suma das minhas vistas e me deixe em paz.
-- Vai ter volta Swan! - Ela ameaçou.
-- Claro! Quando você, por exemplo, tiver um cérebro, talvez até role isso!
Bella deu as costas para Jessica que ainda bufava de raiva, mas ela não seria louca de fazer algo em público, aquele não era o seu estilo. Ela era como cobra silenciosamente e atacaria novamente. Bella sabia que Jessica nunca a deixaria em paz, até porque sempre que alguém se aproximava dela, Jessica tinha o prazer de lembra a todos que Bella era uma pobretona, e assim, as pessoas voltavam a se afastar dela.

Contínua...

Segundas intenções.




SEGUNDAS INTENÇÕES
Existem pessoas que não se importam com quem vão ter que machucar para poder chegar aonde deseje. Há também outras que estão sempre dispostas a ajudar quem precise.
Duas realidades diferentes, de um lado, o poder e a ganância, do outro, o amor e a bondade.
Edward Cullen, um famoso Advogado conhecido por sempre vencer casos jurídicos importantes e por ser o dono majoritário da Cullen Advocacia. Isabella Swan, uma aluna de Direito, que tem como único objetivo, se casar com um homem rico e sair da pobreza em que sempre viveu.

O que começava como apenas um jogo de sedução e ambição, poderia virar um algo mais... Bem mais do se poderia esperar. O que seria apenas um negócio rentável, já estava ficando cada vez mais envolvente e fora de controle... Como tudo aquilo terminaria?

terça-feira, 13 de outubro de 2015

De Olhos Bem Fechados-- Epílogo

Epílogo

Edward Cullen

Gêmeos, foi o que a médica nos disse há um ano, Bella estava grávida de duas crianças e não apenas uma. Nossos filhos. Não que Angel não fosse considerada como nossa, por mais que Bella aceitasse a minha filha com Victoria como a sua própria filha, Angel nunca teria o sangue de minha mulher, mas a dedicação, o carinho e o amor para com a minha querida filha, ela tinha e eu seria eternamente grato a Bella por isso.
Quando Sasha disse que Bella esperava gêmeos, não houve reação nem de minha parte ou de Bella, a minha querida esposa levou basicamente de cinco a dez minutos para desabar em um choro silencioso e calmo, em meios às lágrimas, havia também um grande sorriso, havia um brilho colossal nos seus lindos olhos castanho, que demostravam toda a sua alegria.
Eu tinha mesmo que confessar que eu não esperava... Com Angel foi difícil, porque Victoria sempre deixou claro que nunca quis a nossa filha. Eu fui pai e mãe dela, então tive noites mal dormidas, devido aos problemas com cólicas matinais, madrugas de plantões em médicos com minha filha. Eu fique com medo devido às más lembranças, contudo Bella não era Victoria e nunca seria, eu bem sabia desse fato, talvez fosse por tudo o conjunto de bondade, dedicação despretensiosa, amor incondicional, que eu fosse completamente apaixonado por ela.
Os dois primeiro meses foram os piores, não vou mentir, Bella ficou insuportável, vomitava sempre, enjoou bastante, até mesmo comigo brigava sem motivos. Se a medica não tivesse me explicado que ela ficaria mais sensível e até mais emotiva, eu acharia que Bella estava fazendo drama, se bem que algumas vezes ainda achava isso, principalmente quando estava tudo bem entre nós e eu acabava por fazer algum comentário e ela levava para o lado errado, ou entendia tudo errado... E assim começavam as brigas, os gritos e quando eu respondia de volta, ela sempre chorava.
No terceiro mês as coisas voltaram mais ou menos ao normal, já que Bella deixou a todos nós em estado de alerta quando desmaiou no banheiro. Diana encontrou-a desmaiada em uma pequena poça de sangue. A Doutora Sasha nos mandou redobrar os cuidados com Bella, porque a gravidez poderia ser de risco.
E foi o que todos fizemos. Eu me afastei da empresa, deixando Emmett no comando e Rose lhe ajudando, ambos aceitaram na boa, até porque, Emmett estava convencido que seria o padrinho de Noah, pois o padrinho de Ana seria Charlie, o seu avô. Passei mais tempo com Bella e aquilo deu uma maior segurança a ela. Eu aparecia na empresa somente em casos de emergência e até a minha mãe, dona Esme, esteve mais presente em nossas vidas. Ela ainda não era lá muito fã de Bella, mas ao saber que ela seria avó de novo, deixou-a, de certo modo, feliz e mais complacente em relação à Bella.
Os outros meses se passaram calmamente e sem muitos sustos, Bella ainda estava muito emotiva, ainda chorava sem motivo, mas ainda bem, que o seu bom humor estava de volta. Ela sorria e brincava constantemente com Angel, a minha pequenina também ajudou muito a mamãe, ela também deu palpites na decoração dos quarto, escolheu roupinhas e brinquedos. Apesar disso, nós tivemos problemas com Angel também...
Angel aceitou a gravidez, de certo modo, bem rápido, contudo quando descobriu que seria mais de um, ela ficou preocupada e até triste, depois descobrimos que ela tinha medo de deixarmos de amá-la, lhe trocando pelos seus irmãos.
Bella teve toda paciência ao dizer que jamais deixaríamos de amá-la, e que a chegada de seus irmãozinhos, só fazia de nós uma família maior, mais unida e cheia de amor.
A gravidez da minha adora e querida esposa teve o seu lado bom também, além de ela está gerando duas criaturinhas, metade minha e a outra dela, Bella desencadeou um lado, que eu não tinha como reclamar, o seu apetite sexual ficou cada vez maior, mais intenso e mais exigente.
Bella desejava sexo o tempo todo e quando nos amávamos, era perfeito! Era impossível resistir aos seus ataques e as suas vontades insaciáveis. E francamente, que homem, em sã consciência, reclamaria de ser atacado por uma mulher linda e sexy como a minha esposa, duvido muito que isso acontecesse, pelo menos não comigo!
Perdi as contas de quantas vezes fui acordado pela boca quente de minha mulher em volta de meu pau. Quando eu acordava era impossível não me excitar ainda mais com cara de safada que ela fazia, então voltava a devorar o meu pau como se fosse uma das coisas mais doce do mundo.





Ainda teve uma vez que ela me atacou, enquanto voltávamos do médico, dentro do carro, ela simplesmente montou em encima de mim e gozou gostoso no meu pau, no estacionamento do consultório médico.

 Também houve as várias e várias vezes em que ela me atacou dentro do banheiro, e claro, em nossa cama.


O parto de Bella foi adiantado em três semanas, devido ao seu estado de dupla gravidez, ela estava muito inchada e já sentia dores, achamos melhor que ela tivesse antes as crianças, até porque, parto de gêmeos sempre há um risco estatístico.
Noah Anthony e Ana Bella nasceram perfeitos, ambos tinham herdado os meus olhos. Ana Bella os cabelos da mãe e Noah os meus. O sorriso e o nariz pequeno herdaram da mãe. A teimosia de Bella, apenas Ana obteve. Ela era a que mais chorava e reclamava na hora do banho, contudo aqueles foram dias felizes, e agora tenho os meus amores, completando um ano de vida e todos com quem me importo, estavam aqui em minha casa, comemorando com a gente nossa grande alegria.
E sim, Emmett é o padrinho Noah. Bella aceitou o fato como se fosse à coisa mais natural do mundo. Eu ainda acredito que ele seja uma péssima influência para o meu filho, mas pelo menos Rose, que é a madrinha, tomará rédeas do marido, assim espero!
Rose está grávida, quem diria a loira sedutora e uma verdadeira destruidora nos tribunais, estava grávida. Já Charlie e Sue são os padrinhos da pequena Ana Bella, que adora o avô, de maneira, que me faz ter um pouco de ciúmes aqui e ali.
-- Hey papai! Já está na hora de cortamos o bolo! - Bella me chamou, eu sorri para ela da varanda.
-- Se alguém me contasse, eu diria que era mentira! - Emmett comentou garboso — Você casado e pai de família? Claro que isso já aconteceu antes, mas foi com a pessoa errada.
-- Sou grato a Victoria! - Eu replico — Ela me deu uma das coisas mais importante de minha vida!
-- É, mas Bella te deu as outras duas! - Emmett implica sorrindo.
-- Ela me deu tudo o que me faltava! - Eu anuo e toco em seu ombro — Vamos logo cortar esse bolo!
-- O quê? Já quer nos mandar embora?
-- Isso mesmo! - Eu digo rindo — Eu quero todos fora da minha casa, assim fico com a minha mulher só pra mim.
-- Infelizmente vou frustrar os seus planos! - Emmett me informa — Bella convidou Rose para pernoitar aqui e ela aceitou... Então, conforme-se! Vamos passar a noite aqui.
-- A minha mulher não faria algo tão cruel! - Eu retruco e Emmett explode em gargalhadas.
-- Acredite, ela fez!
Eu amava a minha mulher, não havia duvidas quanto a isso, mas algumas vezes, como nesse exato momento, a única vontade que eu tinha era de lhe dar umas boas palmadas, por fazer coisas como essa, sem me informar antes.
.........................
Cortamos o bolo, todos comeram, beberam e no final da tarde, eles partiram. Mamãe foi embora a muito contra gosto, e como Emmett dissera, ele e Rose ficaram para dormir. As crianças foram para cama, já bastante cansadas de toda euforia. Eu ajudei a dar banho neles e os arrumar para dormir. Eles estavam muito sujos de doces. Bella contou uma história infantil e logo eles adormeceram. Eu fique fazendo sala para Emmett e Rose até que minha esposa voltasse. Pouco depois, Bella se juntou a nós, conversamos, comemos e bebemos um pouco mais, até que Rose adormeceu e Emmett levou-a carregada para cama, ainda bem que ela ainda não estava com um barrigão.
Sorrindo, puxei a minha adorável mulher para o quarto e seguimos para varanda, nos sentamos no sofá que havia ali e ficamos olhando para céu, que naquela noite estava coberto de estrelas.
Bella descansou a sua cabeça em meus ombros e eu passei os braços em volta dela. Ficamos em silêncio por um tempo, até que ela sorriu chamando a minha atenção.
-- O que é tão engraçado? – Perguntou.
-- Nada! - Ela disse me olhando com a face meio corada.
-- Bella... Já te aviso que não gosto quando me esconde algo.
-- De verdade, não é nada! - Ela afirma — Eu só estava me lembrando de quando era eu que estava grávida, e você ficava todo atencioso comigo.
-- Ainda fico atencioso com você! – Argumento.
-- Eu sei! - Ela diz e sorri para mim — Mas era diferente naquela época.
-- Nada mudou meu amor! - Digo e beijo os seus lábios — Há não ser o fato que a família está bem maior agora! - Retruco e Bella sorri sem jeito, aquele seu sorriso nervoso. - O quê?
-- Nada!
-- Bella, não me venha com essa, me fale logo!
-- Não é nada! - Ela repete e morde os lábios — Que dizer, eu espero que não seja nada...
-- Como assim acha? Do que estamos falando agora? - Eu olho para ela encafifado.
-- Bem, é que a minha menstruação está atrasada há alguns dias...
Olhei atentamente para ela, analisando e absolvendo as suas palavras, e então a ficha caiu. A última vez que aquilo aconteceu, ela estava grávida... Oh merda! Será?
-- Você... Você...
-- Eu não sei! - Ela afirma — Ainda não fiz o teste!
-- Quando vai fazer? – Pergunto nervoso e ao mesmo tempo ansioso.
-- Amanhã, eu já marquei uma consulta com a Doutora Sasha!
-- Então, eu vou com você! - Eu digo, não sabendo bem se estava normal e Bella notou aquilo também.
-- Você esta bem?
-- Talvez eu esteja em choque! - Digo e acho que seja a verdade. — Quer dizer, já temos três filhos e você acha que pode estar grávida de novo. Eu...
-- Você não quer? - Ela pergunta e consigo identificar a tristeza em sua voz.
-- Bella, não é isso! – Apreço-me em dizer - Eu quero sim mais filhos, quero muito tê-los com você... Apenas me assustei, pois os gêmeos acabaram de fazer um ano...
-- Então talvez, devamos parar de fazer amor!
-- Bella, não é isso querida! – Eu suspiro — Eu só estou surpreso, por favor, vamos com calma. Amanhã quando a médica te examinar, nos podemos ter essa conversa, ok?
-- Se você quer assim...
..........................
Eu sei que Bella ficou chateada naquela noite, mas eu também estava tão surpreso quanto ela. Depois ela me proibiu de ir ao médico com ela, como se alguma vez eu tivesse seguido alguma ordem dela, talvez algumas vezes...
Fiquei animado com ideia, conversei com Emmett pela manhã, ele me deu os parabéns, disse para eu aproveitar porque aqueles momentos passavam rápido demais. E então, ele me deu uma camiseta, quando eu li o que estava escrito nela, comecei a ri...
Fui para o hospital no qual a minha mulher estava, quando cheguei lá, Bella havia acabado de entrar no consultório, eu esperei na frente da porta para surpreendê-la quando ela saísse.
-- O quê? Como? - Ela disse meio surpresa quando me viu, eu sorri, eu tinha em minhas mãos, um lindo e grande buquê de flores vermelha, além, é claro, eu vestia a camisa que Emmett me deu, na qual estava escrito “Serei Papai...”.
-- E então? - Perguntei cheio de esperanças.
-- Tô grávida!
As flores ficaram encima do sofá que tinha ali, eu a abracei de um jeito romântico e carinho, levantando-a do chão e girando-a, ela sorria e chorava ao mesmo tempo, então, nos beijamos apaixonadamente.
......................
Em casa, toda família estava à mesa, até mesmo Emmett e Rose, que já eram parte da família, de certo modo. Nós demos a notícia oficial rapidamente. Angel sorriu bastante e no final, disse que não iria dividir o quarto com ninguém. Sim, era hora de compramos uma casa maior, já não me importava se seria apenas um ou dois novamente, só queria que viesse com saúde e que fosse a cara de Bella.
No dia de mais uma consulta médica, Bella estava nervosa assim como eu, sabíamos que havia grandes chances de ser gêmeos novamente, e então, estávamos bem nervosos, mas claro que ficaríamos felizes fosse o que fosse.
-- Sr. e Sra. Cullen! É bom vê-los novamente! - Sasha nos cumprimenta sorrindo — Estão prontos para saber o sexo?
-- Sim, estamos! – Recitamos juntos, ela sorriu e começou a movimentar aquele aparelho na barriga de minha mulher. As imagens começaram a aparecer no monitor e então, Sasha sorriu.
-- Sr. e Sra. Cullen, vocês serão pais de uma menina! - Ela disse sorrindo — Meus sinceros parabéns! Já sabem o nome que vão colocar na criança?
-- Sim! - Mais uma vez dissemos junto e sorrindo
-- Ela se chamará Reneesme!

Fim


Obrigado por cada leitor que acompanhou essa historia.
Me sinto feliz em ter escrito cada pedacinho dela para vocês.
Esperam que gostem desse final.
Espero atenciosamente por cada comentário!
Obrigado a minha querida Tuca que fez milagre muitas vezes com os capítulos.
E obrigado a paciência de vocês por esperarem com animo e sem desanima por cada capitulo novo.
Beijos e muito obrigado!
Meninas (os) logo estarei postando duas novas Fics.
Fiquem de olho, pós serão duas Fic incrivelmente hot para vocês.
Com Carinho Jul M