Jul M

Oi

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Em Maus Lencois -- Cap 32

AMOR E SEXO

Não seria a primeira vez que isso terminaria assim, não que Edward e Isabella tivessem brigado, de fato. Eles apenas tinham um problema paralelo que precisava de um ponto final. E naquele momento, o que parecia era que tudo estava entrando finalmente nos conformes.
Quando Edward saiu da sala de seu pai no hospital, deixou para trás a última coisa que atrapalhava a sua vida. Ele estava livre, liberto de tudo... Absorvido da culpa que Rosie o fez sentir, ao saber de seu caso de amor com Isabella... Livre da culpa que sentia, por ter descoberto que nunca em toda a sua vida de casado com a médica, ele de fato tenha sentido, pelo menos, um pingo de amor por ela. Tudo que sentiu por Rosie foi culpa, culpa por tê-la engravidado, culpa por não conseguir amá-la como ela poderia merecer, e ainda, culpa por não ser o homem perfeito para ela. Mas agora que ele tinha conhecimento sobre a verdadeira vida que Rose levava, mesmo quando ela esteve casada com ele, Edward teve a certeza de nunca ter sido o homem certo para Rose, porque ele nunca, em toda a sua vida, aceitaria tanta promiscuidade por parte da loira.
Aquela manhã seria diferente, Edward estava em paz quando disse para Isabella que tudo havia acabado bem, e de fato, ela não tinha culpa alguma sobre tudo que ocorreu. Naquele momento, tudo o que ele mais queria, era a sua menina para ele, pois nada mais importava... Isabella não percebeu que ele havia trancado a porta do quarto quando entrou, ela não ouviu o click da fechadura, ela não espera por algo tão intenso, apenas pelo fim de tudo... Quando Edward a puxou com volúpia para os seus braços e tomou a sua boca, em um beijo urgente, cheio de desejo e muito amor... No começo, ela não acreditava no que acontecia, mas quando Edward mergulhou a sua língua dentro da boca dela, e as suas grandes mãos escorregaram pelas costas da garota, apertando com força a bunda dela, Bella soube que nada era sonho e que tudo aquilo era real, que aquele que lhe beijava com desejo, era o seu Edward.
As roupas de Isabella estavam espalhadas pelo chão, assim como as calças de Edward jogadas em algum lugar por ali. Ele estava deitado sobre a cama de barriga para cima e Isabella estava de quatro sobre a cama, ela engatinhou até o meio das pernas de Edward, onde o pau do rapaz estava livre e semi-rígido.
Com uma das mãos, Isabella segurou a base do pau dele e com a língua livre, ela lambeu todo o comprimento do rapaz, dando pequenos beijos molhados aqui e ali, para só então chupar a cabeça do pau dele. Edward soltou um gemido alto com o ato da menina, que mantinha os olhos firmemente presos aos dele, observando cada reação do corpo do homem sobre o seu toque de menina.


-- Pare de me provocar! - Edward disse ofegante, a noite anterior fora a melhor noite de toda a sua vida e ele precisava sentir o corpo daquela ninfeta contra o seu mais e mais vezes — Eu quero ver você me cavalgar! - Ele gemeu quando a língua da menina passou por todo o seu comprimento — Abre essas pernas e se sente em cima do meu pau! - Ele comandou desejoso, fato que fez os olhos de Isabella brilhar de prazer.
-- O que o Sr. Cullen desejar... - Ela gemeu engatinhando para cima dele.
Isabella abriu bem as pernas, dando a Sr. Cullen uma bela visão de sua buceta rosada, molhada e depilada. A menina sentou sobre pau de Edward e foi descendo devagar, aos poucos, até que o membro do homem estivesse completamente dentro dela e pulsando... E então, ainda com as pernas abertas, a menina levou a mão para frente, tocando com um dedo, o seu próprio clitóris, dando prazer a si e fazendo com que Edward gemesse com cena a sua frente. Rapidamente, ele soltou um urro que mais parecia o som de uma fera pronta para atacar, então Isabella começou a subir e descer sobre o pau dele, sem tirar a mão de sua buceta, deixando o seu clitóris mais inchado ainda.

Edward puxou a mão da menina para frente, deixando assim a buceta de Isabella livre para os seus olhos gulosos. Ele segurou a menina pelas coxas e então começou a dar ritmo as cavalgadas dela, fazendo com que ela subisse e descesse sobre o seu pau com mais força e velocidade, ambos gemiam muito.

 De repente, Edward girou o corpo dos dois sobre a cama, deixando Isabella cair sobre o local macio de barriga para cima e de pernas bem abertas.
-- Você é muito gostosa! - Ele disse em alto e bom tom para que ela o ouvisse, os olhos do rapaz eram de puro desejo e luxuria — Eu vou fuder você o dia todo!
Isabella estava com as pernas abertas, enquanto Edward estava sobre os seus joelhos, o pau do homem entrava e saia da buceta melada da menina, deixando-a ainda mais aberta para ele, enquanto a bela buceta rosada, delirava a cada nova invertida dada.

-- Você è minha! Só minha... - Ele gemeu enterrando nela mais uma vez.
-- Sim! - Ela assentiu em um gritou de prazer – Eu sou sua! Só sua... - Ela gemeu — Me foda! Edward... Me foda com força!
A menina não precisou implorar, ele já estava fazendo aquilo, e se dependesse dele, ele continuaria a fudê-la o dia todo. Porque aquele era o seu plano, manter Isabella trancada no quarto o dia todo, e ele a teria quantas vezes assim o desejasse naquele dia.
Edward passou a meter com força dentro de Isabella, a menina urrava e levou a sua mão até a sua buceta, tocando o seu clitóris inchado e gritando a cada nova investida do homem em sua entrada melada.

-- Me foda Edward, me foda! - Ela berrava – Oh sim, sim Sr. Cullen, me faça gozar!
Aquela boca dela sabia exatamente com prová-lo e que sabia fazer com que ele perdesse a cabeça. Isabella era o seu ponto fraco e ele sempre soube daquilo, assim que ele colocou os olhos naquela putinha, ela seria a perdição dele.
-- Quero você de quatro! - Ele ordenou e os olhos de Isabella se abriram — Vamos lá, minha putinha, de quatro!
Ela mordeu os lábios antes de se virar e ficar de quatro para ele. Isabella se apoiava sobre os braços e arrebitava a bunda do jeito que ela sabia que ele ficaria louco, e de fato, ele ficou... Edward passou a mão pela bunda da menina, dando uma sonora tapa, que deixou a pele dela de branca para rosada.
-- Putinha de merda! - Ele disse alisando a bunda dela — Você me deixa com um tesão desgraçado! Ele se abaixou e beijou a bochecha da bunda dela, depois mordeu o local — Você é ainda mais gostosa assim!
Edward ficou de joelhos atrás da menina que gemeu com o seu comentário malicioso. Safada, ela pegou o pau dele ainda duro como uma rocha, a cabeça ainda mais inchada, ele aproveitou e o esfregou na entrada da menina, fazendo Isabella gemer com aquilo.

-- Eu vou deixar essa sua buceta mais vermelhinha ainda! - Ele ameaçou continuando a esfregar o seu pau na buceta desejosa da menina. — Você é minha Isabella! - Ele voltou a dizer antes de se enterrar dentro dela em uma só investida, fazendo com que ela gemesse e gritasse ao mesmo tempo de dor e prazer.
O rosto de Isabella estava contra o colchão, os quadris era a única parte que ainda estava levantada sobre os joelhos, Edward a segurava pela cintura, enquanto entrava e saia dela com força, fazendo com que as suas bolas se chocarem contra o clitóris da menina, que grita e gemia o nome dele, ora chamando Edward e ora Sr. Cullen. 

Porém ambos os nomes não importava qual, seria sempre o dele... Ela sabia que não agüentaria por mais tanto tempo, se ele continuasse naquele ritmo, ela já estava quase gozando...
-- Edward! - Ela gemia mordendo os lábios fortemente, em resposta, Edward lhe deu uma tapa com força na bunda, que fez com que a buceta dela apertasse ainda mais o pau dele.
-- Merda! - Ele gritou — Me aperte bem gostoso, safada!
Edward apoiou uma perna sobre o pé, ao lado do corpo de Isabella, a menina se contorcia de prazer embaixo do corpo do rapaz. Edward passou a entrar e sair bem lentamente da buceta de Isabella, apenas para sentir o prazer de ver aquela pequena buceta lhe apertar fortemente.

-- Edward eu vou gozar! - Ela gemeu rouca e com o corpo suado — Me faça gozar, Sr. Cullen!
-- Goza, PORRAAAAA! - Ele gritou — Mas goza no meu pau, putinha!
Edward sentiu o corpo de Isabella tremer, logo após a sua última sentença, e então, o corpo da menina desabou um pouco mais sobre a cama, ele sentiu o gozo dela melar o seu pau e aquilo foi o que faltava para que ele gozasse também, enchendo a buceta da menina com o seu néctar.
O corpo de Edward caiu para trás, Isabella respirava com dificuldade, mas ainda se mantinha firme sobre os joelhos, olhando para trás, por cima dos ombros e vendo Edward, que ainda mantinha os olhos sobre ela. A menina levou a mão até a buceta dela, que agora pingava com o gozo do maior, então, ela esfregou o liquido por toda a sua buceta, se melando toda com o gozo dele.

-- Ah! - Edward gemeu ainda olhando para a menina — Você é mesmo uma peste Isabella, acabamos de trepar e você já está me deixando duro de novo.
A única coisa que ele ouviu da menina foi uma gargalhada, a ninfeta sabia muito bem como o fazer ficar louco...
............................
Nessie entrou no apartamento da mãe acompanha por Jacob, que agora estava sempre com ela. Nessie ainda não era a mesma de antes, mas também não andava deprimida pelos cantos, depois do acontecido ela sentia raiva, e tecnicamente, andava descontando essa raiva em ótimas rodadas de sexo com Jacob. Não importava o lugar, ela simplesmente abria as pernas ou caía de boca... No começo, Jacob tentou dizer que aquilo era errado, que não era assim que as coisas iriam se arrumar, no entanto, convenhamos, ele era homem e ela era a sua namorada, e tudo o que ela estava pedindo a ele, era apenas um bom e gostoso sexo. E se não fosse com ele, poderia ser com outro, portanto era melhor que fosse com ele...
Já era noite e estava tudo escuro, Nessie estranhou porque a sua mãe não estava de plantão naquele dia, pois ela ligara para o Hospital e a recepcionista havia dito que Rosie já havia saído fazia horas do Hospital.
-- Casa maneira! - Jacob disse olhado em volta — O Sr. Cullen deve gastar um bom dinheiro com a manutenção deste apartamento.
-- Nada mais justo! - Nessie disse, vindo da cozinha após ligar a luz — Ele trocou a minha mamãe por isabella, sabe o quanto isso é vergonhoso?
-- Nessie! - Jacob odiava falar sobre aquilo com Nessie, pois eles sempre acabavam brigando. — Eles são adultos e nós não temos nada a ver com a vida deles.
-- Tem razão! - Nessie disse não porque ela concordasse, mas sim, porque não queria brigar com o namorado — Venha, eu vou lhe mostrar o meu quarto nessa casa!
Claro que havia mais do que uma mera visita no convite para conhecer o quarto de Nessie, a menina queria sexo, e Jacob sabia disso porque ela vinha o provocando o caminho todo.
Jacob fora o primeiro homem da vida de Nessie e ainda era único... Nessie não falava sobre o que acontecera entre ela, Victoria e James, mas Jack tinha uma leve idéia do que poderia ter acontecido, a fama dos dois era grande na cidade. Ele se recusava a pensar naquilo, até porque a sua namorada sempre seria só sua e se algo tinha mudado, era apenas o modo em que eles transavam, agora era mais intenso, mais selvagem, mais tudo...
Nessie empurrou Jacob para cama, a menina subiu pela lateral, puxando o corpo de Jacob para trás, o vestido dela estava todo enrolado a cima da cintura, a sua calcinha estava à mostra, e bom, Jacob não era inocente ao ponto de não saber o que a menina queria de fato, naquele quarto.

Nessie subiu a camisa dele e tirou o casaco que ela usava, deixando cair tudo sobre a cama. Jacob estava apoiado sobre os cotovelos, quando Nessie abriu as calças do rapaz e retirou o pau dele de lá, que já se encontrava semi ereto. 

Olhando para o namorado com um carinha de safada, ela começou a masturbar o rapaz, fazendo com que ele soltasse leves gemidos. A mão da menina apertava e esfregava com gosto o mastro dele.
-- Nessie! - Ele gemeu fechando os olhos e respirando com dificuldade — A sua mãe pode chegar a qualquer momento!
-- Ela não vai chegar agora! - Nessie provoca olhando para ele — Ela já caiu na farra, vai por mim, Rosie Halle não estará em casa até amanhã de manhã...
De algum modo, Nessie tinha razão, Rosie não ficava em casa à noite, porque ela passava todas as suas noites com Emmett, trepando com ele e mais alguns amigos, quando não com as amigas dele. Mas isso, Nessie nem imagina de sua mãe, apenas achava que a loira perfeita estava com as amigas em um bar qualquer bebendo e tentando dar a volta por cima.
Nessie sorriu para Jacob antes de cair de boca no pau dele, o engolindo completamente e o chupando, enfiando-o até o fundo em sua garganta, fazendo com que ele gemesse alto e enterrasse as mãos nos cabelos da menina, até começar a fuder a boquinha dela.

Nessie se livrou do vestido e da calcinha, então se sentou no colo de Jacob, usando apenas o sutiã que o jovem mesmo abriu e a ajudou a atirar. A menina se estragava no colo dele, subindo e descendo, deixando o pau dele ainda mais duro do que já estava. Ela ainda esfregava os seus peitos no rosto dele, fazendo com que ele urrasse por ela.

-- Quero você me comendo, Jake! - Ela gemeu em seu ouvido.
Jacob adorava quando ela o chamava pelo apelido, ainda mais quando ambos estava assim, prontos para trepar. Só que ter um namorado como Jacob, não significava que ele só jogasse limpo... Ele arremessou a menina sobre a cama, completamente nua, então ele desceu da cama, indo para o meio das pernas dela, puxando-a para a beirada da cama, Jacob fez como a menina ficasse quieta, então ele caiu de boca, chupando a buceta dela, fazendo com que Nessie se contorcesse encima da cama, gemendo e gritando o nome dele.

-- Jake, eu quero o seu pau! - Ela implorava.
-- Você quer o meu pau? - Ele perguntou e ela acenou com a cabeça — Você vai ter o meu pau!
Ele deu um sorriso sacana para ela, então abriu ainda mais as pernas da garota, que já estava com uma leve camada de suor pelo corpo... Jake não pensou duas vezes antes de entrar com força total dentro da buceta dela, fazendo com que ela gemesse bem alto e quase gozasse no pau dele, só com aquela invertida...

-- Delicia! - Ela disse mordendo os lábios e soltando um gemido — Me faz goza nesse pau!
Jake meteu com seiva dentro dela, entrando e saindo, mantendo as pernas dela bem abertas, tendo uma completa visão da buceta dela engolindo o seu pau por completo, além do rosto dela, coberto de prazer. Nessie ficou mais solta, mais safada na cama, dizia e fazia coisa que Jake pensou que levaria um bom tempo para que a menina dissesse ou fizesse... Mas agora, depois do acontecido, ou talvez pelo fato de tê-lo perdido por algum tempo, tenha feito com que ela mudasse em relação ao sexo que eles praticavam...
Nessie estava sentada de costas para Jake com as penas abertas, ele tinha as mãos em sua cintura, enquanto a fudia, movendo os quadris para cima e para baixo, entrando com força dentro dela. Nessie estava usando as mãos para se apoiar enquanto o seu gostoso namorado a fazia cavalgar em seu pau com delírio e prazer.

-- Oh! Isso! - Ela gritou rebolando sobre o pau dele — Me fode de quarto Jake! Ela gritou alto para ele ouvir — Eu quero goza no seu pau de quatro, como uma perfeita cadelinha só sua...
Provocações eram o forte de Nessie, sempre foram desde que ela havia mudado, era assim que ela vinha ganhando as batalha em relação ao sexo com Jake e naquele momento, ela conseguiu ganhar mais uma, Jake adorava chamá-la de cadela quando estava comendo-a, assim de quatro...
Ele a ajudou ficar de quatro na cama, assim que ela estava pronta, ele a penetrou. Primeiro devagar, mas depois com força, então com mais vontade ainda... Segurando firme a cintura dela, ele controlava as investidas, fazendo com que o corpo da menina sacudisse sobre a cama.


Jacob aumentou o ritmo das investidas, com uma mão na cintura de Nessie e a outra a segurando pelos ombros, ele aumentou ainda mais o ritmo, a buceta dela estava cada vez mais apertada, esmagando o pau dele, os gemidos de Nessie passaram a gritos, quando todo o seu corpo passou a tremer. Chamando o nome do namorado, ela gozou sendo seguida por ele, e assim, ambos caíram exaustos sobre a cama.
O que eles não sabiam, era que a loira perfeita assistia tudo de camarote e apenas olhava com gula o namorado perfeito que a filha tinha arrumando...

Contínua...

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Em Maus Lençóis -- E A Verdade Virá .. Doa A Quem Doer --Cap 31

E A VERDADE VIRÁ... DOA A QUEM DOER...

Existem coisas que só nos damos conta de sua relevância e complicações depois que as fazemos. As reações das pessoas são das mais adversaspossíveis e sempre será algo que nos surpreenderá. O problema é que nunca saberemos ao certo se será algo bom ou ruim, a coisa apenas nos pega de surpresa e quando percebermos já poderá ser tarde demais.
Bella não havia levado em conta, como seria a reação de Edward quando ela lhe mostrasse as fotos, não pensou bem, ou melhor, quase nada nas conseqüências, primeiro porque o que ela era queria mesmo era se vingar de Rose, de algum modo... Bella queria causar um pouco de constrangimento e manchar a boa imagem da loira. Em segundo lugar, ela apenas queria dar um ponto final em tudo aquilo.
Bella sempre deixou claro que não se importava com que os outros pensavam sobre ela, sobre as atitudes dela, contanto que ela estivesse feliz, o resto não importaria, afinal, falar todo mundo falaria por aí, alguns bem, outros mal, mas nada mudaria as atitudes dela.
Apesar de ela ter sentido muito, por cada rejeição que sofreu de seu pai, pois ele deveria ser o homem o qual deveria amá-la e protegê-la, mas ele nunca tivera essa iniciativa.
Bella tinha certa inveja de Nessie, por ter um pai presente, carinhoso e que se importava realmente com ela. Talvez, aquele tenha sido o motivo maior do começo de tudo... Seduzir o pai de sua melhor amiga era para ter sido apenas um passatempo, somente para provar a si mesma que poderia ter alguém como ele. Isabella nunca cogitou que se apaixonaria, de verdade, por Edward... Que nele, ela encontraria tudo o que precisava realmente, mesmo ele fosse muitos anos mais velho do que ela, a morena apenas queria sentir o autêntico prazer de se sentir amada, e com Edward, tudo foi bem além do mero prazer, ele era o porto seguro que ela sempre buscara e ninguém a atendera... Já ele, viu naquela mocinha mais do que um rostinho bonito, percebeu uma garota engraça, divertida, companheira e amiga para todos os momentos.
O problema era que ninguém além dele, conseguia notar aquilo, ela não estava destruindo a vida dele, ela estava o salvando de sua vida miserável de outrora.
Mas como uma mera garota poderia competir com uma mulher com Rose Halle? Mesmo Isabella odiando aquele pensamento, ela tinha convicção de que Rose era uma mulher bonita e fascinante aos olhos de um homem... Perante a sociedade, ela era uma mulher fiel e mãe de família dedicada, mesmo nunca tendo sido um boa mãe, ela disfarçava bem, perante as pessoas que ela conhecia, ela era uma mulher apaixonada, cujo marido havia lhe trocado por uma ninfeta dos infernos, aquela que atendia pelo acunha de Isabella, uma garota de cidade pequena, que tinha certa fama de trepar com qualquer um, e por namorar cara idiotas feito James, o cara que tinha a pior fama possível naquele lugar.
E provavelmente, Isabella também tenha sido culpada pelas loucuras de Nessie Cullen, já que a garota não respeitou nem mesmo a melhor amiga, antes de se enfiar na cama do pai dela.
Mesmo sabendo que boa parte daquilo tudo era mentira, Isabella se sentia deprimida quando passava pelas ruas e todos apontavam em sua direção. Ela percebia quando sorrisos maliciosos se voltavam para ela, quando Professores safados faziam comentários maldosos sobre o seu corpo ou tentava arrancar algum “agrado” dela para lhe conceder boas notas. O problema era que Isabella não era apenas um rostinho bonito, ela tinha cérebro e o usava de forma inteligente, ela nunca precisou de pontos extras, nunca ficou reprovada, e nunca se deu ao trabalho de ter que seduzir um Professor para passar de ano. Talvez, o seu único erro tenha sido se envolver com James, o cara cretino e sem caráter que não valia nada.
Porém, ninguém poderia mudar o seu próprio passado, apenas tentar conviver com ele, Isabella fazia isso todos os dias...
Na noite anterior, ela não fazia idéia do que a esperava, quando Edward não voltou para casa, ela ficou preocupada e com o estado de nervos abalado, pois ele não atendeu nem uma de suas ligações. A situação ainda piorou quando ela soube que nem mesmo Nessie tinha noticias dele, foi aí que Isabella se viu em prantos e o choro foi inevitável, ela sofria encostada a porta do quarto que dividia com Edward.
......................
O primeiro erro que um homem comente ao descobrir que estava sendo traído e ir tirar satisfação, mas Edward não fez aquilo, ele simplesmente saiu de casa entrando em seu carro e partindo sem rumo, ele não sabia bem para onde ir, resolveu apenas dirigir ao léu...
Ficou surpreso quando parou em frente ao apartamento de Tânia, sim Tânia, ela estava com Rose em algumas das fotos, Tânia sempre soube de tudo e agora era hora dela lhe conta o que sabia.
Duas batidas na porta e pelo avançar da hora, Tânia não sabia quem poderia ser. Marcos tinha acabado de sair da casa dela e duvidava muito que fosse ele novamente. Ela seguiu em direção a porta amarrando o seu hobby, olhou pelo “olhou mágico”, ela ficou pálida quando reconheceu Edward Cullen parado a sua porta, em outros tempos, ela ficaria feliz, tentaria de tudo para seduzi-lo, mas agora, ela sabia que pela cara dele e os cabelos bagunçados, não teriam um encontro romântico ali...
-- Precisamos conversa! - Ele disse quando ela abriu a porta — E tem que ser agora!
Tânia engoliu em seco, dando passagem para que ele entrasse. Edward olhou rapidamente o apartamento, ou melhor, a sala da loira, ele nunca havia estado ali antes, apenas havia dado carona para Rose, umas ou duas vezes, porém ele nunca subira para conhecer o lugar, até porque, ele sempre soubera das intenções da loira para com ele. Ele caminhou e ela gesticulo para o sofá, depois de fechar a porta, ela se sentia nervosa e bem preocupada.
-- Não obrigado! - Ele disse – Eu prefiro ficar em pé!
-- Eu acho melhor, então, que vá direto ao assunto! - Tânia ajuíza.
-- Desde quando Rose vem me traindo? - Edward foi direto, tão direto que a loira ficou pálida — E não finja que não sabia, porque vi as fotos, e por mais que em algumas, eu não possa ver o seu rosto, eu conheci muito bem a tatuagem que você possui em seu pulso, Tânia. Não se esqueça que já tirei as suas mãos de lugares, nos quais você nunca deveria ter me tocado.
Tânia ficou mais pálida ainda, além de corada, como se as duas coisa fossem possíveis... Ela, muitas vezes tentou passar as mãos em Edward, quando teve chance, chegou até a enfiar uma mão dentro das calças dele uma vez, em que ele estava bêbado, porre sim, mas não o bastante para ir para cama com ela.
-- Desde sempre! - Tânia disse e engoliu em seco.
Edward fitava a loira com aquele olhar de quem estava prestes a explodir, porém Tânia estava pensando ainda se falava tudo o que sabia ou não... Por que não? Rose nunca fora sua amiga, era vingativa e metida, adorava humilhá-la e dizer que ela nuca teria Edward para si. De fato, Rosie tinha razão naquele ponto, Tânia nunca conseguiria ter Edward Cullen, mas Rose não o teria mais também... Muito menos a fama de boa moça e uma mulher de respeito Rosie teria... Então, já que Tânia partiria no dia seguinte para França com Marcos, pensou que aquela seria a sua última chance... Claro que Edward não deixou de notar o sorriso no canto dos lábios da loira, que voltou a sua atenção para ele.
-- Rose te traiu a vida toda! - Ela confessa e Edward estreita os olhos — Edward, ela nunca te amou, você era rico e ela pobre, o que você acha?
-- Que eu fui à saída dela da pobreza! - Ele diz sem o menor humor na voz.
-- Sim, você foi! - Tânia confirmou — Você merece saber a verdade e vou te contar tudo... - Tânia passou as mãos pelos cabelos e colocou algumas mechas atrás da orelha, antes de voltar a falar — Ela trepava com vários caras ao mesmo tempo, não era só com você. Rosie tinha um amante, o nome dele era Benjamin, ele foi quem levou Rose para os clubes de trocas de casais... Depois daí, Rose não parou, durante anos Edward, ela saía com “gatos e cachorros”, a desculpa dela era sempre a mesma, que você era bom de cama, mesmo porque, ela dizia que o que ela precisava era de um bom sexo e não de amor.
-- E você ia junto? - Ele perguntou sem vida na voz novamente.
-- Foi por mera coincidência! - Tânia exclamou — Eu estava saindo com um cara e ele também curtia aquilo, acabei encontrando Rose em uma noite dessas, e você conhece Rose, ela tira de seu caminho qualquer um que a desafie...
-- O que você quer dizer com isso? - Edward perguntou estreitando os olhos – Fale Tânia! - Ele gritou quando a loira se calou
-- Camily! - Tânia disse baixinho — Rose deu uma surra nela, na época de Escola, a sua ex-namorada não acordou um dia e simplesmente percebeu que não te queria, terminando o namoro de você... Tudo foi obra de Rosie que a ameaçou para fazer aquilo, e foi assim que ela conseguiu ser a sua namorada!
-- Na época em que ela quis se separar, por que ela desistiu de mim? - Edward perguntou tentando entender o porquê de Rosie ter voltado atrás na primeira vez.
-- Benjamin precisava de dinheiro para Faculdade, e Rosie estava grávida de você! - Tânia mentiu, ela sabia que Nessie não era filha de Edward, mas ela só queria estragar a vida de Rosie, não da menina que ela até gostava... — Ela iria mandar você embora, e iria tirar o bebê, assim ela poderia seguir em frente com Benjamin, contudo, sem dinheiro não seria possível, e além do mais, durante os dois meses em que vocês ficaram separados, ela descobriu sobre Sandra, a garota que você andava se envolvendo, naquela época.
-- Ela também ameaçou a vida de Sandra? - Edward quis saber.
-- Não verdade, não! - Tânia afirmou — Ela apenas disse para ela que estava grávida e que você era o pai. - Tânia olhou para ele e deu um meio sorriso — Você era uma pessoa nobre, uma pessoa de bom coração, Edward... Rose sempre soube que você se casaria com ela se descobrisse da gravidez, por isso ela demorou a lhe contar. Mas como ela precisava do seu dinheiro para Benjamin, ela foi lhe procurar, pois o plano era que quando eles se formassem e eles tivessem dinheiro suficiente, ela deixaria você e iria viver com Benjamin.
-- O que deu de errado?
-- Benjamin foi embora para Londres! - Tânia disse sorrindo — Ele apenas a usou, e em todos os sentidos... Ele a usou para conseguir o que precisava e depois foi embora com outra.
-- Com outra? - Edward exclamou surpreso.
-- Rose não sabe! - Tânia confirma — Ele apenas disse que estava partindo, entretanto ele já estava envolvido com outra mulher, eu não sei o nome dela, mas ela estava lá, o tempo todo, e Rose pode até tê-la conhecido, já que Benjamin sempre transava com outras mulheres na frente de Rose e com ela participando.
-- E por que você está me contando tudo isso, assim tão fácil? - Edward perguntou já desconfiado para a loira.
-- Eu não tenho nada a perder Edward! - Tânia confessa dando um grande sorriso — Amanhã irei embora dessa cidade de merda! Tenho um namoro agora, ele é um homem rico e me dá tudo que preciso. Eu não posso dizer que o amo, porque acho que sempre vou amar você... – Ela deu um meio sorriso — As paixão não correspondida são as piores, sempre deixam marcas e feridas incuráveis. – Então Tânia ficou séria — Eu lamento por você ficar sabendo tudo desse jeito, também sei que vocês terminaram, mas segundo Rose é algo passageiro, pois você vai voltar para ela com o rabinho entre as pernas, palavras dela...
-- Ela está equivocada dessa vez! - Edward disse calmamente, para um cara que acabara de descobrir coisas horríveis sobre alguém que conviveu boa parte de sua vida — Tenha uma boa viagem Tânia! - Ele desejou e caminhou em direção a porta — E sobre a gente... - Ele falou olhando para ela — Nunca teria dado certo, você era uma boa amiga, Rose nunca foi o grande amor de minha vida, em algo você tinha razão, o meu coração era bom e ela soube como usar isso a seu favor.
-- Espero que você seja feliz, Edward! - Tânia desejou antes que a porta batesse.
.................................
A noite de Rose estava perfeita, ela estava em companhia de Emmett e um amigo que encontraram no bar, claro que não poderia dar em outra coisa, se não em sexo. Mais uma vez, Rose acabou sendo fudida por dois caras, de várias maneiras e em várias posições, daquelas que só encontraríamos em um kamasutra, todavia era disso que ela gostava muito, ser fudido com força por pessoas desconhecida.
Contudo ela sabia que algo havia mudado, ela não conseguia se vê fazendo aquilo sem Emmett por perto, sem ele participando, sem ele dando as ordens, sem ele no controle. A loira demorou em aceitar, mas ela estava completamente envolvida com ele, a última vez que se envolveu com alguém, ela se machucou, Rosie não queria que acontecesse tudo de novo, e não aconteceria, porque ela não deixaria... Não agora e não para sempre. Ela manteria para si mesma aquela verdade, Emmett não precisava saber daquilo. No entanto, ainda havia algo que ela queria bem mais do que Emmett pudesse imaginar. E esse algo seria derrubar de uma vez Isabella Swan. James havia fracassado, ao ameaçar a garota, e ainda perdera as provas, uma coisa Rosie teria que admitir... Isabella não era uma fraca, e com toda certeza, a essa altura, já deveria ter descoberto que havia sido Rosie quem contratou James, e como toda garota raivosa, deveria estar planejando uma vingança... Aquilo deixava a loira magnífica, um pouco de pé atrás, porque ela não sabia até que ponto Emmett se importaria com a filha irritante, e se ele se importasse bem mais do que ele demonstrava, ela teria problemas...
Rose chegou ao trabalho cedo naquela manhã, o Hospital estivera deveras calmo, não que não houvesse movimento ali, mas ainda assim, era menos do que nos dias anteriores, a loira caminhou até a sala e ficou pálida quando viu Carlisle sentando em uma cadeira de frente para a sua mesa, com uma perna sobre a outra, de maneira passiva e calma.
-- Carlisle! - Rose disse esboçando um sorriso falso — Uma ótima visita para começar o meu dia!
Ela caminhou até a sua cadeira e então se sentou por trás de sua mesa, toda cor do rosto da loira se foi, e então a loira viu que estava tudo arruinado.
-- Carlisle eu posso...
-- Explicar? - Ele completou — Eu acho que essas imagens já falam por si só!
-- Não é bem assim... - Rose murmurou e os seus olhos estavam cheios de lágrimas, ela estava olhando para ele que permanecia frio como gelo.
-- Eu não acho que tenha como você explicar algo! - Carlisle disse — Você não vale nada Rosie, você traiu o meu filho durante anos, fez com que todos pensassem que Isabella fosse o problema, quando na verdade, você não passava de uma grande piranha! - Ele gritou e a loira se assustou.
-- Não é verdade! Isabella não presta! - Rose argumentou.
-- E daí? - Carlisle falou irônico — Você foi um erro para o meu filho, um dos grandes erros da vida dele... Você sempre aparentou ser uma boa moça, quando no fundo, era uma completa vadia! - Ele acusou apontando o dedo para ela — Isabella, pelo menos, nunca escondeu o que era!
-- Então agora vai apoiar a ninfeta e pedir desculpas a ela! - Rosie grunhiu com sarcasmos e um olhar raivoso para o homem.
-- Você foi um erro na vida de todos nós! - Carlisle proferiu - Isabella também é um erro, não adianta contrapor, mas pelo menos, ela nunca escondeu de ninguém o que ela era, o que tenha sido, ou quem poderia ser... Ela nunca fez jogos.
-- Carlisle! - Rosie chamou o homem que se dirigia para saída — O que vai fazer? Vai me demitir? - Ela perguntou nervosa.
-- Eu não vou fazer isso, porque não quero confundir o profissional com o pessoal! – Carlisle pontuou sabiamente, parando em frente à porta — No entanto, você vai sumir da vida de minha família... Se vire, dê um jeito e desapareça de nossas vidas. Faça algo de bom para todos, pelo menos uma única vez...
-- Se eu sumir, Nessie vai comigo! - Rose ameaçou.
E antes que Rosie se desse conta, as mãos de Carlisle estava em volta de seu pescoço, o apertando, o bom homem, por assim dizer, perdeu totalmente a compostura.
-- Fique longe de minha neta! - Carlisle proferiu sério — E não pense que eu não sei de tudo, apenas fingi não ver, não achei que seria certo, mas agora, acho que cometi um erro em esconder aquilo de Edward!
Claro que Rose sabia exatamente sobre o que ele estava falando, sabia muito bem o que Carlisle queria dizer com aquelas palavras. Ele sabia que Nessie não era filha de Edward, que a menina nunca fora a sua neta. Claro, que ele sabia, Carlisle cuidou de Nessie na época em que ela precisou de uma doação de sangue, depois de um acidente quando ainda era criança, ninguém da família fora compatível, nem mesmo ela, e supostamente, um amigo da família, doou o sangue, o amigo era Benjamin, o pai verdadeiro da menina. Carlisle sabia disso tudo, sempre soube, mas por que nunca falou?
-- Você vai sumir da vida de meu filho! - Carlisle demandou olhando para loira que tinha os olhos arregalados — Eu vou transferir você para outro lugar, longe daqui, qualquer lugar servirá, contanto que seja longe de minha família. Você vai embora, e não vai dizer nada, nem para Edward e nem para Nessie. Estamos entendidos?
-- Se sabia que ela não era a sua neta, por que se calou? - Rose perguntou por fim, quando ele soltou o pescoço dela, mas ela ainda sentia as mãos dele lá.
-- Porque achei que você seria uma boa escolha para o meu filho! - Carlisle confessou e balançou a cabeça — Todavia, eu estava errado, você não foi uma boa escolha, você foi à pior possível...
-- Você é patético, Carlisle! - Rose desafiou — Deseja tanto uma família perfeita, que se esqueceu que o seu casamento era merda! Era por isso que traia Esme com a sua secretaria? Oh achava que eu não sabia? - Rose debochou — Eu sempre soube de tudo, Elena, Christina, Mary, e quantas mais passaram pelo seu sofá, nesse consultório!
-- Cale a boca! - Carlisle gritou — Isso é coisa do passado, Esme me perdoou por todas às vezes...
-- Ela perdoou porque é uma tola! - Rose gritou — Eu teria chutado você ou teria feito pior. A final, qual a moral que você tem para me condenar, não é mesmo? - Ela sorriu — Você é igual a mim, só que usa ternos caros, já eu calço sapatos de grife!
-- Vadia! - Carlisle acusou.
-- Dois milhões! - Rose pediu — Eu quero tudo isso para ir embora e não dizer nada a ninguém! - Carlisle olhou feio para Rose — Qual é Carlisle? Eu sei muito bem que você tem bem mais que isso. Não seja tolo, você acha que eu me casei com o seu filho, por quê? Ele tinha dinheiro e você tem muito mais.
-- Assim que eu levante a quantia, te avisarei! - Carlisle disse entre os dentes e Rose sorriu abertamente.
-- Viu só?- Ela o provocou — É fácil fazer negócios!
O rosto de Rose virou totalmente, de uma maneira que só em desenhos animados poderia acontecer, as marca dos dedos dele, estavam na face da loira. Carlisle havia lhe dado uma tapa, o som poderia até ter sido ouvido do lado de fora. O que fez com que a loira bufasse de raiva.
--- Isso não vai ficar assim, Carlisle! - Ela disse enraivecida e o Médico saiu.
Carlisle caminhava pelos corredores do Hospital transtornado, ele nunca pensou nada de ruim a respeito de Rose, ele sempre soube a verdade sobre Nessie, mas ele acreditou, realmente, que Rose fosse o melhor para Edward, porém ele se enganou completamente.
...........................................
Isabella estava no chão, encostada contra a cama do casal, ela levantou a cabeça quando a porta se abriu e Edward entrou, o paletó estava em seus braços e os cabelos bagunçados, a gravata desfeita no pescoço e os sapatos em uma das mãos.
Primeiro, ele deixou os sapatos caírem no chão, depois o paletó foi jogado um pouco à frente dos sapatos, e por fim, ele caminhou em direção a menina, que tinha o rosto inchado de tanto chorar. Ela estava meio pálida, sem reação no chão. Ele caminhou puxando as mangas da camisa e se sentou ao lado dela no piso frio, ela queria dizer algo a ele, mas nada saía de sua boca, nada mesmo...
-- A minha noite foi uma droga! - Edward disse.
-- A minha também... - Ela concorda.
-- Eu terminei o meu livro... - Edward disse sem olhar para ela.
-- Como ficou? - Ela perguntou sem fitá-lo.
-- Eles gostaram, será publicado no próximo mês!
-- Eu...
-- Você não teve culpa de nada! - Edward a consolou — Está tudo resolvido.
O silêncio tomou conta do quarto e o sol começava a tomar o seu lugar ao céu. Isabella pensou no porquê de não estar chovendo, já que o seu mundo, quase perfeito, estava começando a ruir dentro dela.
-- Eu amo você! - Isabella sussurrou.
-- Eu te amo!

CONTÍNUA...