Jul M

Oi

terça-feira, 15 de abril de 2014

Slave Of Pleasure -- Escrava Do Prazer -- Cap 40

O GRANDE FINAL


A primeira tapa veio com força fazendo a loira ir de encontro ao chão, logo em seguida vieram chutes e pontas pés. O que fez a bela loira se encolher feito uma bola mediante ao ato bruto do homem furioso.
-- Você não imagina quanto tempo esperei por esse momento! - Felix disse sorrindo ao vê a loira caída no chão — Não tem idéia de como planejei cada segundo de minha vingança!
-- Cretino! - A loira murmurou em um tom baixo, mas que ele conseguiu ouvir.
-- Oh não, querida! - Ele proferiu se abaixando e puxando o cabelo da loira — Este é só o começo, advinha quem vem se juntar a nossa festa?
-- Não! - A loira gritou — Não! Deixe Isabella fora disse, você já me tem, esqueça ela!
Rose disse aos gritos ela sabia que se Felix colocasse as mãos em Isabella não seria nada agradável, ele tinha ódio da menina e Rose temia pela amiga.
- Shiiii! - Felix fez silenciando a menina com o dedo — Você não pode fazer nada, minha querida, apenas ver tudo de camarote.
--Você é monstro! - Ela gritou.
-- Um monstro com quem você gostou muito de trepar!
-- Nojento! - Ela disse entre os dentes e cuspiu na cara do homem.
Felix olhou para Rose e usando uma das mãos limpou o cuspe da loira antes que Rose se desse conta, ela estava no chão novamente, Felix lhe deu uma tapa certeira que a mandou ao chão.
-- Nunca mais, ouviu bem, nunca mais faça isso de novo! - Felix disse — Da próxima vez, eu acabo com a sua raça... Vadia....
.........................
Emmett tinha um machucado na cabeça, além de um olho roxo. Edward falava com um velho amigo ao telefone.
-- Tudo bem Tom! - Edward anuiu — Me informe assim que tiver novas informações -- Edward olhou para o irmão —Tom, você poderá achar Felix, pelas imagens e placa do carro que o porteiro forneceu. Agora só nos resta esperar...
-- Rose pode morrer! - Emmett disse agoniado.
-- Estamos de mãos atadas! - Jasper declarou.
-- Eu não acredito! - Ele disse jogando o copo que havia encima da mesa de centro contra a parede - Ele simplesmente invadiu a minha casa e seqüestrou a minha noiva! Como pôde?
-- Precisamos avisar a Polícia. - Jasper sugeriu.
-- Já avise! - Edward disse — Vão mandar um detetive para cá, logo, logo.
..................................
Dois homens estavam ali, um alto de cabelos curtos, vestindo um casaco escuro bem grosso, além de usar óculos escuros, e ao seu lado, estava o outro homem, que tinha cabelos dourados e estava sem óculos. Ambos os Policiais estavam interrogando Emmett, que fora uma das vitimas...
-- Sr. Cullen, o meliante entrou pela porta, e ainda assim, você foi pego de surpresa? - O detetive chefe, chamado Natanael questionou.
-- Estávamos esperando a entrega de comida! - Emmett justificou.
-- O Sr. encomendou um jantar surpresa para a sua noiva e nesse mesmo jantar ela foi seqüestrada? E isso o que nos diz?
-- Querem parar com essas perguntas idiotas? - Emmett gruiu furiosos — Enquanto vocês estão aqui me perguntado coisas sem sentido, a minha mulher está nas mãos de um maluco insano.
-- Sr. Cullen, estamos só tentando entender os fatos! - Disse o outro detetive, chamado Carl.
-- O nome dele e Felix Delcon, ele é um ex-professor dela, que foi acusado de ter uma pequena rede prostituição. Ele chantageava e abusava sexualmente de suas alunas, trabalhou na Escola Futuro Prodígio, na qual a Diretora fora presa por fazer parte do esquema dele. - Edward disse e os detetives ficaram chocados com tanta informação --- Caso não acredite, confira tudo isso no banco de dados de vocês. Felix Delcon é foragido da justiça, e nesse momento, ele está com a minha cunhada como refém.
Alguns telefonemas foram dando e Natanel pegou as informações que Edward já tinha passado para Tom, com o nome do bandido e a placa do carro que o porteiro do prédio conseguiu anotar.
-- Sr. Cullen, você tem alguma idéia de alguém que possa está ajudando Felix nisso tudo? - Natanael perguntou — Afinal é um plano muito bem elaborado, alguém deve estar colaborando também...
-- A Diretora da Escola continua presa! - Edward refletiu.
-- Eu não conheço quase nada sobre esse homem, nunca o vi até ontem e não sei quem possa está o ajudando! - Emmett completou
-- Sr. Cullen! - Carl disse — Se ele abusava das meninas para quem dava aula, e a sua noiva era uma das garotas, não acha que seja provável, que ele esteja atrás das outras garotas também?
-- impossível! - Edward disse — Rose foi à única que aceitou depor contra ele, as outras não aceitaram, mas como havia os vídeos que ele usava para chantagear as meninas, isso foi usado para incriminá-lo.
-- Então pode se tratar de uma vingança! - Natanael concluiu — ele veio somente atrás dela.
-- Quando foi que ele foi descoberto? - Carl perguntou — Foi a sua noiva quem deu queixa?
-- Ele tentou agarrar a minha esposa! - Edward disse — Na época, ela era aluna dele, mas eu cheguei bem na hora, nos brigamos e ele só fugiu porque ele empurrou a minha mulher e ela perdeu a consciência, então eu fui socorrê-la...
-- Se tudo veio à tona devido a isso... - Carl comentou — Então, a lógica me leva a crê que ele esteja atrás de sua esposa também, Sr. Cullen.
Edward sentiu o sangue gelar, afinal aquilo não fazia sentido. Ele pegou o celular discando rapidamente o número de Isabella, quando caiu na caixa postal, ele soube que havia algo de errado acontecendo.
-- Merda! - Ele articulou já correndo para porta. — Ligue para a Polícia e peça reforço. Há duas crianças pequenas na casa e uma Senhora de idade.
...............................
A casa estava totalmente revida, muitas coisas fora do lugar, mas Edward ficou um pouco tranqüilo quando encontrou os filhos trancados no quarto dos fundos juntamente com Sue..
-- Ele a levou meu menino. Ele a levou! - Sue disse aos prantos quando viu Edward e os homens da Polícia.
-- Sue preciso que fique com os meninos! - Edward disse, enquanto a Polícia fazia a vistoria na casa — O meu pai está vindo para cá...
-- Edward! - Sue falou às lagrimas — Traga ela de volta.
-- Vou fazer isso! Prometo!
.......................................
Isabella estava assustada, ela sentiu medo pela primeira vez desde que tinha sido levada da casa. Durante a invasão em seu lar, ela teve bastante força e coragem para conseguir proteger os seus filhos e a boa senhora que a ajudava. Ela fora jogada no chão, sem o menor cuidado, em um galpão velho e abandonado, mas o que a deixou deveras chocada foi encontrar Rose lá. A bela loira estava presa pelos pulsos e estava completamente nua. Havia um homem, que ela não conseguiu ver o rosto de imediato, pois ele usava uma máscara, ele que chicoteava a loira, açoitando ela sem dó nem piedade.

O coração de Isabella pulsou alto, quase saindo pela boca, quando o homem soltou o chicote e se virou na direção dela. Ela não o reconheceu devido o rosto coberto, mas sentiu que aquele homem era perigoso.
-- Veja só quem veio se juntar a nossa festa! - Ele disse sorrindo e removeu a máscara.
-- Fe... Felix! - Ela disse com voz trêmula.
-- Vejo que ainda se lembra de mim! - Ele disse sorrindo cinicamente.
Ela respirou profundamente, e como não se lembrar dele? Se ele havia tentado abusar dela, e se não fosse por Edward aparecer na hora exata, ele teria conseguido... Foi por muito pouco, que ele não a desgraçou...
-- Fique longe de mim! - Ela disse se tremendo — Não chegue perto...
-- Ou o quê? - Felix gritou com deboche — Desta vez, não terá o seu amiginho para te salvar!
Ela sentiu o seu corpo estremecer, de certo modo, ela estava ferrada, mas ela sentia bem lá no fundo que Edward moveria céus e terra para achá-la. Ela só esperava que fosse bem antes que aquele verme a tocasse.
-- Sabe, eu levei um bom tempo planejando cada passo dessa vingança. - Felix segredou sorrindo debilmente, já se aproximando dela e a tocando no rosto imaculado — Não imagina o quanto eu planejei isso, como imagine até mesmo a sua reação, minha querida!
-- Fique longe! - Ela disse tremendo.
-- Solta ela! - Rose gritou — Não se atreva a tocar nela seu porco imundo!
-- Cale a boca sua vadia! - Felix gritou e ajustando o chicote do chão, então bateu novamente nas costas de Rose.
-- Aiiih! - Rose gritou de dor e em suas costas correu mais um pouco de sangue.
-- Sabe... – Felix se voltou novamente para Isabella — Você é a maior culpada por isso tudo, minha querida! - Ele se abaixou ficando na altura de Isabella, que estava encolhida no chão. — Se você não tivesse bancado a difícil, se tivesse aberto essas pernas para mim, nada disse seria necessário agora...
-- Você é um louco! – Ela gruiu e Felix sorriu
 — Sabe o que vou fazer com vocês duas?
Isabella sentiu um grande medo naquele instante, já havia se passado muito tempo, era quase noite, ela passou um longo período desacordada, agora que estava acordada, desejava ardentemente dormir. Rose estava bastante machucada, Felix deveria estar com Rose já há algum tempo, talvez mais tempo até do que a menina imaginasse.
-- Bem, primeiro eu vou fuder aquela vadia! - Felix disse apontando para Rose — Só para lembra os velhos tempos quando ela enlouquecia em meu pau. — Ele apertou a bochecha de Isabella - Depois boneca, será a sua vez... Eu vou tomar o que era para ser meu...
................
Tom fora muito mais útil do que a própria Polícia, o amigo de Edward fazia parte do Serviço Secreto, ele trabalhava para o Pentágono e tinha acesso a muita coisa. Ele foi bem mais rápido em conseguir as informações necessárias e o resto foi Edward quem obteve. Ter fama como ele tinha, de certo modo, ajudava, e naquele momento, o seu renome ajudou muito, o levando e ao irmão aos lugares certos.
Quando Tom avisou que a placa do carro era fria, ele passou logo a buscar nas câmeras de segurança da cidade. Tom conseguiu achar o carro que Felix usou para fazer os raptos, conseguiu ver a última vez em que o carro foi visto rodando pelas ruas da urbe, indo para fora da cidade, bem na divisa de municípios. Depois daí, Edward usou a sua influência pelos becos e vielas da área e foi fácil encontrar onde Felix estava.
Era um velho galpão, Edward conhecia o lugar, já tinha feito algumas cenas com Victoria ali, não só com ela, mas com James também. Ele melhor do que ninguém conhecia o local, muitas vezes, durante aqueles dois anos em que Isabella se fora, ele esteve ali, não que tivesse fazendo algo, mas sim pensando no que era preciso ser feito. Era um ótimo lugar para se ficar sozinho, já que ninguém com algum bom senso, ousaria ir tão longe só para meditar.
-- Há dois homens na entrada! - Emmettt disse - Como vamos fazer?
Edward deu um sorriu cínico, ali estava ele, um verdadeiro Masen, qualquer pessoa com algum tino saberia o que aquele nome representava...
-- Eu cuido disso! - Ele disse.
................................
Felix tinha Rose ainda amarrada com cordas, a loira se mexia tentando fugir dos toques nojentos do maior, toda vez que ele fazia menção de apalpá-la.
-- Querida Rose! - Ele disse com um sorriso sarcástico — Você sempre foi uma boa puta, uma safada de qualidade e que adorava trepar, não importava com quem fosse, apenas queria um pau enterrado em sua doce e sem vergonha buceta!
-- Pare! - Isabella gritou — Pare com isso!
-- Cala a boca! - Felix gritou e ao mesmo tempo virou a mão sobre o rosto de Isabella, lhe dando uma bofetada que a fez cuspir sangue – Fique quietinha, a sua vez vai já chegar.
...................................
As coisas aconteceram muito rapidamente, tão rápido que Isabella não viu de onde Emmett veio, somente quando o grandão já se chocava contra Felix, mandando ele ao chão e o enchendo de socos na cara. Felix também era bom de briga, revidou a altura do grandão. Foi então que Isabella viu Edward sendo jogado dentro do galpão por outro homem. Eles brigavam de igual para igual, Isabella não sabia o que fazer, Rose gritava compulsivamente, enquanto ela estava presa dos pés a cabeça.
Ela percebia que ora Emmett estava por cima e ora Felix era quem comandava, mas ela não saberia dizer quem estava ganhando. Com Edward, era a mesma coisa, ela não conseguia distinguir quem estava levando “a melhor” durante a briga. E quando tudo parecia que iria terminar, uma das mãos de Felix conseguiu pegar uma arma, alguém atirou contra o homem, acertando os seus ombros o fazendo tombar no chão.
-- É a Polícia! Todos parado! - A voz disse. E por fim Isabella sentiu paz e desmaiou.
.........................
Rose estava sendo atendia por um médico, assim como Isabella. Emmett e Edward ambos machucados, Felix e seus compassas foram presos e também estavam sendo medicados, assim que o atendimento acabasse, eles seriam mandado para a cadeia municipal, de onde responderiam pelos seus crimes.
-- Sente-se bem! - Edward perguntou.
O rapaz tinha os lábios machucados, mas nada de grave, apenas alguns arranhões no rosto, contudo ele estava firme e forte, pronto para outra, com dizem por aí... Emmett estava igual ao irmão, alguns arranhões pelo corpo, porém estaria bem em poucos dias. Já Rose tinha muito machucados pelo corpo, alguns ferimentos graves, no entanto estava viva e sem lesões irreversíveis.
-- Como Rose está? - Bella perguntou.
-- O médico está acabando de examiná-la! - Emmet disse — Espero que fique tudo bem!
-- Temos que ir a delegacia amanhã! - Edward informou — Conversei com o detetive Natanael, ele concordou que fosse melhor que os nossos depoimentos se dessem amanhã.
-- Claro! - Emmett assentiu — Já que eles não conseguiram solucionar a situação, eles precisarão que nós esclareçamos o caso para eles. Bando de incompetentes!
-- Fique calmo! - Edward pediu — Rose já está à salva e vai ficar tudo bem...
O médico entrou correndo com a sua prancheta nas mãos e chamou pelos parentes de Rose.
-- Parente da Srta. Halle?
-- Aqui! - Emmett disse — Eu sou o noivo dela.
-- Claro! - Ele disse examinando a sua prancheta — A Srta. Halle ficará bem! Algumas esfoliações leves e algumas mais profundas, mas estamos tratando dela, no entanto, por algum tempo, ela terá hematomas por todo o corpo. E acredite, foi um milagre que ela não tenha perdido o bebê.
-- Bebê! - Emmett repetiu surpreso e Isabella sorriu com notícia.
-- Sim! - O médico continuou — A Srta. Halle esta grávida de quatro semanas, para ser mais exato. Ela teve pequenas escoriações naquela parte, se recuperará rápido, mas precisará de bastante repouso. Já percebi pela sua cara que o Senhor não sabia e pela cara que a jovem fez também acho que nem ela desconfiava disso! - O médico riu — Ela precisará de um completo acompanhamento ginecológico e de um Obstetra. Um especialista poderá cuidar melhor do caso dela. Mas por hora, recomendei vitaminas e descanso.
-- Quando ela receberá alta? - Isabella perguntou já que Emmett não emitia nem um tipo de som.
-- Amanhã pela manhã! - O médico respondeu — Ela passará a noite em observação.
O médico seguiu sozinho na direção contrária a eles, os deixando na sala de espera. Edward tinha um sorriso bobo no rosto, e aquele olhar zombeteiro que Isabella já viu muitas vezes, no rosto de Emmett, mas nunca no de Edward.
-- Parabéns irmãozinho! - Ele disse abraçando e batendo nas costas dele — Você vai ser papai!
-- Ela está grávida! - Emmett disse e o seu estado ainda era de choque.
-- É isso mesmo, você a engravidou! - Edward confirmou — Você vai ser pai! E eu espero que seja uma bela menina, assim você pagará todos os seus pecados.
-- Rose está Grávida! - Ele disse afoito – Ela está grávida! Ela está grávida, Bellinha! Eu vou ser pai!
Um Emmett em choque deu lugar a um Emmett eufórico! O homem abraçava e beija a cunhada... Abraçou o irmão de um jeito apertado que só Emmett conseguia fazer, então ele pulou de um lado para o outro e de repente parou...
-- Eu preciso vê-la! - Ele disse — Acho que ela precisa de mim!
-- Sim! Ela precisa! - Isabella assentiu — Eu e Edward vamos para casa, você fica com ela e dá todo o apoio que ela precise!
-- Vão mandar flores? Bem, ela sairá amanhã! Então mandem flores em meu nome, eu não vou poder sair para escolhê-las... Faça isso por mim, hein Bellinha? - Ele pediu sem se dar conta do que falava.
-- Está bem, Emmett! Eu cuidarei de tudo – afirmou Bella - Agora vá!
-- Claro! - Ele disse correndo em direção ao corredor que ficava o quarto de Rose — Eu vou ser pai! - Ele gritava até com as paredes...
Edward ficou observando o irmão que parecia estar bem. Felix era quem estava em uma situação difícil e permaneceria ainda por um bom tempo na cadeia, assim o ruivo esperava. Então Edward se lembrou da gravidez de Isabella e como ele teve a pior reação do mundo em relação ao fato. Isabella tinha os olhos no homem e sabia bem o que ele estava pensando.
-- Eu deveria ter tido a reação que Emmet teve a pouco, quando fiquei sabendo que você estava grávida! - Ele se martirizando.
-- Sim deveria! - Ela confirmou segurando a mão dele — Mas você não teve! E não te culpo por isso, entretanto você teve a melhor reação do mundo, quando conheceu os meninos, os amou assim que soube deles e isso é o que mais importa.
-- Deveria ter sido diferente! Emmett está tão feliz...
-- Edward, não foi bem assim... Eu tinha dezesseis anos e iria ser mãe, você tinha problemas demais e sabia disso... - Ela disse reflexiva — Você é um bom homem e terá muitas chances para demonstrar isso. Você já corrobora com os seus filhos isso, então pare de se culpar por algo que já passou...
-- Tudo bem! - Ele disse dando um meio sorriso — Você tem razão, agora vamos para casa, aposto que você está morrendo de vontade de vê-los.
Ela deu um doce sorriso para ele, passando o braço em volta do dele, então eles caminharam lado a lado em direção a saída.
.....................
Isabella estava com os filhos na cama. Os meninos pareciam preocupados com a mãe, cuidado do jeito deles da moça que tinha alguns arranhões pelo corpo e pelo rosto. Isabella sorria e se sentia amada com o carinho dos filhos. Enquanto ela estava na cama, com as crianças, Edward conversava com o pai dele, que ainda estava na casa.
-- Vou contratar dois seguranças! - Carlisle disse — Os meus netos não vão ficar sem proteção!
-- Pai, Felix foi preso! - Ele disse suspirando e cansado — Eu também concordo com a história dos seguranças. Eu também ficarei mais tranqüilo se eles estiverem bem protegidos.
-- Então, estamos de acordo?
-- Claro que estamos! - Edward assentiu — Ah, Rose está grávida!
-- Rose, Rose Halle? - Ele perguntou chocado — Quem é o pai?
Edward sorriu com a pergunta, mas também não duvidava que o pai desconhecesse sobre o envolvimento de Emmett com Rose, por mais louco que o casal fosse, eles também sabiam ser discreto.
-- Emmett é o pai! - Edward disse maroto — Você pode não saber, mas Emmett tem um caso com Rose desde o tempo em que Isabella morava lá em casa.
-- Ele traia a noiva dele? - Carlisle perguntou.
-- Pai, Emmett nunca amou Irina. Tudo era apenas um fachada para agradar a mamãe!
-- Então eu serei avô novamente? - Carlisle concluiu por fim.
-- Sim! - Edward assentiu — Mas Emmett conversará com você, até porque, ele e Rose estão noivos.
-- Quando isso aconteceu? - Carlisle inquiriu.
-- Na noite do seqüestro! - Ele respondeu — Emmett contaria tudo no dia seguinte, ele reuniria a família para proclamar o fato, mas aconteceu tudo aquilo...
-- Isso explica muitas coisas! - Carlisle refletiu, se lembrando das vezes em que chegou a casa de Rose e encontrou Emmett lá, a desculpa era os seus sobrinhos, mas o real motivo era realmente Rose — Já está tarde! - Ele disse para o filho — Amanhã venho ver Isabella e acho que Rose sairá amanhã do hospital, então vou dar uma olhada nisso também.
-- Está bem pai! - Edward assentiu — Boa noite!
.......................
Isabella dormiu nos braços dos filhos e do marido, todos na mesma cama...
No dia seguinte Rose teve alta e todos foram visitá-la. Jasper levando consigo Alice e Edward com a esposa e os filhos. Era assim que ele se referia a Isabella, como a sua esposa, eles já foram casados, mesmo o divórcio tendo sido concluído. Isabella nunca notou que Edward sempre usava a aliança, ele nunca a tirou, sempre ficou com o anel dourado em seu dedo e sempre que era perguntado, ele respondia que era casado.
Na casa de Rose foi uma animação só, Carlisle estava feliz por ganhar mais um neto. Emmett estava cheio de cuidados com Rose, ela nunca tinha sido tão mimada assim. O anel de diamantes estava lá, era a prova de que ela era uma mulher comprometida, noiva, por enquanto. Todos sorriam, conversavam e comiam... Os gêmeos corriam, brincavam e quebravam as coisas na casa da tia. Quando já estava perto do final da tarde, eles partiram. Primeiro foram Jasper e Alice que se despediram, ela iria encontrar alguns amigos e o loiro, mesmo sendo muito calado e quieto, não tinha a menor intenção de deixar a sua pequena ir sozinha. Logo depois, foi à vez de Carlisle, que também tinha um compromisso, porém, antes de ir, marcou uma reunião com Emmett para a segunda-feira pela manhã. Claro que o grandão estava em apuros, no entanto, nada que fosse tão grave assim. E por fim, Isabella, Edward e os meninos, que já tinham quebrado dois jarros da casa de Rose, se despediram do casal.
No banco de trás do carro, os meninos dormiam e Edward dirigia de volta para casa com a sua morena ao seu lado. Isabella estava distraída, olhando pela janela, quando o silêncio fora quebrado
-- Emmett parece animado! - Edward disso com uma ruga no meio na testa.
-- É o primeiro filho dele! - Isabella pontuou — É normal! Eu fico com pena de Rose, Emmett vai ser um pai bem controlador!
Ela olhou para o marido que ainda estava pensativo, mesmo ela tendo usado trocadilhos muito convenientes, ele não achou graça.
-- O que foi? - Ela indagou segurando a mão dele que estava sobre o volante.
-- Eu fico com um pouco de inveja dele... - Ele disse olhando para a esposa. O carro estava parado, pois o sinal estava fechado — Eu queria ter passado por todas essas fases com você. Ter tido o meu lado possessivo e controlador, ter te enchido o saco, até que você perdesse a cabeça e gritasse que eu estava te deixando louca. Essas coisas que fazemos quando somos pais de primeira viagem.
-- Você pode tentar! - Ela disse dando um pequeno sorriso para o marido
-- Os gêmeos já estão aí! - Ele replicou — Eles já nasceram! Eu perdi tudo...
-- Edward! - Ela chamou a atenção dele, fazendo com que ele olhasse para ela. — Eu ainda posso engravidar, podemos ter outros filhos. Você poderá pirar em outra gravidez ou em todas mais as que virão... — O marido olhava para a menina como se ela fosse louca — Agora pare de se culpar. Você fez o que achou certo. Não que eu concorde com o que fez, mas não vamos discutir isso, já foi... já passou... agora estamos juntos. Você me deu dois filhos lindos e que metade do dia são crianças adoráveis e a outra metade são dois monstrinhos irritantes. Porém são nossos e nós os amamos...
A buzinada veio do carro de trás, avisando que o sinal já estava aberto. Edward botou o carro em movimento e nada disse sobre o comentário da mulher. Ele seguiu para casa no maior silêncio por todo o resto do caminho. Quando eles chegaram à residência, ele ajudou Isabella a tirar os meninos das cadeirinhas e a levá-lo para o quarto. Lá ela os asseou e os vestiu com um confortável pijama do Bob Esponja, deu um beijo de boa noite nas crianças, sabendo que a qualquer hora da noite, eles poderiam acordar novamente, cheios de energia.
Ela voltou para a alcova principal, mas o lugar estava vazio. Foi para sala de estar e não havia ninguém por lá também. Passou pelo escritório, o encontrou do mesmo jeito em que o havia deixado pela manhã, sem uma viva alma. Então, ouviu um barulho vindo do jardim, ela sorriu ao ver o marido na espreguiçadeira perto da área da piscina. Ele estava deitado com os braços atrás da cabeça, olhando para o céu, que por milagre, estava estrelado e bonito.
-- Um beijo por seus pensamentos! - Ela disse se sentando ao seu lado, no chão.
-- Um beijo seu é muito pouco! - Ele disse virando o rosto e olhando para ela — Eu quero mais do que um só beijo, os meus pensamentos são muito valiosos! - Ele tocou o rosto da esposa fazendo-lhe um carinho delicado.
-- Peça o que desejar, pois você terá! - Ela disse sorrindo e entrando na brincadeira.
-- Quero você! - Ele disse sério...
-- Você já tem!
-- Como pode me amar tanto assim? - Ele perguntou mais para si mesmo do que para ela — Eu te fiz sofrer, fiz você chorar... Eu te provoquei tanta dor e mesmo assim, você ainda me ama! Por quê?
-- Porque ninguém, no mundo todo, poderia me fazer feliz como você faz! - Ela obtemperou e tocou no rosto dele com os dedos macios — Não é o que você fez que mudou o passado, mas as suas atitudes de agora, que mostram o quando é digno do meu amor. Amo você pelo que é Edward, não pelo nosso passado...
-- Não faz sentido! - Ele sussurrou.
-- E quem disse que o amor faz sentindo? - Ela sorriu — Vamos brigar, vamos discordar! Você vai perder a cabeça, algumas vezes... Eu vou ficar com raiva muitas vezes, mas vamos sempre encontrar um caminho de volta um para o outro.
-- Eu amo você! - Ele disse passando os dedos pelos lábios macios da morena.
-- Assim como eu te amo! - Ela disse — Assim como as estrelas são lá do céu, o meu amor é só seu... Sr. Cullen!
-- Você foi feita para mim! - Ele disse sentando e a puxando para o seu colo — Sobre medidas, só para mim!
Ela sorriu mordendo os lábios, o seu rosto ganhou uma tonalidade vermelha e então Edward notou que ela estava sem graça e tímida.
-- O que aconteceu? - Ele perguntou tocando as suas bochechas.
-- Eu tenho algo para você! - Ela disse mordendo os lábios — Na verdade, acho que é para nós dois...
-- Isabella, o que está acontecendo?
-- Pode confiar em mim, um pouco? - Ela perguntou.
-- Eu sempre confio em você, minha menina.
Ela ficou em pé e ela o puxou pela mão, o levando para dentro da casa, as luzes estavam, em sua grande maioria, apagadas. Ela subiu para quarto, sempre o levando ao seu lado. Sem deixar Edward pensar muito, ela começou a desabotoar a camisa do marido, a tirando do corpo dele. As mãos do maior pararam as dela.

-- O que você está fazendo?
-- Você disse que confiava em mim! - Ela sussurrou.
-- Tudo bem!
Para Edward, não era fácil ficar no escuro, sem saber o que ela estava planejando, ou tentando fazer... Edward sempre fora um Dominador e era difícil ver alguém fazendo aquilo com ele, lhe submetendo a uma entrega cega...
A menina removeu toda a roupa do maior, o deixando apenas de cuecas, ela o puxou pelas mãos em direção a cama, o jogando lá, fazendo com que ele tombasse de costas sobre a cama. Ela sorriu travessa para ele.

 Isabella o beijou nos lábios, um beijo terno e doce, então desceu a boca o beijando no pescoço, até então, Edward não podia reclamar, não era nada diferente do que eles faziam.

 A menina continuou descendo, beijando o seu peito másculo, dando leves mordidas em seus mamilos... Fazendo-o gemer, ela foi descendo para a barriga do marido, o provocando com a sua língua e lábios perfeito. Edward usou as mãos para afastar os cabelos da menina e assim deixar que ele visse o seu belo rosto de menina travessa.
Isabella saiu de cima de Edward, para remover a sua própria roupa, assim que se livrou delas, a menina ficou apenas de calcinha e sutiã... Ela sorriu de um jeito tímido, para o seu homem amado, que tinha os olhos sobre ela. Edward ia saindo da cama, mas Isabella o impediu de sair ou de tocar nela. O homem parou em sua frente, ela voltou a beijá-lo, no peito, na barriga, o provocando cadê vez mais.


 Ele fez menção de tocá-la, mas ela o empurrou de volta para cama, ficando por cima dele, o atiçando com as mãos em seu corpo, causando arrepios prazerosos no marido.

-- Você está me provocando querida! - Ele disse olhando para ela com um sorriso malicioso.
-- Eu disse que tinha algo para você! - Ela replicou — Terá que se comportar ou não vai ganhar a grande surpresa.
Isabella o beijou mais algumas vezes na boca, até que se sentou sobre a barriga dele, então ela abriu o fecho de seu sutiã, Edward a ajudou a remover a peça, deixando assim os seios da esposa livres e prontos para o total prazer dele.

 Isabella voltou a beijá-lo, beijos ousados e provocantes, a menina desceu a boca por todo o corpo do rapaz, sempre o atentando... Edward pensava que a menina iria subir novamente com a boca, como estava fazendo antes, mas para a sua surpresa, ela desceu ainda mais, dando uma leve abocanhada em seu pau já duro, dentro da cueca.

Edward sabia que Isabella era tímida, mas com os estímulos certos, ela sempre se soltava um pouco mais... Hoje ela estava diferente, o seu rosto estava corado como sempre ficava, contudo ela estava mais ousada, as suas mãos, de algum modo, estavam quentes e geladas ao mesmo tempo, o que deixava o ruivo ainda mais curioso por saber o que ela realmente estava aprontando...
Isabella parou quando o maior soltou um gemido alto de luxuria... A menina se levantou e por fim removeu a última peça que ainda cobria o seu corpo. Ela tirou a calcinha ficando completamente nua para ele. Sentindo um pouco de vergonha, pelo modo como ele a olhava, com desejo e prazer, este desejo que ela só conheceu quando encontrou Edward e o prazer só sentiu nos braços dele, então ela não tinha duvidas, ninguém nunca causaria nela tudo o que Edward provocava quando simplesmente olhava para ela.
-- Se lembra quando você me conheceu? - Ela perguntou.
-- Claro! - Ele disse — Impossível esquecer, você perturbou todo o meu juízo.
-- E você o meu! - Ela disse corando — Você me deu algo, algumas noites depois que você me seduziu...
-- Aonde você quer chegar?
-- Você prometeu que não tiraria a minha virgindade! - Ela disse o interrompendo.
-- Eu me lembro! - Ele assentiu — E estava mentindo descaradamente, tudo que eu mais queria era me afundar em você, o mais denso possível e ser o primeiro e único a estar dentro de você. - Ela sorriu
-- Você disse que iria fazer outra coisa antes!
Edward enrugou a testa não entendendo e tentando se lembra exatamente aonde era que Isabella queria chegar. Então como em um estalo, ele olhou para a esposa com os olhos arregalados e aos poucos, um sorriso veio aparecendo em seu rosto e ficando cada vez maior.
Isabella respirou fundo e colocando a timidez de lado, ela girou se curvando um pouco para frente, mostrando para o marido, o diamante que brilhava em seu ânus.

-- Você...
-- Você disse... - Ela começou, mas parou.
-- Eu achei que você não gostasse da idéia!
Ele levantou ficando de pé e indo ao seu encontro, puxando-a para que se virasse de frente para ele.
-- Eu quero qualquer coisa com você! - Ela disse se sentindo realmente tímida.
-- Eu também querida! - Ele disse beijando os seu lábios de leve — Vamos tentar isso, eu prometo, mais não essa noite!
Edward beijou Isabella, escorregando as mãos pelas costas da menina, removendo o plug anal que estava alojado dentro do ânus dela. Isabella soltou um gemido quando ele puxou o objeto.
-- Eu ainda não terminei! - Ela disse enquanto Edward a beijava no pescoço a provando...
-- Não? - Ele disse com um sorriso nos lábios.
Isabella o empurrou de volta para cama, ela o beijou e começou a o atiçar novamente, quando chegou aos quadris dele, ela puxou a cueca do marido para baixo, deixando-a fora do seu caminho, ele estava nu... Isabella não perdeu tempo, já agarrando o pau do amado nas mãos e o movimentando para frente e para trás, para logo em seguida passar a língua em todo o seu cumprimento, saboreando o suco do pré-gozo do maior em sua língua.

 Os olhos da menina estavam fixos nos olhos dele e um sorriso travesso coroava os lábios dela...
Edward segurava os cabelos de Isabella, à menina engolia e chupava com perfeição o membro do maior, o provocando, o deixando mais vivo ainda...

 Ela engolia e usava as mãos para controlar os seus movimentos, entrando e saindo com membro dele de sua boca, as mãos massageavam a parte que não cabia dentro da cavidade oral dela.
-- Acho que o seu showzinho já acabou! - Ele gemeu e puxou a menina para si – Agora é a minha vez, querida.
Isabella não viu como, mas de repente ela já estava deitada e Edward com a cabeça no meio de suas pernas, sem aviso algum, torturando-a com a sua língua talentosa. Ele chupava a buceta da menina como se fosse uma uva bem doce... A língua dele se afundava dentro da cavidade molhada dela, fazendo-a gemer.

 Quando Isabella pensou que não poderia ser melhor, Edward a penetrou com um dedo a fundendo com ele, enquanto a língua mágica do rapaz trabalhava em seu clitóris, deixando a menina aos prantos e a enchendo cada vez mais de prazer.
-- Adoro ver você gozar em minha boca! - Ele disse lambendo os lábios – Mas hoje essa bucetinha vai melar o meu pau primeiro!
Edward ficou por cima de Isabella, a menina tinha uma das mãos nos cabelos do maior, ele sorriu e beijo-a nos lábios. Ele a penetrou devagar fazendo ambos gemerem com o contato. A menina ofegou e Edward não parou a deixando bem aberta para ele.

 Edward manteve Isabella parada, enquanto entrava e saia de dentro dela, fazendo todo o seu membro se afundar dentro da buceta da menina, aumentando assim o ritmo de suas investidas. Com uma mão em cada lado do rosto da menina, ele manteve o ritmo entrando e saindo dela, empurrando cada vez mais fundo o seu membro. Isabella mantinha as pernas em volta da cintura de seu homem...
Isabella estava por cima de Edward, o corpo da mulher cobria o do marido, a boca dela estava grudada na dele. O único movimento existente ali era o dos quadris de Edward se movendo embaixo dela... 

Os lábios dos dois permaneciam em beijos profundos e profanos, as mãos de Isabella seguravam a cabeça dele e Edward matinha as mãos em volta da bunda da menina a fazendo ficar parada sobre ele e assim ajudando com os seus movimentos de entrar e sair da buceta apertada dela.

Uma mão de Isabella estava apoiada nas coxas de Edward e a outra estava sobre a sua barriga. A menina movimentava os quadris para frente e para trás, com velocidade e perfeição...

 Ela gemia e choramingava o nome do marido, todas as vezes que o membro longo e grosso se afundava bem fundo dentro dela. Ele mantinha as mãos atrás da cabeça dele, apenas observando a menina que buscava o seu próprio prazer e lhe enchia de luxuria e tesão.
As mãos de Edward foram para a cintura da menina. Isabella passou a pular sobre o colo de Edward, fazendo o pau dele, entrar cada vez mais fundo entre as pernas dela. Bella estava por cima de Edward, deixando a posição mais deliciosa, era como se ela estivesse de joelhos sobre ele e daquele jeito, ajudava aos movimentos, assim como Edward auxiliava movendo a esposa.

-- Vamos Isabella, goze pra mim! - Ele disse tão ofegante quanto ela.
Foi uma, duas, três investidas profundas dos quadris de Edward e isso levou Isabella ao pleno delírio, ela explodiu em um grito rouco e gozou sendo seguida pelo marido que também se derramou dentro dela.

 A menina deixou o corpo cair para frente, ficando por cima de Edward, o jovem movimentou os quadris se retirando de dentro dela, quando isso aconteceu, o gozo do rapaz escorreu para fora, melando assim, ambos com o prazer deles...
....................
Isabella estava banhada, vestida e devidamente pronta para dormir. Edward também estava... A vida dele mudou depois que descobriu que era pai. Uma coisa que ele aprendeu rápido, não poderia mais dormir pelado com a esposa, porque os meninos invadiam o seu quarto sempre pela manhã e nem sempre dava tempo de se vestirem. Aprendeu ainda, que sair do banheiro pelado, estava fora de cogitação, uma vez que os seus filhos gostavam de brincar em seu quarto. E por último, a sua vida sexual passou a ser controlada pelos horários dos filhos, o que para alguém como ele foi bem complicado no começo.

-- Não vejo a hora de eles crescerem! - Edward disse puxando a esposa para os seus braços.
-- Por quê?
-- Porque assim eu vou poder dormir com você pelado e comer você quando eu bem quiser! - Ele disse dando um beijo em seu pescoço a fazendo ri.
-- Você não vale nada, Sr. Cullen!
-- E ainda assim, você me amar! - Ele afirmou — Você tem sérios problemas Sra. Cullen!
-- Você é o meu único problema! - Ela disse girando e ficando de frente para ele — O meu problema é que eu te amo muito...
-- Eu te amo mais! - Ele disse e a beijou nos lábios — Agora durma!
-- Sim, Sr. mandão!
Edward deu-lhe uma palmada de leve na bunda, ela gemeu com a ardência, mesmo o gesto tendo sido leve... Então ela se aconchegou nos braços dele e por fim, se permitiu cair no sono dos justos.
......................
Os dias foram passando e as coisas se encaixando, era aniversario de Edward, estavam todos reunidos para um almoço na casa dele. Havia uma festa lá, toda a família estava presente. Jasper anunciou o seu noivado com Alice, que parecia tão feliz que ninguém duvidava que aquele casamento desse muito que falar. Rose estava pirando com Emmett e o seu controle e preocupação exagerada com bebê, mas ambos estavam felizes. Carlisle parecia estar em paz consigo mesmo, vendo os filhos felizes, era como se ele estivesse finalmente se perdoando por tudo o que acontecera. Após o almoço, ainda ficaram um pouco mais, como sempre acontecia, aos poucos foram todos partindo, até ficarem apenas Carlisle e Edward na varanda da casa, vigiando os meninos que corriam felizes pelo jardim.
-- Eles estão cada dia mais parecido com você! - Carlisle apontou.
-- Isabella diz a mesma coisa!
-- É porque estão mesmo! - Carlisle olhou para o filho que parecia preocupado. — Eu disse algo de errado?
-- Não! – O filho replicou — Eles estão crescendo, mas eu fico com medo de não saber como agir quando eles estiverem maiores.
-- Saberá na hora certa! - Carlisle pontuou — Eu sinto muito não ter estado perto de você quando precisou!
-- Não era a sua culpa! - Ele retrucou.
-- É bom saber que você já me perdoou.
-- Não foi fácil pai! - Ele disse sincero — Eu passei um bom tempo culpando você por tudo!
-- E o que mudou? - Carlisle quis saber.
-- Isabella! - Ele disse — Ela admira você por algum motivo que eu desconheço. Ela abriu os meus olhos para muitas coisas e os meninos estão ajudando. Eu sabia que a culpa era da mamãe o tempo todo, ela era doente, ela precisava de tratamento, mas fechamos os nossos olhos para certas coisas e acabamos fazendo tudo errado... - Edward olhou para o pai — Era mais fácil culpar você e fingir que eu não tive culpa...
-- Porém você não teve, era apenas uma criança! - Carlisle colocou.
-- Eu sei! Agora eu sei disso! - Edward suspirou e olhou para os filhos — Me sentia culpado, achava que era minha culpa, assim como sua. - Ele olhou para o jardim onde os meninos estavam e sorriu vendo Isabella correndo atrás deles e brincando — Mas ao ver Isabella com os meninos, o modo como ela os protege e os repreende quando estão fazendo algo errado, o modo como ela cuida deles, como uma verdadeira mãe... Então, vejo que Esme nunca me olhou como filho dela e sim como um homem... Acho que foi aí que comecei a te perdoar e a me perdoa também...
-- Edward! - Carlisle disse baixinho, mas ele sabia que o filho conseguia ouvi-lo — Eu daria a minha vida para mudar o que aconteceu com você. Eu amo você tanto quanto amo os seus outros irmãos, eu fui negligente em algumas coisas com vocês, e isso, eu não posso mudar... Mas me arrependo todos os dias por isso...
-- Vamos esquecer! - Edward disse e olhou para o pai — Isabella disse uma vez que o passado não vai mudar por ficarmos falando nele e o que importa é o agora...
-- Ela tem razão! - Ele concorda.
-- Sim, ela tem! - Edward concordou — Você sempre será o meu pai, eu posso aprender a te perdoar ou posso passar a vida toda me culpado... Mas isso depende das minhas escolhas...
-- Ela sempre fez bem para você! - Carlisle afirmou — Pena que vocês demoraram tempo demais para ficarem junto!
-- Algumas coisas acontecem somente na hora certa!
-- E algumas de modo totalmente errado! - Carlisle refletiu — Todavia, o que importa no final é como tudo termina...
-- Não termina! - Edward disse olhando para a esposa que acenou para os dois — Apenas dá a chance de começamos tudo de novo...
-- Você está feliz? - Carlisle perguntou.
-- Nunca estive tão feliz em toda a minha vida!
-- Então é isso o que importa...
Carlisle ficou um tempo mais conversando com Edward. Eles falaram sobre a nova profissão do filho, o modo como os netos estavam crescendo rápido e como às coisas estava finalmente se encaixando... Depois de um abraço e um novo pedido de perdão, ele partiu, indo para casa, deixando Edward sentando em sua cadeira na varanda. Isabella deixou os meninos brincando no jardim e caminhou em direção ao marido, se sentando em seu colo. Edward passou os braços em volta da cintura da esposa e a aconchegou contra o seu corpo.
-- Como está se sentido? - Ela perguntou.
-- Velho! - Ele disse rindo — Mas feliz...
-- Isso é verdade! - Ela disse sorrindo e virando para olhá-lo — Você vai ficar o ano inteiro velho.
-- Isso que é estimo! - Ele rebateu.
-- Melhor do que isso, só o que tenho guardado para você mais tarde Sr. Cullen!
-- Lá vem você e as suas surpresas.
-- Como se você não gostasse delas! - Ela sorriu.
-- Esta feliz? - Ele perguntou.
-- Não poderia estar mais feliz! - Ela disse sincera.
-- Eu também!
Isabella apoiou a cabeça nos ombros do marido. Edward tinha as mãos da menina entrelaçadas com as dele. Apenas observando o tempo passar...
-- Eu amo você Isabella Cullen!
-- Eu amo você Edward Cullen! - Ela disse sorrindo.
-- Casa comigo?
-- O quê? - Ela inquiriu se virando e olhando para ele.
-- Eu estou perguntando se quer casar comigo?
-- Já somos casados! - Ela redargüiu.
-- Você pediu o divórcio e dei a você!
-- É só anular! - Ela usou a lógica.
-- Eu quero casar com você! - Ele insistiu — Com festa, bolo, igreja e tudo que temos direito!
-- Edward! - Ela disse com os olhos cheios de lágrimas.
-- Apenas diga sim!
-- E o que mais eu poderia dizer senão... SIM!
Edward tirou do bolso da bermuda, que ele vestia uma caixinha preta de veludo e abriu a tampa, mostrando o anel de noivado que comprou para a esposa. Era lindo, com uma safira azul em forma de coração e todo em prata e ouro branco.
-- Isabella Swan aceita ser a minha mulher para o resto de sua vida, todos os dias me amar, até mesmo quando eu estiver sendo um completo idiota? E nunca me deixa nem quando essa for à única saída... Seja minha sempre e sempre...
-- Eu aceito!
Pegando a mão trêmula da mulher, ele deslizou o anel no dedo anelar dela. Ela já chorava como uma criança, ele enxugou as lágrimas da amada com beijos, e por fim, tomou a boca dela em um beijo doce e cheio de amor, que demonstrava a profundidade do sentimento que ele tinha por ela. Quando se separaram, Isabella se deitou novamente, apoiando a cabeça sobre o peito dele e olhando para aonde os filhos estavam brincando, falou de repente...
-- Acho que vamos precisar organizar tudo muito rápido!
-- Eu não me importo em viver em pecado com você um tempo mais! - Ele disse rindo.
-- Não é isso! - Ela disse rindo também — Eu só não quero entrar na igreja com um barrigão!
-- Por que entraria com um barrigão! - Ele disse sem entender — Você está ótima, não vejo nem barriga aí. Não está pensando em engorda, está?
Isabella não respondeu de imediato a pergunta sem cabimento do marido, apenas pegou uma das mãos dele e levou direto para o seu ventre. O corpo de Edward ficou rígido e ele respirava devagar, bem devagar...
-- Espero que você esteja pronto! - Ela disse matreira — Porque dessa vez, passaremos por isso tudo juntos.
-- Você está...
-- Grávida! - Ela disse e se virou para ele sorrindo — Você será papai de novo.
Os olhos dele piscaram e então era como se ele tivesse levado um choque, os braços se fecharam em volta da cintura dela e então ele a abraçou e a beijou. Sussurrando várias e várias vezes à mesma frase... “Obrigado meu amor”... Quando Isabella se deu conta, ele chorava...
-- Eu amo você Isabella! - Ela sussurrou segurando o seu rosto entre as suas mãos — Eu amo você, minha Bella!
-- Assim como eu te amo! - Ela disse e sorriu — Meu Edward!
Ele tomou a boca dela em um beijo cheio de felicidade e amor verdadeiro, então o mundo passou a ser um lugar perfeito para ele. Edward se viu afortunado e cheio de vida como nunca pensou ser possível. Claro que, algumas coisas nunca mudariam, como por exemplo, o seu fascínio por Isabella, em tê-la sobre o seu controle, cumprindo as suas ordens, enquanto estavam na cama. Mas ele sempre a deixaria livre para fazer as suas escolhas e desse jeito, seguiriam a vida, vivendo um dia de cada vez.
O sol começava a se pôr, Edward estava com os braços em volta da cintura de sua amada, com as mãos sobre a barriga plana e lisa da mulher, que logo estaria dando sinal de que ali havia vida a caminho. Isabella admirava o seu novo anel, a sua aliança preferida, o símbolo que provava o amor incondicional de Edward por ela. Além dos meninos, os seus dois lindos filhos, que logo, logo ganhariam um irmãozinho ou uma irmãzinha...
Mas isso já é outra historia...

FIM!

18 comentários:

  1. História Perfeita!!! Você como sempre arrasou demais !!! Amei e odiei esse Edward possessivo e cabeça dura!!!! Quero mais de Nick, Thomas( os monstrinhos em pessoa) e da(o) menininha(o) !!!! Espero que tenha um bônus ( fazendo a carinha do Nick de cão sem dono.). Você é uma autora ótima que se supera a cada capítulo!!! Leio todas as suas fics , todas mesmo. AMEEEEIIIIIII

    ResponderExcluir
  2. Amei!!!!!!!!!
    Pena que acabou....
    Buábuábuá.........
    Estou com saudades das outras fics.

    ResponderExcluir
  3. Ai que lindo. Amei essa estória pena que acabou:(
    Mas estou ansiosa pelos capítulos das outras fics que você escreve.
    XOXO

    ResponderExcluir
  4. ahhhh vai ter capitulo extra? Eu gostei muito do capitulo, vou sentir falta desse casal.

    ResponderExcluir
  5. ai acabou que peninha, amei essa fic do começo ao fim. quero parabenizar a linda Jul M por essa historia linda bjs amada essa fic e uma das mais cut que já li. amei o final

    ResponderExcluir
  6. Ammmmmmmei o capítulo!!! Amei ler a fic.... Amei TUDOOO. Espero qe você continue tendo essa maravilhosas idéias para fic's e continuar boa enche do de alegriaaaa!!! Beijão amoré!!! Vê se não demora para postar em Maus Lençóis, hein!!!

    ResponderExcluir
  7. Vai ter capitulobonus? Seria legal mostrar o casamento dos dois e o nacimento do bebe

    ResponderExcluir
  8. que lindoooooo...
    o final foi muito lindo.. pena que acabou!
    parabens fic mara!!!

    ResponderExcluir
  9. amei sua história!!!!!
    esse final foi espetacular, pena q acabou.
    .meus parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  10. Que pena q acabo!
    Porem muito perfeito!

    ResponderExcluir
  11. Adorei essa história, os meus parabéns pelo seu talento e obrigada por partilhá-lo connosco. Esta é, sem dúvida, das melhores histórias que já li *.*

    ResponderExcluir
  12. amei o final desta historia.que pena que acabou....

    ResponderExcluir
  13. INESQUESIVEL VOU FICAR COM SALDADES PERFEITA PARABENS

    ResponderExcluir
  14. maravilhoso!! acompanhava só pelo nyah.. mas agora descobri aqui..e é bem melhor!! amei demais!! bjs.

    ResponderExcluir
  15. não consigo terminar de ler porque ñ consigo encontrar o capítulo 37 eu adoro ler as suas história mais estou perdida me ajuda a encontrar...

    ResponderExcluir
  16. Olá JuL M!
    Maravilhoso esse capítulo. Terminou mesmo? Nossa vou ficar com uma saudade. Acompanhava essa fic desde o NYAH! Amei a fic tudo muito bem escrito.
    Bem que você poderia colocar um bônus hein?!

    Mil Bjs,

    Therose

    ResponderExcluir