Jul M

Oi

domingo, 27 de abril de 2014

De olhos bem fechados-- Cap 6

BELLA TENTAÇÃO...

Angel estava animada depois da aula. Isabella ficou com a menina até o final da tarde, o que era o combinado. Às seis horas da tarde em ponto, Isabella se despediu da menina dando um beijo em cada bochecha rosada e avisando que estaria de volta pela manhã. Carmem olhava tudo de canto de olho, mas Isabella preferiu ignorar totalmente a presença daquela mulher e então partiu. Quando chegou a sua casa ligou para o pai, fazia alguns dias que já não se comunicava com ele.
-- Tudo bem pai... - Ela disse — Quando eu tiver um pouco mais de tempo, eu vou visita você!
-- Isabella, você está conseguindo pagar as suas contas?
-- Pai, eu estou trabalhando! - Ela respondeu com se fosse obvio que sim.
-- Bells querida, qualquer coisa me ligue! - Ele re-afirmou - Eu ainda sou o seu pai!
-- Eu sei disso! - Ela retrucou fazendo bico.
-- Ótimo! - Ele falou — Boa noite, minha pequena!
-- Boa noite, pai!
Quando Isabella desligou, o seu celular tocou, ela não sabia quem poderia ser, pois o número era privado e não aparecia no display.
-- Alô! - Ela atendeu duvidosa.
-- Srta. Swan? - A voz perguntou.
-- Sim, sou eu...
- Sou a secretaria do Senhor Cullen!
Isabella sentiu todo o seu corpo pinicar com a simples menção daquele nome. Era a velha eletricidade, que já lhe era conhecida e passou por todo o seu corpo em segundos.
-- O Sr. Cullen deseja falar com a Senhorita! - Ela completou — Um momento, por favor, eu estou transferido à ligação...
Isabella não gostou nada daquilo! Por que será que o seu corpo lhe dizia que não podia ser coisa boa?
-- Srta. Swan! - Ele disse um tanto austero — Eu espero não estar atrapalhando em nada!
-- Sério?
-- Que bom! - Ele disse ignorando o comentário da jovem — Por favor, eu gostaria que arrumasse uma pequena mala. Vamos viajar amanhã pela tarde. Quando digo vamos, quero dizer que eu, Angel e você que também irá conosco! Por favor, leve roupas de frio, Londres essa época do ano está congelaste! Cuide disso! Amanhã, quando chegar a minha casa lhe darei melhores informações.
-- Espere! - Ela disse antes ele desligasse em sua cara — Eu sou apenas a tutora da sua filha, não a babá!
-- Você é o que eu deseje que seja! - Ele disse grosseiro — Eu pago você e até onde sei, não será nenhum sacrifício para você ir nessa viajem. Então vamos pular essa parte em que você me diz o que é... De minha parte, eu finjo ignorar, como estou fazendo agora...
Isabella bufou, que homem mais sem noção... Ela pensou e então ouviu do outro lado o que poderia ser descrito com risinhos.
-- Que esteja tudo pronta às quatro da tarde, nós estaremos partido neste horário Srta. Swan. - Ele a comunicou imparcial — Sem atrasos!
Do mesmo jeito que ele ligou, ele desligou o telefone. Isabella passou alguns segundos olhando para o seu celular e pensando consigo mesma.
-- Esse homem é uma verdadeira peste! - Ela disse por fim, já jogando o celular de qualquer jeito sobre o sofá.
.......................
Edward se acabava de rir, Emmett ficou olhando para o amigo enquanto ele conversava com a tutora da filha ao telefone, sem entender o porquê daquilo tudo. Edward nunca gostou de levar ninguém em viagens e simplesmente, agora, estava levando, além da pequena Angel, que ele tentava a todo custo manter longe dos olhos públicos, a tutora dela... Todos sabiam que ele teve uma filha com a ex-esposa, todos sabiam que a menina ficava muito mais com ele do que com Victoria, a filha não tinha nem mesmo os olhos da ex-mulher, ela se parecia em tudo com o pai. Também, todo mundo sabia que Victoria nunca quis a infante, que só levou a gravidez até ao final por imposição de Edward, que praticamente a obrigou aquilo. Alguns meses depois que a criança nasceu, ela partiu com o primeiro homem que caiu em sua conversa.
-- Eu não estou entendendo... - Emmett disse aparvalhado — Por que está levando Angel? Você só vai passar dois dias em Londres Edward, eu não vejo o porquê de levar a menina.
-- Você tem razão! - Edward disse contendo o riso — Porém o fato de saber que Isabella a essa altura deve estar cuspindo fogo, me deixa animado.
-- Ela é a tutora e não a babá de sua filha! - Emmett o lembrou.
-- Eu não dou a mínima para o que ela é! - Edward disse se lixando para o fato, então Emmett riu — O quê? Por que está me olhando assim?
-- Ela te deu um fora, não foi? - Emmett perguntou irônico – É por isso que está fazendo a vida da pobre coitada um inferno...
Edward gargalhou abertamente, sem a menor vergonha que outra pessoas pudessem o ouvir.
-- Não! - Ele rebateu — Ela nunca me deu um fora! E duvido muito que venha a dar... Contudo, é cheia princípios e essas coisas que normalmente vem acompanhada por pessoas pobres e que ralaram muito para ter algo na vida.
-- Você quer dizer, algo de que você deveria ter um pouco! - Emmett replicou.
-- Eu tenho para algumas coisas! - Edward argumentou — Porém, quando se trata de mulheres, essas coisas passam a nunca existir...
-- Ela não é Victoria! - Emmett o lembrou.
-- No final das contas, todas são como Victoria, movidas pelo dinheiro e pela ganância! - Edward proferiu sarcástico — Quer saber como descobrir isso por certo? È simples... Dê a elas o mundo em minuto e o tire delas no momento seguinte e você verá como elas realmente são...
Emmett abriu a boca para falar, mas o interfone de Edward tocou, a voz de Sue ecoou na sala.
-- Sr. Cullen! - A boa mulher disse — A Sra. Volturi deseja falar com o Senhor.
O rosto de Edward ficou sério e tenso, ele sabia que depois do que ele havia feito, a ruiva viria direto para a sua sala. Ele olhou para Emmett que entendeu o seu olhar, então o grandão levantou e saiu da sala, dando assim espaço para a ruiva poderosa...
Victoria invadiu a sala do ex-marido furiosa, a ruiva que usava um vestido vermelho, com um belo decote que valorizava todas as curvas de seu corpo perfeito e aos seios siliconados. Victoria não tinha mais nada de natural em seu corpo, tudo estava coberto por plásticas. A ruiva ainda mexia com o ex-marido, e ela sabia disso. A ex-mulher entrava na vida dele como se fosse uma mera tempestade de verão, vinha rápido e destruía tudo, para só então partir.
-- Victoria! - Edward disse seco, mas os seus olhos estavam no corpo da mulher.
-- Como pôde? - Ela gritou batendo com as mãos sobre a mesa — Você está o levando à falência!
-- Não entendo! - Edward disse com uma ironia tangente, de um jeito que só ele conseguia.
-- Você está obrigando Aro a decreta falência, para ver se consegue salvar alguma coisa! – A ruiva disse furiosa — Eu nunca imaginei que você jogasse tão baixo Edward Cullen, só para me ter de volta!
-- E quem disse que fiz por você Victoria! - Mentiu ele descaradamente, ele sabia que se quisesse ter Victoria de volta, só precisaria tocar onde mais doía nela. E nesse caso, era na conta bancaria da mulher. — Negócios são negócios, e você bem sabe que eu não jogo para perder!
-- Não importa! - Ela disse - Você está mentido, como sempre! - Ela disse toda cheia de si — Você está fazendo isso, porque sabe que eu odeio a pobreza e que, se Aro perder tudo eu voltarei para você!
-- Pense o que quiser! - Ele disse simplesmente.
-- Eu estou pensando! - Ela disse com malicia — E você, seu bastado Edward Cullen! Aguarde-me!
E sem dizer mais nada, a ruiva saiu da sala ensandecida. Victoria com toda certeza estava com medo de ficar pobre, mas ela sabia que Edward sempre a aceitaria de volta, disso ela não tinha duvidas. Ele nunca deixou de amá-la, pois foi para ela que ele jurou amor eterno quando se casaram...
.........................
Isabella estava a muito contra gosto naquele avião, quer dizer, jatinho particular do chefe. Angel parecia animada, não seria a primeira vez que viajaria com o pai, faziam isso na época de Natal, quando Edward queria ficar longe de todos e perto da família, eles sempre partiam para Aspem, local em que Edward tinha uma residência de inverno. Angel não notou a cara emburrada de Isabella, porque a maior sempre sorria para a pequena, quando esta olhava em sua direção.
-- Já esteve em Londres, Srta. Swan? - Edward perguntou sabendo a resposta.
-- O lugar mais distante em que já estive foi a Florida! - Ela respondeu a contra gosto — A minha mãe morou lá durante algum tempo. O meu pai morava em Forks, não é uma cidade...
-- Grande! - Edward completou — Ela é pequena e fria, os meus pais têm uma casa lá. Chove a maior parte do tempo...
-- Conhece Forks? - Ela perguntou surpresa.
-- Claro! - Ele respondeu sem titubear — Os meus pais são de lá! - Edward explicou — Eu nasci lá. Angel gosta de a Forks visitar a casa de meus pais.
-- Difícil de acreditar! - Ela disse — Você nunca mencionou isso em suas muitas entrevistas!
-- Isso é conhecimento público! - Edward respondeu — Você não é do tipo que ler jornal, é?
-- Não mesmo! - Ela replicou — Eu prefiro livros, eles costumam me fascinar bem mais rápido do que jornais.
-- Uma amante de livros! - Ele disse como se ele não soubesse.
-- Mas isso não quer dizer que não veja ou leia jornais! - Ela contrapôs — Eu preciso me manter informada, ainda mais quando se precisa saber da previsão do tempo...
Edward deu um sorriso e nada disse, ele sabia que o humor da Srta. Swan era negro, contudo era engraçado vê-la corar todas as vezes que ele a chamava de Srta. Swan, ou quando, ela o pegava encarando-a, ou ainda quando ele a pegava olhando para ele. Edward tinha perfeita convicção de seu charme, ele sabia que afetava a menina, mas ele não sabia como agir com ela. Com as outras, foi fácil, ele as fudeu em um canto qualquer da casa e quando se cansou as mandou embora, mas e ela... Se bem que, ele nunca teve uma mulher por mais de uma vez em sua cama, não queria criar laços, queria estar livre para quando Victoria voltasse. Contudo, com Isabella era complicado, ao mesmo tempo em que ela demonstrava interesse, ela recuava rápido demais, para se entender algo do que se passasse na cabeça dela.
O avião posou exatamente à meia noite, na cidade londrina. Isabella só teve o trabalho de pegar a sua mala e a de Angel, as levando para o carro que já esperavam por eles. Edward carregou a filha no colo. Angel dormia calmamente nos braços do pai. Do aeroporto para hotel foi questão de minutos. Isabella fora colocada no mesmo quarto que Angel, sendo que estavam todos em uma única suíte dupla, no hotel mais caro de Londres. Havia dois quartos, um que era ocupado por Edward e outro que estava sendo ocupado por Angel e a sua babá, por assim dizer, havia ainda, dois banheiro, uma grande sala de estar e jantar, uma varanda incrivelmente moderna que dava vistas para a maior roda-gigante do mundo que ficava em um parque de diversões ali perto.
Claro que todo aquele luxo, deixou Isabella boba e surpresa. Para alguém que nunca saiu dos Estados Unidos e agora estava em Londres, uma cidade que era simplesmente o seu sonho de um dia visitar, ela estava se sentindo realizada. Conhecer um lugar como Londres, local em que grandes escritores nasceram e se inspiraram para escrever lindos romances e livros incríveis, era uma meta a se alcançada por qualquer pessoa formada em Literatura Inglesa, e nesse caso, Isabella estava alcançando a sua.
-- Admirando a vista? - A voz de Edward ecoou em suas costas.
-- Difícil não se render a tanta beleza!
-- Beleza essa, que apenas poucos conseguem admirar! - Edward disse e Isabella se virou para olhá-lo.
-- Quem ver você falar assim, até jura, de pés juntos, que você seria capaz realmente de admirar tal beleza! - Edward sorriu, Isabella parecia ofendida.
E de fato ela tinha razão, Edward nunca parou para observar a vista de Londres, nunca parou para admirar nada, simplesmente levava uma vida ocupada demais para perder tempo apreciando paisagens, ele tinha metas, ficar cada vez mais rico, não se dava ao direito de perder tempo com bobagens daquele tipo.
-- E quem disse que me refiro a essa vista? - Edward disse se aproximando da varanda e se encostando a ela. — Querida, existem vários tipos de beleza e vários tipos de paisagem que se possa contemplar. - Ele olhou para ela com malicia e a menina sentiu um vento frio contra a sua espinha — E acredite, eu sei muito bem como admirar cada uma delas...
-- Degradante! - Ela disse e virou a face para mirar a cidade iluminada -- O que realmente quer dizer com isso? - Ela perguntou esbaforida — Dizer que pode comprar o que bem desejar? Que todos se rendem as suas vontades? — Ela estava com muita raiva dele — Deixe-me lhe dizer algo, Sr. Cullen... Você não é o dono do mundo, e nem todo mundo é movido pelas suas vontades. Não ache você, que poderá...

Tarde demais... Antes que a jovem terminasse o seu discurso inflamado e moralista, Edward tomou-lhe a boca, fazendo-a se calar de uma vez por todas. O beijo, de início, não foi correspondido, mas os lábios macios do homem mais velho, sabia exatamente o que fazia e a menina cedeu, dando a ele passagem para o que ele desejasse... ...que era afundar a sua língua na boca pecaminosa da tutora, ele chupava a língua da menina com malicia e precisão. Isabella gemeu alto com aquele ato, ela estava ofegante quando ele terminou o beijo, segurando o rosto dela entre as suas mãos.
-- Eu sempre tenho o que desejo! - Ele disse aos sussurros para a menina — Pode ser antes, pode ser já ou pode até demorar, todavia, no final, alguém sempre se renderá... Desde que eu queira...
Edward se afastou de Isabella, caminhando em direção ao seu quarto pelos próximo dois dias.
-- Tenha uma boa noite, Srta. Swan!
Isabella ficou olhando o homem sumir dentro daquela imensidão luxuosa, então deixou o seu corpo, aos poucos, escorregar para o chão. Ele estava acabando com toda a estrutura emocional da garota, e agora, com aquele beijo, acabou de destruir de vez todo o seu chão...
............
Sair e entrar de lojas com uma criança de cinco anos, fora algo que Isabella nunca tinha feito antes. Edward deixou um cartão sem limites para que ela e a filha comprassem o que bem desejassem, ele fora claro quando dissera: ELAS... A disposição das duas estava um motorista que Edward sempre contratava quando se hospedava em Londres, o homem se encarregou de acompanhar ambas pela cidade. Ao meio dia, elas voltaram para o hotel, elas estavam cheias de sacolas de lojas famosas e conhecidas. Compraram artigos, roupas e presentes caros, que nem que Isabella trabalhasse duro por um ano, ela conseguiria pagar por tudo aquilo. Edward já esperava ambas para almoçar, ele deveria sair pela tarde para mais outra reunião de negócios.
-- Papai! - Angel correu para os braços do empresário.
-- Minha linda! - Ele disse sorrindo — Vejo que aproveitou bem as compras.
-- Eu comprei muitas coisas legais, sabia! - Ela disse animada — Bella me ajudou.
-- Bella? - Edward disse sem entender.
-- Sim a Srta. Swan! - Angel disse — Os amigos dela chamam-a de Bella, o pai dela a chama de Bells, igual você me chamando de Angel.
-- Você é um anjo querida! - Ele disse olhando para a morena que estava parada atrás da filha — Vamos almoçar Srta. Bella...
Ninguém conseguiria fazer Isabella se sentir confortável na presença daquele homem. O almoço poderia ser até prazeroso, se fosse apenas ela e Angel com sempre foi, mas Edward a olhando com tanta atenção, observando cada movimento seu, ele a estava deixando sem graça. Já Angel, por outro lado, falava tanto que nem notava o clima estranho e quente, ao mesmo tempo, entre o pai e a sua tutora. Ao final do almoço, Angel se empanturrou de sorvete e se recolheu para tirar o famoso cochilo da tarde.
-- Srta. Bella! - Edward disse quando a jovem fez menção de sair da mesa. — Eu tenho um jantar hoje à noite, normalmente, esses eventos são chatos...
-- O que espera que eu lhe indique? Bem, contrate uma distração? - Ela fora irônica.
-- Melhor do que isso, Srta. Bella.
-- Isabella! - Ela disse — Você é o meu chefe, não tem porque existir intimidade.
-- Srta. Bella! - Ele disse ignorando o que ela dissera — Você será a minha distração... Em cima de sua cama, há um vestido, é seu! Esteja pronta às sete horas em ponto! Eu não gosto de atrasos.
-- O quê? - Ela disse chocada — Não vou a lugar algum com você...
-- Você vai aonde eu quiser que vá! - Ele articulou seco — Você trabalha para mim. E se acha isso de...
-- Eu sou a tutora de sua filha! - Ela disse entre os dentes — Não sou o seu bichinho de estimação particular, nem faço parte de sua coleção passageira, a qual você exibe como bem entender!
-- Não, querida! - Ele rechaçou — Você no momento, não é nada meu ainda...
-- Nem serei...
-- Já sabe o que quero, então faça! - Ele disse interrompendo a jovem. — Ás sete, menina...
.........................
Isabella estava devidamente vestida e arrumada, já esperando Edward. Uma babá foi contratada para ficar com Angel. A menina estava dormindo, ela brincou a tarde toda e andou pelos principais pontos turísticos de Londres, quando a noite chegou, Angel estava deveras cansada e logo dormiu.
Isabella trajava um vestido azul escuro e os seus cabelos estavam presos em um coque sóbrio, ela passou uma maquiagem leve, gostou do que viu refletido no espelho, mas sentiu raiva por saber que Edward estava jogando com ela, como se ela fosse uma marionete. Ela precisava do dinheiro de seu salário, não acharia nada melhor do que isso com tanta urgência, ela tinha dívidas que precisavam ser pagas. E esse era o único motivo para ela ter cedido ao capricho do chefe.
A ordem veio pelo telefone, o carro esperava por ela no hall do hotel, ela seguiu para lá imediatamente, ela estava encantadora aos olhos de todos que a viam. Quando saiu do elevador, logo avistou Edward ao longe, ele vestia um smoking preto com gravata borboleta. Edward olhou para a menor que caminhava lentamente em sua direção, ela estava perfeita!
-- Está linda Srta. Bella! - Ele elogiou.
-- Que bom! - Ela disse seca.
-- Ajudaria se sorrisse! - Edward disse abrindo a porta para ela. — Assim desse jeito, parece até que estou lhe forçando a fazer algo que não queira.
-- Você está! - Ela o repudiou.
-- Não seja tão radical! - Ele disse ao fechar a porta e entrar — Afinal, os fins justificam os meios, não acha?
-- E qual seria o real motivo disso tudo? - Isabella perguntou.
Edward segurou o rosto dela com a ponta de seus dedos, fazendo assim, a menina olhar diretamente para ele.
-- O real motivo é simples! - Ele disse dando um sorriso torto para ela — Você é minha...
-- Você é louco! - Ela disse tentando puxar o seu rosto de volta.
-- Os loucos são pessoas sabias! - Edward argumentou cínico — Mas eu tenho uma proposta para você...
-- Sério? Vai me pagar por isso também? - Ela disse com ironia — É assim que faz? Paga por tudo que não pode ter?
-- Eu tenho o que desejo ter! - Ele disse seco — Se isso envolver um dinheiro bom, já não é minha culpa...
Isabella ficou calada, apenas esperando que ele falasse mais alguma coisa, porém o ambiente no carro continuou silencioso por vários minutos.
-- Você disse que tinha uma proposta? – Ela resolveu perguntar.
-- Achei que não quisesse saber...
-- Você não faz o tipo de quem desiste fácil!
-- Não, Srta. Swan!
-- Então?
-- Então, é simples! - Edward disse sem emoções — Você me atrai, e isso, eu acho que já deixei bem claro.
-- Como água!
-- Que bom! - Ele replicou — Eu quero você Isabella! E não quero só no sentindo de você ser a tutora de minha filha ou trabalhando para mim. - Ele olhou para a menor com malicia — Eu quero você na minha cama, para eu te fuder e te usar quando bem eu quiser e como eu desejar!
A boca da menina se abriu em um “o” tosco, pois ela não sabia o que dizer ou pensar.
-- Você se sente atraída por mim! - Ele afirmou orgulhoso — O seu corpo, não te deixa negar isso, você também me quer...
-- É, realmente esse era o sonho de minha vida, ser mais uma em sua coleção! - Ela disse sarcástica — Melhor ainda, mais uma em sua cama...
-- Eu sou um excelente amante! - Ele argumentou prepotente — Eu posso lhe fazer sentir e lhe dar coisas, as quais você jamais imaginou...
-- Mas...
-- Sem, mas, Isabella, você será minha sem questionar! - Ele recitou austero — Eu a quero...
-- E quanto tempo isso duraria! - Ela disse ofegante.
-- Enquanto for bom para nós dois! - Ele disse sorrindo — Não precisa me dizer nada agora! - Edward segurou o rosto da menina entre as mãos — Não precisa dizer nada, mas sabe que cederá, então por que não aproveita?
Edward beijou de leve os lábios dela e soltou o rosto da menina aos poucos, ela estava corada e ofegante.
-- Pense sobre o assunto...

CONTÍNUA...

11 comentários:

  1. uou... axo q o Edward é meio egocêntrico não?! kkkkkkkk
    amei o novo visual... ta muio lindo!!!!! <3

    ResponderExcluir
  2. A Bella não pode ceder fácil assim pra ele .. Posta mais pfv já amor essa história :D

    ResponderExcluir
  3. O Edward pirou.... Hahhaha é a Belhinha também !!!!! Ansiosa para o próximo... Beijinhos, vê se não demora flor!!!

    ResponderExcluir
  4. A Bella não pode ceder tão fácil, Edward se acha demais, louca para ver ele cair do cavalo quando descobrir que dinheiro não compra tudo!!!

    ResponderExcluir
  5. A Bella não pode se entregar fácil, o Edward se acha quero ver ele quebrar a cara quando descobri que dinheiro não compra tudo.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Haaaa mt bom... mais faz a Bella ser difícil... faz o Ed sofrer mais... torcendo pra Bella dar a volta por cima e fazer esse jogo virar antes de eles irem pros finalmentes :]

    ResponderExcluir
  8. Espero não me decepcionar e ser igual as outras FICS,em que a Bella aceita a proposta,ai durante o tempo juntos ele demonstra um grande ciúmes dela,quando o trato acaba ela vai embora grávida (sem saber) porque ele é incapaz de reconhecer que a ama,então nesse meio tempo ele aceita Victória de volta (nesse caso não é a Tanya. Enfim quando a FIC está para chegar na reta final ele cai em si e vê que ama a Bella e o final a gente já sabe.
    Bem eu adoro as FICS dela,e eu não estou dizendo que a JUL escreve assim ,apenas como leitora assídua eu me acho no direito de expressar o meu ponto de vista,realmente espero que esse não seja o enredo da FIC.

    No mais achei o capítulo ÓTIMO,e você sempre para bem no ponto mais importante,afinal um gostinho de quero mais sempre é bom.












    ResponderExcluir
  9. Oi Ju queria pedir pra que a Bella não sofresse na mao dele sabe, ela e uma boa pessoa tem um ótimo carácter e gosta da Angel. Queria que ela ensinasse ele a ser de novo uma boa pessoa.
    Sem muito drama, que ela não sofresse sabe, que ele não voltasse mais Victoria não ouvisse traição, rs sei que e difícil mas já amo tanto esse casal.
    Estou cada capítulo mais envolvida nessa história, amo ela como todas as outras suas que já li. Parabéns como sempre fazendo algo bom e diferente. E não demora pra postar não, fico ansiosa e louca por mais ai venho todo dia e atualizo o blog kkk
    Beijao JUL M :*

    ResponderExcluir
  10. Quero mais....
    Muito bom esse cap. fiquei morta de vontade de ler mais. Bju

    ResponderExcluir