Jul M

Oi

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Slave Of Pleasure-- Escrava Do Prazer -- Cap 38

INSEGURANÇA E REVELAÇÕES...
Isabella se mexeu na cama e resmungou algo que fez Edward sorrir, ela estava dormindo, a morena estava seminua na cama, o lençol a cobria da cintura para baixo, as suas costas estavam nuas e o sol brilhava forte do lado de fora do quarto. Edward beijou os ombros da jovem fazendo um caminho de beijos até o pescoçoe a nuca da menina para sussurrar...

-- Bom dia minha linda! - Edward sussurrou.
-- Humm! - Ela gemeu.
-- Bella! - Ele chamou e a menina virou na cama piscando, tentando focar o seu olhar em algo — Bom dia!
Isabella arregalou os olhos, já era dia e ter passado a noite com Edward, não estava nos seus planos, quer dizer, fazer sexo com ele bem estava, ela tinha certeza que acabaria não resistindo, mas ficar e dormir com ele, não fazia parte nem mesmo de seus sonhos...
-- Que hora são? - Ela perguntou ainda meio sonolenta.
-- Nove! - Edward respondeu como se estivesse se divertindo com a situação.
-- Merda! - Ela disse passando as mãos pelo rosto - Eu preciso ir para casa!
-- Tomaremos café e eu deixo você em casa!
-- NÃO! - Ela praticamente gritou agoniada — Eu preciso ir Edward!
Isabella saiu da cama procurando algo para vestir, se lembrou de que Edward tinha transformando a sua calcinha em trapos. Viu a cueca de Edward no chão e não pensou duas vezesantes de vesti-la.
-- Eu deixarei você em casa!
-- Não! - Ela disse rapidamente e Edward estreitou os olhos para a jovem seminua a sua frente — Olhe, eu acho que ainda é cedo demais para você saber onde estou morando, por favor!
Edward respirou e suspirou alto, passando as mãos pelos cabelos e esfregando o rosto. Ele odiava aquilo, porém sabia que não seria fácil com Isabella, ela ainda estava muito na defensiva...
-- Eu deixo você pelo menos no Café! - Ele disse — Deixa só eu me vestir.
-- Obrigada! - Ela aquiesceu.
,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
O caminho de volta foi um tanto quanto estranho, foi feito em total silêncio. Edward parou o carro em frente ao Café, levou alguns segundo para ambos se olharem...
-- Você não vai sumir! - Edward predestinou, não era bem uma pergunta, era mais uma suplica...
-- Não! - Ela anuiu — Porém ainda precisamos conversar!- Edward fez uma careta — Não precisa ser agora e nem precisamos fazer isso de uma só vez!
-- Posso ligar para você? - Ele perguntou esperançoso.
-- Pode! - Ela disse — Agora, eu realmente preciso ir!
-- Bella! - Edward chamou antes de ela sair do carro - Apenas não suma...
Edward pensou seriamente em dizer aquelas três palavras, mas por algum motivo não conseguiu, o seu coração parou, pelo menos fora isso o que ele achou... Isabella acenou para ele e esperou que ele partisse em seu veiculo,só depois disso foi que ela praticamente correu para casa. Assim que entrou, encontrou Rose e Emmett no sofá, os meninos estavam com Sue na cozinha, ela ouviu as vozes deles vindo de lá.
-- Até que enfim a gata borralheira chegou! - Rose disse marota — É, pelo visto a farra foi boa!
-- Não enche Rose! - Ela rebateu — Você não dormiu aqui, não é? - Ela perguntou para Emmett.
-- Acabei de chega, Bellinha!
-- Acho bom mesmo Emmett, a minha casa não é motel! - Ela disse caminhando para escada — Eu vou tomar banho e já volto.
.........................
Mesmo com os risinhos e comentários maldosos de Emmett, Isabella gostava do rapaz, ela ignorou metade de suas piadas sem graça, até que perdeu a cabeça e colocou o grandão e a namorada para fora. Claro que Emmett havia dormindo lá, não foi preciso nem perguntar para Sue, já que ela achou a cueca do homem no banheiro de Rose. Depois que ambos foram embora, Isabella passou um tempo brincando com as crianças, Nick e Thomas estavam cada dia mais parecido com Edward o que a deixava feliz e triste ao mesmo tempo. Quando Carlisle chegou pela tarde, os meninos estavam vendo TV. Carlisle brincou um pouco com os netos e depois seguiu para biblioteca para encontrar Isabella que estava com a cabeça mergulhada em seus trabalhos da Faculdade.
-- Atrapalho? - Carlisle perguntou.
-- Claro que não! - Ela disse dando um sorriso sincero e minimizandoa tela do computador.
-- Como anda a Faculdade? Está gostando? - Ele perguntou entrando e sentandobem na frente da jovem.
-- Sim! É bem cansativa a rotina do Curso, mas estou gostando sim! - Ela disse dando um sorriso — E no meu tempo livre, tenho os meninos para me alegrar!
-- É sobre isso que quero falar! - Carlisle disse com cautela — Os meninos!
Isabella não gostou nada do tom que Carlisle usou para aquela conversa, porém ela lhe era muito grata, Carlisle tinha virado um segundo pai para ela.
-- Sobre o quê deseja conversar, exatamente? - Ela perguntou mordendo os lábios, um velho hábito que tinha desde criança.
-- Nick e Thomas, em breve, terão três anos, Isabella! - Ele começou... — Já se passou dois longos anos, e eu melhor do que ninguém sei o quanto Edward lhe fez mal... - Ele ficou em silêncio como se estivesse escolhendo as palavras — Ele é pai, Isabella e seria bom que ele soubesse disso...
O rosto de Isabella ficou pálido, ela sabia muito bem o que Carlisle estava querendo, ela já tinha cogitado isso, mas fora apenas uma idéia vaga...
-- Eu não quero! - Ela disse insegura. Havia dois motivos que a preocupava muito, primeiro Edward iria odiar saber daquilo e depois ele poderia se afastar dela com raiva de tudo...
-- Bella querida, você não vai poder manter isso para sempre! - Carlisle ponderou — Eles perguntam pelo pai, um dia vão acabar se esbarrando por aí... Você não quer que Edward saiba dos filhos, mas, no entanto, nunca escondeu isso das crianças - Isabella suspirou - Ele é o pai e tem que saber, Edward tem que assumir as suas responsabilidades e saber que as crianças existem...
-- Carlisle eu...
-- Eu não estou dizendo que tenha que ser agora! – Carlisle a interrompeu — No entanto, uma hora ou outra, você sabe que terá que lidar isso!
Ela não disse nada, odiava saber que o homem a sua frente tinha razão. Afinal um dia toda verdade teria que ser dita, ainda mais agora que ela estava voltando a se envolver com Edward. Contudo, a verdade só poderia vir à tona, depois que ela soubesse toda a veracidadedo passado de Edward e isso incluía a história de Victoria e Esme...
-- Eu preciso ir! - Ele disse ficando de pé — Os meninos estão lindos e saudáveis. Eles têm consulta com o Pediatra na próxima semana. Eu já avisei Sue. Ela se encarregará de lembrar você!
-- Obrigada!
Carlisle foi em direção a saída, deixando Isabella sozinha no seu próprio mundo e cheia de pensamentos confusos. Ela sótinha uma certeza, quando tudo fosse revelado, o caos estaria implantado em sua vida...
.......................
Edward estava tentando equalizar os recentes acontecimentos em sua mente. Ele encontrou o seu pai assim que chegou a sua casa pela manhã, o homem estava indo para o hospital em que trabalhava, Carlisle apenas acenou com cabeça e partiu. Foi à primeira vez, depois de muito tempo, que o pai nada disse a respeito da hora em que Edward chegava a casa, após uma noitada fora. Nenhum comentário sútil, sarcástico ou desagradável fora feito pelo pai,fato que deixou Edward deveras surpreso. Assim que ele entrou em casa se deparou com Esme perto da escada, a mulher tinha grandes olhos sobre o filho que parecia não se importar muito por ela está ali.
-- Onde você passou a noite? - Ela perguntou nervosa.
-- Acho que já sou bem grandinho! – Ele retrucou a ignorando.
-- O que pensa que está fazendo? Quem é ela? - Exigiu saber Esme.
-- Tenho certeza que isso não lhe diz respeito!
-- Eu sou sua mãe! - Ela gritou chamando por fim a atenção dele para ela. Edward a fitou bem nos olhos...
-- Irônico dizer isso! - Ele disse com um sarcasmo de desdém — Você nunca pensou assim quando eu era criança!
-- Eu cuidava de você! - Ela disse aflita.
-- Não, você nunca cuidou! - Ele gritou sem paciência — O que você fazia era doentioe nojento!
-- Eu o amo!
-- Um amor doentio dona Esme! - Ele retrucou e subiu as escadas.
Esme ficou andando de um lado para o outro, Edward já havia desaparecido no andar de cima. Ela matutava, incansavelmente em vias de tentar descobrir, quem poderia ser a mulher pela qual o seu filho poderia estar enrabichado. Esme ouviu, sem querer, através de Jasper, que Victoria estaria na cidade, mas ela sabia que o caso de Edward com aquela mulher já havia acabado há tempos. O que deixou uma grande duvida em sua cabeça, sem uma resposta certa... Quem seria ela?
...............................
Ao cair da noite o celular de Isabella tocou, ela reconheceu quem seria pela música que escolhera para o contato. Sorriu ao ver o nome de Edward no visore logo atendeu.
-- Oi!
-- Preciso ver você! - Ele disse direto, assim como ela o fora na noite anterior.
-- Não posso sair hoje! - Ela disse mordendo os lábios.
-- Por que não? Já tem outro compromisso? Vai sair com alguém? - Ele perguntou afoito.
-- Não! - Ela disse olhando para os filhos que estavam no chão brincando com dois bonecos do Ben 10 — Apenas não posso sair, tenho que ficar em casa.
-- Bella, você prometeu que não iria fugir? - Ele sussurrou em agonia.
-- Eu não estou fugindo Edward, apenas não posso sair hoje à noite! - Ela suspirou — De verdade, eu não estou fugindo. Queria muito te ver, mas hoje, eu não posso...Ainda precisamos conversa...
-- Amanhã, então?- Ele objurgou — Você passará o dia comigo e conversaremos sobre o que você quiser...
Bella ficou em silêncio por um instante, afinal, passar o dia com Edward, implicaria em passar o dia todo longe dos filhos.
-- Por favor, Bella! - Ele disse suplicando.
-- Tudo bem! - Ela disse por fim — Onde nos encontraremos?
-- Posso buscar você em sua casa?!...
-- Não! No Café, pode ser?
-- Qual o problema de eu saber onde você mora? - Ele perguntou irritado.
-- Se você soubesse onde eu resido,você não  sairá mais daqui! - Ela disse dando um risinho.
E ela tinha razão, se dependesse dele, ele não sairia de lá assim tão rápido ou fácil. Edward a queria de volta e não desperdiçaria tempo,até que provasse que realmente havia mudado.
-- Tudo bem no Café? - Ele disse por fim — Às oito?
-- Tudo bem! - Ela assentiu - Até amanhã Edward!
Isabella desligou antes que ele respondesse e na mesma hora Rose entrou na sala de estar.
-- Qual o problema? - Rose perguntou pegando Nick no colo e o beijando, logo depois pegando Thomas e fazendo a mesma coisa.
-- Edward queria sair hoje!
-- Qual o problema nisso?
-- Os meninos! - Ela disse como se isso esclarecesse tudo — Eu tenho dois filhos Rose, eu não posso simplesmente me comportar como se não os tivesse.
-- Então diga a ele a verdade! - Rose aconselhou e Bella fez uma careta como se estivesse com dor — Bella, Edward é o pai deles... Ele tem o direito de saber sobre isso... Eu até entendo que você ainda esteja com o orgulho ferido, mas, por favor, você foi para cama com o cara... Dá um desconto!
-- Ele vai me odiar! - Ela disse se encolhendo.
-- Por você ter dando dois filhos lindos a ele? - Rose ponderou com deboche — Duvido muito! Veja, até Emmett que é todo grosso algumas vezes, adoraria ter filhos.
-- Edward não quis! - Ela disse e olhou para os meninos.
-- Sim! Você também entrou pânico e na boa, talvez tivesse feito o mesmo que ele! - Rose ajuizou — Edward de certo modo, sempre foi sozinho, a família é meio complicada...
-- Diz isso pelo Emmett? – Bella assunta e Rose suspira...
-- Eu amo Emmett, mas não quero mais ter que dividi-lo com Irina! - Ela esclarece — Bella, eu não transei com mais ninguém a não ser ele, desde que começamos a ficar juntos! - Ela explica — E você conhece o meu passado, sabe muito bem do problema que tenho... Isso é meio que difícil de lidar...
-- Você disse isso para ele?
-- Ainda não! - Rose respondeu — Sabe, a família Cullen tem meio que alguma ligação com a Denali... Sei lá! Juro é estranho demais!
-- Mas Edward terminou com Tânia! - Isabella a lembrou.
-- É, mas quantas recaídas ele teve antes de finalmente dar um ponto final a tudo? - Ela questionou e Isabella sabia que foram muitas - Às vezes acho que Emmett faz isso para agradar a mãe, ela acha que Irina é a mulher certa para ele, mal sabe ela que Irina não passa de uma vadia.
-- Nisso eu tenho que concordar com você! - Isabella disse ao se lembrar de ter encontrado Kate e Irina em uma festa de orgia em que fora salva por Edward — Elas não valem nada!
-- Nenhuma delas! - Rose disse com raiva — Eu tenho medo de pressioná-lo e ele me deixar.
-- Se ele fizer isso, é ele quem não merece você! - Ela afirmou categórica.
Ambas ficaram caladas, Isabella não estava em um bom momento para dar conselhos, ela por si só, já estava presa em um grande dilema pessoal e não sabia ainda como sair dele. Dizer para Edward que teve não apenas um, mas dois filhos e enfrentar as conseqüências ou simplesmente ignora tudo?
..............................................
Edward se sentia um adolescente que acabara de marcar o primeiro encontro. Ele estava nervoso, só em cogitar que Isabella poderia não comparecer ao encontro. Ele estava preocupando de ela sumir de novo... O fato dela sempre estar atrasada o deixava ainda mais inseguro.
Era quase nove horas quando Isabella entrou no Café, encontrando um Edward deveras nervoso e com a cara fechada. Ela sabia que ele odiava atrasos, mas ele não sabia que ela tinha duas ferinhas que não facilitavam em nada a sua vida pela manhã...
-- Desculpe-me a demora! - Ela disse ofegante pela caminhada até o Café — Eu tive dois pequenos contra tempos! - Na verdade os seus contra tempos eram chamados Nick e Thomas.
-- Tudo bem! - Ele disse soltando ar — O importante é que você veio.
-- Vamos ficar aqui ou vai me levar a algum lugar? - Ela perguntou tentando não aparentar nervosismo.
-- Eu tenho planos para nós dois... - Ele disse, depois pagou a conta, simplesmente deixando um bom dinheiro sobre a mesa — Vamos!
Edward pegou a mão de Isabella, mas só relaxou quando sentiu que ela acompanhava os seus passos, a mão da menina estava gelada e ele esperava que ela não notasse que a sua mão estava suada de nervosismo. Ele abriu a porta do carro para ela e assim que ela entrou se dirigiu a porta do motorista, quando já estava acomodado, ele ligou o carro e segui pela rodovia para fora da cidade.
.......................................
Nem em mil vidas, Isabella poderia imaginar um lugar como aquele, era uma casa no lago, muito mais bonita e confortável do que a que tinha na propriedade dos Cullen. A casa era de madeira pintada em verniz, o que deixava tudo muito charmoso. Havia um pequeno jardim, repleto de rosas brancas, fato que chamou a atenção dela de cara. Observando com mais cuidado, ela notou um grande carvalho em que nele havia dois balanços, próprios para crianças mesmo, e por fim, ela notou uma lareira na lateral da cabana. Próximo ao lado direito do lagose podia avistar um píer, no qual se encontrava um barco a remo arpoado.
-- Gostou do lugar? - Ele perguntou.
-- Eu amei! - Ela disse com os olhos brilhando --- É lindo, perfeitamente lindo...
-- Imaginei que gostaria! - Ele comentou e segurou a sua mão — Vamos conhecer lá dentro...
Por dentro, o local era mais perfeito ainda, toda a mobília era de madeira de lei e carvalho, pintada em verniz escuro. As almofadas vermelhas davam um contrate elegante ao tom amadeirado da decoração, tornando o ambiente meio rústico, porém agradável. A sala era pequena, mas a lareira dava um toque de charme e encanto ao ambiente. A cozinha era razoável, daria para uma família viver ali tranquilamente.Havia um escritório com alguns livros, contudo Edward não a permitiu olhar mais atentamente. Subindo as escadas, havia dois quatros e dois banheiros. Um banheiro na suíte e outro no final do corredor. Ele a levou para o quarto principal, onde havia uma cama enorme e alguns quadros na parede. Isabella ficou chocada ao ver a foto dela ali. Era uma foto muito grande por sinal, uma espécie de pôster. Ela estava sorriso e o vento soprava os seus cabelos, aquele retrato havia sido feito um pouco depois que ela havia chegado para morar na casa dos Cullen. Havia uma cômoda com alguns produtos de beleza e higiene pessoal, como escova de cabelo, perfume, dentre outros itens básicos, porém necessários. Ela se deparou ainda com um pequeno closet, que era deveras funcional.
-- Gostou? - Ele perguntou ansioso.
-- É tudo muito lindo e aconchegante! - Ela disse realmente retratando a sua impressão.
-- Foi o que pensei... - Ele disse satisfeito.
Edward estava por trás de Isabella, a mão dele correria pelos ombros da menina, afastando os cabelos dela, para que a sua nuca ficasse nua e então ele pudesse beijar o pescoço cheiroso da jovem.
-- Quer tomar um banho? - Ele perguntou carinhoso — Eu adoraria tomar um banho com você!
Isabella sentiu o seu corpo se arrepiar, mas ela sabia que aquilo não seria uma boa idéia, pois ela precisava de respostas, sem falar que ela já havia tomado banho...
-- Agora não! - Ela disse sentindo os beijos dele em seu pescoço e as mãos dele em sua cintura — Eu preciso conversar com você, Edward!
Ele ficou tenso, as mãos pararam na cintura da morena e seus lábios congelaram no pescoço dela.
-- Tem mesmo que ser agora? - Ele perguntou e ela percebeu a respiração irregular do rapaz.
-- Por favor! - Ela suplicou — Fale-me sobre você e Victoria, e o que ela quis dizer com tudo aquilo...
Edward se afastou dela e caminhou até a janela, ele fitou a paisagem do lado de fora por algum tempo, até se virar novamente para Isabella.
-- Sente-se! - Ele disse— É uma longa historia...
Isabella imediatamente fez o que Edward lhe mandara e se sentou na cama, colocou as mãos sobre as pernas e já torcia os dedos...
-- Eu conheci Victoria na época de Escola! - Ele disse — Emmett e Jasper sempre tiveram mais jeito com as meninas, já eu era uma completa negação! - Ele ficou calado por alguns segundos — Eu era tímido demais, achava que sempre fazia tudo errado, Victoria era uma das líderes de torcida! - Ele olhava fixamente para Isabella — Bem irônico, eu sei, o cara mais tímido comendo a líder de torcida gostosa! Mas era isso mesmo, Victoria achava engraçado o meu jeito, então começou a me cercar e depois de cerca de um mês, nós acabamos ficando juntos, uma vez, depois da aula — Ele deu um meio sorriso — Ela foi logo tirando a minha calça e chupando o meu pau - Isabella olhou para ele chocada — Sim, eu era virgem, ou achava isso... — Ele ficou em silêncio por um curto tempo — Depois desse dia, Victoria sempre estava comigo, no começo era divertido, mas com o passar dos dias, Victoria queria mais e mais, foi nesse querer mais que tudo mudou...
Isabella não acreditava que ele estava falando, ainda mais assim, abertamente, sem reservascom ela.
-- Foi Victoria quem primeiro me levou aos clubes de BSDM! - Ele comentou perdido em memórias — Imagine você, um garoto com sérios problemas de timidez, que sofria constantemente de insônia e tinha terríveis pesadelos ao longo da noite! Eu era assim! - Ele confidenciou — Era tudo diferente, um verdadeiro mundo novo para mim. Algo fascinante e excitante ao mesmo tempo. Sabe o gostinho do desconhecido... – Mais uma vez ele se perdeu em lembranças... - Victoria disse que me deixaria fazer tudo aquilo com ela. Ela apenas queria sentir o prazer e a dor ao mesmo tempo. Na hora não notei, mas Victoria era sádica, viciada em causar dor em outras pessoas, ela tinha o seu jeito todo particular de fazer aquilo... Edward olhou para Isabella e a jovem estava pálida — Quer que eu pare? - Ele quis saber.
-- Não! - Foi tudo o que ela conseguiu dizer.
-- Eu procurei saber mais sobre aquele estilo de vida, pois eu não queira machucar Victoria... – Explicou Edward — As transas ficaram boas, muito boas, nós fazíamos de tudo... ...muitas coisas diferentes... Não vou entrar em detalhes, mas a nossa relação subiu de nível... Na Escola, eu passei a ter mais confiança em mim mesmo e comecei a mudar. As coisas foram se modificando, a minha mãe odiava Victoria, segundo ela, Victoria era a culpada por eu ficar mais tempo fora de casa e ela não gostava daquilo — Edward estava divagando por tão longe que Isabella sentiu um aperto no peito — Então nós nos formamos no ensino regular, eu já era um conhecido dominador no clube e Victoria a minha fiel submissa, uma verdadeira cadela domada — Edward suspirou e virou de costas para Isabella, olhando novamente pela janela — Victoria queria ser compartilhada, eu não divido o quê é meu, mas ela sempre soube me levar com as suas artimanhas, foi assim que James entrou na jogada. Decidimos procurar outro dominador, ela passou a gostar das cenas, e bom, você já deve imaginar, você a viu, ela não tem caráter e nem escrúpulos - Edward passou um tempo em silêncio, Isabella achou que ele havia acabado o relato, quando ele voltou a falar — Uma noite, já estávamos na faculdade e noivos, inclusive com o nosso casamento marcado, ela quis ir ao clube fazer uma cena em público, mas eu disse não! Gritei com ela, disse que eu era o dominador da historia e não ela. Ela, claro, não gostou, saiu furiosa! Eu, na hora, deixe de mão e não fui atrás, pensei em castigá-la depois, de um jeito bem diferente... Mas por algum motivo, algo me veio à cabeça e acabei indo até o clube ao qual freqüentávamos.
Isabella olhava atentamente para ele, Edward estava incomodando em estar lhe contando tudo aquilo.

-- Quando eu entrei no saguão principal, lá estava Victoria e James. Ela estava algemada em uma grade, os olhos vendados, ela vestia apenas uma calcinha e tinha o pau de James dentro de sua boca. - Edward ficou tenso - Eu parti para cima de James, sem pensar duas vezes, a gente brigou, mas eu acabei na melhor, dei uma surra nele ao ponto de deixá-lo caído no chão. Quando acabei com ele, me virei para Victoria... - Ele olhou para Isabella pela primeira vez desde que iniciou o seu relato — Eu não me orgulho do que fiz, contudo, eu estava com  que tudo dentro de mim era vermelho escuro... — Edward respirou – Eu agarrei Victoria e a puxei pelos cabelos, eu a arrastei daquele jeito mesmo até chegarmos ao carro, a jogando dentro sem o menor cuidado. Segui para casa, na realidade fomos para o meu apartamento, ela queria uma cena, ela conseguiu — Ele ficou calado novamente — Victoria sempre adorou causar dor e daquela vez foi o inverso, eu deia ela a cena que ela queria... Eu a amarrei à cama, bati nela o mais forte que pude, usei um chicote, cordas e outros apetrechos, sempre com muita força, no começo ela gemia, mas quando ela viu que não era brincadeira, começou a gritar, mas eu não parei...
Ele ficou calado com olhos bem fechados e as mãos em punhos, Edward aparentava estar com raiva de si mesmo e Isabella percebeu isso...
-- Não foi sua culpa! - Isabella o consolou.
-- Sim foi! - Ele disse — Eu não parei de bater em Victoria, até que ela desmaiasse ou fingisse ter desfalecido... Não sei ao certo, quando dei por mim, quando percebi o que eu tinha feito, eu me senti um monstro... — Edward respirava com dificuldades — Cuidei dela, dos seus ferimentos e o que me deixou mais surpreso, foi que no dia seguinte, Victoria disse que havia gostado muito, que nunca tínhamos feito algo assim tão excitante e que ela estava louca para repetir a dose... - Isabella ficou deveras chocada com aquela declaração — Bem ali estava o problema, eu deveria ter visto, mas estive cego durante todo o tempo em que convivi com Victoria. Tá certo, ela me ajudou quando mais precisei... Acho que o carinho e a gratidão que sentia por ela foi confundido com amor... Então, levamos a diante os planos do casamento, porém a proibi de ver James. No entanto, para Victoria NÂO significa SIM... Ela continuou a vê-lo pelas minhas costas e no dia do casamento ela não apareceu! — Ele deu um sorriso triste — Ela fugiu com James e mandou umas fotos e um vídeo, aquele que você encontrou na biblioteca. Jane sabia de tudo, ela estava na festa e depois daí acabamos de vez...
Isabella achou que ele tinha acabado. Já ia abrindo a boca para falar algo, mas Edward sinalizou com mão e ela se calou.
-- Porém Victoria me queria! - Ele disse continuando — Eu era o seu brinquedinho predileto, aquele que ela poderia ter com um estalar de dedos... Durante anos foi assim, era só ela voltar e eu estava lá de quatro por ela, nem parecia que eu era o dominador e ela a submissa, mesmo porque, nós nos dávamos bem na cama e ao nosso estilo. Ela me fez acreditar que essa era a única saída para as minhas “nóias”, que essa era a única escolha que eu tinha... — Ele deu mais um sorriso torto e dolorido — Aí, algo mudou, você apareceu e Victoria morreu, eu nem sequer lembrava que ela existia... Havia você...
-- Mas você tentou fazer a mesma coisa comigo! - Ela o acusou.
-- No começo sim! - Ele disse pesaroso — Porém você era diferente! Você era virgem, era doce e inocente — Ele ficou mudo por instantes — Eu nunca tive problemas em ficar com uma mulher depois de Victoria, mas você me deixava cheio de duvidas, era a sua inocência, o modo como me olhava...
-- E como eu te olhava? - Ela perguntou.
-- Você me venerava! - Ele disse dando dois passos em direção a morena — Era um olhar de puro desejo, de inocência, algo que eu nunca tinha visto antes! - Ele suspirou e tocou o rosto dela com a ponta dos dedos — Eu estraguei tudo, como sempre!
-- Eu ainda estou aqui! - Ela disse — Não acho que tenha estragado tudo!
Edward olhou com doçura para ela, só mesmo Isabella para esquecer as coisas assim tão rapidamente, as coisas ruins que ele fez a ela... De certo, ela tinha um coração generoso.
-- Você está com fome? - Edward perguntou — Já são quase meio dia, vamos comer algo...
Ele mais uma vez, lhe ofereceu a mão e ela aceitou. Ambos seguiram para a cozinha. Edward cozinhou e Isabella o ajudou um pouco, ela ficou admirada em vê-lo preparar a refeição com tanta desenvoltura. Ele estava mais solto, mais descontraído, mais Edward... Não que ela já tivesse o visto assim antes, mas por algum motivo, ela sabia que ele já fora daquele jeito...
-- O que aconteceu depois? - Ela perguntou em meio à refeição.
-- Victoria vai e vem! - Ele disse — James está sempre com ela. Ele é o filho mimado de um Senador, não se preocupa com nada a não ser com ele mesmo!
Isabella mordeu os lábios então era por isso que ela achava James familiar, ele era filho de um Senador, agora tudo fazia sentindo.
-- Ela sempre voltava, era como se ela desejasse me arruinar a cada vez! - Edward confidenciou — Nas outras ocasiões, era fácil, eu sempre estava a espera dela, eu sabia que ela voltaria e sabia o que ela queria... - Ele fez uma pausa — Victoria diz que eu e James somos diferentes, ela diz que James é mais selvagem, porém que há algo no meu jeito de dominá-la que a deixa desejosa por mim — Ele respira e afasta os pratos — Acabou assim que você entrou em minha casa, nunca mais tive nada com Victoria, apenas confirmei o que eu já sabia, nunca havia gostado realmente dela. Era apenas um desejo maluco e foi o que continuou sendo, durante esse tempo todo que tivemos as nossas recaídas... ...desejo, apenas desejo... — Ele passou as mãos pelos cabelos e olhou para ela — A ultima vez que estivemos juntos foi à pior — Ele fitava profundamente os olhos de Isabella — Victoria estava grávida, não sei se era meu ou de James, mas ela perdeu a criança — Ele ficou em silêncio — Victoria nunca seria uma boa mãe, mas James com toda certeza, estava se cansando dela... Quando nos flagrou juntos, ele não veio para cima de mim, e sim, dela. Ele a espancou ao ponto de fazer com que ela perdesse o bebê — Edward tinha um olhar distante — Eu lhe visitei dois dias depois no hospital, eu queria saber de quem era o filho que ela esperava, afinal! — Ele fechou as mãos em punhos — Ela disse que eu nunca seria um bom pai, que eu nunca saberia como era ter um filho, que nenhuma mulher iria querer me dá um filho, porque eu era um fracassado que nunca seria um pai afetuoso, já que eu nunca fui um bom homem e era... - Edward calou não dizendo o que estava pensando — E assim acabamos de vez. Ela estava com raiva, muita raiva e descontou em mim, hoje eu entendo, o bebê seria o seu trunfo, o seu ÀS de COPAS, mas tudo havia se perdido...
-- Então foi por isso que disse aquelas coisas para mim no hospital? Era por isso que não queria filhos? - Isabella perguntou não se dando conta que apertava o garfo com força.
Edward olhou para ela, Isabella tinha os olhos cheios de lágrimas, ele sabia que aquele assunto era um tanto quanto delicado, mas aquele era o momento de esclarecer as coisas. Tudo estava sendo dito, seria mais fácil acabar com todas as dúvidas e mágoas. Ela talvez o odiasse depois daquilo, mas ela nunca o perdoaria se continuasse mentindo para ela.
-- Mais ou menos! - Ele disse olhando para a mesa — Você estava grávida e estava tão assustada quanto eu! - Ele olhou para ela — Eu iria ser pai e você mãe!
Isabella prestava atenção em cada palavra que ele pronunciava, ela sabia que tinha mais coisas ainda a serem dita.
-- Eu nunca deveria ter dito aquilo para você! - Ele segredou — As minhas palavras foram grossas e o modo como tratei você depois, nem se fala... — Ele suspirou — Eu estava tentando protegê-la, ao meu jeito, você tinha que sair daquela casa... O meu pai não deixaria você sair assim tão fácil, ele queria acompanhar a sua gravidez... ...e ELA estava perto demais... Infernizando você o tempo todo, te assustando e você sempre me olhava daquele jeito...
-- De que jeito? - Ela perguntou quanto ele não disse mais nada.
-- Como se eu fosse o único homem na face da terra que fosse lhe amar de verdade! - Ele disse.
-- Eu amava você! - Ela disse — Você me maltratou tanto Edward. Como pode dizer que era para me proteger?
-- Você corria perigo Isabella! - Ele disse em tom de mistério — Naquela casa, você estava mais cercada de perigo do que se estivesse longe, do que você pudesse imaginar... — Ele gemeu como se sentisse dor — Depois que você voltou para casa, eu já havia me acostumando com a idéia de ser pai. Eu já gostava de nosso bebê, eu queria poder ter passado mais tempo pertinho de você, curtindo a sua gravidez, lhe dando carinho e aproveitando aquele momento único...
-- E por que não o fez? - Ela gritou jogando o garfo sobre a mesa — Por que me tratou como um lixo Edward, por quê?
-- Porque Esme estava lá! - Ele gritou fazendo Isabella ficar muda — Ela já estava odiando o fato de você ter ido parar na minha cama! E grávida então, ela não iria facilitar a sua vida. Carlisle nunca estava em casa, eu não poderia estar o tempo todo perto de você... Você corria perigo.
-- Do que está falando? - Ela questionou sem entender o que ele queria dizer com tudo aquilo.
-- Quando o médico disse que você estava grávida! - Ele começou... — Eu já sabia como seria... Afinal, não seria a primeira vez... Ela faria algo para destruir tudo, até mesmo você se isso a mantivesse longe de mim para sempre! - Ele disse — Eu sei, não foi um bom plano, mas eu não tive tempo para muita coisa. Pensei que a única maneira de você ficar segura, seria se eu rejeitasse você e de algum modo deu certo. Esme não tentou nada contra você... — Ele ficou em silêncio — Assim eu pensava, mas depois vi que não estava tudo tão bem assim, ela te perseguia e te torturava verbalmente. Ela tornou a sua vida um inferno e eu só me dei conta daquilo quando você perdeu o bebê, no dia em que você abortou.
Edward deitou a cabeça sobre os braços e balbuciou algo que não lhe fora possível entender.
-- Eu errei com você, eu deveria ter te protegido e não fiz isso! - Ele disse com a voz embargada de dor — Disse que nunca te machucaria e foi exatamente o que fiz. Você deveria me odiar Isabella! - Ele disse olhando para ela, dessa vez a agonia era visível em seu rosto — Você deveria me detestar, no entanto, está aqui comigo e eu não sei como fazer você me perdoar por tudo o que eu te fiz.
-- Você queria o bebê? - Foi tudo o que ela conseguiu dizer naquele momento, ela estava chorando e só se deu conta disso quando sentiu as bochecha molhadas.
-- Claro que eu queria Isabella! - Ele disse dando um sorriso torto e franco — Eu queria muito, ele era parte de você e de mim, seria o nosso filho! - Ele afirmou sincero — Eu ainda não entendo como você nunca notou...
Isabella olhou para ele e tentou entender o que ele estava tentando dizer... Entender o que aquelas palavras significariam realmente... Tudo que ecoavam em sua mente eram as palavras de Edward... “Eu queria muito, ele era parte de você e de mim”... Ele sempre os quis, ele sempre os quis... A sua mente gritava sem calar...
-- Adiantaria alguma coisa se eu te disse que ninguém neste mundo... – Edward olhou para Isabella e puxou o seu queixo a fazendo olhar diretamente nos olhos dele — ...poderia amar tanto alguém como eu te amo? - Ele expôs e os olhos de Isabella se arregalaram — Sempre foi você, a única que me tirou da minha escuridão e me fez desejar algo mais... Você me deu esperança de viver e de ter algo porque viver. Você nunca foi apenas um passa tempo, como a fiz pensar, você sempre foi mais, sempre foi à única que tocou o meu coração — Ele beijou os lábios dela de leve e voltou a olhá-la — Você tem o meu coração eternamente, ele sempre esteve com você e foi por você que ele voltou a bater...
Se alguém no mundo, algum dia, tinha feito uma declaração de amor tão perfeita, essa pessoa seria ele... Isabella se jogou nos braços de Edward, tomando a boca dele em um beijo urgente e cheio de desejo, cheio de tudo o que era bom e que habitava no seu corpo e na sua alma. Ele a amavae ele a queria. Ele queria os filhos que ele ainda nem imaginava que tinha... Aquele momento não poderia ser mais perfeito... Ninguém poderia estragar aquele momento... O momento deles e só deles...
                               
Edward afastou Isabella e secou as lágrimas que caiam de seu rosto, com beijos e mais beijos. A menina não conseguia tirar o sorriso bobo dos lábios, não conseguia parar de chorar... Só então, ela se deu conta que tremia de alegria...
-- Por favor, diga que me perdoa? - Edward suplicou.
-- Antes me responda algo! - Ela pediu, ela precisava fazer uma última pergunta, algo que ela tinha quase certeza — Por que queria me proteger de Esme?
-- Não era obvio? - Ele perguntou.
-- Para mim não!
-- Esme é doente! - Ele disse mantendo Isabella em seus braços e no seu colo — Quando eu era criança, Esme abusou de mim durante anos! - Ele ficou tenso com a lembrança — Eu não conseguia deixar ninguém me tocar depois daquilo. Meu pai descobriu em uma noite, eu tinha sete para oito anos... Ela era a minha mãe, deveria me proteger, mas ela...
-- Você não tem culpa! - Isabella disse rapidamente — Ela é a culpada e eu deveria ter imaginado isso...
-- Eu sei! - Ele disse depois de um tempo em silêncio — Carlisle a mandou para uma clinica se tratar. Ela passou algum tempo longe, mas quando ela voltou... — Ele olhou ao longe — ...ela até estava melhor, de algum modo, mas tudo havia se perdido, a família perfeita e feliz já era, os meus pais dormiam em quartos separados, eles mal se falavam — Edward suspirou — Eu culpei o meu pai por anos, ele era o culpado para mim, pois ele havia sido negligente quanto a mim. Era isso o que eu pensava... - Edward ficou triste — Ele trabalhava muito, demais até e nunca estava em casa, então ela abusava de mim... Victoria fora a única que a enfrentou, acho que de alguma forma, ela me ajudou, conseguiu me ajudar a derrubar os meus medos. O meu pai tentou me mandar para um psicólogo, mas eu era rebelde demais para isso! — Ele mordeu os lábios — Eu só dormia de portas fechadas, coloquei uma tranca por dentro do quarto, eu queria estar seguro de todo jeito!
Isabella tocou o seu rosto fazendo uma espécie de carinho, o que deixou Edward mais relaxado.
-- Ela passou a controlar tudo! - Ele disse — Victoria foi embora e eu me senti inseguro em relação a tudo novamente, eu estava usando o casamento como uma forma de fugir daquele inferno que era aquela casa. A minha mãe é uma louca e com Victoria longe, ela simplesmente pirou, ela controlava e afastava tudo ou qualquer mulher que cruzasse o meu caminho — Ele mordeu os ombros dela – Ela nunca me viu com o seu filho, ela sempre me viu com um homem — Edward voltou a ficar tenso — Quando ela descobriu da sua gravidez, eu sabia, eu vi nos olhos dela o que ela pensou... “Ela não pode ter um filho dele, não essa ninfeta do inferno... Eu quem deveria ter um filho dele”– Edward recitou com se não estivesse vendo Isabella ali — Ela faria qualquer coisa para acabar com você Isabella, acho que Carlisle sabia disso, por isso a mandou para um internato. Lá pelo menos você estava segura...
-- Edward eu sinto muito! - Ela disse e era a mais pura verdade, ela sabia que Esme tinha algo a ver com o fato de Edward ser daquele jeito, mas nunca teve a real noção de quão grave era a coisa. E tão pouco previa que morar naquela casa seria mais perigo do que um dia já imaginou - Você voltou a falar com Carlisle, sobre isso?
-- Não! - Ele disse — Mas ele descobriu do mesmo jeito, Esme tomou um porre depois que voltou do hospital e cuspiu tudo na nossa cara. Disse coisas horríveis para Carlisle, só então eu me dei conta de que ele era apenas mais uma vitima da doença de Esme. Assim como eu que era a sua principal vítima.
-- Lamento muito... - Ela disse beijando o rosto do ruivo e apoiando a cabeça nos ombros dele.
-- Você era pura e boa Isabella, eu apenas queria você longe dali! Ele disse — A única saída era você achar que eu não me importava. Lamentei todos os dias pelo o que eu fiz, mas eu sabia que ali era muito perigo para você...
— Eu amo você, Edward! Eu sempre o amei!
Aquelas palavras queimaram como fogo dentro do coração de Edward, o fazendo ofegar e em um impulso, tomar a boca da morena em seu colo... O beijo já começou avassalador...
                                        
CONTINUA...

44 comentários:

  1. Ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii o cap!!!!!
    Quando terá outrooo?
    Por favor me diga que a Bella vai contar para Edward sobre os meninos no próximo cap???!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Uma das coisas mais lindas que eu já li....
    Mais que perfeita... Sério, se você a transformar em um livro pode ter certeza que irei compra-lo .
    Lindo de mais esse capítulo, to morrendo aqui por mais, parabéns... Sem palavras para descrevê-lo...
    Amei, amei, amei.
    Beijos e to super ansiosa pela verdade toda, espero que a Bella conte a ele sobre os filhos, essa acho eu, que seria capaz de superar esse capítulo que me deixou suspirando de tão lindo que foi.
    ♥"

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus !! Quase morri, tomara que a Bella não demore pra contar dos meninos!
    O melhor capítulo que já li, lindo demais! Não vejo a hora de sair o próximo!! Parabéns, beijos

    ResponderExcluir
  4. Acho que agora a Bella já lhe pode contar que os dois tem dois lindos meninos só que a mãe dele nunca poderá descobrir se não as duas crianças serão também duas vitimas nas mãos da avó. O Edward ficará feliz pois ele conseguiu o que queria que era que ela estivesse a salvo das maldades de sua mãe. Esperando aqui desejando pelo próximo capitulo . Beijinhos e parabéns.;)

    ResponderExcluir
  5. Amei o capitulo,mal posso espera pra ver a reaçao do edward quando conhecer os meninos,ate o proximo bjs
    Amanda lacerda

    ResponderExcluir
  6. Nossa demais esse capitulo, o melhor capitulo, Obrigada Jul M

    ResponderExcluir
  7. Nossa quantas revelações, adorei... Tomara que agora a Bella também se abra e fale sobre os filhos. Shirley

    ResponderExcluir
  8. nossa adorei o capitulo uns dos melhores.....

    ResponderExcluir
  9. Parabéns por mais um excepcional capítulo.
    Ansiedade a mil para o próximo.

    ResponderExcluir
  10. Meu Deus JuLm que capitulo FODASTICO, estou suspirando ate agora CARAMBAAAAAAAA MUITO LINDO o Edward se abrindo , ai LINDO LINDO "poderia amar tanto alguém como eu te amo " ai Julm não demora a postar o próximo por favorrrrrr , tenha pena das pessoas doentes, idosas, pressão alta ,coração e curiosidade que mata tb .POSTA LOGOOOOOOOOOOOOOOO . Bjs em seu coração

    ResponderExcluir
  11. Adorei espero que o outro saia rápido e que a Bella revele o segredo sobre os filhos deles.

    ResponderExcluir
  12. OMG! Foi SUPER esse post, espero que a Bella conte logo pra ele sobre os gêmeos. Foi super apaixonante a declaração do Ed pra Bella.
    Quero mais....
    Please more.....

    ResponderExcluir
  13. amei amei
    quero ver o fim da esme tem que ser sem piedade
    beijocas adria

    ResponderExcluir
  14. AI meu Deus!!!
    muito ansiosa para o próximo capítulo.

    ResponderExcluir
  15. AAAAAAAAAAAAA SURTANDOOO AMEI O CAPITULO MUITO INTENSO E ESCLARECEDOR... AMO ESTA HISTORIAAAA!! BJO Adiele

    ResponderExcluir
  16. capitulo tenso mais esclarecedor, essa Esme e uma psicopata isso sim. tadinho do Edward espero que os dois se entenda de uma vez e o Edward adore ser papai dos gêmeos.

    ResponderExcluir
  17. finalmente ele contou a verdade! Estou morrendo de ansiedade, quero ver quando a Bella contar que ela não perdeu os bebes!

    ResponderExcluir
  18. Mega ansiosa com o próximo cap *----*

    ResponderExcluir
  19. muito bom o cap. agora tudo faz sentido e lógica. foi surpreendente! Parabéns por conseguir escrever tão bem. Agora só falta a Bela contar dos filhos e o Edward velos né.
    Bjs bjs linda e até o próximo. 8-@@@@
    Att: Dani

    ResponderExcluir
  20. ate que enfim!!!!!!
    de longe o melhor capitulo da fic!! simplesmente perfeito!!!!!
    quero ver como ela vai reagir quando souber q ela não teve um aborto.. axo q ele vai ficar com muita rava na hora mas depois vai entender q ela so fez isso pra proteger os filhos.. quero ver o encontro dele com as crianças, vai ser tão lindo!!
    Posta logo o proximo capitulo!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  21. OMG que capitulo perfeito foi esse menina adoreiiiiiiii que ele tenha contado tudo pra Bella, e quantas revelações em. Espero que agora Bella conte para o Edward sobre os filhos..........
    Amando a fic e super ansiosa pelo próximo!!!!!!

    ResponderExcluir
  22. Caramba!!! Qnt coisa!!! Bella tem q aproveitar o embalo e contar p ele sobre os meninos. Será uma surpresa e tanto pra ele. Vanessa

    ResponderExcluir
  23. Não há capítulo mais perfeito que este.
    O capítulo mais bonito que li até hoje. Está extraordinário.
    Amei a forma como Edward contou o seu passado e a forma como Isabella lidou com essas revelações.
    Espero que ela conte logo dos meninos.
    Ella Fitz

    ResponderExcluir
  24. Até que enfim o segredo foi contado ���� adorei o capítulo, não vejo a hora da Bella contar dos meninos!!! Beijinhos flor, super ansiosa!!! Até a próxima.

    ResponderExcluir
  25. adorei este cap., espero que não demore o próximo

    ResponderExcluir
  26. Amando a fic e super ansiosa pelo próximo!!!!!!
    espero que no proximo capitulo ela conte sobre os filhos
    bjsssssss

    ResponderExcluir
  27. Ameeeeeeei esse cap. esperando o próximo bjs

    ResponderExcluir
  28. Olá Jul M!
    Amei o capítulo! Finalmente o Edward abriu o coração e contou tudo para a Bellinha! Como ele sofreu com essa mãe pedófila!

    Mil Bsj,
    Therose

    ResponderExcluir
  29. Não vejo a hora da Bella contar dos meninos!!! Beijinhos flor, super ansiosa!!! Até a próxima.

    ResponderExcluir
  30. Capítulo muito bom,só não consigo entender o porque de estar demorando tanto para ter novas postagens,desculpe,mas quando uma estória é muito boa,vale apena pegar no pé da autora (não muito é claro) mas também é uma forma de reconhecer,isso mostra que damos valor ao seu esforço e trabalho para nos oferecer um pouco do seu melhor,creio que ainda há muito a ser mostrado por você e a ser lido por nós.

    Beijos

    D.

    ResponderExcluir
  31. Eu fico muito chateada.... Vc pede pra comentar e faço isso pq realmente te acompanho... mas a demora em postar novos capítulos e de qualquer explicação sobre a demora, faz com que me sinta irrelevante se te acompanho ou não... se nós temos que valorizar e incentivar a autora por que ela tbm não pode valorizar e incentivar seus leitores? Desculpa galera vcs podem até não concordarem mas PQP não tem santo que consiga se sentir incentivado e querido... eu sinto falta de notinhas do autor... sinto falta de datas previstas para postagem.

    ResponderExcluir
  32. adorei estou muito ansiosa esperando o próximo

    ResponderExcluir
  33. qurro maaaaais! Parabéns o capítulo ficou ótimo e posta logo! Bjo Marina

    ResponderExcluir
  34. ahhhhh!! Eu adorei o capitulo, espero que Bella conte a ele sobre os meninos, é a vez dela agora contar a verdade. Bjus jul adorei esse capítulo até o próximo.

    ResponderExcluir
  35. Esse passado do edward é muito sujo, ele nao merece a bella depois de tudo que ele fez, ele se deixou levar muito fácil, bella merece outro amor e ele ficar sozinho.

    ResponderExcluir
  36. preciso de mais capítulos, posta logo please.

    ResponderExcluir
  37. ahhhhhhhhhhhhhhhh quanta coisa... adorei

    ResponderExcluir