Jul M

Oi

sábado, 16 de novembro de 2013

Slave Of Pleasure-- Escrava Do Prazer-- Cap 32

AVENTURAS...
Por que nada é como esperamos que fosse? Essa pergunta andava rodando a cabeça de Isabella e não era só esse o seu questionamento, havia mais coisas que rondavam os seus pensamentos...
Havia se passado uma semana desde que Edward tinha salvado-a em uma noite escura, o pior era não fazer a menor idéia de como ele sabia onde ela estaria. Seria até bom se o seu problema fosse apenas esse, mas já fazia alguns dias que ela tinha sonhos com Edward, e, ela sabia que isso iria acabar a deixando louca, bem mais louca do que os seus dois filhos a deixava quando ficavam correndo pela casa.
Parecia que algo estava fora do lugar, pois os sonhos continuavam a se repetir durante toda a semana seguinte. O teor do sonho era sempre o mesmo, só havia mesmo a mudança de cenários... No primeiro sonho, Isabella estava amarrada à cama, enquanto Edward a torturava de um jeito prazeroso, os olhos dela estavam vendados e tudo o que ela sentia era as mãos do jovem em seu corpo.



 A cada novo sonho as coisas iam ficando melhores, ela acordava ofegante e com o corpo em chamas.
Deste o seu encontro com Edward, naquela fatídica noite, ela teve diferentes sonhos, mas a temática era sempre a mesma, ela algemada em diferentes locais,

 algumas vezes ela se via com as mãos presas nas costas, chupando Edward, enquanto permanecia de joelhos aos pés do ruivo e com a boca engolindo o pau grosso e gostoso do homem.

-- Srta. Swan! - Sue chamou — O que deseja para o almoço?
-- Você pode escolher! - Ela disse voltando à realidade e se afastando dos seus devaneios — Sue você ainda vai à casa do Cullen?
-- Sim, afinal, Alice ainda mora lá Senhorita.
-- Como andam as coisas por lá?
-- Difíceis! - Sue afirma categórica — Esme parece estar a cada dia que se passa, ainda mais pirada. Agora ela acha que o marido tem uma amante.
-- Carlisle! - Ela se assusta com a possibilidade — Eu acho difícil, mas se ele tivesse seria muito justo, aquela mulher não presta.
-- Ela é a maior culpada por Edward ser assim!
-- Como assim Sue?
-- Srta. Swan eu preciso cuidar do almoço! - Ela diz mudando de assunto — Com a sua permissão.
Sue não espera resposta e se retira antes mesmo da menina conseguir fazer uma próxima pergunta.
-- Oi Emmett! - Isabella diz ao abrir a porta.
-- Olá menina! - Ele diz sorrindo — Onde estão os meus sobrinhos?
-- Correndo pela casa! - Ela diz sorrindo — Em alguns segundos eles estarão aqui gritando.
E fora exatamente aquilo o que aconteceu, os meninos ficaram animados quando viram o tio querido deles, brincaram com Emmett que ficou para o almoço e antes de partir conversou com Isabella.
-- Edward anda perguntando muito sobre você! - Emmett disse sério.
-- Eu não quero saber nada sobre ele.
-- Ele vai acabar descobrindo onde você está! - Emmett a adverte.
-- Eu mudo, eu sumo! - Ela responde resignada.
-- Isso não vai impedir ele de ir atrás de você.
-- Emmett! - Isabella o chama antes de ele suma por através da porta — Por que a sua mãe super protege o Edward?
Emmett fica em silêncio por um tempo e então suspira.
-- Edward é o filho mais novo! - Emmett responde — E mesmo sendo um exemplo em algumas coisas, ele também teve o seu momento rebelde, Esme sempre o apoiou em tudo e acho que pelo fato de ele ser o mais novo, ela sempre o protegeu.
-- Ele é o filho querido dela, então?
-- Não sei! Ela nunca demonstrou amar mais a ele do que a nós, todos sempre tivemos o mesmo carinho! - Emmett pondera — Mas algumas vezes, é inevitável não pensar que haja mesmo preferência...
Isabella ficou calada, apenas vendo Emmett sair de sua casa sem dizer mais nada.
.................
-- Sue voltarei um pouco mais tarde hoje! - Ela adverte a empregada antes de sair.
Durante todo o percurso ela ficou pensando em fazer ou não o que tinha em mente, ela estava pirando a cada segundo que passava, ela sabia, já ouviu tantas vezes da sua mãe, que um historia sem final sempre assombrava... Quando ela era pequena, a mãe de Isabella sempre lhe contava historias para dormir e nunca, por mais que a menina pedisse para contar o final no outro dia, pois estava com muito sono, a sua mãe lhe dava este beneficio, ela sempre alegava a mesma coisa: “Toda historia precisa de um final Isabella, se não tive um final, ela sempre assombrará você...” e agora Isabella entendia muito bem o que a mãe tão sabiamente queria dizer com aquilo...
A menina saiu do taxi em frente à casa dos Cullen, estava tudo muito silencioso por ali, o porteiro a reconheceria, mas ele não a veria, pois Benjamin estava a sua espera na porta de entrada da casa.
-- Muito obrigada Ben! - Ela agradeceu dando o seu melhor sorriso ao rapaz.
-- Eu não poderia deixar de lhe ajudar menina! - Ele disse olhando em volta — Você já sabe, faça o que tiver de fazer, quando acabar, estarei aqui esperando por você no portão.
-- Obrigada!
Isabella correu pelo jardim em direção a casa, ela sabia que a porta de entrada da cozinha quase nunca era fechada, pois a casa possuía um sistema de segurança confortável e invejável, tanto em relação aos equipamentos de última geração, quanto ao numero razoável de seguranças treinados. Assim que estava dentro da casa, Isabella rememorou o local no qual, por mais difícil que tivesse sido ela viveu alguns bons momentos. Olhou em direção a escada e não perdeu tempo em correr para o andar de cima em busca do que procurava. Ela conhecia o local de cor e salteado, ela sabia onde era cada quarto da casa, afinal ela morou ali durante algum tempo, sendo assim, não se perderia ali.Usou as informações de Emmett, segundo ele Edward não estava saindo de casa e tão pouco estava tendo boas noites de sono, o que a deixava apreensiva, será que encontraria o jovem acordado ou dormindo. Ela girou o trinco da porta e se deparou com o quarto vazio. Em duvida, ela entrou e caminhou pelo quarto, havia uma pequena bagunça ali, com certeza alguém esteve ali naquela noite, ela fora até o banheiro, mas estava vazio, Isabella ficou de costas para a porta de entrada do quarto, olhando para dentro do banheiro vazio.
-- Droga! - Sussurro mais para si mesmo...
Foi preciso apenas um segundo de distração, para que o corpo da morena fosse pressionado contra a parede, uma espécie de ar quente soprava em seu pescoço, próximo ao seu ouvido. Ela sentiu o nariz de alguém roçar em sua nunca e ir de um lado para o outro, parando em seu ouvido.

-- Por um minuto eu achei que fosse uma miragem! - A voz de Edward sussurrou em seu ouvido — Mas é você mesmo, seu cheiro continua igual, na verdade, mais forte e mais intenso.
-- Me solta Edward! - Ela disse com a voz cortante.
-- Não mesmo! - Ele disse dando uma leve mordida na orelha dela, fazendo o seu o corpo todo se arrepiar — Você entrou em meu território e eu não tenho o porquê de te soltar!
-- Edward...
-- Shiiiiii! - Ele murmurou — Eu não quero saber de nada!
As mãos de Edward estavam uma prendendo a jovem contra a parede e a outra se pôs a levantar a saia do vestido que ela usava.

-- Edward não! - Ela disse tão ofegante e tão sem vontade de que ele parasse o que fazia...
-- Sim! - Ele replicou e mordeu mais uma vez à orelha da jovem — Você quer tanto quando eu.
.................
As coisas aconteceram rápido demais, assim como os planos de Isabella mudaram rapidamente também... Edward conseguiu se livrar das roupas da menina em um segundo, não antes de rasgar totalmente a calcinha da jovem.

As mãos de Edward apertavam os seios de Isabella, a boca dele estava em seu pescoço, local em que o jovem beijou e mordeu, antes de empurrar a menina para cima da cama, eles já estavam nus,Isabella não soube dizer quando Edward se livrou das roupas dele e nem tão pouco o momento em que ele colocou a camisinha em si mesmo.
Ele sorriu ao subir na cama e Isabella não lembrava o quanto ele era lindo e tentador para ela. O ruivo a beijou de leve nos lábios antes de empurrá-la mais uma vez na cama, ficando por cima dela e puxando as mãos da morena para sobre a cabeça dela. 

O homem dominante estava de volta, ela sabia que ele jamais iria mudar isso, ele queria controle em especial na cama...
-- Você continua linda! - Ele sussurrava a beijando — Eu a desejo ainda mais! — Mais um beijo em seus lábios enquanto Edward a advertia — Não serei carinhoso minha pequena!

E ao dizer isso, Edward a penetrou em uma única estocada, fazendo Isabella gemer com aquela invasão repentina, mas extremamente prazerosa.

 Os movimentos, logo ganharam vida, ficando rápidos e intensos, a cada nova investida do jovem de encontro ao centro pulsante da menor, lhe dando ainda mais prazer. Umas das pernas de Isabella estavam em volta da cintura do maior e os movimentos de Edward eram rápidos e precisos, cada vez mais fazendo com que ambos gemessem na boca um do outro, Isabella estava entre aberta, ela murmurava palavras sem sentindo, cobertas de gemidos do mais puro prazer.

-- Você é minha! - Edward dizia enquanto investia ainda mais fundo e forte dentro da menina — Apenas minha, você me pertence!
Não levou muito tempo para o corpo de Isabella terminar tremendo de prazer, o seu grito ecoou no quarto, assim como o de Edward, que ecoou ainda mais alto do que o da morena enquanto ele goza dentro da jovem, enchendo assim o preservativo que ele usava. Umas das mãos de Isabella arranhavam as costas do maior, antes de se render ao seu pós-gozo relaxando, por fim, Edward desabou encima da menina, a cabeça do ruivo estava no meio dos peitos da menor.

-- Por favor, fique! - Edward disse sussurrando — Eu quero dormir com você hoje!
Só então Isabella sentiu o forte cheiro de álcool que vinha do rapaz, era claro o medo que ela tinha de ser confrontada por ele, o reencontro depois de tanto tempo, bloqueou esse pequeno detalhe na mente da menina, mas agora ela conseguia sentir o forte cheiro de álcool vindo dele. Isabella nada disse ao pedido do homem que parecia calmo ressonando sobre o seu corpo, aos poucos a respiração do rapaz voltou ao normal e fora ficando leve e então Isabella se deu conta de que ele dormira.
-- Eu não posso ficar! - Ela sussurra fazendo um cafuné no homem adormecido – Mas você me verá de novo...
Com essa promessa solta, ela escorregou para fora da cama, catando as suas roupas pelo chão, deixou o homem inconsciente na cama e saiu em direção ao jardim da casa. Já do lado de fora, ela encontrou Benjamin que a ajudou a sair da mansão sem ser vista. O bom amigo não fez nenhum tipo de pergunta, mas ele podia imaginar o que havia acontecido, devido ao estado da jovem, ela cheirava a sexo e a bagunça do seu cabelo deixava ainda mais claro que isso acontecera, além das bochechas da morena que estavam deveras vermelhas.
-- Obrigado Ben!
Fora tudo que ela disse antes de entrar em um táxi e sumir em direção a sua casa que ficava a poucos quilômetros dali...
CONTINUA...

9 comentários:

  1. omg eles merecia esse trégua apesar do ED ta bêbado..

    ResponderExcluir
  2. Verdade, eles mereciam isso

    ResponderExcluir
  3. Demais amo essa historia nao demora pra postar outro capitulo.

    ResponderExcluir
  4. AMEI AMEI AMEI. EU CURTO DEMAIS A FIC TOTALMENTE LOUCAMENTE APAIXONADA PELA FIC MEUS PARABENS PELO BOM TRABALHO DE REDAÇÃO!!! AGUARDO ANCIOSAMENTE POR NOVOS CAPITULOS!! BEIJOS PERLA

    ResponderExcluir
  5. Adoreiiiiiiii mas vc demora demais pra posta novos capítulos assim fica dificil acompanha a fic bjo.

    ResponderExcluir
  6. Você tem previsão de atualização?

    ResponderExcluir