Jul M

Oi

domingo, 17 de novembro de 2013

O Casamento -- Para Todo O Sempre-- Cap 13


"Quer ser realmente vitorioso? Então tenha a coragem de cair do alto e sobreviver."
(Tudo acontece em Elizabethtown)
A MINHA MENINA NASCEU...
POV EDWARD CULLEN
Eu parecia um bobo, eu ficaria horas admirando a minha menina, a nossa filha, minha e de Isabella. Bella estava com a bebê em seus braços, lhe amamentando.
Assim que a menina nasceu e logo depois de ter sido feito todos os procedimentos médicos, uma enfermeira veio me mostrar à criança, eu me apaixonei incondicionalmente pela pequenina assim que a vi pela primeira vez. Isabella me deixou mais preocupado, eu levei mais algum tempo para saber noticias sobre dela, mas assim que a Doutora Grace me chamou para ajudar a levá-la para a nossa cama, eu consegui finalmente relaxar, ela estava ali, ao meu lado, segura e viva com um sorriso fraco nos lábios e os cabelos em uma bagunça só, acho que a Doutora Grace a ajudou a se limpar porque o seu rosto não estava mais com sinais de suor.
Agora, aqui estava ela com a minha pequena em seus braços, dando-lhe de mamar. Ela me olhava algumas vezes e sorria, o meu coração acelerava todas as vezes que ela fazia isso, ainda não escolhemos o nome da nossa filha, mas ainda teremos muito tempo para fazer isso. Assim que Isabella acabou de amamentar o nosso presente divino e se pôs a cantar para ninar a neném, eu aproveitei para ligar para os meus pais e avisar do nascimento da pequena Cullen.
A minha mãe não deu muita importância, até que eu a entendia, ela nunca gostou da idéia de ser avó, acho até que Elizabeth, no fundo, no fundo nunca sentiu amor por ninguém a não ser por meu pai. Já Carlisle ficou super feliz com a noticia, e claro, ele queria pegar o primeiro avião e vir direto nos ver, ele queria conhecer a sua mais nova neta, a menina que tinha o sorriso da mãe e os meus olhos, o que era uma pena, se ela tivesse os olhos de Isabella seria a criança mais linda do mundo, não que ela já não fosse, mas teria um algo a mais de sua mãe, e isso, me deixaria ainda mais bobo do que eu já estava naquele momento.
-- Você deveria descansar! - Bella disse me dando o seu melhor sorriso.
-- Eu vou descansar assim que você descansar também! - Digo e caminho em direção a ela — Vamos me dê à nossa filha, ela já dormiu e você precisa dormir também!

Isabella me deu a menina muito à contra gosto, mas ainda assim me deu, eu caminhei com ela para o lado direito da cama, onde estava o berço, eu a coloquei cuidadosamente lá e fiquei admirando o seu soninho tranqüilo. Nós iríamos ficar mais duas semanas aqui em Orlando e depois teríamos que voltar para a nossa casa, tudo o que eu havia ordenado que fosse feito, em termos de segurança, na casa de lá, estava quase pronto.
A Doutora Grace deixou várias recomendações para a pronta recuperação de Isabella e ensinou alguns cuidados que devíamos ter com a nossa filha, ela também recomendou o mais absoluto repouso para a minha mulher e nos advertiu sobre evitar exageros com a nossa filha.
-- Eu preciso fazer algumas ligações! - Digo e me sento ao seu lado da cama — Você, Sra. Cullen, trate de descansar! – Eu a beijo rapidamente — Eu volto já para te fazer companhia.
-- Não demore! - Ela pede e fecha os olhos.
Caminho para fora do quarto e encontro John na porta de prontidão, eu havia mandando uma mensagem para ele enquanto Bella estava dando de mamar para a nossa princesa.
-- Fique aqui e qualquer barulho estranho haja! - Ordeno a John.
-- Sim Senhor!
-- Eu volto já para ficar com elas! – Digo — Onde está Tonny?
-- No quarto! - Ele me responde rápido — Logan está com ele!
-- Tudo bem! Mantenha-me informando.
-- Sim Senhor.
Caminhei para sala onde ligue o meu notebook e fui trabalhar, Emmett me mandou alguns arquivos. A nossa equipe estava de volta, já fazia um bom tempo que não nos reuníamos. Essa era a parte rebelde da minha vida, quer dizer, eu não diria tão rebelde assim, já que segundo o meu ponto de vista, eu fazia o que fazia para ajudar as pessoas menos afortunadas...
Assim que entrei para o Exército, eu e Emmett conhecemos os outros, Gabriel, Miguel e Uriel, todos servíamos na mesma companhia. Uriel era a única mulher, mas era do tipo que não se curvava a homem nenhum. Depois de dois anos no Exército, saímos e montamos a nossa equipe. Emmett é o melhorHacker que conheço, ele invade sistemas como ninguém e qualquer informação, que para alguns seria impossível obter, ele conseguia em um simples toque de dedos e combinações. Gabriel é o muito bonito, não vou mentir, e mais, ele possui uma lábia como ninguém, ele levava qualquer pessoa no papo, e claro, é um ótimo lutador e ótimo estrategista. Miguel consegue entrar e sair de qualquer lugar sem ser notado. Não há uma porta que resista a ele e muito mesmo um cofre, sem falar que ele entende muita coisa sobre armas. Urielé do tipo que manda bem em tudo, é sempre bom ter uma presença feminina na equipe. Eu era o rebelde da equipe, que tinha o sonho de salvar o mundo com aquilo que fazíamos...
Roubávamos dos mais ricos, das pessoas poderosas que deveriam estar ajudando o povo mais carente, éramos uma espécie de justiceiros, do tipo Robin Hood dos tempos modernos... Tantas pessoas com muito e muitas outras pessoas com pouco, achávamos isso uma injustiça. Somente quando se está em uma guerra e que se depara com pessoas inocentes morrendo, é que se pode ponderar com clareza os conceitos do certo e do errado. E foi assim que começamos a roubar grandes empresas, que pertenciam a pessoas importantes e inescrupulosas ao redor do mundo. Até que um dia, quase fomos pegos, foi então que decidimos desfazer a equipe, cada um foi para um lado e eu fiquei em Londres, nesta época eu conheci Lana Rock”s e a minha vida mudou um pouco. Maggie que já tinha me dando um filho lindo. Depois que tudo ferrou com Lana eu voltei para casa e Emmett veio junto comigo. Nós começamos a trabalhar na empresa do meu pai e agora estávamos cada vez mais amigos e aliados, tentando encontrar o culpado para tudo o que de errado acontecia comigo e com as pessoas ligadas intimamente a mim.
-- Olá Emmett! - Digo assim que ele atende — O que temos de novidades?
-- Eu não vou mentir para você, nós estamos com certo problema! - Emmett me replica.
-- O que está havendo?
-- Edward a pessoa que está nessa tramóia contra com você, é muito boa no que faz! - Ele diz — Ela está trabalhando muito bem, pois está sendo difícil achar um fio solto... Ele ou ela calculou muito bem cada passo dado...
-- Felix! - Digo — Miguel já conseguiu achar alguma coisa que ligue ele aos assassinatos?
-- Nada também! - Emmett responde — Se Felix está metido nisso, ele está muito bem assessorado, porque alguém ainda encobrindo os seus rastros.
-- A minha filha nasceu! - Digo e Emmett fica em silêncio — Emmett há mais coisas em jogo, agora eu tenho dois filhos e uma esposa para salvar dessas pessoas. Temos que pegar eles, antes que eles acabem machucando alguém a quem eu amo.
-- Edward, nós estamos fazendo o nosso melhor! -Emmett justifica — Eu estou indo buscar as fitas no hotel onde Irina foi morta e a mesma coisa no hotel onde mataram Maggie, algo me diz que vamos ter sorte nisso.
-- Não precisamos de sorte! – Digo – Nós precisamos é acabar com isso de vez!
-- Claro! Quando você volta?
-- Em duas semanas! - Digo — A casa está pronta?
-- Claro! - Emmett diz — Jamais falharia com você!
-- Obrigado!
-- Pode contar comigo.
-- Eu preciso desligar Emmett! – Articulo — Nos vemos em alguns dias!
-- Até logo Edward e se cuide!
-- Pode deixar!
Caminhei de volta para o quarto e mandei John descansar, assim que ele se foi, eu entrei no quarto, Isabella estava agitada na cama, parecia que ela estava tendo um pesadelo, e de fato, ela estava sussurrando algumas coisas, eu caminhei em sua direção as pressas e toquei em seus braços com carinho, tentando acordá-la.
-- Querida acorde! – Sussurrei.
-- Não! - Ela dizia se agitando ainda mais na cama — Fique longe dela, ela é minha! - Ela gritou.
-- Merda!
Deixei escapar assim que me dei conta de que Isabella estava sonhando com a nossa filha e não era nada bom. Segurei-a pelos braços e sacudi com um pouco de força!
-- Amor acorde!
Isabella se debateu em meus braços, mas ela abriu os olhos, primeiro ela não reconheceu o local, depois era visível que ela lembrou onde estávamos e virou a cabeça rapidamente em direção ao berço da bebê, então ela soltou o ar que estava prendendo e nessa hora eu a puxei para os meus braços com todo o cuidado e a abracei.
-- Está tudo bem, vai ficar tudo bem, você sabe disso! – Sussurrei.
-- Eu não quero voltar! - Ela disse e eu senti as lágrimas dela molhando a minha camisa do pijama.
-- Nós precisamos voltar! - Digo e beijo os seus cabelos sedosos — Se ficamos aquiserá pior.
Isabella se afastou do meu peito e me olhava confusa sem entender.
-- Bella amor, aqui é o local onde estamos mais desprotegidos, não conhecemos ninguém a não ser aos nossos seguranças e nem este fato, nos deixa tão seguros assim, já tivemos uma prova... O Tony quase se machucou gravemente com tudo isso.Ela suspirou e fechou os olhos, acho que tentando afastar as lembranças...
O sol já nascia do lado de fora da casa, Tony estaria conosco em alguns minutos, eu já sabia disso, ele andava acordando cedo demais, essa era a verdade. Bella ficou deitada presa aos meus braços até que a sua respiração ficou leve como uma pluma, e então, eu tive a certeza que ela havia dormindo novamente...
Cinco minutos depois, Tony entrava no quarto, assim que vi a porta se abrir, eu sinalizei para que ele não fizesse barulho, ele me olhou sem entender e então apontei para mãe dele que ainda dormia em meus braços. Tony abriu a boca formando “o” e então correu para o berço da irmã que ainda dormia calma e tranqüilamente.
E assistindo aquela cena, a única coisa que passava pela minha cabeça era que eu tinha que manter a minha família segura. Eu teria que dar um fim em tudo o que atrapalhasse a paz e a felicidade da minha família.
Continua...

sábado, 16 de novembro de 2013

Slave Of Pleasure-- Escrava Do Prazer-- Cap 32

AVENTURAS...
Por que nada é como esperamos que fosse? Essa pergunta andava rodando a cabeça de Isabella e não era só esse o seu questionamento, havia mais coisas que rondavam os seus pensamentos...
Havia se passado uma semana desde que Edward tinha salvado-a em uma noite escura, o pior era não fazer a menor idéia de como ele sabia onde ela estaria. Seria até bom se o seu problema fosse apenas esse, mas já fazia alguns dias que ela tinha sonhos com Edward, e, ela sabia que isso iria acabar a deixando louca, bem mais louca do que os seus dois filhos a deixava quando ficavam correndo pela casa.
Parecia que algo estava fora do lugar, pois os sonhos continuavam a se repetir durante toda a semana seguinte. O teor do sonho era sempre o mesmo, só havia mesmo a mudança de cenários... No primeiro sonho, Isabella estava amarrada à cama, enquanto Edward a torturava de um jeito prazeroso, os olhos dela estavam vendados e tudo o que ela sentia era as mãos do jovem em seu corpo.



 A cada novo sonho as coisas iam ficando melhores, ela acordava ofegante e com o corpo em chamas.
Deste o seu encontro com Edward, naquela fatídica noite, ela teve diferentes sonhos, mas a temática era sempre a mesma, ela algemada em diferentes locais,

 algumas vezes ela se via com as mãos presas nas costas, chupando Edward, enquanto permanecia de joelhos aos pés do ruivo e com a boca engolindo o pau grosso e gostoso do homem.

-- Srta. Swan! - Sue chamou — O que deseja para o almoço?
-- Você pode escolher! - Ela disse voltando à realidade e se afastando dos seus devaneios — Sue você ainda vai à casa do Cullen?
-- Sim, afinal, Alice ainda mora lá Senhorita.
-- Como andam as coisas por lá?
-- Difíceis! - Sue afirma categórica — Esme parece estar a cada dia que se passa, ainda mais pirada. Agora ela acha que o marido tem uma amante.
-- Carlisle! - Ela se assusta com a possibilidade — Eu acho difícil, mas se ele tivesse seria muito justo, aquela mulher não presta.
-- Ela é a maior culpada por Edward ser assim!
-- Como assim Sue?
-- Srta. Swan eu preciso cuidar do almoço! - Ela diz mudando de assunto — Com a sua permissão.
Sue não espera resposta e se retira antes mesmo da menina conseguir fazer uma próxima pergunta.
-- Oi Emmett! - Isabella diz ao abrir a porta.
-- Olá menina! - Ele diz sorrindo — Onde estão os meus sobrinhos?
-- Correndo pela casa! - Ela diz sorrindo — Em alguns segundos eles estarão aqui gritando.
E fora exatamente aquilo o que aconteceu, os meninos ficaram animados quando viram o tio querido deles, brincaram com Emmett que ficou para o almoço e antes de partir conversou com Isabella.
-- Edward anda perguntando muito sobre você! - Emmett disse sério.
-- Eu não quero saber nada sobre ele.
-- Ele vai acabar descobrindo onde você está! - Emmett a adverte.
-- Eu mudo, eu sumo! - Ela responde resignada.
-- Isso não vai impedir ele de ir atrás de você.
-- Emmett! - Isabella o chama antes de ele suma por através da porta — Por que a sua mãe super protege o Edward?
Emmett fica em silêncio por um tempo e então suspira.
-- Edward é o filho mais novo! - Emmett responde — E mesmo sendo um exemplo em algumas coisas, ele também teve o seu momento rebelde, Esme sempre o apoiou em tudo e acho que pelo fato de ele ser o mais novo, ela sempre o protegeu.
-- Ele é o filho querido dela, então?
-- Não sei! Ela nunca demonstrou amar mais a ele do que a nós, todos sempre tivemos o mesmo carinho! - Emmett pondera — Mas algumas vezes, é inevitável não pensar que haja mesmo preferência...
Isabella ficou calada, apenas vendo Emmett sair de sua casa sem dizer mais nada.
.................
-- Sue voltarei um pouco mais tarde hoje! - Ela adverte a empregada antes de sair.
Durante todo o percurso ela ficou pensando em fazer ou não o que tinha em mente, ela estava pirando a cada segundo que passava, ela sabia, já ouviu tantas vezes da sua mãe, que um historia sem final sempre assombrava... Quando ela era pequena, a mãe de Isabella sempre lhe contava historias para dormir e nunca, por mais que a menina pedisse para contar o final no outro dia, pois estava com muito sono, a sua mãe lhe dava este beneficio, ela sempre alegava a mesma coisa: “Toda historia precisa de um final Isabella, se não tive um final, ela sempre assombrará você...” e agora Isabella entendia muito bem o que a mãe tão sabiamente queria dizer com aquilo...
A menina saiu do taxi em frente à casa dos Cullen, estava tudo muito silencioso por ali, o porteiro a reconheceria, mas ele não a veria, pois Benjamin estava a sua espera na porta de entrada da casa.
-- Muito obrigada Ben! - Ela agradeceu dando o seu melhor sorriso ao rapaz.
-- Eu não poderia deixar de lhe ajudar menina! - Ele disse olhando em volta — Você já sabe, faça o que tiver de fazer, quando acabar, estarei aqui esperando por você no portão.
-- Obrigada!
Isabella correu pelo jardim em direção a casa, ela sabia que a porta de entrada da cozinha quase nunca era fechada, pois a casa possuía um sistema de segurança confortável e invejável, tanto em relação aos equipamentos de última geração, quanto ao numero razoável de seguranças treinados. Assim que estava dentro da casa, Isabella rememorou o local no qual, por mais difícil que tivesse sido ela viveu alguns bons momentos. Olhou em direção a escada e não perdeu tempo em correr para o andar de cima em busca do que procurava. Ela conhecia o local de cor e salteado, ela sabia onde era cada quarto da casa, afinal ela morou ali durante algum tempo, sendo assim, não se perderia ali.Usou as informações de Emmett, segundo ele Edward não estava saindo de casa e tão pouco estava tendo boas noites de sono, o que a deixava apreensiva, será que encontraria o jovem acordado ou dormindo. Ela girou o trinco da porta e se deparou com o quarto vazio. Em duvida, ela entrou e caminhou pelo quarto, havia uma pequena bagunça ali, com certeza alguém esteve ali naquela noite, ela fora até o banheiro, mas estava vazio, Isabella ficou de costas para a porta de entrada do quarto, olhando para dentro do banheiro vazio.
-- Droga! - Sussurro mais para si mesmo...
Foi preciso apenas um segundo de distração, para que o corpo da morena fosse pressionado contra a parede, uma espécie de ar quente soprava em seu pescoço, próximo ao seu ouvido. Ela sentiu o nariz de alguém roçar em sua nunca e ir de um lado para o outro, parando em seu ouvido.

-- Por um minuto eu achei que fosse uma miragem! - A voz de Edward sussurrou em seu ouvido — Mas é você mesmo, seu cheiro continua igual, na verdade, mais forte e mais intenso.
-- Me solta Edward! - Ela disse com a voz cortante.
-- Não mesmo! - Ele disse dando uma leve mordida na orelha dela, fazendo o seu o corpo todo se arrepiar — Você entrou em meu território e eu não tenho o porquê de te soltar!
-- Edward...
-- Shiiiiii! - Ele murmurou — Eu não quero saber de nada!
As mãos de Edward estavam uma prendendo a jovem contra a parede e a outra se pôs a levantar a saia do vestido que ela usava.

-- Edward não! - Ela disse tão ofegante e tão sem vontade de que ele parasse o que fazia...
-- Sim! - Ele replicou e mordeu mais uma vez à orelha da jovem — Você quer tanto quando eu.
.................
As coisas aconteceram rápido demais, assim como os planos de Isabella mudaram rapidamente também... Edward conseguiu se livrar das roupas da menina em um segundo, não antes de rasgar totalmente a calcinha da jovem.

As mãos de Edward apertavam os seios de Isabella, a boca dele estava em seu pescoço, local em que o jovem beijou e mordeu, antes de empurrar a menina para cima da cama, eles já estavam nus,Isabella não soube dizer quando Edward se livrou das roupas dele e nem tão pouco o momento em que ele colocou a camisinha em si mesmo.
Ele sorriu ao subir na cama e Isabella não lembrava o quanto ele era lindo e tentador para ela. O ruivo a beijou de leve nos lábios antes de empurrá-la mais uma vez na cama, ficando por cima dela e puxando as mãos da morena para sobre a cabeça dela. 

O homem dominante estava de volta, ela sabia que ele jamais iria mudar isso, ele queria controle em especial na cama...
-- Você continua linda! - Ele sussurrava a beijando — Eu a desejo ainda mais! — Mais um beijo em seus lábios enquanto Edward a advertia — Não serei carinhoso minha pequena!

E ao dizer isso, Edward a penetrou em uma única estocada, fazendo Isabella gemer com aquela invasão repentina, mas extremamente prazerosa.

 Os movimentos, logo ganharam vida, ficando rápidos e intensos, a cada nova investida do jovem de encontro ao centro pulsante da menor, lhe dando ainda mais prazer. Umas das pernas de Isabella estavam em volta da cintura do maior e os movimentos de Edward eram rápidos e precisos, cada vez mais fazendo com que ambos gemessem na boca um do outro, Isabella estava entre aberta, ela murmurava palavras sem sentindo, cobertas de gemidos do mais puro prazer.

-- Você é minha! - Edward dizia enquanto investia ainda mais fundo e forte dentro da menina — Apenas minha, você me pertence!
Não levou muito tempo para o corpo de Isabella terminar tremendo de prazer, o seu grito ecoou no quarto, assim como o de Edward, que ecoou ainda mais alto do que o da morena enquanto ele goza dentro da jovem, enchendo assim o preservativo que ele usava. Umas das mãos de Isabella arranhavam as costas do maior, antes de se render ao seu pós-gozo relaxando, por fim, Edward desabou encima da menina, a cabeça do ruivo estava no meio dos peitos da menor.

-- Por favor, fique! - Edward disse sussurrando — Eu quero dormir com você hoje!
Só então Isabella sentiu o forte cheiro de álcool que vinha do rapaz, era claro o medo que ela tinha de ser confrontada por ele, o reencontro depois de tanto tempo, bloqueou esse pequeno detalhe na mente da menina, mas agora ela conseguia sentir o forte cheiro de álcool vindo dele. Isabella nada disse ao pedido do homem que parecia calmo ressonando sobre o seu corpo, aos poucos a respiração do rapaz voltou ao normal e fora ficando leve e então Isabella se deu conta de que ele dormira.
-- Eu não posso ficar! - Ela sussurra fazendo um cafuné no homem adormecido – Mas você me verá de novo...
Com essa promessa solta, ela escorregou para fora da cama, catando as suas roupas pelo chão, deixou o homem inconsciente na cama e saiu em direção ao jardim da casa. Já do lado de fora, ela encontrou Benjamin que a ajudou a sair da mansão sem ser vista. O bom amigo não fez nenhum tipo de pergunta, mas ele podia imaginar o que havia acontecido, devido ao estado da jovem, ela cheirava a sexo e a bagunça do seu cabelo deixava ainda mais claro que isso acontecera, além das bochechas da morena que estavam deveras vermelhas.
-- Obrigado Ben!
Fora tudo que ela disse antes de entrar em um táxi e sumir em direção a sua casa que ficava a poucos quilômetros dali...
CONTINUA...

Em Maus Lençóis -- Cap 14

UM LUGAR SÓ NOSSO...
Isabella estava eufórica, durante todo o trajeto que fizeram, ela não parou um só minuto de perguntar qual seria o destino deles, ela queria sabe onde Edward os estava levando. A sua animação poderia ser comparada a de uma criança de dez anos que acabara de ganhar um presente de natal, com seus olhos brilhantes assim como a sua boca não parava de perguntar a todo o momento a mesma coisa: “Para onde estamos indo?”
Ela não entendeu nada quando viu Edward entrando em um condomínio distante da cidade, ao longe, se via algo que parecia ser pequenos e simples apartamentos, mas assim que foram chegando mais próximo, ela percebeu que de simples o lugar não tinha nada. Edward entrou pela garagem privativa e estacionou em uma das vagas de moradores do local, Isabella de certo estranhou o fato. Edward saiu do carro abrindo a porta para a morena que ainda não conseguia entender nada, ela sabia muito bem que aquilo não era um motel, até porque nenhum motel seria daquele jeito, com um ar tão familiar, calmo e acolhedor.
-Vamos! - Edward disse chamando a menina e pegando as suas mãos.
-Para onde nós vamos?
-Já disse que é uma surpresa querida!
Depois disso nada mais fora dito, Edward praticamente arrastava uma Isabella pra lá de curiosa, eles utilizaram a garagem e o elevador privativo para moradores. A caixa de metal parou no último andar e Edward ainda segurava as mãos da amante, eles caminharam em direção a uma das portas do andar. Isabella viu que na porta tinha o número 2024 entalhado em dourados. Edward abriu a porta e a segurou para que Isabella entrasse, à jovem ficou admirada com o tamanho do lugar, tudo muito bem decorado de forma harmoniosa e com muito bom gosto. Parecia um perfeito lar, possuía toques simples que deixava o local mais lindo ainda. Edward entrou um pouco atrás da jovem já fechando a porta, Isabella ainda não conseguia entender o porquê de estarem ali.
-De quem é essa casa?
-Nossa! - Edward disse sorrindo e abraçando a menina pela cintura — Os meus pais chegam de viajem esse final de semana — Ele comunica a ela — Não será mais possível nos encontramos lá, então, eu achei que deveríamos ter um lugar só nosso. O que acha?
Isabella girou nos braços do maior, olhou para ele com um sorriso nos lábios, e claro, aquele toque de malicia que só ela conseguia ter.
-Então esse lugar é meu e seu?
-Sim! - Edward disse — Apenas nosso!
-Posso dar uma festa aqui se eu quiser?
-Não! - Edward disse sério — Bella, eu não acho que seja apropriado dar festas aqui, até porque geraria comentários e por fim alguém poderia descobrir sobre nós!
-Tá bom! - Ela disse fazendo uma careta engraçada — Mas se eu quiser fazer uma “festinha” particular na qual o único convidado seja você. Eu posso fazer?
Edward nunca tinha visto tanta malicia em uma só frase e ele tinha certeza que Isabella expressava ali o seu desejo sincero.
-Se for assim! - Edward disse chegando com os lábios perto do ouvido da menina — Você tem a minha permissão! - Ela sorriu com comentário do maior.
-Posso é? - Ela disse com mais malicia ainda — Por que não me mostra a NOSSA casa!
Edward sorriu e puxou a menina pelas mãos, levando-a para conhecer a casa que seria agora o ninho de amor deles. A cozinha era pequena, mas Isabella sabia que a última coisa que eles fariam ali era comer comida de verdade... O apartamento tinha dois quartos, uma varanda, dois banheiros, e uma pequena biblioteca/escritório. Edward mostrou o quarto principal para Isabella, o cômodo era grande, em tons claros e a mobília era escura, dando um contraste rústico com os tons claro do quarto, uma cama enorme e bem confortável, se mostrava convidativa, e claro, a mente maliciosa da menina já planejava coisas para serem feitas ali...
-O que achou?
-É lindo Edward! - Ela disse e se virou para ele — Por que não se senta ali? - Ela aponta para a cama — Eu vou fazer algo para você! - Ela diz cheia de malicia — Por favor, Sr. Cullen!
Edward fez o que a jovem disse e se sentou na beira da cama, ficando de frente para a menina que correu até a sala e pegou o seu celular, então ela colocou uma musica sexy e que deixava idéias libidinosas pairando no ar...
- Sr. Cullen, o Senhor está pronto para o strip mais sexy da sua vida?
Edward não disse nada, apenas sorriu para a menina, claro que ele já tinha visto alguns shows de strip, mas ele sabia que Isabella sempre conseguiria superar as expectativas dele. E para variar, ele estava certo novamente... Isabella começou a dançar de acordo com o ritmo da música, mexendo-se de um lado para o outro, expondo as suas belas curvas, a jovem usava um vestido solto, e claro, ela sabia muito bem como provocar o homem que a admirava naquele momento. Aos poucos, ela começou a subir as mãos pelas pernas, depois começou a tirar devagarzinho o seu vestido, até puxá-lo completamente mostrando a calcinha que vestia...

 A calcinha era rosa com rendas delicada, ela não usava sutiã por baixo da roupa. Edward mordeu os lábios e gemeu com visão da jovem seminua a sua frente. O pau do ruivo estava duro como uma rocha dentro da sua calça apertada,

 Isabella continuou com a sua dança provocativa e aos poucos ela foi puxando a sua calcinha, sempre instigando o maior, ela puxava um pouco e depois recuava, ela mantinha toda a sensualidade que pedia a música e quando por fim tirou a sua calcinha, a menina sorriu para o homem que estava quase gozando dentro da calçae disse safada...




-Quero que me coma nessa cama! Com muita força e que me faça gozar chamando o seu nome Sr. Cullen!
-Isabella! - Edward disse com um gemido desesperado.
Como se fosse preciso ela pedir, era claro que ele a fuderia naquela cama enorme ou em qualquer outro lugar daquele apartamento. Edward estava duro e cheio de tesão por sua ninfeta que lhe tirava todo o juízo.
……………
Isabella estava com a boca aberta, Edward estava de frente para a menor, de maneira que ele parecia estar sentando sobre a cama, Isabella tinha os olhos fechados, enquanto gemia descontroladamente, Edward a fudia com força, atendendo ao desejo da menina, ela estava tão perto do clímax quando Edward..

. ...logo ambos gozariam e Edward não queria isso, ele ainda queira prolongar o ato ao máximo que conseguisse. E foi exatamente isso que fez, o ruivo colocou a pequena de quarto na cama e passou penetrá-la por trás, uma das mãos do homem segurava firme a cintura da menina, enquanto ele investia dentro dela, fazendo Isabella gemer cada vez mais alto o seu nome.

 Os gemidos de Isabella eram como música para os ouvidos de Edward, ainda mais quando vinham acompanhados por uma provocação típica da pequena ninfeta.
Edward mudou mais uma vez a posição de ambos, colocando Isabella para sentar em seu colo, ficando frente a frente como a bambina, Edward segurou a cintura dela enquanto a ajudava a subir e descer em seu pau, a menina fazia caras e bocas, deixando o maior ainda mais louco de tesão.

Edward deitou na cama e manteve Isabella por cima dele, claro que a menina sabia muito bem o que o maior queria e ela o fez com muito prazer, ela cavalgava encima de Edward com perfeição,


fazendo ambos gemerem, Isabella estava tão apertada que Edward sabia que ela logo gozaria, e por isso, mais uma vez, ele mudou a posição dos dois, ele ficando por cima da menina, que o encarava com certa malícia. Edward passou a penetrá-la devagar, deixando Isabella em seu limite, a menina não agüentou mais e acabou gozando, gritando o nome do maior, antes que o seu grito fosse mais alto, ela mordeu o ombro do maior, que ainda investia com firmeza dentro dela, fazendo com que Edward gozasse em seu interir mais uma vez naquele dia.

……………
Isabella estava deitada com a cabeça sobre o peito de Edward, ambos estavam com a respiração normalizada. Edward desenhava linha imaginarias nas costas da menina. O único som que se ouvia era o da respiração dos dois, Isabella estava gostando daquilo, mas ela também não conseguia esquecer que a qualquer momento ele levantaria e diria que precisa voltar para esposa...
-Tenho algo para você! - Edward disse quebrando o silêncio confortável entre o casal, porém não deixando de deslizar os seus dedos pelas costas da jovem.
-Sério? - Ela levantou o rosto para poder encará-lo — O que seria?
Edward sorriu para a menina e tirou alguns cabelos que estavam grudados em sua face.
- Bem! - Edward disse ficando sem graça — São meio que dois presentes, se bem que um deles, não é exatamente um presente...
Isabella olhou curiosa para o homem e então se sentou sobre a cama, degustando a imagem de Edward nu, aquilo deixava o corpo dela em chamas, ainda mais quando Edward se mostrava tão relaxado e descontraído...
-Então me dê e eu decido se é ou não um presente.
-Tudo bem! - Edward disse se sentando e saindo da cama — Não saia daí...
Edward, ainda pelado, foi até a sala de estar, onde havia uma mesa de canto, lá estavam as duas caixas contendo os presentes para Bella, ele as pegou e voltou para o quarto. Isabella não conseguia esconder que ainda estava babando pelo homem nu à sua frente. Ele caminhou de volta para a cama se sentando na beirada, Isabella foi engatinhando até ele e se sentou ao seu lado, Edward pegou primeiramente uma caixa de veludo e entregou para menina.
-Esse é para você, é um presente de verdade! - Edward disse.
Isabella pegou a caixa com cuidado e a abriu, assim que removeu a tampa, ela se deparou com um lindo colar de ouro que possuía um pingente delicado com a primeira letra de seu nome. Havia alguns detalhes na letra que a encantou pela primazia. A letra, não era um “I” de Isabella mais sim um “B” de Bella. O colar era lindo e ela tinha certeza que deveria ter sido caro, ela não era tão ingênua que não percebesse que aquela era uma jóia de muito valor...
- Edward é lindo! - Ela sussurrou — Eu não sei se devo aceitar!
- Sim, você deve! - Edward disse — Eu comprei para você e acho justo que fique com ele!
A menina deu um largo sorriso e virou de costas para o homem, não antes de lhe oferecer a caixa aberta com o cordão, o maior logo entendeu o que ela desejava. Edward pegou o cordão e colocou no pescoço da jovem, mas não antes de dar um beijo em sua nuca, causando arrepios na jovem.
- Como ficou? Ela perguntou ao se virar para ele, os seus seios estavam à mostra, ela também estava nua na cama.
- Lindo! - Ele sussurrou – Assim como você!
Ela sorriu ganhado um tom vermelho quase invisível na face, mas que não passou despercebido para Edward que tinha os olhos grandes sobre ela, o ruivo não perdeu o detalhe que poucas vezes a jovem demonstrava e que muito o agradava.
- Ok! - Ela disse — Agora vamos ao outro presente que não é presente.
Edward engoliu em seco e respirou fundo, ele não sabia exatamente como iria falar sobre aquilo com ela. Tudo bem que eles já fizeram de tudo um pouco, mas falar sobre aquele tipo de sexo com ela, nunca foi algo que tivessem feito, ainda mais sobre esse tipo de sexo especifico... Ele ainda achava constrangedor, não pelo fato dele desejar, e como ele desejava, era algo quase insano, e fazer aquilo com ela era tudo o que ele queria, mas ele também reconhecia o fato dela ser nova demais e que talvez ela não quisesse...
- Tudo bem! - Ela disse tomando a caixa das mãos dele.
- Bella não! - Edward tentou pegar o objeto de volta, mas ela se esquivou.
- O presente não é meu? Então deixe que eu decida se quero o presente ou não! - Ela disse abrindo a caixa.
Edward ficou olhando para a menina esperando a sua reação, Isabella ficou olhando para a caixa colorida que agora estava aberta. Dentro havia dois plugs anais, ela sabia muito bem o que era aquilo, não que já tenha usado, mas ela já tinha visto um e Jacob, uma vez, explicou para a amiga como aquilo era usado.
-Isso é... - Ela não terminou a frase.
- Você disse que, bem... - Edward se enrolou na explicação.
-Sim eu disse! - Ela disse quando ele se calou — E eu quero também!
Edward ficou observando a menina, esperando ela dissesse algo mais do que ela já havia dito.
-Por que isso? - Ela pegou o primeiro plug anal.
Ele era pequeno, tinha no final um belo rubi, e claro, que era rubi. Bella sabia que Edward era rico, a família dele tinha dinheiro e ele por si só possuía uma pequena fortuna. Um plug era menor do que o outro plug que tinha, possivelmente, um diamante no final, a menina sentiu o peso do metal frio em suas mãos.
- Você também disse que nunca tinha feito! - Edward explicou - Eu achei que seria melhor preparar você! - Edward pegou o plug da mão da menina — O sexo anal pode ser desconfortante Isabella, se você não estiver preparada!
- Como você sabe disso tudo? - Ela perguntou — Você disse que nunca tinha feito!
Sim, era uma acusação, era isso que o era, a menina sabia daquilo porque ele mesmo deixou escapar que nunca tinha feito sexo anal com Rose, a sua esposa, então, como ele sabia daquilo tudo? Como se tivesse levado um choque à resposta veio a mente da menina.
-Bella...
-Você já fez sexo anal antes, não é? - Ela perguntou antes dele terminar de falar, ou melhor, começar a falar.
- Já!
- Com quem?
- É uma longa historia, mas eu posso lhe afirmar que não foi com Rose! - Edward confirmou o que ela já sabia — Eu e Rose nunca fomos tão longe...
- Por que é casado com ela? - Isabella perguntou sem se dar conta.
- Um dia talvez eu te conte tudo, mas deixe isso para lá, nesse momento! - Edward pediu — Voltando a isso! - Ele mostrou o plug anal para a menina! — Esse aqui você terá que usar por duas primeiras semanas e esse outro uma semana antes de nós... Bem... Você sabe...
- Fazermos sexo anal! - Ela disse naturalmente — Eu entendo isso, mas alguma instrução?
- Acho que não! - Edward disse — Você sabe como colocar?
- Não! - Ela exclama — Coloca você em mim!
- Tudo bem! - Edward diz e passa as mãos pelos cabelos — Deite na cama e mantenha a sua bunda bem levantada.
Isabella seguiu as ordens de Edward, o jovem usou o lubrificante que veio junto com os dois brinquedinhos. Edward começou a colocar o objeto no interior de Bella com o máximo de cuidado possível, mas foi impossível não ficar duro ouvindo Isabella gemer enquanto os dedos dele preparavam o ânus dela para a nova invasão. Edward colocou com cuidado e carinho o plug dentro de Isabella, ele não queria de jeito nenhum que a menina sentisse dor ou se machucasse. O plug foi até o fundo da menina, ficando apenas a pedra vermelha à mostra. Edward gemeu quando viu a menina de quarto na cama com o plug dentro de seu rabo.




- Não imagina o quanto está linda desse jeito! - Ele comentou passando as mãos pela bunda da menor.
- Eu quero o seu pau na minha buceta me comendo, AGORA... - Ela disse gemendo no final.
- Com muito prazer Srta. Swan!
CONTINUA...