Jul M

Oi

domingo, 6 de outubro de 2013

Em Maus Lençóis-- Cap. 10--- A Vadia Mostra as Suas Garras

A VADIA MOSTRA AS SUAS GARRAS...
 POV NARRATIVA

Isabella estava totalmente nua encostada contra a bancada  da cozinha, aquela era a visão mais perfeita que Edward já tinha visto durante toda a sua vida.

Lá estava ela, a menina que acabara de fazer com que ele saísse de sua casa, praticamente fugido e as escondidas, na calada noite, e o pior, que o fez invadir a casa ao lado da sua, para como a menina mesmo disse, “dá uma fodidinha rápida”.

Se havia uma coisa que Edward já havia apreendido com Isabella, era não perder tempo. E fora isso exatamente o que ele fez, ele não perdeu tempo em se livrar de suas roupas, as jogando no chão da cozinha mesmo. Então ele agarrou Isabella fortemente e lhe deu um beijo urgente. O maior a colocou sobre a mesa e desceu com boca traçando um caminho de beijos que passou pelo pescoço, seios e barriga da ninfeta, até chegar ao destino final, a buceta rosada e úmida a sua frente.

Edward não perdeu tempo em chupar a buceta da menina, a língua do maior traçava todo a buceta da menor, fazendo Isabella gemer com os seus movimentos de sucção.

. Ela perdeu totalmente o controle quando ele começou a penetrá-la com a língua lasciva. Edward conseguiu fazer a menina gozar em sua boca gritando o seu nome o mais alto que conseguiu, tamanho o descontrole e insanidade em que ela ficou...

Limpando a boca com a língua, Edward ficou em pé, observando a doce imagem de Isabella espalhada sobre a mesa, curtido o seu pós-orgasmos. O homem sorriu passando as mãos pela barriga dela e logo descendo até pegar uma de suas pernas e a colocar sobre os seus ombros, deixando à garota bem aberta com a sua buceta a mostra, bem a mostra...

-- Hora da putinha do Sr. Cullen colocar essa buceta gostosa para trabalhar!

Edward praticamente gruiu e socou o seu membro completamente, em um único movimento, dentro de Isabella, que se perdeu no comentário que pretendia fazer a respeito do que ele dissera há pouco. O pau dele estava todo dentro dela, Isabella tinha a boca aberta buscando por ar, devido à invasão brusca que ela sofreu... Edward começou e se mover entrando e saindo de dentro de Isabella, uma de suas mãos começou a mexer no clitóris da menina, fazendo assim, ela gemer um pouco mais alto o nome dele.


-- Oh Sr. Cullen, faça a sua putinha gozar ao redor do seu pau, por favor... - Isabella gemeu sabendo que isso provocaria ainda mais Edward.

As suas palavras sujas sempre tinham um efeito positivo sobre Edward, ele ficava mais selvagem quando ela dizia certas coisas...

-- Você vai gozar dentro de mim com o seu pau todo Sr. Cullen?

Não eram somente as palavras que o provocavam, e sim, o modo com saiam da boca de Isabella, era como se mandassem sinais diretos para o pau do maior. Edward  socava cada vez com mais força dentro dela, sem parar de mexer no clitóris da safadinha, ele queria ver a menina gozar ao redor de seu pau e como ele queria...

Edward virou Isabella na mesa, mantendo ela de lado, fazendo com que a testa de ambos estivessem uma encostada na outra. O movimento de entrar e sair não parou um minuto sequer, o gemido de Isabella era baixo agora, assim como o de Edward, que uma hora ou outra acabava gemendo de prazer.

E mesmo sussurrando, Isabella não deixou de dizer coisas que provocassem e aumentassem ainda mais o tesão do Sr. Cullen, como a mesma o chamava...

A ninfeta dizia frases do tipo: “Me fode gostoso!”; “Eu vou gozar em seu pau todo!”; “O seu pau é gostoso!”; “Oh, Sr. Cullen come mais a sua putinha!”... Dentre outras frases de efeito que saíram da boca da menina que parecia perder totalmente o pudor quando estava com Edward.

Edward colocou Isabella de pé, se mantendo por trás dela, uma de suas mãos estava no clitóris dela, estimulando assim à jovem, o seu pau entrava nela por trás. Isabella tinha um pé apoiado contra a mesa e o outro no chão. Desse jeito a menina comprovou que o pau de Edward alcançava bem mais fundo do que quando ela estava deitada sobre a mesa ou de lado. O gemido dela parecia música nos ouvidos do Cullen, que não parava de engranzar com força, o seu pau dentro dela.


Edward puxou os braços de Isabella, os prendendo nas costas da garota e os mantendo lá com umas de suas mãos. Enquanto ambos continuavam em pé. Edward metia cada vez com mais seiva, fazendo os gemidos de Isabella passar a serem gritos.

 A menina já não dizia coisa com coisa, o corpo dela estava pregado de suor. Edward não ficava atrás, a cavidade do prazer da menina já começava apertar o pau do homem, a cada nova investida ficava mais e mais difícil Edward se enfiar dentro daquela buceta apertada e suculenta, era sinal de que ela estava prestes a gozar, mais duas investidas para que ela tombasse para frente gritando o nome do maior, mais outras duas invertidas e Edward gozou dentro da jovem, apertado com força os quadris de sua pequena ninfa.


....................

Isabella estava sentada prazerosamente em uma cadeira, Edward começou a catar as suas roupas espalhadas pelo chão, Isabella apenas observava cada passo dado pelo homem, que era um deus grego de fato, e naquele exato momento era todo dela.

-- Onde pensa que vai? - Isabella perguntou.

-- Isabela já está tarde! - Edward diz vestindo a sua cueca — Eu preciso ir para casa, Rose já deve estar preocupada.

-- Ela está dormindo! - Isabella afirma ficado pé, ela ainda estava nua — E você ainda não conheceu o meu quarto.

-- Acredite, eu já vi o bastante dele, do meu quarto! - Edward diz pegando as suas calças.

-- Vamos Sr. Cullen! - Isabella implora fazendo becinho — Você já está aqui mesmo, então é melhor fazer o serviço completo! Me fode encima da minha cama!

-- Isabella! - Ele repreende a jovem — Eu realmente tenho que ir!

-- Então e só isso? Uma simples rapidinha na cozinha? - Ela diz incrédula e se fingindo de ofendida.

-- Eu pego você depois da aula e te fodo até te deixar toda arregaçada, mas agora não é possível!

-- Está falando sério? - Ela pergunta surpresa e apostando mentalmente que Edward não se deu conta do que disse.

-- Sim Isabella! - Ele confirma – Agora me dê a minha camisa!

Quando Edward estava devidamente vestido, Isabella o acompanhou até a porta da cozinha, a  menina ainda estava nua e havia gozo escorrendo por suas pernas.


-- Boa noite Edward! - Ela disse passando os braços em volta do pescoço do homem e o beijando com vontade.

Sabe quando um anjo e um capeta começam a sopra no seu ouvido, Isabella teve essa sensação. Por um momento ela desejou que Rose os pegasse,  que ela descobrisse que o marido dela, enganava-a com uma garota que tinha idade para ser a filha dela. Mas ao mesmo tempo, ela sabia que se Rose pegasse os dois, só complicaria ainda mais as coisas entre e para eles. Ainda não era hora para Rose descobrir o caso deles, Isabella sabia muito bem.

-- Vá para cama! - Edward disse quando o beijo foi interrompido — E vista alguma coisa, está muito frio esta noite.

-- Claro Sr. Cullen! Eu serei a sua putinha obediente! - Ela disse fazendo Edward gemer.

-- Você sempre provocado Isabella! - Ele disse beijo a sua testa — Vá para cama, amanhã você terá aula!

Edward voltou para casa pelo mesmo caminho que fez anteriormente, ele foi pela porta escondida no jardim. Ele entrou em casa nas pontas dos pés, mais parecia um ladrão. Subiu as escadas e foi para o quarto, onde constatou que Rose dormia profundamente, ele tomou um banho rápido a trocou de roupa, antes de se deitar na cama ao lado de Rose.

..................

Edward estava dormindo quando sentiu algo quente em volta do seu pau, por algum motivo a sua mente foi para Isabella, mas para a sua sorte, ele não chamou pelo nome da pequena amante.

 Assim que os seus olhos se abriram, ele deu de cara com Rose o chupando feito uma puta barata, daquelas  de beira de estrada. Se fosse antes, ele acharia aquilo ótimo, mas agora, ele não sentia mais prazer algum, ele não sentia encanto em dividir a cama com Rose. Edward não poderia fazer nada, seria como deixar claro para Rose que tinha algo de errado acontecendo, mas nem mesmo esse pensamento, fez com que ele deixasse à loira terminar o seu boquete matinal...

-- Não! - Edward disse puxando Rose para cima.

— O que está havendo? - Rose pergunta — Você sempre gostou quando eu acordava você assim!

-- Eu só não estou no clima! - Edward diz e saí da cama.

Rose enrugou a testa, já tinha alguns dias que ela não transava com Edward. Não era para ele reagir daquela forma, só porque ela estava lhe fazendo um agrado. Rose analisou bem Edward antes que ele entrasse no banheiro e chegou à conclusão que havia algo muito estranho ali...

.......................

Edward estava no seu escritório quando Rose entrou, a loira usava um vestido verde escuro e os cabelos estavam escovados, o batom era vermelho escarlate, como de costume, além dos saltos altos que completavam e valorizava a obra com um todo.

-- Vai sair? - Edward pergunta olhando a mulher.

-- Eu vou visitar a minha prima! - Ela diz passando as mãos pelos cabelos — Tânia vai se encontrar comigo no Shopping!

-- Precisa de dinheiro? - Edward pergunta indiferente.

-- Não! - Ela deu o seu melhor sorriso e arrumou a sua bolsa nos ombros — Eu estarei em casa para o almoço!

Edward nada disse, apenas deixou a mulher sair, dando-lhe assim um pouco de paz. Parecia que tudo que Rose fazia ou dizia estava sendo como a gota da água, tudo irritava Edward. Era como se toda a química que um dia houve entre eles, estivesse desaparecendo. Porém uma certeza ele tinha, nada mais em Rose lhe chamava atenção e tão pouco despertava o seu tesão, sobre isso, ele tinha toda convicção...



------------------------------------------------

Rose estava em um restaurante que ficava no Shopping a espera de sua prima Tânia que não demorou a chegar. A loira com grandes peitos e um sorriso matreiro, chegou trajando um vestido vermelho, saltos pretos e uma maquiagem impecável, ressaltada pelo vermelho do batom em seus lábios. Assim com Rose, Tânia era uma mulher bonita, que chamava atenção por onde passava, mas os seus atos e o seu jeito eram vulgares demais para uma dama de alta classe.

-- Rose querida! - Tânia disse dando dois beijos em seu rosto, um em cada lado — Eu fiquei feliz com o seu convite para sairmos!

-- Eu precisava falar com alguém! - Rose foi direta, ela nunca fez rodeios com a prima, de certo modo, Tânia sabia muitas coisas sobre a vida de Rose, apesar das duas se odiarem, uma tinha inveja da outra, ambas se ajudavam - Está acontecendo algo com Edward! – Rose foi taxativa.

Tânia estava sentada olhada para a prima que parecia estar bem mais preocupada do que o normal.

-- Como assim? O que exatamente está  acontecendo? - Tânia questiona.

-- Edward, ele se recusou a fazer sexo comigo hoje! - Rose desembucha irritada — E sei lá, ele está diferente, mas sorridente, mas confiante, eu não sei dizer, só sei que tem algo acontecendo...

-- Tipo o quê? Ele finalmente descobriu a grande vadia que você é? - Tânia provocou sorrindo a prima — Rose querida, Edward pode estar cansado. Assim como você se recusa a transar com ele às vezes, ele também pode fazer o mesmo. Sei lá, querida! Vai ver ele não estava no clima...

-- Você não está entendendo! - Rose se agita e dá uma olhada ao redor — Eu o acordei com sexo oral, Edward nunca reclamou disso. Mas hoje simplesmente ele disse não! Aí ele saiu da cama sem uma desculpa, sem uma justificativa... — Rose torce as mãos — Quer dizer, ele disse que não estava no clima. Tânia, Edward nunca recusou sexo comigo, mesmo eu dizendo e inventando desculpas para não transar com ele todos os dias, ele sempre caia aos meus pés quando eu me insinuava para ele.

Tânia ficou em silêncio, era como se ela estivesse refletindo sobre algo, o rosto da loira ficou enrugado e ela voltou os seus olhos para prima.

-- Será que ele descobriu toda a verdade? - Tânia perguntou.

-- Duvido muito! - Rose discordou — Eu sempre tomei muito cuidado com tudo, não acho que ele tenha descoberto algo.

-- Rose você e Benjamim  têm um caso há anos! - Tânia a lembra — E fora as outras traições que você já cometeu!

-- Você sabe muito bem o porquê... - Rose se rebela — Eu não o amo, nunca o amei, Edward foi só a luz no final da escuridão, para eu sair na miséria em que vivia.

-- Sei, enquanto ele bancava o namorado compreensivo e acha que você era virgem, você trepava com Benjamin!

-- Eu amo o Benjamim! - Rose diz em sua defesa.

-- E os outros, Rose? Os outros caras com quem você saiu? Você também os amava? - Tânia questiona desdenhosa — Vai-me dizer que trepava todas as tardes com o seu motorista por amor? Ou pegava os seguranças do hospital em NY, onde você trabalhava, também por amor? Ah, melhor ainda, trepava com o sócio do seu marido por amor? Ah Rose, faça-me o favor...

-- Cala a boca Tânia! - Rose diz irritada — Não chamei você aqui para me dizer o que eu fiz... Com quem transei ou para quem eu dei! – Rose retruca séria — Eu acho que Edward está me traindo.

-- Nada mais justo! - Tânia diz e sorri — Edward não estaria fazendo nada de diferente do que você sempre fez prima.

-- Só que não comigo! - Rose diz prepotente — Eu não sou mulher para ser traída! - Rose descarrega brava — Olhe para mim, eu sou linda, gostosa, posso ter qualquer homem, basta apenas que eu queira, porque Edward me trairia se tem tudo isso aqui, eu sim, sou mulher para ele.

-- Talvez eles estejam só extravasando! - Tânia diz — Sabe como é, colocado para fora as frustrações, eu não acho que seja algo grave, apenas um casinho e isso, se for verdade o fato dele está te traindo.

-- Mesmo assim, eu não gostei do jeito que ele me tratou essa manhã! - Rose exclama ofendida - Era como se nós não tivéssemos mais a mesma química de antes, com se ela não existisse mais, como se não houvesse mais tesão entre a gente...

-- Rose eu acho que você está exagerando! - Tânia pondera — Você precisa relaxar. Aposto que você não transa desde o dia em que Benjamin viajou!

-- Você pode não acreditar, mas eu gosto do Ben! - Ela diz e sorri tristemente — Mas eu também sei que tudo não passou de sexo e boas fodas... Ele me ajudou e eu o ajudei apenas isso...

-- Eu imagino! - Tânia diz — Até porque vocês tiveram chances de ficar juntos e ficaram do jeito que estavam, apenas trepado escondidos.

-- Ótimas trepadas priminha! - Rose diz sorrindo — Eu vou sentir saudades do pau dele.

-- Viu! - Tânia diz sorrindo — Aí está a Rose que eu conheço! Uma vadia que é louca por um bom e tesudo pau.

-- Como se você fosse diferente priminha!

-- É, só que eu não sou casada! - Tânia diz — Mas já que estamos aqui, tenho um encontro daqui a pouquinho, depois daqui, deseja vir junto?

-- Não acho que um homem para nos duas seria o suficiente, priminha!

-- Quem disse que é só um? - Tânia diz sorrindo — É dois, priminha! Vamos? Como nos velhos tempos quando você saia para dar uma e deixava Edward com Nessie!

-- Por que não?

............................



Tânia e Rose eram primas e ambas conheciam muito bem uma o passado da outra,  assim como algumas vezes já fizeram muita coisas juntas como orgias regadas a muitas bebidas e sexo. E não seria diferente agora. Tânia e Rose estavam na casa, à mesma casa que Rose usava para se encontrar com Benjamin, uma que ficava fora da cidade. Tânia estava completamente nua no sofá e Rose ainda usava uma calcinha fio dental. Ao lado de Tânia havia um homem, cujo nome era Marcos, como Tânia o apresentara, ele falava ao telefone com alguém.

-- Tudo bem! - Marcos diz — Eu fico a sua espera, tenho certeza que não se arrependerá...

Marcos desligou o telefone, Rose estava em pé, ela andava de um lado para o outro, apenas de calcinha, se exibindo... Enquanto Tânia já estava completamente nua. Marcos ainda usava o seu terno caro e bem cortado, encomendado sobre medidas para ele.

-- O meu amigo está vindo! - Marcos as comunica — Mas acho que podemos nos divertir enquanto esperamos por ele, não acham meninas?

-- Eu não vejo problema nisso! - Tânia diz.

-- Nem eu querido!

.....................



Marcos estava em pé, o pau fora das calças, mas ele ainda continuava vestido, Rose estava chupando a cabeça do pau do homem, enquanto Tânia chupava as bolas e o resto do cassete do cara que não cabia dentro da boca de Rose. Ambas pareciam não se importar com nada, a não ser com o que estavam fazendo, chupando aquele homem que não passava de um estranho para elas.


-- Oh baby! Vocês são muito boas nisso meninas!

Marcos gemeu essas palavras, enquanto Tânia e Rose chupavam o pau dele ao mesmo tempo, ele estava sentado no sofá, Rose chupava um lado do membro dele e Tânia o outro, ambas as bocas das vadias se encontravam na cabeça do pau do cara e sempre que isso acontecia, uma beijava a outra e então, elas voltavam a chupar o pau de Marcos conjuntamente.


Marcos estava de pé, Tânia estava a sua frente com as pernas  separadas. O pau de Marcos estava sendo esfregado na buceta de Tânia e assim que a cabeça do cassete aparecia na frente de Rose, ela chupava e passava a língua em todo ele. Eles ficaram nessa brincadeira por algum tempo, Marcos apenas mudava uma hora era Rose e outra era Tânia, mas a cena era a mesma.

Tânia estava deitada nas costas do sofá, bem na ponta, Marcos segurava com força a cintura dela e socava o seu pau sem a menor piedade dentro da mulher. Bem a sua frente estava Rose deitada, enquanto Marcos comia Tânia, igual a uma puta barata, Tânia chupava a buceta de Rose que gemia feito uma cadela no cio.

Rose estava sentada de costas para Marcos, cavalgando com vontade, as suas pernas estavam bem abertas, Tânia estava a sua frente, à língua da loira, passava pela buceta de Rose a cada movimento que ela fazia, elas gemiam deliciadas e os seus gemidos se misturavam com os de Marcos.


Tânia estava de quatro na cama, Marcos estava por trás da loira enfiando o seu pau com toda força no cu dela, embaixo de Tânia estava Rose deitada chupando a buceta da prima, que parecia que logo, logo gozaria.

 Foi nessa hora que a porta do quarto foi aberta e um homem de boa aparência apareceu.  Tânia não disse nada, apenas deu um sorriso com cara de safada e voltou a gemer. Rose não viu por que estava com a visão coberta devido à buceta de Tânia que estava em sua boca.

-- Felix! - Marcos disse — Eu não pude esperar! Como pode ver, não são de se jogar fora!

-- Acho que não! - Felix disse e sorriu.

Marcos continuava a fuder Tânia com força, a vadia estava deitada de costas na cama, enquanto Marcos a fudia na buceta, segurando firmes as pernas da garota, para mantê-las bem abertas para que o pau dele entrasse com mais facilidade. Ao lado da cama, em pé, estava Felix e Rose, ela estava abaixada no meio das pernas do homem, chupado o pau dele até deixá-lo ainda mais duro, para poder entrar na brincadeira.


Tânia estava na beirada da cama, enquanto Marcos a fudia, as suas pernas continuava bem abertas. Rose estava de quatro ao outro lado da cama, sendo fudia com bastante força por Felix que não deixava de chamá-la de cadela e puta. Tanto Rose, quando Tânia, estavam se beijando, uma gemia na boca da outra.


Marcos mudou a posição de Tânia, colocando ela de quatro, Rose continuou sendo fudida por Felix com cada vez mais força. Ambas continuavam trocando carícias, Rose e Tânia se beijavam e se acariciavam sempre que conseguiam.



Tanto Felix quanto Marcos gozaram na cara de Tânia e de Rose.

.....................



Rose estava pronta, ela estava devidamente arrumada. Depois do sexo com Felix e Marcos, ela ainda transou no banheiro, onde Felix colocou Rose de quatro no chão, enquanto a fudia por trás e depois gozou em sua boca, fazendo assim a loira beber tudo.

-- Tânia fecha a porta quando sair!

Essas foram às únicas palavras de Rose, antes de ir embora, para a prima que ainda estava se divertido com os dois homens. Na cabeça de Rose, Tânia não passava de uma puta que se vendia por alguns trocados. Era visível que os homens tinham dinheiro, mas Rose também tinha dinheiro, mesmo que não fosse dela e sim do seu marido, o fato de estar casada com ele, fazia com o dinheiro também fosse dela. Já que ela tinha dinheiro, tudo o que ela fazia era por pura diversão e o prazer de se sentir desejada.

Rose bateu a porta da casa, não antes de ver a prima ser fudida por dois caras ao mesmo tempo. Rose mordeu os lábios e fechou a porta sabendo que nesse momento a sua prima tinha dois paus dentro dela e gemia feito uma cadela no cio.


Rose chegou a sua casa deixando a bolsa no aparador da entrada, ela caminhou em direção ao escritório do marido e percebeu que estava vazio, saiu de lá, dando de cara com Sue, que sorriu gentil para a patroa.

-- Onde está o meu marido? - Perguntou em seu tom arrogante de sempre.

-- O Sr. Cullen saiu! - Sue disse, havia algo na patroa que Sue nunca gostou.

-- Ele não me esperou para o almoço?

-- Ele disse que tinha algo para resolver e saiu! - Sue a comunicou — Deseja alguma coisa? Vai almoçar agora?

-- Não, saia daqui! - Rose gritou.

Rose só tratava Sue com gentileza na frente de Edward e Nessie, que gostavam muito da mulher,  por trás, ela fazia questão de ser grossa e tratar a mulher com desprezo e algumas vezes, ela até humilhava a pobre mulher.

-- Aonde você foi? - Rose sussurrou para ela mesma — Eu tenho certeza que aí tem coisa!
CONTINUA...

2 comentários:

  1. ahhhhh q raiva desta mulher nojenta.... quem em sã mente trai o ed?
    por favor me separa logo eles... eu quero ver ela a descobrir e a ficar sem nada, sem dinheiro... sem filha! deixa q o ed se torne um vilão e lhe tire tudo... :)

    adorando

    ResponderExcluir
  2. eu já desconfiava que essa ROSE era uma tremenda safada.. fico me perguntando se a Nesse é mesmo filha do PODRE DO EDWARD..

    ResponderExcluir