Jul M

Oi

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O Casamento-- Para Todo O Sempre -- Cap 6



  "O Amor Verdadeiro é raro,e é a unica coisa que da dá vida á um verdadeiro sentido "
                                                        -- Nicolas Spark


DESCOBRINDO O PASSADO, MELHORANDO O PRESENTE...

A boca de Edward estava na barriga de Isabella, dando leves beijinhos, subindo até chegar aos seus seios, onde ele beijou cada um deles e voltou a descer. Edward provocou ainda mais a jovem que estava nua sobre a cama dos dois. A boca dele voltou a sua barriga, beijando-a, torturando-a e assim descendo para os seus quadris, dando leve mordidas, fazendo a morena gemer e se remexer na cama.

-- Edward! - A jovem diz ofegante — Tony pode entrar! - Sussurrou quase sem vontade.
-- A porta está trancada! - Edward rebate sem tirar a boca do corpo da esposa.
Era como se aquilo fosse o bastante para despertar o desejo dos dois. Edward afastou as pernas de Isabela, ficando por cima  e a penetrou em apenas um golpe, fazendo ambos gemer, uma das pernas de Isabella, estava sobre os ombros de Edward, o jovem não parava com os seus movimentos ritmados, fazendo ambos delirarem.

Edward puxou Isabella, trazendo a jovem para o seu colo, ele traçava beijos nos seios de Isabella, fazendo a amada gemer, não só por seus movimentos lentos e torturantes, mas pelo prazer que ele estava causando a ela.

Edward segurava a jovem pela cintura, ajudando-a em seus movimentos, ele passou a se mover junto com Isabella, o ritmo de Isabela se tornava cada vez mais rápido, mais urgente... Ela queria o quanto antes, chegar ao tão desejado orgasmo...
Edward mudou a posição deles, Isabella estava agora sobre a cama deitada, Edward segurava a cintura dela, enquanto a penetrava com força, a urgência estava de volta, as mãos de Isabella estava servindo de apoio contra o espelho da cama, era como um ponto de impacto devido os movimentos fortes de Edward, a jovem gemia baixinho, pois sabia que o filho poderia os ouvir...

Edward se movimentava rápido com bastante energia, fazendo a cama ranger e os corpos de ambos irem para frente. As mãos de Isabela continuavam servindo de apoio a fim de impedir que a sua cabeça batesse contra o espelho da cama. Foram necessárias somente mais algumas penetrações para os dois gritarem gozando juntos. O corpo de Edward estava caído ao lado de Isabella, as suas pernas estavam por cima das de Isabella, assim como o seu braço em torno da jovem, ambos respiravam mais calmamente e suavemente, porém, deveras satisfeitos.
-- Eu tenho uma reunião hoje! - Edward diz dando um beijo nos ombros da  esposa.
-- Edward! - Ela diz em um sussurro — Quero saber por você!
O corpo de Edward ficou tenso, por algum motivo, ele já imaginava sobre o que ela queria saber. Mas ele não queria estragar aquela manha que havia começado tão bem.
-- O que aconteceu entre você e Lana Rock’s.
-- Eu não quero arruinar a nossa manhã! - Edward disse beijando o pescoço da jovem sedutoramente — Nós começamos o nosso dia tão bem, por favor, não vamos estragar...
-- Ela tentou falar comigo na festa! - Isabella diz se sentando na cama — Ela queria me dizer algo, mas eu prefiro escutar tudo de você! - Ela olha para ele e sorri — Não há nada que você me diga que vá mudar o que eu sinto por você!
Edward suspirou e se sentou na cama, em um movimento de nervosismo, ele passou as mãos pelos cabelos rebeldes antes de se virar em direção a esposa e falar...
-- Eu conheci a Lana no tempo que morei em Londres, eu acho que  dois ou três anos atrás. Maggie ainda conseguia mexer com toda a minha estrutura e Lana parecia ser uma ótima saída de escape — Edward suspira — No começo era só um meio de fugir de Maggie, tentar esquecer tudo e Tony estava comigo lá.
-- O Tony a conheceu? - Perguntou Isabella quase sem voz.
-- Sim, foi Tony quem nos aproximou! - Edward respondeu e não olhava para ela — Eu estava com Tony em um parque em Londres e Lana derrubou o sorvete dele, ela imediatamente se prontificou a pagar outro sorvete para Tony. Então nós conversamos um pouco, acabamos trocando o numero de nossos telefones quando descobrimos de quem éramos filhos — Edward olhou para Isabella — Não foi nada planejado, foi acontecendo aos poucos e quando eu vi, eu estava muito envolvido com Lana, ela sabia muita coisa sobre Maggie e sobre Tony...
Isabella tinha as mãos sobre o seu colo, os seus dedos estavam sendo torcidos em sinal de apreensão.
-- Eu me apaixonei por ela! - Edward conta sem vontade — Pelo menos, era o que eu achava, então no dia em que eu a pedi em casamento, ela aceitou, mas no dia seguinte ela sumiu da minha vida, sem deixar rastro algum. E só voltamos a nos ver novamente, há alguns dia atrás, ela é uma das novas acionista da empresa.
-- Ela está trabalhando lá? - Isabella redargúi surpresa.
-- Ela faz parte de outro setor, nós não trabalhamos juntos, quase nem nos vemos, só mesmo em reuniões - Edward explica preocupado.
-- Mas ela ainda está lá, perto de você...
-- Sim!
-- Ela quer você de volta! - Isabella comenta.
-- Eu não a amo! - Edward afirma — Eu amo você, eu estou casado com você! Eu só quero você...
-- Mas isso não muda, em nada, o fato de ela querer você!
-- Muda sim! Eu não a quero!
-- Você tem idéia de quão louco isso tudo é! - Isabella glosa com a testa enrugada.
-- Eu sei!
-- Não você não sabe! - Isabella grita e saí da cama.
-- Você não pode ficar zangada comigo por causa disso! - Edward acusa, tentando entender um pouco o que estava acontecendo, de repente a manhã que começou bem estava indo embora — Ela faz parte do meu passado!
-- Assim como as outras! - Ela acusa afetada – Se você não tivesse trepado com a metade das mulheres de Manhattan, a gente não estava passando por isso tudo agora! - Ela o culpa amargurada — Você deveria manter o seu pau dentro das calças.
A porta do banheiro fora batida com força e Edward estava tão chocado quanto estava surpreso com a reação de Isabella. Ele não sabia dizer o que estava acontecendo, mas ele já havia notado que de uns dias para cá, as mudança de humor da jovem, eram constantes. Hora ela estava feliz, hora estava triste, hora eufórica e hora furiosa, por nada. Assim que o chuveiro foi desligado, Isabella não demorou a aparecer no quarto, Edward ainda estava sentando no mesmo lugar.
-- Sinto muito! - Isabella sussurrou.
-- Sente? - Isabela não pode deixar de notar o sarcasmo na voz do marido.
-- Eu não deveria ter dito aquelas coisas para você! - Ela se justifica — Eu não sei o que deu em mim.
-- Você e as suas constantes mudanças de humor! - Edward diz saindo da cama — Isto está começando a acabar comigo.
-- Eu sinto muito! - Ela voltou a dizer.
-- Você deveria voltar a fazer terapia! - Edward detona infeliz — Isso não é normal, sabia?
-- Você está me chamando de louca agora? - Ela dispara para cima dele – Você não sabe de nada seu idiota!
Isabella começou a bater em Edward com os pulsos fechados, ela batia no peito de Edward, ele teve que segurá-la pelos pulsos para que ela parasse de bater nele e se acalmasse.
-- Pare! - Ele gritou — É disso que eu estou falando Isabella!?
Ambos estavam ofegantes e magoados, a toalha que estava em volta do corpo da jovem havia caído no chão.
-- Ultimamente, você anda mudando de humor a toda hora! - Edward articula — Outro dia, eu vi você chorando por nada Isabella, e fora que você come descontroladamente e depois coloca tudo para fora!
A mulher estava olhando para ele, agora Edward parecia chateado, mas ao mesmo tempo era visível a preocupação do marido.
-- Você tem que procurar um médico! - Edward solta os pulsos da jovem — Isso não é normal meu amor, eu estou ficando preocupado, eu temo por você querida.
-- Eu sinto muito! - Ela diz já chorando.
-- Não, não, não chore! - Edward diz e a puxa para os seus braços — Está tudo bem, meu amor! - Ele faz um carinho nas costas da jovem - Só marque uma consulta com Stefan, só para termos certeza de que tudo está bem com você querida! — Edward beija os seus cabelos — Depois do que aconteceu, você pode está tendo reações a tudo isso querida. É apenas para me deixar mais calmo, nos deixar mais calmos...
-- Eu vou falar com Stefan! - Ela diz entre o choro — Só me desculpe!
-- Tudo bem! - Edward aperta a  esposa contra o seu corpo — Eu te amo.
.............................
Stefan ficou surpreso quando descobriu que Isabella tinha agendando uma consulta com ele para aquela mesma tarde.
-- Eu tenho que dizer que estou um pouco surpreso! - Stefan expôs.
-- Eu também! - Ela diz seca — Edward pediu para fazer isso! Ele acha que eu estou tendo alguma reação pós-traumática, após os últimos acontecimentos!
-- E você está? - Stefan perguntou, mas Isabella ficou em silêncio — Tudo o que você me disser, permanecerá em sigilo Isabella, nada do que será dito, sairá daqui.
-- Eu sei! - Ela diz. Realmente o seu humor parecia está pior do que estava pela manhã — Mas eu não estou tendo nenhuma pós-reação!
-- Mas está acontecendo algo! - Stefan intui — Se não, você não estaria aqui!
-- Edward pediu! - Ela repetiu — Ele diz que eu estou tendo mudanças de humor, só que eu não acho isso!
-- Você poderia me dizer o que aconteceu enquanto esteve nas mãos de Tânia, Isabella? - Stefan pergunta de supetão.
-- Ela me tirou de casa e me levou para aquele local! - Isabella dispara — Eu não quero falar sobre isso, eu não vejo motivos para isso!
-- Você se sente bem?
— Eu me sito ótima Stefan, eu só marquei essa consulta porque Edward pediu e se isso o deixará mais sossegado, eu não vejo o porquê de não o fazer.
-- Se ele não tivesse pedido, você não teria marcado essa consulta?
-- Não! - Ela diz — eu me sinto bem, me sinto viva! - Ela fica em silêncio — Pela primeira vez na vida, consigo ser eu mesma...
-- E das outras vezes não conseguia?
-- Eu tinha medo! - Ela diz — Stefan eu fui abusada sexualmente quando adolescente, o abusador ainda está solto porque a minha mãe teve medo do escândalo e a família do cretino pagou para ela não dar queixas.
-- Quer falar sobre isso? - Stefan pergunta parecendo achar um ponto para tudo.
-- Eu era uma menina, eu só tinha 15 anos! - Ela diz quase gritando — A minha mãe achava que era coisa da minha cabeça, que eu ficava criando essa historia, e única pessoa que sabia a verdade era Tânia, ela nunca fez nada e eu sei agora o porquê...
-- Por que ela não fez nada?
-- Ela me odeia!  - Isabella diz — Ela simplesmente me odeia, porque o meu pai passou a me superproteger, eu consegui, segundo ela, tudo o que ela queria... Formei-me no Colegial e cursei uma Faculdade, me casei com Edward, e isso, ela não aceita.
-- O que ela não aceita?
-- Edward ter olhado para mim! - Ela diz e olha para Stefan — Você não me conheceu antes, eu não era nem a sombra do que eu sou hoje, as minhas roupas eram tão horríveis quanto a minha aparência. E ainda assim, Edward me viu, me viu enquanto eu estava invisível para a humanidade...
-- Então é por isso que está aqui? Por que sente que tem uma divida de gratidão com Edward? Assim você faz o que ele quer, pois é mais fácil do que demonstrar que lhe é grata?
Isabella gargalhou e voltou a olhar para Stefan, havia algo de diferente nela, algo que Stefan estava tentado entender.
-- Não! - Ela objeta — Edward me ama, assim como eu o amo. Mas ele está preocupado, eu não quero deixar ele assim.
-- Acho que é um modo de agradecer! - Stefan reflete — Talvez você esteja sendo grata a ele, afinal, como você mesma disse, ele olhou para você, quando ninguém mais a viu...
-- Pare de distorcer as minhas palavras, você não sabe a metade do que passei para chegar onde estou.
-- Eu estou tentando te entender Isabella! - Stefan rebate — O que realmente está incomodando você?
-- Tudo! - Ela diz na lata — Tudo, todos esses problemas, toda essa loucura, eu só quero curtir o meu filho e o meu marido em paz — Ela diz séria — Um pouco de paz é pedir muito para alguém?
-- Talvez vocês devessem tirar umas férias! - Stefan diz — Ir para praia, curtir só vocês.
-- Uma segunda lua de mel! - Isabella diz tentando absorve a idéia — Não dá! Edward está envolvido em uma nova campanha, não tem como, e eu comecei um reforma em minha livraria, não tem como sair da cidade, não agora.
-- Eu vou pedir para você vir na próxima consulta com Edward... - Stefan expõe — Eu preciso ver como é vocês dois juntos, e eu quero que você seja bem franca, como você está se sentindo agora?
-- Eu não sei se quero isso!
-- Vamos fazer um teste Isabella! - Stefan diz — Uma terapia de casal, você e Edward aqui na quinta!
-- Tudo bem! - Ela disse ficando de pé — Eu preciso ir, eu fiquei de passar no escritório de Edward!
-- Mande lembranças para ele! - Stefan disse indo com ela até a porta — Quinta então?!
-- Quinta!
.............................
Isabella saiu do elevador dando de cara com Edward passando uma bronca na secretaria. Ele parecia bem raivoso com Mary o que deixou Isabella meio curiosa.
-- Estamos entendidos Srta. Mary?
-- Claro Senhor.
-- Sra. Cullen! - Edward diz dando o seu melhor sorriso assim que ver a esposa — Chegou cedo!
-- Eu estava aqui perto! - Ela diz – Olá Mary!
-- Olá Senhora.
-- Venha querida, vamos para a minha sala! - Edward a convida — Não me passe nenhuma ligação agora Mary!
Edward entrou segurando nas mãos de Isabella, a porta fora fechada e Edward caminhou em direção a sua mesa, sendo seguido de perto por Isabella.
-- Como foi com Stefan? - Edward perguntou ao se sentar.
-- Temos uma consulta na quinta! - Isabella disse e ele enrugou a testa — Terapia de casal.
-- Acha que é necessário? - Edward perguntou.
-- Stefan acha que sim! - Isabella arremete – Eu não vejo problema nisso, você ver?
-- Não, por mim tudo bem! - Edward confirma — Por que está assim?
-- Assim como?
-- Não sei, parecer preocupada...
-- Um pouco cansada! - Ela diz — Stefan sugeriu que viajássemos.
-- Não acho que seja possível agora! - Edward diz — Venha aqui!
Isabella suspira e caminha até Edward que afasta a cadeira e puxa a esposa para o seu colo.
-- Vamos resolver tudo isso juntos, ok?
-- Claro! - Ela dá um sorriso amarelo — Por que estava brigando com a sua secretaria?
-- Ela me passou um relatório errado! - Edward diz apressadamente, mas por algum motivo não a convenceu — Você está linda Sra. Cullen!
-- Você também Sr. Cullen.
-- Pronta para irmos? - Edward diz sorrido — Sabe, eu me lembro bem a ultima vez em que esteve aqui na minha sala!
-- Não comece! – Disse Bella — Há pessoas do outro lado dessa sala, não comece mesmo!
-- Você me frustra desse jeito! - Edward diz sorrindo e beija o seu pescoço macio — Ok, Sra. Cullen! Vamos jantar?
-- Claro!
Ambos seguiram para fora da sala, Isabella não ficou surpresa ao se deparar com Lana no corredor conversando com Jasper, que parecia entregar documentos para a jovem, Isabella deduziu que fossem novos contratos.
-- Bella! - Jasper a cumprimentou — Você está linda!
-- Ela sempre está linda Jasper! - Edward diz apertando os braços em volta da cintura da mulher — Se bem que ela anda ainda mais linda.
-- Você é suspeito para falar! - Emmett disse entrando no corredor e se envolvendo na conversa — Você é casado com ela, e perdidamente apaixonado por ela. Então o seu comentário não conta.
-- É verdade! - Jasper disse sorrindo.
-- Tá, eu sou suspeito para falar, mas eu não disse nenhuma mentira! - Ele sorriu e beijou a esposa no rosto — Vamos querida! Até mais para vocês!
Em nenhum momento Lana tirou os olhos de Isabella, ela não parecia em nada à moça que ela viu no primeiro dia com Tony, ali mesmo na empresa. Isabella não era em nada, em nada mesmo do jeito que ela tinha ouvido falar...

Continua...

Um comentário:

  1. feliz acho que agora esse casal tem paz, e o EDWARD oque será que ele vai dizer sobre a gravidez

    ResponderExcluir