Jul M

Oi

sábado, 28 de setembro de 2013

O Casamento-- Para todo Sempre -- cap 7


"O Amor é fragil, Ronnie. e nem sempre cuidamos dele muito bem. A gente se vira e faz o melhor pode e torcemos para que esta coisa frégil, sobreviva apesar de tudo"
                                    -- A Ultima Musica

SURPRESAS E FINURAS...

A quinta-feira chegou rapidamente, este era o dia marcado para a consulta do casal, Edward agendou um horário noturno, assim que saísse do trabalho estaria no consultório de Stefan. Ele combinou de encontrar Isabella lá, já que a mulher passava mais tempo na reforma da loja do que em casa. Não que ele reclamasse, era bom para ela, mas ele ainda se preocupava com a esposa.
-- Sr. Cullen! - Stefan o cumprimentou — Sente-se!
-- Desculpe a demora! - Ele disse – Eu tive uma reunião de última hora.
-- A sua esposa já estava ficando nervosa com a sua demora!
-- Eu vi as suas mensagens querida! - Edward diz pegando as mãos dela e as beijando — Eu estou aqui.
-- Podemos iniciar? - Stefan se coloca — Por onde querem começar?
-- Bella anda dormindo muito! - Edward inicia a conversa — Esquece as coisas.
-- Eu não esqueço as coisas! - Ela se defende.
-- Viu? Perde a paciência rápido demais! - Edward continua — Briga comigo por qualquer besteira!
-- Eu não faço isso!
-- Faz sim! - Edward rebate — Fora às vezes em que ela começa a chorar do nada, em outras ela ficar melancólica e outras vezes ainda, ela grita por nada.
-- Eu não faço isso! - Bella rebate mordendo os lábios — Uma ou duas vezes, não é sempre, e você também é o culpado.
-- O que ele faz que a deixa assim? - Stefan pergunta.
-- Primeiro, a minha casa parecer um quartel de tantos seguranças que tem! - Ela desabafa — Eu tenho dois seguranças que me seguem o dia todo, eu não posso dirigir o meu próprio carro, eu tenho um motorista, mesmo sem precisar... E fora as ex-namoradas malucas dele que quando aparecem é só para me infernizar.
- Uma lista muito grande Sra. Cullen! - Stefan diz – Edward o que ela faz para você?
-- Grita por nada! - Edward diz seco — Me ignora algumas vezes, muda constantemente de humor. Chora por nada e deu para vomitar sempre que fica nervosa.
-- Qual a periodicidade que ela vem vomitando? - Stefan pergunta.
-- Isso é mesmo necessário? - Isabella pergunta.
-- Quatro vezes só essa semana! - Edward diz — Todas depois do café da manhã. E logo depois começa a chorar sem motivo algum.
-- Isabella fora essas quatro vezes que o seu marido viu você vomitando, houve outras? - Stefan perguntou, mas Bella ficou calada — Teve outras vezes Sra. Cullen?
-- Isabella! - Edward a repreende e ela suspirou.
-- Semana passada, duas ou três vezes, logo depois do almoço! - Ela diz fazendo becinho.
-- Eu vou pedir que você faça esses exames! - Stefan lhe passa um receituário com a solicitação de exames — Eu não sou especialista nessa área Sra. Cullen, mas é possível que a senhora esteja adquirido algum distúrbio alimentar, por isso quero que consulte um especialista.
-- Que tipo de distúrbio? - Edward questiona assolado.
-- Não sei ao certo, bulimia ou quem sabe, anorexia! Tudo é provável Sr. Cullen!
-- Eu não estou doente! - Ela diz ficando de pé — Vocês não podem me forçar a nada! 
Isabela ficou vermelha de raiva e saiu da sala do médico batendo forte a porta. Edward passou as mãos pelos cabelos em um gesto de desconforto.
-- Desde quando ela vem se comportando assim? - Stefan pergunta.
-- Há umas duas ou três semanas eu acho, ou até mesmo um mês! - Edward diz — Eu acho que o problema todo está no seqüestro que ela sofreu!
-- Por que acha isso?
-- Porque ela não fala sobre o assunto! - Edward diz e olha para Stefan — É como se a família dela fosse somente eu, Tony e Charlie! - Edward fica em silêncio — Ela não pergunta nada sobre a mãe ou Tânia.
-- Acha que ela está criando um bloqueio sobre isso? - Stefan questiona.
-- Pode ser! - Edward diz — Eu não a forço! Eu tentei uma vez falar sobre isso com ela, mas Bella desconversou, ela mudou o rumo da conversa e eu nunca mais perguntei nada a respeito do que  aconteceu naquele galpão.
-- Como anda o sexo entre vocês? - Stefan é direto — Mudou algo?
-- Não! - Edward diz apressadamente — Nós continuamos iguais, eu posso até dizer que está ainda melhor. É apenas essa mudança de humor que acaba comigo!
-- Leve ela ao médico, faça os exames e aí sim, eu poderei dizer algo a respeito, pode ser de cunho emocional ou não, Sr. Cullen. Mas isso não quer dizer que ela realmente tenha um problema — Stefan explicou — Isabella vai falar no tempo dela, pode ser que ela esteja apenas tentando colocar as coisas em ordem antes de falar.
-- Eu preciso ir! - Edward fica de pé — Ela está lá fora, eu tentarei convencê-la a fazer os exames.
-- Faça isso e depois retomamos as consultas! - Stefan conclui.
Edward entrou no carro no banco de trás, Isabella continuava calada. Edward não sabia como convencer Isabella de fazer os exames.
-- Você se comportou mal! - Edward diz tentado chegar perto da jovem — Você não devia ter feito aquilo.
-- Eu não fiz nada! - Ela diz fazendo um biquinho contrariado — Tyler, por favor, vá mais rápido.
...............

Isabella entrou em sua casa parecendo uma tempestade, mas toda a sua raiva foi embora assim que ela viu Tony, que veio correndo e se jogou encima dela.
-- Oh! Cuidado querido! - Ela disse carregando o menino e beijando o seu rosto rosado — Por que a pressa?
-- Eu vi você e o papai chegando, então eu vim receber vocês! - O menino disse sorrindo.
-- Está na hora de ir dormir, meu amor, já é tarde! - Ela disse colocando ele no chão — Vá à frente, eu já vou subir.
O menino subiu correndo as escadas, Edward estava encostado  contra a porta de entrada da casa. Isabella se virou  para falar com o marido.
-- Eu vou colocar o nosso menino para dormir! – Disse — Depois, eu quero falar com você!
Sem esperar por uma resposta do marido, ela subiu as escadas e foi direto para o quarto do menino Tony que já estava deitado em sua cama, pronto e esperado a jovem.
-- Conta uma historia! - O menino pediu.
-- Tudo bem! Vou conta a historia de João e Maria!
Isabella contou a historinha para o menino que dormiu antes mesmo do final do conto infantil. Ela o cobriu e o beijou para só então sair do quarto do menino indo direto para o dela.
-- Edward! - Ela chamou assim que entrou, mas ninguém respondeu – Ah não, de novo não!
Isabella correu para o banheiro se jogando no chão próximo ao vaso sanitário e vomitou novamente, Edward não sabia, mas ela havia vomitado três vezes só naquela tarde, nada do que ela colocava no estomago fica e agora ela estava colocando o jantar todo para fora.
-- Viu? É por isso que eu quero que você vá ao médico! - Edward disse entrando no banheiro e se posicionando ao lado dela, ele segurou os cabelos da esposa enquanto ela vomitava — Amanhã mesmo eu vou levar você ao médico. Isso não é normal Isabella!
-- Pare de falar! - Ela explodiu e voltou a vomitar.
-- Parar de falar?! É isso o que você me diz? Eu quero que você fique bem, eu quero você viva e se eu tiver que levar você ao médico à força, eu vou levar! - Ele disse quase gritado.
-- Eu estou grávida, CARAMBA! - Ela gritou passando as mãos pela boca e pegando Edward de surpresa — Eu só estou grávida! - Ela sussurrou baixinho dessa vez.
 Edward estava parado, as mãos dele congelaram praticamente no ar. Seus olhos estavam sem foco e muito arregalados. Por um momento Isabella achou que ele não tivesse gostado da notícia, mas depois conseguiu ver que o marido estava em choque.
-- Edward! - Ela chamou  terminando de limpar a boca com as costas das mãos - Edward está tudo bem?
-- Vo..vo... ...você disse o quê? - Ele perguntou gaguejando e piscado os olhos várias vezes em seqüência.
-- Eu estou grávida! - Ela sussurrou com a voz chorosa.
-- Como isso aconteceu? - Edward perguntou sem se dar conta das próprias palavras. Isabella olhou para ele como se dissesse “Jura, que você não sabe mesmo como?” — Tu... tu... ...tudo bem, a pergunta foi meio besta.
-- Vamos sair daqui! - Ela disse - Eu não quero ter essa conversa com você dentro do banheiro.
.....................

Edward estava andando de um lado para o outro, ele seria capaz de abrir um buraco no meio do chão se continuasse andando assim. Isabella estava esperando alguma reação do marido que nada disse desde que entraram no quarto.
-- Quer parar de andar de lado para o outro!? - Ela demandou — Você está me deixando tonta.
-- Como? Você não está se sentindo bem? - Ele já estava ao seu lado, segurando as mãos dela e tentando tirar a sua temperatura.
-- Edward eu estou bem! - Ela disse meio irritada - É você quem estar me deixando maluca, afinal de contas,  você ainda não disse nada sobre a minha gravidez.
-- Eu ainda estou surpreso! - Edward disse depois de um tempo — Quando descobriu!
-- Três dias atrás! Quando eu comecei a admitir que o fato de estar vomitando demais não era normal! - Ela contou — Vic fez uma brincadeira, em que ela levantou essa possibilidade...
-- Então tudo isso, a sua mudança de humor, esse cansaço e você comendo muito, tudo isso eram sintomas e a gente não notou nada...
-- O que queria! - Isabella disse — Os últimos acontecimentos nos privaram das faculdades perceptivas normais...
-- Você DEVE descansar! - Edward diz mudando de assunto completamente — Deite um pouco, descanse, eu tenho que revisar um contrato e assim que terminar eu me juntarei a você! - Edward chegou perto e beijo a testa da esposa — Descanse um pouco querida!
Antes mesmo que Isabella pudesse compreender tudo o que ele estava dizendo e fazendo, Edward saiu do quarto indo direto para o seu escritório e se trancando lá.

......................

Isabella acordou sozinha na cama e isso já foi um péssimo sinal, a seu ver, já que Edward não tenha demonstrado reação alguma ao saber da gravidez dela. Não que ela esperasse que ele fosse dar saltos de alegria, mas ela esperava alguma reação positiva, algo que não aconteceu. No entanto, o que ela poderia esperar? Ela mesma sabia que todos estavam pensando que ela estava ficando maluca ou tendo alguma reação adversa devido ao seqüestro em que foi vitimada. Ela levantou da cama e seguiu escada a abaixo, assim que chegou à sala de estar, ela encontrou o ambiente totalmente escuro, excerto pelo corredor que dava acesso ao escritório de Edward, ela seguiu em direção a este e abriu a porta com cuidado.
Edward estava sentado em uma cadeira de couro, atrás da sua mesa de trabalho, a cabeça estava deitada sobre a mesa e a tela do computador estava ligada. Bella entrou com cuidado sem fazer barulho, ela caminhou em direção ao marido e com cuidado, tocou os cabelos dele fazendo um carinho.
-- O quê? - Edward acordou assustado e alarmado.
-- Calma! - Isabella disse e ele piscou os olhos varias vezes — Você dormiu aqui!
-- Desculpa! - Ele sussurrou, passando as mãos pelo rosto — Eu acabei pegando no sono!
-- Tudo bem! Vamos para cama! - Ela o convidou beijando os cabelos dele — Você parece bastante cansado!
-- Muito trabalho...

......................

Edward trocou de roupa no closet e já estava voltando para o quarto, enquanto Isabella se encaminhava em direção a cama para se deitar, de repente ela escorregou no tapete que ficava próximo a cama e antes que ela caísse, Edward agiu rapidamente a segurando para evitar um acidente. O rosto do marido estava em plena agonia e medo...
-- Você está bem? - Ele perguntou e a sua feição demonstrava a mais pura preocupação.
Isabella não soube dizer se foi devido à reação de Edward ou algo mais, só que para ela a situação foi tão engraçada ao ponto dela começar a rir incontrolavelmente, fato que deixou Edward ainda mais aflito.
-- Do que você está rindo? Você poderia ter se machucado, quer dizer, vocês poderiam ter se machucado!
Edward não estava preocupado somente com ela, ele estava preocupado com eles, ao perceber isso, Bella se sentiu maravilhada...
-- Não foi nada, me desculpe! - Ela disse parado de rir — E por falar nisso, estamos muito bem, muito bem mesmo!
Toda malicia que foi possível transparecer naquela frase, Isabella colocou para fora, antes de ser atacada pelo marido ali mesmo no chão do quarto. Ela sabia que se tinha algo errado  esse era o momento de fazer algo e foi exatamente isso que ela fez...





CONTINUA

Em Maus Lençois --- Entregues a Loucura

ENTREGUES A LOUCURA...
POV NARRATIVA
Isabella leu a mensagem de Edward, mas ela simplesmente resolveu o ignorar, ela ainda estava com raiva da situação, por mais que não tivesse acontecido nada entre eles, Edward estava com Rose e ela era a esposa dele... Só agora ela entendia que estava se envolvendo demais... É claro que ela sabia que ele era casado, ela sempre soube disso desde o começo, apenas tentou enganar a si mesma porque assim era mais fácil de aceitar as conjunturas dessa maluquice.
Isabella dormiu depois de muito rolar na cama... No dia seguinte, ela acordou com o seu pai a chamando para ir a Escola, ela levantou da cama a força, ela estava cansada demais para pensar em algo que não fosse Edward Cullen. Com esse único pensamento ela saiu do banho e pegou o celular para digitar a ele uma mensagem rápida, porém antes de enviar, ela olhou pela janela para ter certeza de que Rose ainda estava dormindo. Quando teve certeza ela mandou a mensagem, então, ela foi até o closet e pegou uma segunda muda de roupas, ela sabia que o seu pai não estaria em casa quando ela chegasse, depois da morte da mãe dela, ele passava mais tempo no hospital do que em casa.
.......................
Rose ainda dormia, Edward estava no banho quando ouviu o celular tocar, ele saiu o mais rápido que pode e viu que era uma mensagem de Isabella, por algum motivo o seu coração acelerou, ele abriu a mensagem e leu rapidamente.

“Encontre-me em 40  minutos na rua da saída da Escola”
B.

Edward deu uma olhada rápida em Rose que ainda dormia e correu velozmente até o closet. Ele queria ver a menina que estava ameaçando acabar com a sua paz... Já era inevitável para ele, não assumir todo o desejo que sentia por ela, que era cada vez mais forte e mais intenso. Ele se vestiu em segundos e secou os cabelos rapidamente, quando ele saiu de dentro do closet, Rose ainda dormia, ele deixou o quarto sem fazer barulho. A filha deles não havia dormido em casa e ele sabia disso porque ficou até tarde na biblioteca e não a viu chegando. Edward precisava conversar com Nessie, mas não seria imediatamente. Ele pegou a chave do carro e caminhou em direção a garagem, em questão de meia hora ele já estava na rua em que Isabela havia marcado para se encontrarem. Ela não demorou muito para chegar, a jovem apareceu usando aquele uniforme da Escola que mexia com a cabeça dele.
-- Não vai assistir às suas aulas? - Edward perguntou assim que ela entrou no carro fechando a porta atrás de si.
-- Não! - Fora direta em sua resposta — Por favor, vamos sair daqui antes que os outros alunos comecem a chegar!
-- Claro!
Edward ligou o carro e eles seguiram rumo à casa dos pais dele, pois eles ainda estavam fora da cidade e só voltariam no final da semana seguinte,  até lá, a casa ainda poderia ser usada por eles. Edward estacionou o carro na porta da casa e Isabella saltou para fora levando a sua bolsa junto a si, Edward veio mais atrás e abriu a porta da casa. O silêncio cercava os dois e assim que a porta fora fechada, Isabella se jogou sobre Edward tomando a boca do homem em um beijo urgente e profundo.
Isabella não perdeu tempo, enquanto a sua boca era devorada pela do Cullen, a menina tratou rapidamente de abrir a calça que o mais velho usava a puxando imediatamente para baixo, às mãos dela começaram a massagear o membro do homem e assim que o cassete estava duro como uma pedra, ela interrompeu o beijo e se abaixo ficando de joelhos bem em frente a sua tentação... Passando a língua pelos lábios, ela chegou à boca dela perto do pau dele, Edward estava ofegante assim como ela própria. Isabella passou a língua pelo comprimento do pau do maior, para logo em seguida o engolir por completo. Isabella usou a mão para massagear as bolas do pau dele  e a sua boca passou a engolir o membro por inteiro, ela simulava um vai e vem sexual com a boca, fazendo assim, o homem mais velho gemer de extremo prazer

. Isabella chupava com tanta vontade que Edward estava ficando cada vez mais inchado  e antes de Isabella se dá conta, o homem gozou em sua boca.  Edward segurou o seu membro em uma de suas mãos e começou a movimentá-lo para fora da boca de Isabella. A menina parecia uma meretriz perfeita, ela abriu a boca olhando nos olhos do Cullen, enquanto ele ejaculava o resto do seu gozo na boca dela, um pouco do gozo escorreu pela bochecha da ninfa e a visão de Isabella passando a língua para recolher o gozo deixou Edward automaticamente duro de novo e com muito mais tesão.

...................
As mãos de Edward seguravam Isabella pelo pescoço e as da menina estavam em volta de cada pulso de Edward. Uma das pernas de Bella estava apoiada nos ombros de Edward, mantendo assim a garota com as pernas bem abertas enquanto ele entrava e saia de sua buceta apertada, ele enfiava o seu membro grosso e rígido até o talo dentro dela. Tudo que saia da boca dos dois era gemidos... ...apenas murmúrios incoerentes de luxuria...


Edward mantinha os movimentos de entrar e sair, hora rápido e profundo, ora brando e raso, fazendo Isabella sentir dentro dela, cada pedacinho do pau monumental do maior a invadindo, a devastando e se afundando cada vez mais em seu interior... Ele estavam cada vez mais inchados de tanto prazer... O caso deles era simbiótico e visceral... Pois a buceta dela ficava cada vez mais e mais molhada e apertada, dando sinal que logo gozaria.
As mãos de Edward estavam praticamente atrás de sua cabeça, os seus olhos estava fixos nos de Isabella, a sua boca estava semi-aberta, devida à visão exótica e tentadora da menina sentada encima dele, rebolando por sobre o pau dele, gemendo baixinho o nome dele.

Isabella movimentava os quadris para frente e para trás, fazendo com que a sua buceta assim, engolisse cada vez mais e mais o pau de Edward, que estava inchado e duro como pedra. As mãos da menina estavam servindo de apoio para ela, pois ela se encontrava espalhada sobre o peito do maior, ajudando assim em seus movimentos certeiros...

As pernas de Isabella estavam sobre as de Edward fazendo com que ela ficasse mais ou menos de cócoras. As mãos dela continuavam sobre o peitoral rígido dele, já as de Edward permaneciam atrás da cabeça dele. Isabella usava os joelhos como uma espécie de alavanca, para ajudar nos movimentos que ela executava, ela rebolava sobre o pau de Edward, o homem tinha a cabeça meio que levantada e na posição em que se encontrava, ele tinha uma perfeita visão da buceta melada de Isabella engolindo o pau dele, a menina fazia movimentos rápidos e ritmados, deixando ambos cada vez mais próximos do orgasmo, a menor parecia que a qualquer momento gozaria, a buceta dela já estava tão apertada que o pau de Edward estava tendo sérias dificuldades para entrar dentro dela completamente. Ambos gemiam! Isabella, às vezes, sussurra o nome do homem mais velho e outras ela  bania palavras sem sentido algum, era tudo fruto do imensurável desejo carnal por ele...
Isabella estava de costas para Edward, as  suas mãos estavam apoiadas sobre a barriga dele, enquanto ela movimentava os quadris para frente e para trás engolido com vontade o pau do homem que a comia.

Edward elevou uma de suas mãos para segurar os pulsos de Isabella, fazendo assim com que os movimentos dela ficassem mais rápidos e mais urgentes, a buceta da menina já o sufocava até que ela não agüentou mais e esguichou o seu gozo em volta do pênis dele o fazendo sair de dentro dela.
O corpo da menina caiu sobre a cama, Isabella estava ofegante e aparentava estar muito cansada. Edward não havia gozado, mas estava ofegante como a menina. Ambos ainda permaneciam em silêncio tudo que se ouvia era a respiração deles no quarto...
........................
Os dedos de Edward passeavam pelas costas nuas da menor, Isabella tinha a cabeça deitada no peitoral másculo de Edward, a respiração de ambos já estava normal. Edward parecia estar em paz, toda a inquietação da noite anterior havia desaparecido. Quando Isabella não respondeu a sua mensagem, ele começou a pensar um monte de besteira, fora impossível fazer algo a não ser desejar estar com Isabella...
-- Por que não atendeu o meu telefonema ontem? - Edward perguntou quebrando o silêncio.
-- Eu não queria falar com você! – Ela disse a verdade, primeiro pensou em mentir, dizer que o celular estava sem bateria, mas por fim, resolveu dizer a verdade — Eu vi você com ela...
-- Não aconteceu nada Isabella! - Edward disse como se realmente sentisse a necessidade de dizer a verdade a ela.
-- Eu não gostei de ver você com ela...
-- Isabella ela é a minha esposa! - Edward diz angustiado — Você sempre soube disso...
-- Eu sei, eu sei! - Ela anui sentando na cama --  Você iria gostar de me ver na cama com outro cara?
Edward ficou calado pensando sobre o assunto, ele sabia que não aceitaria isso... Ele não gostaria nada de ver Isabella com outro cara, mas também não iria dizer nada a ela sobre isso.
-- Isabella, você sabia que eu sou casado, eu não posso te oferecer nada! - Edward diz frustrado — Você começou isso, lembra? Eu tentei de todo jeito evitar, porque eu sabia que no final você...
-- Eu sei! Eu sei... - Ela o interrompeu — Essa não foi a minha pergunta. Você iria gostar de ver com outro cara?
-- Não Isabella, eu não gostaria que isso acontecesse... - Edward disse — Porém, isso não quer dizer que você não possa. Não tem nada lhe prendendo a mim.
-- Eu sei! - Ela disse e se sentou sobre ele — Mas eu sabia muito bem onde eu estava me metendo quando transei com você pela primeira vez.
-- Ainda bem! - Edward disse dando um sorriso – Você é linda menina, você merece alguém melhor do que eu...
-- Eu sei! - Ela sorriu — Mas eu quero você Senhor Cullen!
Edward a pegou pelo pescoço e a beijou com urgência e certa necessidade, era como se precisasse daquilo para viver. Fora questão de segundos para ambos se perderem um no outro mais uma vez...
Continua...


Em Maus Lenços -- Envolvimentos

ENVOLVIMENTOS...

POV BELLA

Edward me deixou em casa como havia me prometido. O meu pai não estava em casa como de costume. Eu até já sabia disso, mas sempre há esperança de encontrar o Sr. Emmett em casa, contudo não era bem assim que a coisa funcionava. Subi para o meu quarto e me  joguei na cama totalmente cansada das estripulias de mais cedo com o MEU Edward. Nessie me mandou uma mensagem me chamando para sair. Apenas respondi que não daria para eu sair naquela noite. Apesar de tudo, a minha tarde havia sido perfeita com o meu Sr. Cullen e o pior, era que cada vez mais eu o queria só para mim...
-- Hora do banho! - Digo para mim mesma, já levantando da cama, mas não antes de ir até janela e olhar para o quarto do meu queridinho tesudo Sr. Cullen!
Assim que vi Rose passando a mão pelo peito de Edward, eu fechei a cara. Ok que ela era a esposa dele, mas porra, eu quero ele também. Fiquei observando por alguns segundos Rose e Edward juntos... Ela parecia dizer algo a ele, então eu notei que a mão dela estava apertando o pau dele sobre a calça.
-- Vadia! - Digo e saiu da janela indo tomar o meu banho.
...........................POV NARRATIVA....................
Momentos mais cedo...
Rose saiu da Escola deixando Nessie em companhia de Isabella, a loira deslumbrante estava arrumada demais para um dia comum de trabalho em um hospital, sem mencionar quão forte era o perfume que ela usava para aquele ambiente de trabalho. Ela entrou no carro e seguiu por uma avenida que dava para fora da cidade, ela pegou uma estrada de barro indo em direção a uma casa de madeira rústica na zona rural, o local era simples, mas tinha lá os seus atrativos. Ao invés de bater à porta, a loira usou a sua própria chave. Jogou a bolsa sobre um sofá aconchegante que tinha ali e passou por um pequeno corredor, então ela abriu a primeira porta, a loira sorriu ao ver o homem que a espera já deitado na cama.
-- Olá! - Ela disse chamando a atenção do homem que sorriu para ela.
.......................................

...Rose estava totalmente jogada na cama, enquanto o seu parceiro a penetrava por trás com força. A roupa da loira estava caída pelo chão, assim como as do homem, que metia nela sem a menor piedade. A única coisa que a loira ainda usava, eram os seus sapatos de saltos bem altos...

 Rose agarrava com força nos lenços da cama e o homem apoiava as suas mãos sobre o colchão, enquanto ele metia nela em um ritmo frenético, as investidas que ele impunha eram impiedosas. Os gemidos de Rose eram altos, tanto quanto os urros do homem...
...Rose continuava deitada de barriga para baixo, ela estava sendo bem empresada a cama, as mãos fortes do homem seguravam a bunda da loira ajudado assim ao seu membro rígido entrar cada vez mais fundo dentro dela, fazendo a loira gozar na hora.

...Rose tinha as pernas para cima, ela estava deitada na cama de costas agora, uma de suas mãos segurava as suas pernas e a outra apertava os seios grandes da loira. Rose estava completamente aberta sendo fudida pelo homem sem a menor piedade. A loira parecia se deliciar cada vez mais e mais com o que o homem estava fazendo com ela.

...em outro momento, Rose estava cavalgando encima do homem, as suas pernas estavam bem abertas. As mãos do homem seguravam os seus tornozelos. Já as mãos de Rose estavam jogadas em suas costas, buscando um maior apoio. O homem tinha uma boa visão de seu pau entrando e saindo da buceta suculenta de Rose.

...As mãos do homem foram parar bem na bunda da mulher e ele passou a movimentar os seus quadris, penetrando cada vez mais forte dentro da jovem que gemia pior do que uma cachorra no cio. Rose segurava com uma das mãos os seus seios, enquanto o homem a fudia gostoso...


...Rose passou a se mover mais rápido, subindo e descendo cada vez mais acelerado, fazendo ambos gemerem com vontade. A buceta de Rose começou a apertar o pau do homem, até que a loira gritou gozando e melando todo o cassete do cara. As mãos do homem estavam nos seios da jovem, os apertando e fazendo-a gemer ainda mais, enquanto a loira continuava a subir e descer em seu membro.

...Rose ficou parada de cócoras sobre a cama, enquanto o homem movimentava os seus quadris fazendo o pau dele entrar e sair cada vez mais fundo devido às fortes investidas dentro da loira. A buceta dela estava toda molhada, já que a loira havia gozado duas vezes e estava preste a gozar mais uma vez, devido aos convulsos movimentos do homem. Rose gritou gozando novamente e deixando o corpo cair sobre o corpo do rapaz. Girando o corpo de Rose na cama o homem tirou o seu pau de dentro da mulher e ficou de joelhos sobre a cama para gozar em cima dos peitos da loira que ainda colocava a língua para fora tentando captura um pouco do gozo do homem.

.....................................
Rose já estava totalmente vestida, assim como o homem que estava com ela no quarto, ambos estavam prontos para sair.
-- Quando você viaja? - Rose pergunta.
-- Hoje à noite!
-- Vai passar quanto tempo fora?
-- Rose, eu estou me mudando para Londres! - O homem disse tocando a face da loira e a afagando um carinho — Desculpe querida, essa foi a nossa última foda!
-- Você não vai voltar?! - Rose sussurra ao entender, os seus olhos se encheram de lágrimas imediatamente.
-- Rose você é casada! - Ele comenta — Você sempre soube que isso era só uma aventura!
-- Eu sei! - Ela sussurra entristecida.
-- Você nunca quis se separar!
-- Edward é rico Benjamim! - Rose diz — Somos casados com separação total de bens, ele nem se quer sabe que a nossa filha não é dele!
-- Rose no começo eu aceitei! - Benjamim diz — Você sabe, não tenho recursos, eu estou indo para Londres com uma boa proposta de  trabalho e se tudo der certo, aí sim, eu começarei a ganhar um bom dinheiro.
- Eu sei Benjamim! - Ela diz — Esse foi o motivo de eu ter aceitado o pedido de casamento dele, nós precisávamos do dinheiro dele, a nossa filha precisava, ela precisa de um futuro que nem eu e nem você conseguiríamos dar sem dinheiro...
-- Você se formou em medicina e eu também consegui me formar com a sua ajuda – ele articula — Rose, se eu conseguir boas condições financeiras, eu poderei tirar você dele, mas até lá, você terá que ficar casada com ele!
-- Por favor! - Rose o abraça — Diga que vai voltar, diga que vem me buscar juntamente com a nossa filha!
-- Nunca deixarei você Rose!
..................................................

POV EDWARD

Assim que entrei em casa, encontrei Rose sentada no sofá, ela tinha o rosto inchado, parecia que tinha chorando muito, eu não conseguia dizer com certeza, pois ela usava uma maquiagem reparadora.
-- Não vai trabalhar hoje? – Pergunto.
-- Não!
--- Algum problema?
-- Nessie não vai dormir em casa! - Ela diz mudando de assunto.
-- Nessie passa muito tempo fora de casa Rose! – Comento.
-- Como se você se importasse! - Ela dispara me olhando feio — Você se tranca naquele escritório e se esquece do mundo aqui fora. Esquece que tem uma filha dentre outras coisas. Não me venha cobrar a presença de Nessie, quando você nunca se importou com isso... — Ela grita.
-- O que você quer dizer com isso, Rose? - Perguntei mantendo o meu tom de voz controlado — Que eu não ajudei na criação de Nessie? Que não sou um bom pai? Que não participo da vida da minha filha?
-- Não é isso...
-- Pois foi isso que você acabou de insinuar! - Cuspo as palavras — Se você está com problemas no trabalho, não os traga para casa, aqui ninguém tem culpa!
Não esperei resposta da parte dela, eu apenas subi para o quarto, eu iria tomar um banho, Rose já tinha estragado a minha tarde perfeita e por algum motivo, eu queria voltar para a casa de meus pais e ficar com Isabella.
Algum minutos depois, Rose entrou no quarto toda calma e cheia de dengo. Ela veio passando as mãos em meu peito e sussurrando palavras de desculpas, eu virei para olhar para fora da janela, não havia ninguém me olhando, quer dizer, Isabella não estava me espreitando dessa vez. Rose continuava com os seus toques em meu corpo, até que uma de suas mãos desceu e começou a acaricia o meu pau por cima da calça. Nessa hora, eu vi a cortina do quarto de Isabella se mexer e tive a certeza de que ela nos observava.
....................
Consegui escapar de Rose usando a desculpa de que precisava continuar escrevendo o meu livro, ou seja, trabalhar! Rose fez um beicinho sem graça, mas  não disse nada, saí do quarto e fui direto para a biblioteca. Tentei escrever algo, mas as lembranças da maravilhosa tarde passada com Isabella não saíam da minha cabeça. Peguei o meu celular e disquei o seu numero, que chamou, chamou e chamou até cair na caixa postal, eu não deixei recado, porém digitei uma mensagem de texto para ela.

“Não aconteceu nada entre mim e Rose! Durma bem minha menina”

CONTINUA...

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Slave Of ---- Escrava Do Prazer-- Cap 26


EU NÃO CONSIGO MAIS FICAR LONGE...

Isabella acordou no dia seguinte meio atordoada. O corpo da menina estava todo dolorido, principalmente no meio das pernas. Ela se revirou na cama e só então reconheceu o seu quarto. Bella suspirou com a lembrança da noite anterior. Edward deve tê-la trazido para o quarto assim que ela perdeu os sentidos. Ela levantou da cama indo direto para o banheiro, o corpo da garota cheirava a sexo, a Edward... Ela entrou no chuveiro pensando em tudo o que havia acontecido. Edward havia deixado bem claro, que ela conheceria o outro lado dele, e que talvez, ela não gostasse... Bella suspirou mais uma vez, então pegou o seu sabonete de morangos e começou a se lavar, a única conclusão que chegara até o momento, é de que precisa conversar com Edward e dizer a ele que viu o vídeo que estava escondido em meio a alguns livros na biblioteca.
Assim que saiu do banheiro, Bella deu de cara com Rose que estava esperando-a em seu quarto, como Isabella acordou tarde demais, ela não para iria a Escola naquela manhã.
-- Como foi à noite?
-- Quer mesmo saber? - Isabella disse  ríspida.
-- Olha  Bells, eu só...
-- Você só, o que Rose? - Isabella disse a interrompendo — Há mais coisa que você ainda não me disse, eu não sou burra e você sabe muito bem disso.
-- É ele quem tem que falar para você! - Rose justifica — E eu acho que já está mais do que na hora dele fazer isso...
-- Você o conhece muito bem, por sinal.
-- Já disse! É melhor você perguntar para ele! - Rose argumenta e saí do quarto, deixando Isabella sozinha.
.....................
Emmett estava na biblioteca da casa com Edward, o jovem ouvia o irmão atentamente, que parecia está perdendo a cabeça.
-- Ela só tem 16 anos Edward! - Emmett tenta por juízo na cabeça do irmão.
-- Eu sei Emmett! - Edward anui — Eu a avisei, eu disse várias vezes para ela ficar longe de mim, mas ela...
-- Eu sei, ela provoca você de um jeito que você não consegue resistir.
-- Não é só isso! - Edward fala pensativo — Tem algo nela, algo que eu não sei dizer bem o que é, mas que me atraí de um jeito que não eu consigo explicar nem resistir.
-- Ela é bonita, tem um corpo sexy, é muito atraente... ...é apenas sexo Edward!
-- Não, não é! - Edward renega à afirmação do irmão e Emmett estreita os olhos — Ontem à noite, eu mostrei aquele meu outro lado para ela, na esperança de ela sair correndo e fugir de mim...
-- E?
-- Ela não o fez! Ela ficou até o final! - Edward suspirou — Você entende isso? Ela deveria fugir de mim, mas ela fez justamente ao contrario! Eu posso destruir tudo o que essa menina tenha de essência boa!
-- Então fuja você dela! - Emmett aconselha.
-- Eu não tenho  mais forças para ficar longe dela! - As palavras dele eram verdadeiras e fortes — Eu a quero para mim Emmett, eu a quero por inteira, sem limitações nem barreiras.
-- Você sabe que dona Esme não vai gostar nada disso, não é? - Emmett o adverte.
-- Eu sei muita bem! - Edwad assente — E além do mais, a mamãe vai demorar muito para notar algo entre mim e Isabella.
-- Pode ser! - Emmett olha para o irmão — Eu espero que saiba o que está fazendo, porque como você me disse ontem, esse é um caminho sem volta...
-- O que você veio fazer aqui? - Edward pergunta mudando o rumo da conversa.
-- Falar com você! - Emmett diz — Ontem, eu estive em uma festa...
-- Você continua freqüentando essa festa! - Edward o acusa.
-- Edward, você sabe muito bem que o meu noivado com Irina é coisa arrumada pela mamãe e a mãe dela.
-- Então termina, ora bolas!
-- Com Irina? - Emmett diz com sarcasmo — Irina nunca iria aceitar assim tão fácil. Ela iria infernizar a minha vida para sempre, como faz até hoje! Eu prefiro ir enrolando esse noivado pelo tempo que for preciso...
-- Você é quem sabe, a vida é sua!
-- Eu sei mesmo! - Emmett diz sorrindo — Voltando ao assunto que me trouxe aqui... Bem, eu fui a essa festa e lá encontrei James!
O corpo de Edward ficou todo tenso, os seus olhos ficaram escuros como o breu da noite, a sua face mudou totalmente de expressão...
-- Se James está na cidade, Victoria também deve estar com ele! – Emmet contrapõe.
-- Eu não quero saber de nada sobre eles! - Edward afirma ainda tenso.
-- Ora Edward...
Abruptamente, a porta fora aberta com brutalidade e Rose entrou como se fosse um furacão a biblioteca...
-- O que você pensa...
Rose se calou assim que viu Emmett ali, primeiro ela ficou ofegante e depois tentou se focar no que acontecia.
-- Eu falo com você depois! - Rose disse corando e se virando para sair da sala.
-- Olá Rose! - Emmett diz. Edward não gostou nada do que viu no rosto de Emmett.
-- Oi! Bem, eu preciso ir... Até logo! - Ela disse saindo.
Emmett ainda ficou alguns segundos encarando á porta, até se voltar novamente para Edward, que tinha os seus olhos atentos as atitudes do jovem.
-- Você gosta dela! – Edward o delata.
-- O quê? - Emmett diz confuso — Claro que não. Com Rose é só sexo, apenas isso.
-- Sei! - Edward diz — Do que falávamos, mesmo?
-- De você e Isabella! – Emmett responde – De James e Victoria.
-- Eu não quero saber de nada sobre eles, Emmett. Aceite isso!
-- Eu aceito! - Emmett anui – Mas será que você aceitará?
................................
Isabella estava no jardim quando Esme chegou juntamente com Alice, a menor trazia varias sacolas e parecia uma boneca saltitante. Alice conversava animada com Esme, sobre algo que Isabella não conseguia ouvir. Ambas vieram em sua direção, sorrindo de algo que fora dito entre elas.
-- Oi querida! - Esme disse.
-- Oi Bells!
-- Oi tia Esme! Olá Alice! - Isabella disse dado um sorriso franco.
-- Para você! - Alice disse entregando para a jovem uma sacola da Dolce & Gabbana para mulheres...
-- O que é isso?
-- Sábado teremos uma festa aqui em casa! - Esme justifica — Eu quero você muito linda querida!
-- Tudo bem! - ela sussurrou.
Esme e Alice saíram deixando Isabella para trás. Isabela voltou a se sentar no balanço e os seus olhos se voltaram para a casa do lago. Seu corpo todo tremeu, mas não fora por causa do vento frio e sim pelas lembranças que ainda pairavam em sua cabeça...

“Você vai conhecer o outro lado meu”.
“Quero você quietinha”.
“Não vou machucar você, mas não serei gentil”.

Não eram somente as palavras de Edward que ainda ecoavam em sua cabeça, era tudo, tudo o que eles fizeram na noite anterior, o seu corpo ainda estava dolorido por causa disso...
-- Que merda! – Ela sussurra para si mesma, baixinho.
-- Falando sozinha? - Benjamim lhe pergunta.
-- Benjamim! - Ela exclama levando as mãos ao peito — Você me assustou!
-- O que faz aqui sozinha? Por que não foi para Escola? Fiquei esperando você hoje e não você apareceu...
-- Acordei tarde Benjamim!
-- Parece cansada!
-- Eu estou um pouco! – Bela diz e fica de pé — Eu preciso entrar, eu vou guardar isso! - Apontou para a sacola com um vestido em suas mãos — Até mais, Benjamim!
..................................
Isabella entrou no quarto apressadamente, mas parou assim que viu Edward sentando em sua cama. Ela, de certo modo, estava fugindo dele e agora ele estava ali em seu quarto. Todo o corpo da menina tremeu, mas não de medo, e sim de prazer... ...talvez ela ainda não soubesse dizer qual o motivo para tanto...
-- O que fazia falando com motorista? - Ele fora direito.
-- Benjamim só queria saber o porquê de eu não ter ido para Escola hoje! - Sussurro baixinho.
-- Ele é só o motorista!
-- E eu sou só uma agregada aqui! - Ela disse altiva e logo se arrependeu.
Edward pousou os seus olhos sobre a menina, dando aquele olhar que intimidava qualquer pessoa. A menina engoliu em seco e apertou a sacola em suas mãos.
-- Como está se sentindo? - Edward perguntou depois de soltar um suspiro cansado... Ela não era propriedade dele. Ele não tinha um termo de posse sobre a pessoa dela, logo ela não tinha porque ter medo dele...
-- Bem!
-- E sobre ontem... - Ele olhou para ela – Você tem algo a me dizer?
Isabella ficou pálida, mas aos poucos o seu rosto foi ganhando cor, ela começou a se balançar de um lado para o outro, ela ainda não sabia o que dizer, a sua mente estava confusa. Edward fora o único homem com quem ela esteve mais intimamente falando e o único com quem ela tinha ido bem mais longe do que simples beijos e amasso...
-- Está confusa? - Ele perguntou quando ela continuou calada — Diga Isabella? - Ele a pressionou devido ao silêncio da menina.
-- Sim! - Sussurro sem olhar para ele.
-- Em que sentido? Como é essa confusão?
Nada saía da boca de Isabella, o que ela poderia mesmo dizer? Como ela deveria explicar? Que primeiro, ela ficara assustada com tudo, mas que depois, por mais louco que tudo tivesse sido, ela havia gostado! Tudo fora diferente! Tudo fora incrível! A sensação de como o corpo dela reagiu a cada toque de Edward foi simplesmente paradisíaca! Por mais que ela tivesse sentido medo, ela também sentiu o seu corpo ceder pouco a pouco, e para o seu desespero maior, o prazer tomou conta de todo o seu ser, de toda a sua essência... Ela já tinha ouvido falar sobre aquele tipo de prática sexual, e até mesmo visto em vídeos pornô, quando acessava sites indevidos para menores de sua idade, mas agora, depois de Edward fazer o que fez, ela não sabia mais o que pensar...
-- Está tão difícil assim, Isabella! - Edward disse preocupado — Venha aqui!
Os olhos de Isabella se arregalaram e isso não passou despercebido pelo jovem!
-- Eu não vou machucá-la! - Ele diz.
-- Você disse a mesma coisa ontem! – A acusação saiu de sua boca antes que ela percebesse...
-- Eu machuquei você?
-- Não! - Disse rapidamente.
-- Venha aqui! - Ele voltou a pedir.
Isabella caminhou lentamente até Edward que a pegou pelas mãos e a puxou para o seu colo, isso pegou Isabella de surpresa. Ele passou as mãos pelo rosto da jovem, colocando uma mecha de cabelos por detrás da orelha da menina de uma forma bastante carinhosa, o que fez a infante se derreter...
-- Você ficou assustada? - Ele perguntou.
-- Um pouco!
-- Eu machuquei você em algum momento?
-- Não Edward! - Isabella disse sem olhar para o rosto dele.
-- Então, foi mais a surpresa que assustou você? - Edward a questionou.
-- Acho que foi!
-- Você gostou? - Edward perguntou e o corpo de Bella ficou tenso.
-- Eu não sei! - Ela respondeu a verdade — Foi diferente, e eu não tenho nada para comparar com isso Edward, você bem sabe!
Um sorriso se formou nos lábios do homem e ele fez um carinho nas costas da menina...
-- Eu nunca machucaria você querida!
-- Eu sei! - Ela disse e pela primeira vez olhou para ele --  Você estava tão sério, tão frio e distante, nem parecia ser você!
-- Eu disse para você que era o meu outro lado... - Edward mencionou e fez mais um carinho no rosto da jovem — Eu posso ser carinhoso Bella, você bem sabe disso, mas também, eu tenho esse outro lado meu, que algumas vezes eu necessito alimentar... — Edward dá um sorriso torto, como se pedisse compreensão por parte dela.
-- Por quê? Eu não entendo!
-- O que você não entende?
-- Como assim você precisa alimentar...
Isabella não conseguiu terminar a frase, Edward estava a sua frente com olhos presos aos dela.
-- É como se fosse algo inerente a sobrevivência de um ser humano, Bella... — Edward começou — Da mesma forma que todos precisamos de ar, água e de comida para viver... Eu preciso de algo mais... — Ele ficou sério — Eu poderia ser um cara normal Isabella, com gostos normais por sexo e uma ou duas inovação durante isso. Mas eu não sou assim, eu tenho preferências e gostos estranhos... Gosto de estar no comando na vida profissional e não seria diferente na cama...
-- Então você prefere ser assim?
-- Podemos dizer que sim! - Edward assentiu — Você não é obrigada a aceitar isso! - Edward falou circunspecto — Você pode sair disso à hora em que quiser, basta apenas deixar claro que não quer!
-- Eu preciso de um tempo para pensar! - Ela disse mordendo os lábios — É muita informação para eu absolver tão rápido!
-- Você tem até sábado para me dar uma resposta! - Edward disse e a sentou na cama — Eu quero a resposta na festa querida! - Edward deu um beijinho rápido em seus lábios — Descanse um pouco!
Edward estava caminhado em direção a porta, quando a voz rouca de Isabella ecoou pelo quarto.
-- Você é um dominador? - Isabella por fim fez a única pergunta que não fora feita.
-- Não acho que esse seja o momento para lhe responder isso querida!
Isabella ficou olhando Edward sair e assim que a porta se fechou ela se jogou na cama e enfiou o rosto no travesseiro...
 CONTINUA...

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O Casamento-- Para Todo O Sempre -- Cap 6



  "O Amor Verdadeiro é raro,e é a unica coisa que da dá vida á um verdadeiro sentido "
                                                        -- Nicolas Spark


DESCOBRINDO O PASSADO, MELHORANDO O PRESENTE...

A boca de Edward estava na barriga de Isabella, dando leves beijinhos, subindo até chegar aos seus seios, onde ele beijou cada um deles e voltou a descer. Edward provocou ainda mais a jovem que estava nua sobre a cama dos dois. A boca dele voltou a sua barriga, beijando-a, torturando-a e assim descendo para os seus quadris, dando leve mordidas, fazendo a morena gemer e se remexer na cama.

-- Edward! - A jovem diz ofegante — Tony pode entrar! - Sussurrou quase sem vontade.
-- A porta está trancada! - Edward rebate sem tirar a boca do corpo da esposa.
Era como se aquilo fosse o bastante para despertar o desejo dos dois. Edward afastou as pernas de Isabela, ficando por cima  e a penetrou em apenas um golpe, fazendo ambos gemer, uma das pernas de Isabella, estava sobre os ombros de Edward, o jovem não parava com os seus movimentos ritmados, fazendo ambos delirarem.

Edward puxou Isabella, trazendo a jovem para o seu colo, ele traçava beijos nos seios de Isabella, fazendo a amada gemer, não só por seus movimentos lentos e torturantes, mas pelo prazer que ele estava causando a ela.

Edward segurava a jovem pela cintura, ajudando-a em seus movimentos, ele passou a se mover junto com Isabella, o ritmo de Isabela se tornava cada vez mais rápido, mais urgente... Ela queria o quanto antes, chegar ao tão desejado orgasmo...
Edward mudou a posição deles, Isabella estava agora sobre a cama deitada, Edward segurava a cintura dela, enquanto a penetrava com força, a urgência estava de volta, as mãos de Isabella estava servindo de apoio contra o espelho da cama, era como um ponto de impacto devido os movimentos fortes de Edward, a jovem gemia baixinho, pois sabia que o filho poderia os ouvir...

Edward se movimentava rápido com bastante energia, fazendo a cama ranger e os corpos de ambos irem para frente. As mãos de Isabela continuavam servindo de apoio a fim de impedir que a sua cabeça batesse contra o espelho da cama. Foram necessárias somente mais algumas penetrações para os dois gritarem gozando juntos. O corpo de Edward estava caído ao lado de Isabella, as suas pernas estavam por cima das de Isabella, assim como o seu braço em torno da jovem, ambos respiravam mais calmamente e suavemente, porém, deveras satisfeitos.
-- Eu tenho uma reunião hoje! - Edward diz dando um beijo nos ombros da  esposa.
-- Edward! - Ela diz em um sussurro — Quero saber por você!
O corpo de Edward ficou tenso, por algum motivo, ele já imaginava sobre o que ela queria saber. Mas ele não queria estragar aquela manha que havia começado tão bem.
-- O que aconteceu entre você e Lana Rock’s.
-- Eu não quero arruinar a nossa manhã! - Edward disse beijando o pescoço da jovem sedutoramente — Nós começamos o nosso dia tão bem, por favor, não vamos estragar...
-- Ela tentou falar comigo na festa! - Isabella diz se sentando na cama — Ela queria me dizer algo, mas eu prefiro escutar tudo de você! - Ela olha para ele e sorri — Não há nada que você me diga que vá mudar o que eu sinto por você!
Edward suspirou e se sentou na cama, em um movimento de nervosismo, ele passou as mãos pelos cabelos rebeldes antes de se virar em direção a esposa e falar...
-- Eu conheci a Lana no tempo que morei em Londres, eu acho que  dois ou três anos atrás. Maggie ainda conseguia mexer com toda a minha estrutura e Lana parecia ser uma ótima saída de escape — Edward suspira — No começo era só um meio de fugir de Maggie, tentar esquecer tudo e Tony estava comigo lá.
-- O Tony a conheceu? - Perguntou Isabella quase sem voz.
-- Sim, foi Tony quem nos aproximou! - Edward respondeu e não olhava para ela — Eu estava com Tony em um parque em Londres e Lana derrubou o sorvete dele, ela imediatamente se prontificou a pagar outro sorvete para Tony. Então nós conversamos um pouco, acabamos trocando o numero de nossos telefones quando descobrimos de quem éramos filhos — Edward olhou para Isabella — Não foi nada planejado, foi acontecendo aos poucos e quando eu vi, eu estava muito envolvido com Lana, ela sabia muita coisa sobre Maggie e sobre Tony...
Isabella tinha as mãos sobre o seu colo, os seus dedos estavam sendo torcidos em sinal de apreensão.
-- Eu me apaixonei por ela! - Edward conta sem vontade — Pelo menos, era o que eu achava, então no dia em que eu a pedi em casamento, ela aceitou, mas no dia seguinte ela sumiu da minha vida, sem deixar rastro algum. E só voltamos a nos ver novamente, há alguns dia atrás, ela é uma das novas acionista da empresa.
-- Ela está trabalhando lá? - Isabella redargúi surpresa.
-- Ela faz parte de outro setor, nós não trabalhamos juntos, quase nem nos vemos, só mesmo em reuniões - Edward explica preocupado.
-- Mas ela ainda está lá, perto de você...
-- Sim!
-- Ela quer você de volta! - Isabella comenta.
-- Eu não a amo! - Edward afirma — Eu amo você, eu estou casado com você! Eu só quero você...
-- Mas isso não muda, em nada, o fato de ela querer você!
-- Muda sim! Eu não a quero!
-- Você tem idéia de quão louco isso tudo é! - Isabella glosa com a testa enrugada.
-- Eu sei!
-- Não você não sabe! - Isabella grita e saí da cama.
-- Você não pode ficar zangada comigo por causa disso! - Edward acusa, tentando entender um pouco o que estava acontecendo, de repente a manhã que começou bem estava indo embora — Ela faz parte do meu passado!
-- Assim como as outras! - Ela acusa afetada – Se você não tivesse trepado com a metade das mulheres de Manhattan, a gente não estava passando por isso tudo agora! - Ela o culpa amargurada — Você deveria manter o seu pau dentro das calças.
A porta do banheiro fora batida com força e Edward estava tão chocado quanto estava surpreso com a reação de Isabella. Ele não sabia dizer o que estava acontecendo, mas ele já havia notado que de uns dias para cá, as mudança de humor da jovem, eram constantes. Hora ela estava feliz, hora estava triste, hora eufórica e hora furiosa, por nada. Assim que o chuveiro foi desligado, Isabella não demorou a aparecer no quarto, Edward ainda estava sentando no mesmo lugar.
-- Sinto muito! - Isabella sussurrou.
-- Sente? - Isabela não pode deixar de notar o sarcasmo na voz do marido.
-- Eu não deveria ter dito aquelas coisas para você! - Ela se justifica — Eu não sei o que deu em mim.
-- Você e as suas constantes mudanças de humor! - Edward diz saindo da cama — Isto está começando a acabar comigo.
-- Eu sinto muito! - Ela voltou a dizer.
-- Você deveria voltar a fazer terapia! - Edward detona infeliz — Isso não é normal, sabia?
-- Você está me chamando de louca agora? - Ela dispara para cima dele – Você não sabe de nada seu idiota!
Isabella começou a bater em Edward com os pulsos fechados, ela batia no peito de Edward, ele teve que segurá-la pelos pulsos para que ela parasse de bater nele e se acalmasse.
-- Pare! - Ele gritou — É disso que eu estou falando Isabella!?
Ambos estavam ofegantes e magoados, a toalha que estava em volta do corpo da jovem havia caído no chão.
-- Ultimamente, você anda mudando de humor a toda hora! - Edward articula — Outro dia, eu vi você chorando por nada Isabella, e fora que você come descontroladamente e depois coloca tudo para fora!
A mulher estava olhando para ele, agora Edward parecia chateado, mas ao mesmo tempo era visível a preocupação do marido.
-- Você tem que procurar um médico! - Edward solta os pulsos da jovem — Isso não é normal meu amor, eu estou ficando preocupado, eu temo por você querida.
-- Eu sinto muito! - Ela diz já chorando.
-- Não, não, não chore! - Edward diz e a puxa para os seus braços — Está tudo bem, meu amor! - Ele faz um carinho nas costas da jovem - Só marque uma consulta com Stefan, só para termos certeza de que tudo está bem com você querida! — Edward beija os seus cabelos — Depois do que aconteceu, você pode está tendo reações a tudo isso querida. É apenas para me deixar mais calmo, nos deixar mais calmos...
-- Eu vou falar com Stefan! - Ela diz entre o choro — Só me desculpe!
-- Tudo bem! - Edward aperta a  esposa contra o seu corpo — Eu te amo.
.............................
Stefan ficou surpreso quando descobriu que Isabella tinha agendando uma consulta com ele para aquela mesma tarde.
-- Eu tenho que dizer que estou um pouco surpreso! - Stefan expôs.
-- Eu também! - Ela diz seca — Edward pediu para fazer isso! Ele acha que eu estou tendo alguma reação pós-traumática, após os últimos acontecimentos!
-- E você está? - Stefan perguntou, mas Isabella ficou em silêncio — Tudo o que você me disser, permanecerá em sigilo Isabella, nada do que será dito, sairá daqui.
-- Eu sei! - Ela diz. Realmente o seu humor parecia está pior do que estava pela manhã — Mas eu não estou tendo nenhuma pós-reação!
-- Mas está acontecendo algo! - Stefan intui — Se não, você não estaria aqui!
-- Edward pediu! - Ela repetiu — Ele diz que eu estou tendo mudanças de humor, só que eu não acho isso!
-- Você poderia me dizer o que aconteceu enquanto esteve nas mãos de Tânia, Isabella? - Stefan pergunta de supetão.
-- Ela me tirou de casa e me levou para aquele local! - Isabella dispara — Eu não quero falar sobre isso, eu não vejo motivos para isso!
-- Você se sente bem?
— Eu me sito ótima Stefan, eu só marquei essa consulta porque Edward pediu e se isso o deixará mais sossegado, eu não vejo o porquê de não o fazer.
-- Se ele não tivesse pedido, você não teria marcado essa consulta?
-- Não! - Ela diz — eu me sinto bem, me sinto viva! - Ela fica em silêncio — Pela primeira vez na vida, consigo ser eu mesma...
-- E das outras vezes não conseguia?
-- Eu tinha medo! - Ela diz — Stefan eu fui abusada sexualmente quando adolescente, o abusador ainda está solto porque a minha mãe teve medo do escândalo e a família do cretino pagou para ela não dar queixas.
-- Quer falar sobre isso? - Stefan pergunta parecendo achar um ponto para tudo.
-- Eu era uma menina, eu só tinha 15 anos! - Ela diz quase gritando — A minha mãe achava que era coisa da minha cabeça, que eu ficava criando essa historia, e única pessoa que sabia a verdade era Tânia, ela nunca fez nada e eu sei agora o porquê...
-- Por que ela não fez nada?
-- Ela me odeia!  - Isabella diz — Ela simplesmente me odeia, porque o meu pai passou a me superproteger, eu consegui, segundo ela, tudo o que ela queria... Formei-me no Colegial e cursei uma Faculdade, me casei com Edward, e isso, ela não aceita.
-- O que ela não aceita?
-- Edward ter olhado para mim! - Ela diz e olha para Stefan — Você não me conheceu antes, eu não era nem a sombra do que eu sou hoje, as minhas roupas eram tão horríveis quanto a minha aparência. E ainda assim, Edward me viu, me viu enquanto eu estava invisível para a humanidade...
-- Então é por isso que está aqui? Por que sente que tem uma divida de gratidão com Edward? Assim você faz o que ele quer, pois é mais fácil do que demonstrar que lhe é grata?
Isabella gargalhou e voltou a olhar para Stefan, havia algo de diferente nela, algo que Stefan estava tentado entender.
-- Não! - Ela objeta — Edward me ama, assim como eu o amo. Mas ele está preocupado, eu não quero deixar ele assim.
-- Acho que é um modo de agradecer! - Stefan reflete — Talvez você esteja sendo grata a ele, afinal, como você mesma disse, ele olhou para você, quando ninguém mais a viu...
-- Pare de distorcer as minhas palavras, você não sabe a metade do que passei para chegar onde estou.
-- Eu estou tentando te entender Isabella! - Stefan rebate — O que realmente está incomodando você?
-- Tudo! - Ela diz na lata — Tudo, todos esses problemas, toda essa loucura, eu só quero curtir o meu filho e o meu marido em paz — Ela diz séria — Um pouco de paz é pedir muito para alguém?
-- Talvez vocês devessem tirar umas férias! - Stefan diz — Ir para praia, curtir só vocês.
-- Uma segunda lua de mel! - Isabella diz tentando absorve a idéia — Não dá! Edward está envolvido em uma nova campanha, não tem como, e eu comecei um reforma em minha livraria, não tem como sair da cidade, não agora.
-- Eu vou pedir para você vir na próxima consulta com Edward... - Stefan expõe — Eu preciso ver como é vocês dois juntos, e eu quero que você seja bem franca, como você está se sentindo agora?
-- Eu não sei se quero isso!
-- Vamos fazer um teste Isabella! - Stefan diz — Uma terapia de casal, você e Edward aqui na quinta!
-- Tudo bem! - Ela disse ficando de pé — Eu preciso ir, eu fiquei de passar no escritório de Edward!
-- Mande lembranças para ele! - Stefan disse indo com ela até a porta — Quinta então?!
-- Quinta!
.............................
Isabella saiu do elevador dando de cara com Edward passando uma bronca na secretaria. Ele parecia bem raivoso com Mary o que deixou Isabella meio curiosa.
-- Estamos entendidos Srta. Mary?
-- Claro Senhor.
-- Sra. Cullen! - Edward diz dando o seu melhor sorriso assim que ver a esposa — Chegou cedo!
-- Eu estava aqui perto! - Ela diz – Olá Mary!
-- Olá Senhora.
-- Venha querida, vamos para a minha sala! - Edward a convida — Não me passe nenhuma ligação agora Mary!
Edward entrou segurando nas mãos de Isabella, a porta fora fechada e Edward caminhou em direção a sua mesa, sendo seguido de perto por Isabella.
-- Como foi com Stefan? - Edward perguntou ao se sentar.
-- Temos uma consulta na quinta! - Isabella disse e ele enrugou a testa — Terapia de casal.
-- Acha que é necessário? - Edward perguntou.
-- Stefan acha que sim! - Isabella arremete – Eu não vejo problema nisso, você ver?
-- Não, por mim tudo bem! - Edward confirma — Por que está assim?
-- Assim como?
-- Não sei, parecer preocupada...
-- Um pouco cansada! - Ela diz — Stefan sugeriu que viajássemos.
-- Não acho que seja possível agora! - Edward diz — Venha aqui!
Isabella suspira e caminha até Edward que afasta a cadeira e puxa a esposa para o seu colo.
-- Vamos resolver tudo isso juntos, ok?
-- Claro! - Ela dá um sorriso amarelo — Por que estava brigando com a sua secretaria?
-- Ela me passou um relatório errado! - Edward diz apressadamente, mas por algum motivo não a convenceu — Você está linda Sra. Cullen!
-- Você também Sr. Cullen.
-- Pronta para irmos? - Edward diz sorrido — Sabe, eu me lembro bem a ultima vez em que esteve aqui na minha sala!
-- Não comece! – Disse Bella — Há pessoas do outro lado dessa sala, não comece mesmo!
-- Você me frustra desse jeito! - Edward diz sorrindo e beija o seu pescoço macio — Ok, Sra. Cullen! Vamos jantar?
-- Claro!
Ambos seguiram para fora da sala, Isabella não ficou surpresa ao se deparar com Lana no corredor conversando com Jasper, que parecia entregar documentos para a jovem, Isabella deduziu que fossem novos contratos.
-- Bella! - Jasper a cumprimentou — Você está linda!
-- Ela sempre está linda Jasper! - Edward diz apertando os braços em volta da cintura da mulher — Se bem que ela anda ainda mais linda.
-- Você é suspeito para falar! - Emmett disse entrando no corredor e se envolvendo na conversa — Você é casado com ela, e perdidamente apaixonado por ela. Então o seu comentário não conta.
-- É verdade! - Jasper disse sorrindo.
-- Tá, eu sou suspeito para falar, mas eu não disse nenhuma mentira! - Ele sorriu e beijou a esposa no rosto — Vamos querida! Até mais para vocês!
Em nenhum momento Lana tirou os olhos de Isabella, ela não parecia em nada à moça que ela viu no primeiro dia com Tony, ali mesmo na empresa. Isabella não era em nada, em nada mesmo do jeito que ela tinha ouvido falar...

Continua...