Jul M

Oi

domingo, 11 de agosto de 2013

O Casamento -- O Novo Contrato-- Epilogo!


"Ele olhou para ela, sabendo com certeza que ele estava se apaixonando. Ele a puxou e beijou-a debaixo de um cobertor de estrelas, imaginando como na terra justo ele tinha tido a sorte de encontrá-la."
----Frase De Um Dos livros de Nicolas Spark

FINALMENTE UM POUCO DE PAZ...

A casa de Carlisle era grande e ficava em uma vizinhança muito tranqüila e segura, já havia se passado uma semana desde que  Edward e Isabella estavam morando temporariamente ali. O casal já estava acostumado  a rotina do local, Tony parecia estar mais calmo, só houve mesmo, a necessidade de ele retomar, com mais assiduidade, as sessões de análise que fazia com Stefan, em especial devido o incidente acorrido envolvendo a criança e Tânia... Contudo o menino não demonstrou ter ficado com seqüelas mais graves, além é claro, de alguns pesadelos que ocorreram praticamente todos os dias da semana que se passou.
Isabella estava na cozinha se deliciando com um pouco de sorvete, todos estavam dormindo, quer dizer, Carlisle e Esme haviam viajado, deixando assim, a casa livre para o casal e o pequeno Tony, que dormia profundamente em seu quarto. Os empregados estavam de folga e os seguranças estavam a postos do lado de fora da residência. Isabella sabia que não deveria ficar perambulando pela casa naquele horário, e nem vestida da maneira que se encontrava, mas como estavam só ela, o marido e o filho na casa, ela não viu problema algum em sair da cama usando apenas uma minúscula calcinha e uma camiseta curta que delineava perfeitamente o seu belo corpo. Ela estava encostada contra o balcão da cozinha saboreando o seu sorvete quando Edward entrou no recinto.
-- Você está aqui! - Edward falou aliviado — Acordei, não vi você na cama...
Edward parou de falar quando viu o modo como a sua esposa estava vestida. Ele havia chegado bem tarde devido a uma reunião que teve que presidir, e quando chegou do trabalho encontrou a esposa dormindo no quarto do filho, ele a carregou para a alcova ocupada por ambos e tirou apenas a calça que a esposa usava a deixando com a camiseta que ela vestia sem sutiã e a calcinha do tipo tanga.
-- Senti fome! - Ela disse como se isso justificasse o fato dela estar tomando sorvete naquela hora da madrugada — Algum problema? - Ela não entendeu o porquê de Edward estar olhando para ela daquela forma.
-- Nenhum! - Ele disse dando um sorriso sacana e caminhando em direção a esposa.
-- Nem pense nisso! - Ela o adverte assim que ele toca em sua cintura delgada — Edward, nós estamos na casa de seus pais!

-- Eu sei! - Ele anuiu beijando o pescoço cheiroso da mulher – Você disse a mesma coisa semana passada quando eu comi você encima da mesa do escritório do meu pai!
O rosto de  Isabella ficou em um vermelho vivo pungente, Edward sempre sabia onde tocar e como fazer para que ela abaixasse a guarda. Ela não poderia reclamar da trepada partilhada com o esposo no escritório do pai dele, o homem deu a ela ótimos orgasmos...
-- Estamos na cozinha! - Ela sussurrou ofegante, de certo modo, ela também queria e como queria...
-- Sim! E eu vou comer você encima dessa mesa aqui também! - Edward mordeu o pescoço da amada.
-- Edward! - Ela soltou um gritinho quando Edward a carregou nos braços a colocando sobre a mesa.

--- Relaxa Bella! – Edward murmura e a beija na boca — Vai ser bom! Eu prometo...
A boca de Edward provocava de todas as formas possíveis o pescoço de Isabella, ele dava beijos e leves mordidas no local, até que Edward fez com que Isabella meio que se deitasse sobre a mesa, apoiando o seu peso sobre os cotovelos, então ele levantou a camiseta dela e chupou com vontades os seios da jovem que a cada dia, ficavam mais redondos e cheios...

-- Eu amo os seus seios! - Sussurrou ao mudar de um seio para o outro.
Edward torturou bastante Isabella! Ele chupava e dava mordidas carinhosas nos seios da jovem, que por sua vez, só gemia em rendição aos atos libidinosos do marido. As mãos de Edward escorregaram pelo corpo de Isabella, removendo a calcinha que ela usava, deixando a pequena peça pendurada em uma das pernas da mulher. Trilhando um caminho de beijos, que começou nos seios macios, rumando pela barriga lisa até chegar ao meio das pernas da amante, Edward caiu de boca na buceta molhada e rosada que era a sua dileta perdição, chupando-a com força e fazendo Isabella urrar de prazer. 

As mãos de Isabella foram para os cabelos de Edward, aconchegando-os com energia e mantendo a cabeça do amado presa bem no meio das suas pernas. A jovem passou a movimentar os quadris em direção a boca dele, que a torturava com intensa perfeição, invadindo a sua febril cavidade úmida com a língua experiente, o rapaz puxava os lábios vaginas da jovem, fazendo-a revirar os olhos com tanto deleite.

 Foi preciso só mais algumas penetrações com a língua do rapaz para que Isabella explodisse em um gozo molhado na boca do marido. O corpo da jovem tremeu feito uma vara verde sobre o tampão da mesa, ela estava ofegante e muito corada quando Edward retirou a cabeça do meio das suas pernas lambendo os lábios e se deliciando com o sabor do gozo recebido...
-- Você continua com um gosto divino, Sra. Cullen!
Isabella deu um sorriso tão safado quanto o do marido, sim estar casada com ele, havia lhe ensinado algo e ela já sabia como jogar aquele jogo de sedução, apenas não demonstrava ainda a mesma perfeição e destreza do marido, mas um dia ela chegaria lá... Isabella levantou-se da mesa empurrando o marido contra a bancada onde ela estava encostada anteriormente. Sem perder tempo, ela abaixou a calça dele e antes que o jovem pudesse a impedir de fazer o que ela estava planejando, ela caiu de boca no membro semi ereto do marido. 

Isabela chupou com vontade toda a extensão do órgão do marido, fazendo Edward gemer com gosto, ela então arranhou a pele dele com os dentes, a fim de provocar ainda mais o marido gostoso, e ainda por cima, ela dava pequenos gemidos de prazer durante o seu desempenho. Edward já sabia que a mulher era uma verdadeira peste quando ela queria ir mais além em seus planos pervos, que  naquela noite seria fazê-lo gozar em sua boca. Se bem que antes, não havia plano algum, até que ele a encontrasse na cozinha vestida daquele jeito. Havia algo de diferente em Isabella, ela estava mais bonita, mais atraente, ele não sabia dizer o porquê, mas tinha algo acontecendo no corpo da amante que a deixava diferente,  não só a receptividade da moça, os seios dela estavam mais cheios e mais roliços, não que ele estivesse reclamando, para ele a sua esposa estava ainda mais gostosa, os quadris dela estavam mais largos e a bunda bem mais atraente, arredondada e macia...
Antes que ele gozasse, Edward puxou Isabella para mais perto de si, colocando-a de pé a sua frente e atacando os seios dela sem dó nem piedade.


 As mãos de Isabela envolveram a cabeça do rapaz e sem perder tempo, Edward se livrou da calça do pijama que usava,  jogando-a pelo chão... Com fúria, Edward penetrou Isabella que gemeu quando os seus corpos se uniram. Mais apoiada ainda sobre o peitoral do marido, Isabela passou a subir e descer, sobre o membro rígido do amado, o engolindo por completo ao mesmo tempo em que se sentia cheia e repleta...
 Ela curvou a cabeça para frente, tomado a boca pecaminosa do marido em um beijo avassalador, sem nunca deixar de se movimentar sobre ele, as mãos de Edward passeavam pelas costas da jovem, que mantinha o ritmo dos movimentos, fazendo ambos gemerem de luxaria e prazer.

Isabella rapidamente os mudou de posição, ficando de costas para o marido, ela então, voltou a subir e descer sobre o membro rígido dele, o engolido com ainda mais força, as mãos de Edward estavam na cintura da esposa, a ajudando em cada movimento,  Isabella havia melhorado em muito a sua performance no sexo, a garota tímida, ainda existia dentro dela, mas durante o sexo, sempre parecia que outra Isabella estava no ato, uma mais ousada, mais tentadora e mais solta...

Edward se levantou com Isabela no colo, colocando-a de costas para ele sobre o balcão, com uma perna apoiada no chão e outra perna jogada ao ar, Edward voltou a penetrá-la com mais força e vontade, fazendo ambos gemerem com as investidas fortes e vigorosas. 

Os seios de Isabella balançavam em cada investida recebida, o jovem mantinha o ritmo continuo de cada nova investida, fazendo a sua menina gemer ainda mais alto.
Edward deitou Isabella na mesa, colocando uma das pernas da amada em seus ombros e voltou a penetrá-la com mais vigor ainda, fazendo com que o corpo da jovem balançasse ainda mais a cada nova investida, os gemidos de Isabella passaram a gritos, assim que o seu orgasmo começou a dar sinal, Edward manteve o ritmo, mas estava ficando cada vez mais difícil, já que a buceta de Isabella começava a apertar cada vez mais o pau dele dentro dela.

 O grito de Isabella foi bem alto e de puro prazer quando ela gozou. Ela gritava o nome do marido durante o clímax. Com toda certeza, os seguranças da casa sabiam o que estava acontecendo naquela cozinha, e que foi o marido dela que a fez gemer daquele jeito, já que foi o nome dele que ela chamou durante o clímax. Edward investiu mais algumas vezes, até gemer rouco e cair sobre o corpo da mulher, gozando dentro dela. Ao retirar o seu membro de dentro dela, ele deixou espirrar um pouco do seu gozo sobre a buceta gostosa que ele acabara de comer. 

Isabela estava espalhada na mesa, sem forças para mover um músculo sequer.
...................
Os cabelos ruivos, a denunciavam, assim que a jovem entrou, por mais que ela estivesse usando aquela fantasia sexy de enfermeira, ela não conseguiu esconder quem era. Foi uma questão de segundos para que a blusa da enfermeira ruiva sumisse e os seus belos seios ficassem nus. Assim como as roupas do rapaz que estava junto com ela. Sem demora, a ruiva segurou aquele belo mastro ereto a sua frente, com uma das mãos, ela segurou a base do enorme membro do rapaz, a boca dela engoliu a cabeça do mastro, o chupando deliciosamente, mas a ruiva sabia que o “brinquedo” era grande demais para poder entrar todo de uma vez em sua boca sedenta.

 A ruiva votou a chupá-lo com mais animo ainda, usado as mãos para ajudar com os movimentos nas partes que não couberam em sua boca. Os gemidos de ambos começaram a ecoar pelo pequeno quarto, principalmente os do rapaz que estava sendo perfeitamente chupado pela ruiva.

A saia da ruiva fora levanta e a sua calcinha arrancada. Com um pé fora da cama e o outro firmando na cama, ela tinha as pernas bem abertas, enquanto o jovem atlético, que mais parecia uma montanha de  músculos, permanecia sentando a penetrando com vigor. 

A ruiva estava tão molhada que o membro do rapaz entrou com uma luva, ele era feito sobre medida para a buceta dela. Os gemidos eram mais altos a cada nova investida.
Uma das pernas da ruiva estava apoiada na pequena mesa de canto que tinha no quarto. O rapaz estava atrás da bela ruiva a comendo com força, os gemidos só aumentavam, a cada nova posição experimentada. 

Era visível o prazer alcançado por ambos, o rosto da ruiva demonstrava com clareza que estava sendo muito bem fudida, o rapaz não poupava esforços para agradar a ruiva gostosa.
Jogado a ruiva de volta para a cama, o rapaz mantinha as pernas dela abertas, segurando com as duas mãos dela no alto de sua cabeça, ele voltou a meter com força dentro da mulher, que gritava e implorava por mais.

 Algumas vezes o rapaz arriscava até uma leve tapa na bunda macia da ruiva, que parecia se acender ainda mais com o gesto ousado.
Deitado de lado atrás da ruiva, com uma das pernas dela em seu ombro, o jovem metia ainda mais dentro da buceta gulosa de sua parceira, que parecia não se cansar de pedir por mais e mais do rapaz.

 A jovem ruiva gemia alto. Os seios dela balançavam e o rapaz sempre atendia aos pedidos da mulher que o estava deixando ainda mais inchado de tanto prazer. Era visível a química entre os dois, a ruiva reagia perfeitamente bem aos movimentos do grandão, e os gemidos eram vividos, o que deixava o homem ainda mais louco e insano de vontade em chegar à plenitude do ato se libertando por completo.
Mais uma vez a posição fora mudada, e ruiva ficou por cima do grandão, e o cavalgava com pujança, o jovem que tinhas as mãos precisadas sobre a bunda da ruiva, a  ajudava com os movimentos, o rapaz metia cada vez mais fundo e com mais força, fazendo à ruiva gritar de prazer e chamar pelo nome dele.


Com as mãos, ele a abriu ainda mais para ele, sem parar os movimentos, enfiado cada centímetro seu dentro da parceira, até que ela gozou, gritando o nome dele e desabando sobre o peito forte que a sustentava. Mais algumas investidas e o jovem gozou se juntado a mulher que ainda estava caída sem forças encima do peito másculo...
Os dedos suaves corriam pelas costas da ruiva, a sua respiração, assim como a da jovem, estava normal, o quarto cheirava a sexo, ao sexo que eles acabaram de fazer... O sorriso surgiu nos lábios da ruiva, só em pensar que há muito tempo ela não se sentia assim depois do sexo, de forma tão relaxada e satisfeita completamente...
-- Vic! - Emmett a chamou com carinho — Venha, vamos tomar um banho!
-- Hum...hum! - Ela sussurrou sem se mover.
-- Não tem forças para andar?
-- Hum...hum! - Ela murmurou novamente, o fazendoele rir.
-- Ok! - Ele assentiu — Vamos ficar aqui, depois tomamos nosso banho! - Emmett beijou os cabelos da jovem carinhosamente — Adorei você de enfermeira!
-- Hum...hummm! - Ela ronronou sorrindo.
-- Você fica meio irracional depois do sexo querida! - Emmett comenta provocando — Amanhã tenho um almoço na casa do Edward!
-- Eu sei! - Ela disse levantando cabeça e o olhando — Você vai contar a ele sobre nós?
-- Eu acho que ele já sabe! - Emmett retruca — Mas vamos deixar assim, o mistério deixa as coisas melhores... Afinal eu e você somos adultos...
-- Eu sei! Só que ele é seu amigo!
-- E Isabella, a sua amiga! Vai contar para ela?
-- De certo modo ela já sabe! - Vic afirma corando — Ela viu uma de suas mensagens na semana passada, eu apenas disse que estamos nos conhecendo!
-- Bem Senhorita, eu acho que já conheço o seu corpo bem por demais...
-- Emmett! - Ela grita o repreendendo e corando fortemente.
Vic sabia que trabalhar para Emmett seria um erro, ainda mais porque ela tinha uma queda por ele, a jovem se viu em uma situação cingida, quando ficou até tarde trabalhando com ele na empresa, como ela mesma havia previsto, eles acabaram transando encima da mesa de reuniões da companhia, depois disso, foi difícil fugir e negar o que sentia por aquele brutamonte gostoso...
-- Ok! - Emmett diz — Você resolve quando vai contar e eu só confirmarei!
Emmett beijou os lábios da ruiva e a puxou mais para perto do peito dele, gesto que ela amou e relaxou com a cabeça no tronco malhado, para logo em seguida cair em um sono profundo.
.......................
Edward estava mostrado à futura casa deles a esposa. Claro que a briga foi grande quando Edward contou que havia comprado outra casa perto de onde o pai dele morava. Isabella gritou e bateu o pé, disse que já tinham uma casa e que ele não deviera ter feito tamanho gasto. Ela tentou de todas as formas possíveis fazer o marido desistir da mudança, mas como sempre, Edward sabia exatamente como fazer para convencer à jovem e ela acabou cedendo. A casa era simplesmente uma maravilha, uma verdadeira mansão moderna, três vezes maior do que a casa em que viviam. Havia um enorme jardim ao redor da residência, repleto de rosas de várias cores e plantas das mais variadas, um enorme gramado bem verde. O quintal era simplesmente colossal, possuindo um bonito pomar cheio de árvores frutíferas como pés de maçã, pêra, uva, laranja, framboesa, dentre outras frutas, além de outras árvores que proviam sombra, dentre elas uma em especial que abrigava a casa da árvore de Tony. Havia ainda, uma mini horta, e uma estufa no final do jardim perto de um lago artificial para criação e pesca de peixes, existente na propriedade. No lado leste do local, o jardim levava a uma enorme piscina ladeada por uma área de lazer e churrascaria, bem como um mini parquinho com brinquedos de madeira para o Tony e seus amigos se divertirem. Havia sete quartos todos com banheiros com banheiras termais, sendo duas suítes master com hidromassagem, três lavabos, duas salas de estar com ambientação diferenciada, uma sala de TV e vídeo, uma biblioteca, dois escritórios e uma grande escada em formato de caracol no estilo vitoriano que levava ao segundo andar, além da varada gigantesca que rodeava toda a casa. Era a casa dos sonhos de qualquer mortal, claro que não poderia faltar um terraço gourmet, além de um belo jardim de inverno que se localizava perto de uma saleta intima que Bella escolheu como o seu cantinho predileto e de leitura. Faltava arrumar algumas coisas na casa, mas até o final daquele mês a casa estaria pronta e perfeita para se mudarem.
Isabella não ficou surpresa, ao ver o pequeno “quartel general” montado no final do corredor, próximo ao escritório que seria de Edward, era previsto que ele reforçasse toda a segurança e com toda certeza, seria duas vezes mais eficiente e eficaz que antes.
A antiga casa de Isabella foi dada ao pai dela. Charlie e Renée estavam em processo de separação, Renée não aceitou a prisão de Tânia, a sua filha protegida e achou que a culpa era de Charlie. O fato de Charlie não ter feito nada para tirar a filha da cadeia, tornou tudo ainda pior, então à esposa o colocou para fora de casa e entrou com um pedido de divórcio.
-- Você ainda não disse o que achou da casa? - Edward perguntou a mulher enquanto dirigia de volta para casa do pai.
-- É bem grande... ...e bonita!
-- É para a nossa segurança Bella! - Edward afirma — E a de nosso filho também!
-- Eu sei! - Ela suspira — Só estou preocupada!
-- Com o seu pai?
-- Com tudo! - Isabella expõe — Você acha que agora conseguiremos ter um pouco de paz?
-- Teremos! - Edward retruca resignado — Nem que para isso eu tenha que construir um forte!
Sim, Isabella sabia que o marido faria de tudo para que eles tivessem um pouco de paz. E era exatamente isso o que ela mais desejava... ...encontrar a paz a calma e a tranqüila ao lado do marido e do filho amado.
..................
O almoço estava sendo servido no jardim, estavam todos felizes, Tony brincava animado correndo por entre os arbustos, era um inicio de tarde calma de domingo e tudo parecia perfeito, o  seu filho estava salvo, o seu marido era o homem mais lindo e carinhoso do mundo, mesmo que para a sua total infelicidade, também muito desejado pelas mulheres desavergonhadas de plantão. Ela estava casada com o homem de seus sonhos, o homem que a apoiava e a amava incondicionalmente. Tudo corria bem, Tony podia não possuir o seu sangue, mas era o seu filho amado, lhe foi presenteado por Deus.
-- Você está distante! - Edward diz beijando a testa da mulher amada — Ainda preocupada?
-- Não! Apenas agradecendo a Deus por tudo que conquistei em menos de um ano!
-- Ano cheio de turbulências! - Edward retruca — E aqui estamos firmes, fortes e juntos.
-- Para sempre! - Sussurrou.
-- Sim, para todo o sempre!
Edward abraçou fortemente a esposa e a beijou com carinho nos ombros. E desse jeito, bem juntinhos, ficam assistindo o seu menino correr e brincar, apenas torcendo que o amanhã fosse menos agitado do que os dias que se foram...



 The End...

Nenhum comentário:

Postar um comentário