Jul M

Oi

domingo, 23 de junho de 2013

Slave Of Pleasure -- Escrava Do Prazer -- Capitulo 15

O DIA SEGUINTE
POV BELLA

Eu acordei com o sol entrando pela janela do meu quarto, revirei-me na cama sentindo os meus músculos protestarem, eu estava meio dolorida, principalmente nas costas e no meio das minhas pernas... Eu sentia como se tivesse levado um belo choque, as minhas mãos voaram para “aquela parte”, só então me dei conta de que eu ainda estava nua. Meus dedos passaram por minha boceta que ainda estava úmida, é claro que eu sabia muito bem o que tinha acontecido... Eu nunca seria capaz de esquecer a minha primeira vez...  Por mais estranho que aquilo soasse para mim, Edward havia sido extremamente carinhoso comigo. Ele não foi aquele Edward frio que só queria usar o meu corpo e depois sair fora... Ele fora carinhoso, cuidadoso e teve todo o apuro para não me machucar...
Eu não me lembro de ter voltado para o meu quarto, com toda certeza, deve ter sido ele quem me trouxe para cá e me colocou na cama. Sentei-me  no tálamo esticando o meu corpo, sentindo dores por todas as partes, mas nada, nem mesmo essas dores, tiravam o meu sorriso bobo da cara. Suspirei e me levantei,  foi aí que eu notei uma única rosa vermelha em cima de um bilhete no criado mudo...
“Bom dia Isabella!
Você deve estar com o corpo todo dolorido, por isso deixei um medicamento ao lado da sua cama. Por favor, tome! O café está lhe esperando na mesa... Eu não a chamei porque você estava dormindo tão calmamente que eu fiquei com pena de te acordar.
Tome um bom banho, se precisar de mim, estarei a sua espera na biblioteca...
 E.C “
Nem vou dizer que o meu coração foi a mil quando terminei de ler o bilhete, afinal, ele havia vindo me ver cedo pela manhã, isso poderia querer dizer que ele ainda me desejava, ainda se preocupa comigo e me queria para ele... Soltei um gritinho, dando pulinhos e batendo palmas, eu estava radiante!!! Pequei a minha rosa e a levei ao nariz sentindo o seu cheiro impar e delicado... Sim, aquela era a primeira vez que eu ganhava uma rosa. Deixe-a ao lado da minha cama e corri para o banheiro, tomei um banho rápido, pois eu queria ver Edward. Quando eu saí do banheiro, fui direto escolher a roupa que usaria, peguei um vestido florido que Alice havia escolhido para mim e calcei as minhas sapatilhas, só então eu corri para sala de jantar. Pequei duas torradas, bebei dois goles generosos de suco e sai correndo em direção a biblioteca, quando  fiz menção de bater, a porta fora aberta e me deparei com uma Tânia com o rosto molhando por lágrimas e olhos bem vermelhos.
-- O que  você tá olhando sua fedelha? - Ela gritou e eu me assustei — Saia do meu caminho!
-- Tânia! - Eu só ouvi a voz autoritária de Edward vinda do lado de dentro...
A loira de farmácia passou por mim como se fosse um foguete, saindo em direção a rua... A porta da biblioteca ficou aberta e eu conseguia ver Edward, ele estava encostado à mesa com as mãos nos bolsos de sua calça caqui...
-- Entre Isabella! - Edward disse e a sua voz aparentava calma naquele instante — Acho que precisamos conversar!
Malditas sejam aquelas palavras! Sempre que alguém as pronunciava, com certeza, poderia se esperar que não houvesse um final feliz... Suspirei e caminhei a passos arrastados para o interior do compartimento, eu fui ainda mais lentamente, até ficar frente a frente a ele. Edward estava lindo, aquela manhã... Ele vestia uma camisa branca e calças caqui, que por sinal, se ajustavam perfeitamente bem ao seu corpo. Os cabelos dele ainda estavam molhados, o que indicava que  ele havia tomado banho há bem pouco tempo, os olhos verdes, estavam brilhando forte e o meu coração estava batendo a mil por hora...
-- Como está se sentindo? - Ele perguntou cruzando os braços bem na altura do peito, deixando a mostra o contorno de seus maravilhosos bíceps...
-- Muito bem! - Digo e mordo os meus lábios, eu sei que estou vermelha feito um tomate...
-- Que bom! Eu também! - Ele diz se aproximando e logo levantando o meu rosto com os seus dedos - Está com vergonha de mim? - Ele pergunta e os seus olhos estavam mais vivos ainda...
-- Não exatamente! - Digo em voz tão baixa que não passa de sussurro tenso...
-- Então por quê? – Sinto os seus dedos roçarem as minhas bochechas coradas.
-- Você me intimida um pouco! - Digo sem me dar conta.
-- E isso é ruim? - Ele tem um sorriso nos lábios.
-- Eu não sei!
 Edward suspira e  se afasta de mim caminhando em direção a sua mesa e sentando-se atrás dela. Eu escuto o ranger da cadeira e levanto os olhos para poder olhá-lo. Edward está pensativo, como se algo o estivesse corroendo por dentro... Por fim, ele suspira alto e me olha, dessa vez cruzando o meu olhar com o dele...
-- Tenho certeza de que você se lembra do que aconteceu ontem conosco... - Ele acoima — Pois bem, eu sempre joguei limpo com você e vou continua assim...
Ai merda! Lá vem bomba! Eu sei que tudo o que vai ser dito, poderá mudar a relação entre nós dois... A minha mente, inclusive, sorri de mim com caçoada, tipo me lembrando que nunca existiu nos dois... De fato ela estava certa, nunca existiu um nós dois...
--- Eu sempre deixei claro que se você fosse até o fim com isso teria que seguir as minhas regras... - Edward diz, ele está sério... - Ontem eu pedi para você me fazer parar, mas você não o fez! - Ele ficou em silêncio por alguns segundos — Eu fico feliz por não o ter feito, eu também queria muito!
Levantei a cabeça o encarando e conclui feliz que ele também me queria... Porém, mais uma vez a minha mente impiedosa olhou para mim como se dissesse claramente que ele só queria mesmo era me comer, e que eu estava sendo uma burra, por sequer, cogitar um algo mais... E mais uma vez, ela tinha razão, Edward sempre deixou claro a sua forma de agir e pensar...
-- O fato Isabella é que eu não gosto das coisas que você gosta! - Edward disse! Eu senti uma ruga se formar em minha testa e ele viu a incerteza em meus olhos — Não gosto de ménage... Isabella, eu não faço sexo com mais de uma pessoa. Não compartilho as minhas mulheres e tão pouco faço orgias...
De tudo o que ele disse, nada do que fizemos, parecia ter sido uma orgia para mim... Para a minha infelicidade, a minha mente voltou para o dia em que ele me tirou daquela festa, eu senti o meu estomago revirar, assim como senti uma vontade louca de vomitar...
-- E pelo o que eu pude perceber, você está indo por esse caminho! - Ele diz e parece triste com isso - E se você for seguir esse caminho, nós paramos bem aqui!
O quê? Então ele ainda quer continuar? Senti o meu coração ir a mil mais uma vez e então voltei a olhá-lo...
-- Eu não acho que seja como você está pensando! - Digo sussurrando...
-- Então como é? Eu vi como você ficou ao ver Nessie com o namorado e  um amigo. Eu senti a sua ansiedade ao ver o meu irmãozinho comendo a sua amiga e ainda tem o fato de parecer que você quando Jane...
Ele não terminou a sua fala, apenas balançou a cabeça como se tentasse afastar algum pensamento...
-- Mas foi você quem me mostrou aquilo tudo! - Digo e o meu tom de voz sai bem alto!
Que merda! Essa situação era tão constrangedora, parecia até que estávamos discutindo um grande negócio... Na verdade, estávamos discutindo a nossa relação sexual, fracamente aquilo era estranho...
-- Não era o que você via em seu computador? - Ele me acusou — Vídeos e mais vídeos pornográficos de todos os gêneros...
-- O que você esperava? Eu tenho 16 anos Edward, eu sou uma adolescente com hormônios  aflorando — Digo isso em um tom mais alto ainda e fico chocada com a minha coragem, agora que comecei iria até o final — E o fato de eu ter visto aquilo, não implica em que eu queira fazer o mesmo. Você já parou para pensar nessa possibilidade? — Ele me encarava profundamente, então eu me dou conta que eu estou de pé bem próximo a ele — Olhe só, eu não sei quase nada sobre sexo, o pouco que conheço, foi você quem me mostrou, afinal, a única experiência que tive foi com você! Acha mesmo que vou sair por aí trepando com qualquer idiota que aparecer em meu caminho? Eu não sou nenhuma vadia!
Eu estava ofegante e com raiva, o que ele achava que eu era? Uma puta barata que sairia trepando com um e com outro assim que perdesse a virgindade? Francamente,  eu não sou nenhum tipo de vadia nojenta, a única pessoa que me tocou em toda a minha vida foi ele. Meus olhos estão serrados e eu estava realmente com raiva...
-- E até onde eu sei, foi você quem começou tudo, seu depravado! – Eu grito furiosa...
E nesse momento Edward explode em uma gargalhada, a sua face vai ficando pouco a pouco corada e a sua respiração vai ficando agitada...
-- Do que você está rindo? - Digo indignada com a atitude dele.
-- De você! - Ele diz entre o riso e isso me deixava com mais raiva ainda.
-- Ora seu idiota! - Digo partindo para cima dele, mas Edward me imobiliza rápidamente...
-- Não imagina o quanto você fica gostosa quando está com raiva! - Edward diz jocoso...
Só então me dou conta que estou sobre a mesa, uma parte do meu corpo fora da mesa, Edward está entre as minhas pernas me deixando de certo modo exposta para ele.

-- Adoraria fuder você encima dessa mesa agora! – Edward diz! O meu corpo safado e traidor reage na mesma hora... — Mas tenho certeza que essa bocetinha apertada ainda está dolorida! - Sinto os dedos de Edward circulando a minha entrada molhada — Vamos deixar a bichinha se recuperar primeiro, depois recomeçaremos a diversão...
Eu estou ofegante, a minha face está corada e eu definitivamente estava precisando trocar de calcinha imediatamente. Edward passa os seus lábios pelos meus, roçando-os de maneira provocante...
-- Você pode pular fora a hora que quiser! - Edward explica e isso me deixa confusa, já que a sua boca estava fazendo misérias em meu pescoço - Não vou forçar você a fazer nada que não queira...
Ele só poderia estar brincando! Mal sabia ele que eu o quero, eu o quero demais... Agora que ele havia criado o monstro, ele iria ter que cuidar de alimentá-lo... E definitivamente o monstro foi desperto por ele dentro de mim...
-- Mas também, eu não vou aceitar dividir você com outro! - Edward morde o meu pescoço, eu sinto os seus dentes arranhando a minha pele — Então entenda logo de uma vez por todas, pois eu não vou repetir isso novamente! - Edward se afasta me olhando nos olhos - Essa boceta aqui, só vai ver o meu pau! - Ele toca a minha boceta com os dedos — Só haverá outro pau aqui se você desistir de ficar comigo, porque enquanto estiver comigo, apenas o meu pau entra aqui!

Merda, merda e merda mil vezes, se ele não me tocasse agora, com toda certeza eu entraria em combustão espontânea, já que a minha calcinha estava mais do que molhada, estava pingando...
-- Edward! - digo com um gemido sofrido e cheio de desejo...
-- Não! - Ele diz com um sorriso sacana no rosto — Você está dolorida, quem sabe mais tarde quando o efeito do remédio tiver feito o efeito esperado!
Edward me desse da mesa me colocando no chão, eu estava de costas para ele, então eu  grito quando sinto uma tapa em minha bunda...
-- Agora vá estudar ou descansar, sei lá! - Ele diz dando de ombros — Eu preciso trabalhar e você aqui com certeza não vai ajudar em nada...
-- Quando a tia Esme volta? – Pergunto, porém eu ainda estou ofegante e com a face vermelha.
-- Terça a noite, por quê?
-- Por nada, eu só queria saber...
-- Isabella! - Edward me chama antes que eu comece a caminhar em direção a porta — Você tem consulta na segunda-feira, eu marquei uma ginecologista para você. E outra coisa, seja discreta, a minha mãe não vai gostar nada de saber que eu ando trepando com a afilhada dela...
Estremeço só em imaginar a reação de tia Esme, isso se ela não me culpasse por seduzir o filho dela. Aceno a cabeça e saiu pensativa da biblioteca. Eu realmente tinha que tomar cuidado com aquilo, era um jogo bastante perigoso e eu poderia sair bem ferrada daquela historia, ferrada até demais... O pior é que eu não conseguia fugir daquilo, por mais que a minha mente, o lado da  razão gritasse “pare com isso!”... O lado sem noção respondia “vai em frente e aproveite!”... E era exatamente essa a parte que eu sempre ouvia... Tudo em que eu continuava pensando era que eu e Edward ainda iríamos aprontar muitas coisas juntos...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário