Jul M

Oi

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Um Erro E Dois Acerto -- Capitulo 38


Derrubando um império.

Era tão fácil para Aro fazer o que fazia. Primeiramente, ele tinha homens de confiança e segundo, ele precisava de pessoas burras o suficiente para usar e viciar nas merdas que contrabandeava. Seus homens levavam a droga para os pontos de distribuição e a partir daí odinheiro vinha fácil. Aro era um homem temido e conhecido por todos, era um cara esperto e estrategista e até aquele dia nunca havia sido pego, mas o magnata teve uma grande surpresa quando sua sala foi invadida e Edward entrou com um grande sorriso nos lábios. Os olhos frios do Volturi não conseguia entender o que estava acontecendo. Onde estavam seus seguranças? O que aconteceu para Edward Cullen estar ali? Juntamente com ele se encontravam Jacob Black e Emmett McCarty.

– Espero que não se incomode, mas preferi vir dar as noticias pessoalmente. – sorriu torto – não é muito legal ser pego de surpresa, porém como sou um homem descente vim aqui dar as boas novas. – ironia estava presente em cada palavra pronunciada por ele que puxou uma cadeira e sentou na frente de Aro. – Tenho duas noticias para você, uma boa e outra ruim. Qual deseja ouvir primeiro?

Por algum motivo desconhecido as palavras de Edward estavam deixando Aro nervoso.

– Como você entrou aqui? – perguntou suando frio.

– Isso não vem ao caso agora.

– Quero você fora da minha sala agora ou sairá morto daqui. – pronunciou cada palavra mostrando que estava com medo e em desvantagem.

– Não, não sairei porque antes mesmo de me matar esses dois... – apontou para Emmett e Jacob – Matariam você meu caro.

– Não admito que venha na minha empresa me ameaçar Cullen. – Aro rosnou.

– A vadia da sua filha infernizou a minha vida! – respondeu no mesmo tom – Ela tentou me matar, fez a minha mulher se passar por mentirosa e por doente, e o pior de tudo é que me fez acreditar. Então isso ainda não é nada comparado com o que Jane fez, mas ela vai pagar... – sorriu friamente – Vai pagar numa cadeia e com a chave da cela jogada fora.

Aro arregalou os olhos e teve certeza de que Edward havia feito algo e esse era o verdadeiro motivo de estar à sua frente. O Cullen viu o medo estampado em sua face.

– Foi bem fácil, eu diria que foi até fácil demais. – sorriu – Acabou como se dizem... Em xeque-mate.

– Do que você está falando? – O Volturi ficou de pé afastando a cadeira e Emmett e Jacob apontaram as armas em sua direção.

– Dos seus negócios ilegais. – Edward avisou – Os seus homens foram presos, sua droga capturada pela polícia e agora só falta você.

– Que droga andou cheirando seu merdinha? Ninguém nunca vai me pegar! – pronunciou alterado.

– Você acha? – Edward arqueou a sobrancelha – Vou lhe contar o que vai acontecer. – sorriu – Nesse exato momento Demetri está sendo preso pelo FBI e daqui a cinco minutos a SUAT vai invadir o seu depósito de drogas e levar tudo e todos que estiverem lá. Provavelmente, em dez minutos mais ou menos, James vai te ligar e dizer que tudo está fodido e você irá tentar fugir, mas Emmett vai meter uma bala em sua perna e você cairá e tentará se arrastar pelo chão, então Jacob vai acertar sua outra perna. A FBI entrará por aquela porta e te prenderá e eu irei sair daqui para caçar e acabar com a raça da sua filha vadia.

– Fique longe da minha filha! – Aro rosnou partindo para cima de Edward que imediatamente puxou a arma fazendo-o parar.

– Agora sente e vamos para as suas escolhas. Você pode tentar fugir, mas irá acontecer tudo isso que eu lhe disse, mas você também pode simplesmente ficar aqui e esperar o FBI chegar para leva-lo preso. A escolha é sua Aro.

Sem saída Aro se sentou na cadeira e em um ato de puro nervosismo passou as mãos pelo cabelo. Ele estava perdido, definitivamente fodido.

– Boa escolha Aro, muito boa escolha. – Edward riu.

– Por que está fazendo isso Cullen? Até outro dia você era igual a mim... – ele questionou.

– Meus planos e minhas prioridades mudaram.

– Não acredito que apenas uma boa foda tenha o deixado assim meloso e dócil. – zombou – Mas se bem que conhecendo a vadiazinha que você adotou como mulher...

– Tome cuidado com as palavras Aro porque até onde sei você não está em condições de ofender a minha mulher.

– Ela é uma menina... O que seus pais acham disso? Carlisle deve estar dando pulos de alegria.

– Já tem tempos que deixei de fazer tudo o que meu pai pedia. – sorriu com maldade – E você melhor do que ninguém sabe disso e Isabella trouxe meu lado humano de volta. – Aro lançou um olhar frio para cima de Edward.

– Mãos sobre a mesa Aro... Você não quer que eu enfie uma bala no meio de sua testa, não é?

– Diga-me, como está o seu filho? Fiquei sabendo que é um menino.

– Esse assunto realmente não é da sua conta!

A sala ficou em silêncio ate ele ser quebrado pelo toque compulsivo do telefone.

– Atenda porque é o seu capanga James. – Edward avisou e a muito contra gosto Aro atendeu o telefone usando o auto falante.

– Chefe... Fodeu tudo! – falou alterado – Os tiras estavam lá pegando as mercadorias, prenderam a droga e levaram Demetri com eles.

– Onde você está?

– Estou tentando despistar uns caras, tem dois deles na minha cola.

– Não venha para a empresa James, tire Jane... – A ligação foi cortada, pois Edward arrebentou o fio do telefone.

– Que coisa feia Aro, ajudando o seu comparsa a fugir. – O Cullen balançou a cabeça de um lado para o outro – Isso não é legal.

– Cullen você já me tem, então deixe a Jane em paz. – suplicou.

– Infelizmente eu não posso prometer nada, mas por hora sua querida filha está em segurança já que ainda não estou com ela em minhas mãos. – lançou um olhar frio para o Volturi – Tenho uma velha conta para acertar com Jane e isso é algo que irei cobrar pessoalmente.

– Você não pode... – Aro gritou partindo para cima de Edward, mas antes que conseguisse fazer algo Emmett atirou em seu ombro fazendo-o cair sentado em sua cadeira.

A porta fora aberta bruscamente e os oficias entram na sala. O detetive Adam olhou para o homem que tinha as mãos ensanguentadas e o rosto pálido devido a perca de sangue. Edward levantou da cadeira com um aceno de cabeça cumprimentando o detetive e depois sorriu.

– Ele é todo seu detetive... Agora estamos quites Adam e não lhe devo mais nada. – Edward explicou.

O detetive nada disse, apenas viu Edward e seus seguranças saírem da sala. Adam sabia que o Cullen podia ter vários defeitos, mas o cara tinha classe. Usando um terno azul marinho e a gravata da mesma cor ele deixou o local com a elegância de um homem poderoso. Edward estava mais relaxado agora que parte do problema estava resolvido, porém ainda faltava a outra parte que envolvia uma loira com cara de anjo e olhos azuis profundos e que a essa altura já sabia de tudo o que estava acontecendo.

– Para onde vamos chefe? – Jacob questionou.

– Vamos para casa. – sorriu para o amigo que estava no banco da frente do seu carro – Quero ver a minha mulher e o meu filho.

– Claro!

(...)

Jane assistia tudo do lado de fora do prédio onde funcionava a empresa de fachada do pai.  Ela viu o momento exato que a policia invadiu o lugar e logo depois quando Edward Cullen deixou o prédio juntamente com os seus seguranças. Usando óculos escuros ele entrou na Mercedes preta que estava estacionada na frente do prédio. Os olhos da loira estavam vermelhos de raiva, ela apertava com bastante força o volante do carro que as veias de suas mãos estavam visíveis. Em câmera lenta, Jane observou tudo o que ocorreu em seguida, após a partida do Cullen. Primeiramente os seguranças saíram algemados e foram colocados dentro do carro da policia, logo depois seu pai saiu com a camisa branca que usava por baixo do terno negro toda manchada de sangue e o rosto bem pálido.

– Aaaaaaaaaaaaaaaaaah! – gritou socando o volante com tanta força que chegou a quebrar duas de suas unhas perfeitas – Você vai me pagar caro Edward Cullen!

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário