Jul M

Oi

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Noites De Tormenta -- Capitulo 24 -- Preciso Dizer Que Te Amo!


Preciso dizer que te amo!

Edward passou o resto do dia na casa dos pais. Anthony contou toda a história para Esme e isso a deixou muito chateada com o filho, principalmente por ele ter omitido por tanto tempo esse fato e mesmo assim ainda poupou alguns detalhes. Ela estava magoada com ele, porém ainda assim não o colocou para fora de casa. No final do dia Edward estava prestes a voltar para sua residência enquanto sua mãe estava trancada no quarto junto com Anthony e Carlisle não aceitou conversar com ele.

– Anthony precisa de você. – Edward disse ao pai.

– O que ele fez não tem perdão. – alegou.

– Ele ainda é o seu filho.

– Edward, ele me decepcionou tanto... – Carlisle murmurou.

– Nunca se perguntou por quê? – Carlisle o olhou em confusão. – Pai você se esqueceu que tinha dois filhos e dedicou amor somente a mim enquanto Antony fazia de tudo para chamar sua atenção.

– Isso não justifica as atitudes erradas dele.

– Você brigava com Anthony o tempo todo e nunca o elogiou, um gesto de carinho era tudo que ele queria.

– Edward...

– Anthony precisa de você mais do que nunca. – caminhou para a porta. – Diga à mamãe que volto amanhã para ver ela. Pai... – chamou a atenção de Carlisle. – Resolva seu problema com meu irmão... Essa é a hora.

(...)

Heide estava no apartamento vazio, a garota sabia que a polícia estava atrás de si e tudo que não queria era ser pega.  Ela não queria ser presa, mas a essa altura era o que aconteceria, pois as câmeras de segurança do hospital acusaram-na, assim como as câmeras da rua em que Isabella trabalhava. A jovem estava em uma bela saia justa e teria que explicar porque fora na livraria uns minutos antes do acidente.

Bella observava cada passo da Volturi e nessas horas era bom ser invisível. Ela sorriu diabolicamente, esse seria o momento perfeito para atormentar a velha víbora. Imediatamente começou a acender e apagar as luzes do apartamento e Heide ficou bem assustada com isso.

– Fiação elétrica vagabunda. – sussurrou para si mesma.

Isabella sorriu, pegou um vaso e jogou em direção a jovem que pulou e gritou de susto. Para Swan essa era uma verdadeira diversão já que ouviu tantas vezes Edward a chamar de fantasma e agora estava se comportando como uma alma penada. Heide se encontrava completamente desesperada e corria de um lado para o outro devido às traquinagens de Isabella.

– Ahhhhhhhhhhhh. – gritou apavorada quando a porta começou a bater sozinha – O que está acontecendo aqui? – disse assustada.

A porta fora aberta de repente e Edward entrou no apartamento.  Sua primeira reação foi de susto ao ver Heide ali e a segunda foi a raiva que apoderou de seu corpo. Ele partiu para cima dela aos gritos.

– O que você está fazendo aqui sua assassina? – gritou segurando-a pelo pescoço e apertando-o. – Eu vou te matar sua vadia de merda!

Os olhos de Heide estavam arregalados e ela já começava a ficar vermelha. Suas mãos tentavam em vão soltar as mãos de Edward do seu pescoço, o aperto dele era bem forte e ela começou a se debater contra o corpo do rapaz, pois cada vez mais era difícil de respirar.

– Edward você vai matá-la! – Isabella avisou ao seu lado.

– A intenção é essa. – rosnou – Essa vadia tentou te matar duas vezes então isso é mais do que justo.

Os olhos de Bella se arregalaram perante a revelação do Cullen já que ela não sabia e nem se lembrava de nada do acidente. Heide, por sua vez, não entendia com quem Edward estava falando e ainda lutava para soltar de seu aperto.

– Matá-la não é a solução. – Bella disse por fim – Se ela morrer você será preso.

– Bella...

Bella? Heide não entendia porque Edward estava chamando pela namorada em coma. Será que ele havia ficado louco depois de tudo que acontecera?

– Edward você será um assassino igual a ela. – Isabella gritou.

Foi com essas palavras que o Cullen soltou o corpo de Heide que escorregou pela parede até atingir o chão. Edward parecia estar em choque, pois as palavras de Bella eram verdadeiras, se ele a matasse seria um assassino e em momento algum queria isso pra si. Não iria descer ao mesmo nível que a Volturi.

–Você sabe que é muito melhor do que Heide. – Bella murmurou chorando.

– Por favor, não chore. – Ele sussurrou.

Heide estava perdida em uma cena em que não entendia absolutamente nada. Com quem Edward falava? Enfim ele havia ficado louco? Ela não tinha respostas para suas perguntas, mas lhe parecia mesmo que ele conversava com alguém. A garota ficou de pé rapidamente e saiu correndo pela porta que se encontrava aberta. O jovem Cullen telefonou para a portaria, mas já era tarde... Heide conseguira fugir sabe-se lá para onde.

Não demorou muito e a polícia já estava no local. O detetive Lian se encontrava presente para falar com Edward e pegar o seu depoimento. Quando toda confusão havia sido finalizada ele tinha ido procurar por Isabella “fantasma”, mas ela não estava em lugar algum e então achou melhor tomar um banho, pois precisava relaxar. Logo, logo Isabella estaria de volta. Ele tomou um banho rápido, lavou os cabelos e tirou a barba que há muito tempo não era feita, depois saiu do banheiro suspirando alto, pois queria sua amada de volta, mas não sabia quando ela voltaria. Edward queria passar a gravidez ao lado dela, mimando-a e lhe dando muito carinho, porém ela ainda dormia. Vestiu a calça do pijama e fora direto para a cama, não sentia fome e havia alguns dias que não comia direito. Assim que se aconchegou sobre o colchão macio o seu celular tocou.

– Cullen! – disse ao atender a ligação.

– Edward aqui é o Phill, o médico da Isabella.

– Phill o que aconteceu?

– Venha para o hospital imediatamente e aqui lhe digo tudo.

– Isabella está bem? Aconteceu alguma coisa com o bebê? – perguntou aflito já pegando uma roupa para vestir.

– Aqui conversaremos direito Edward. – avisou e desligou o telefone.

(...)

Edward entrou no hospital parecendo um louco correndo pelos corredores em busca do médico de Isabella. Assim que avistou Phill foi em sua direção.

– Phill o que aconteceu? – Questionou nervoso e segurando o braço do médico –Cadê a Isabella?

O médico olhou para o rapaz que parecia desesperado e então sorriu gentilmente removendo as mãos dele de seu braço. Puxou Edward em direção a janela do quarto de Isabella e ele ficou completamente mudo. Sua amada estava sentada sobre a cama e sendo ajudada por uma enfermeira a se alimentar.

– Ela acordou! – exclamou eufórico e completamente feliz.

– Sim, ela acordou sem seqüela alguma. Foi como se tivesse apenas dormido por esse tempo todo... Isabella abriu os olhos, perguntou onde estava e chamou por você.

– Por que não me avisou assim que ela acordou?

– Não tem muito tempo... – justificou – Ela quis primeiro tomar um banho e escovar os dentes, pois disse que estava se sentindo suja. – suspirou. – Como eu lhe disse antes, ela parecia que estava dormindo. Levantou-se normalmente e fiquei bastante surpreso com isso.

– Ela parece ótima. – disse sorrindo.

– Entre... Ela quer ver você. – Phill avisou – Edward ela já sabe sobre a gravidez já que a barriga estava bem visível, então nem dava para esconder. – ambos sorriram.

Edward caminhou em direção ao quarto de Isabella, abriu a porta e lentamente viu a enfermeira se afastar. Ele entrou no local e os olhos de Isabella seguiram em sua direção até que ele estivesse ao seu lado na cama. A emoção estava estampada pelos rostos de ambos. Ela tinha os olhos grandes e cheios de lágrimas, a face estava meio rosada e para alguém que passou quatro meses dormindo ela estava ótima e linda. No fim de tudo se encontrava bem, com saúde e viva... Isso era o que importava.

– Senti sua falta... – Edward sussurrou tocando o seu rosto com devoção, perdendo-se em seus lindos olhos castanhos.

– Eu amo você! – Isabella respondeu deixando uma lágrima solitária rolar por sua face serena.

Continua...

Um comentário:

  1. Continuação?? Por favor?? Essa historia é PERFEITA! Eu simplesmente amei ela. Parabéns vc escreve super hiper mega BEM!! :)
    Espero que continue.. Bjos
    By: Vick Theodoro

    ResponderExcluir