Jul M

Oi

sábado, 23 de fevereiro de 2013

O Casamento -- O Novo Contrato -- Capitulo 15



“Você enfeitiçou meu corpo e minha alma, eu te amo, te amo, te amo!”
                           – Orgulho e Preconceito, 2005


MOMENTOS!


 O corpo de Edward estava por cima do corpo de Isabella, ambos se moviam em um ritmo lento e prazeroso. Os gemidos eram abafados pelas bocas de ambos que estavam coladas uma na outra. As mãos de Isabella estavam nos cabelos de Edward, o seu corpo se movia em uma perfeita sincronia ao dele. Pela primeira vez, em muito tempo, eles estavam fazendo amor! Não era sexo era amor e Edward estava sendo muito mais carinho do que de costume. A cada nova investida os corpos dos dois tremiam juntos. A cada nova gota de suor que brotava em suas peles, a demonstração de que estavam prestes a chegar ao clímax. E foi o que aconteceu, em uma cadência calma e lenta, mas cheia de amor, ambos gozaram liberando o prazer e se entregando por completo um ao outro.


--Eu amo você! - Isabella sussurra feliz.

A menina estava deitada com a cabeça no peito do rapaz, sentindo as pontas dos dedos dele em suas costas em um carinho feito com muita delicadeza e devoção.

-- Eu também amo você! - Edward diz e beija os cabelos dela — Acho que gostei de você desde o começo! Você era tão teimosa e tão assustada com as coisas do mundo! - Edward a abraça com força — Eu senti vontade de te proteger, mas estava determinado a não me envolver.

-- E o que mudou? - Isabella pergunta radiante.

-- Você! Você mudou tudo! - Edward assente dando mais um beijo em seus cabelos — Eu odeio ter que estragar esse momento, mas temos que voltar, Tony está com Sue e já é tarde.

Fora como levar um choque, Bella saltou para fora da cama, catando suas roupas. Ela sempre agiria assim quando o assunto fosse Tony? Nem ela mesma saberia dizer, mas o sentimento que ela nutria pelo menino era o de amor de mãe. Edward acompanha a namorada e em menos de quinze minutos ambos estavam banhados e vestidos. Bella sentiu o seu rosto rubro quando Edward fora fechar a conta do motel. Sim, estavam com tanta presa que acabaram entrando no primeiro motel que viram no caminho. Assim que Edward voltou para perto dela ambos seguiram para casa.
....
O sol já entrava pela janela quando Tony invadiu o quarto dos pais que ainda dormiam. O menino estava tão animado que se jogou encima do dois com tudo correndo o sério risco de se machucar.

-- Ooootchu! - Edward grunhiu acordando atordoado — Tony você não deveria fazer isso! Pode se machucar! - Edward o adverte, passando as mãos pelo rosto.

 Ambos estavam pelados por baixo das cobertas, a noite deles fora longa... Edward e Isabella ainda transaram e também fizeram amor quando chegaram a casa. Esse era o principal motivo de estarem tão cansados, foram dormir quando o dia começava a nascer...

-- O que é isso? - Tony pergunta apontando para o membro de Edward que estava caído e sem vida.

-- Essa mesma coisa que você tem aqui no meio das suas pernas! Edward disse divertido tocando o membro de Tony por cima do seu pijama — Só que o do papai já é grande! - Edward completa, era impossível não notar o orgulho na voz dele.

Nessa hora Isabella se mexeu na cama deixando um pouco do lençol que cobria o seu corpo escorregar, permitindo a visão de suas costas nuas e de uma parte do seio direito, algo que Tony não deixou de notar.

-- Mamãe tem peito grande! - O menino cometa fazendo Isabella acordar  de vez.

-- Merda! - Bella xinga e olha para Tony que tinha uma mão na boca e outra balançando como se ela tivesse feito algo errado — Desculpe-me! - Ela sussurra assim que percebeu o que tinha dito — A porta estava aberta?

-- Acho que esquecemos! - Edward anui ficando de pé, já pegando a sua cueca e a vestindo — Venha Tony deixe a mamãe se vestir! - Edward pede e pega o menino em seu colo sorrindo ladino — Os peitos da mamãe são grandes e gostosos!

-- EDWARD! - Isabella grita e ele corre junto com o menino para fora do quarto.
...

-- Definitivamente você tem que parar de dizer essas coisas para o Tony! - Bella dá uma bronca em Edward enquanto coloca a jarra de suco sobre a mesa — Ele só tem cinco anos Edward e você fala com se ele fosse um adulto.

-- Tony vai crescer Bella! - Edward pondera. O menino estava em sua uma cadeira ao lado da mãe — É bom que ele seja educado para isso desde  cedo, assim não cometerá mancada quando grande! — Edward dá de ombros... — Eu não vejo nada demais em dizer essas coisas para ele, não vou contar mentiras e nem me venha com essa de cegonha, é ridículo!

O rosto de Isabella estava em vermelho vivo, à menina estava morrendo de embaraço e raiva. Edward não tinha a menor  vergonha e se ela deixasse ele daria um manual de sexo para menino que só tinha cinco anos. O resto do café fora calmo, Tony terminou e foi brincar no jardim. Bella ficou  preparando o almoço na cozinha. Charlie viria para visitá-los. Edward estava preso no escritório resolvendo alguns assuntos sobre as novas campanhas. Quando Charlie chegou, Edward fez companhia ao futuro EX e novamente sogro, assim como Tony conversou animadamente durante horas com Charlie, a quem passou a chamar carinhosamente de vovó Charlie, fato que deixou Charlie todo bobo e encantando pelo menino. Quando o almoço fora servido estava tudo perfeito, Bella tinha feito algo simples, porém delicioso para todos saborearem, ela preparou um escondidinho de frango com arroz e salada de verduras na chapa. Para a sobremesa, ela aprontou um maravilhoso pudim de chocolate, já que era o predileto de Tony. Quando o almoço chegou ao fim Edward e Charlie sentaram-se na sala para tomar uma dose de um licor que Edward tinha comprado no tempo em que Isabella e ele ainda eram casados. A conversa com Charlie corria fácil, mas Edward não podia esquecer que Charlie ainda estava meio chateado com tudo o que havia acontecido entre ele e Isabella.

-- E o que vão fazer dessa vez? - Charlie perguntou preocupado — Porque segundo a lei vocês ainda estão separados!

-- Charlie, eu sei que já disse isso para você uma vez! - Edward articula — Mas estou falando a mais pura verdade, eu amo a sua filha e somente a quero fazer feliz!

-- Sim! Você disse isso da primeira vez, e, no entanto, vocês se separaram!

-- Eu sei! - Edward assente — Contudo, eu estou aqui! Eu estou lutando para não a perder de novo! - Edward olha para Charlie que suspirava nervoso, por mais incrível que parecesse... — Quero me casar de novo com Isabella. Eu a quero como minha única mulher, mãe do Tony e dos outros filhos que ainda poderemos ter. Eu vou lutar por isso, custe o que custar... — Charlie fixou o seu olhar em Edward e pareceu supresso com a sinceridade do rapaz — Deixei Bella partir uma vez da minha vida, mas duas, eu não vou deixar...

-- Eu só quero que você faça a minha filha feliz! - Charlie diz sincero — Ela já sofreu demais, não a faça sofrer de novo!

-- Darei minha vida para que isso não aconteça Charlie! - Edward promete — Eu amo a sua filha! Somente desejo o bem dela, assim como você, sem dor e sem sofrimentos. Eu cuidarei disso pessoalmente — Edward fica de pé — Por favor, me acompanhe até ao meu escritório, quero conversa com você algo sério!
...
Charlie fora embora no final da tarde, Bella estava com Tony no jardim, o sol ainda estava se pondo quando Edward chegou e se juntou a eles.

-- Carlisle ligou! - Edward diz sentando-se atrás de Isabella na  espreguiçadeira e a abraçando forte — Ele nos chamou para jantamos em sua casa. Festinha para Jasper, afinal, ele se casará na semana que vem.

-- Por mim tudo bem! - Bella diz se aconchegando nos braços dele, enquanto Tony brinca sentado no chão com um carrinho bate-bate...

-- Tudo bem! - Edward concorda — Não vamos demorar muito por lá! – Ele comunica — Apenas não quero bancar o filho desmancha prazeres ou o primo chato – Ele ri.

-- Muito nobre de sua parte! - Isabella anui rindo — Porém duvido muito que alguém se influa com isso!

-- O que você quer dizer? - Edward pergunta olhando para ela.

-- Que você já tem fama de chato! - Ela estava gargalhando divertida.

-- Que gentil da sua parte amor! - Edward diz cínico e a ataca fazendo uma divertida guerra de “cosquinhas” por todo o corpo da jovem.

-- Não! Edward pare! - Bella diz se contorcendo nos braços dele.

-- Aaaah!  - Tony grita batendo palmas — Cosquinhas na mamãe! Papai eu também quero fazer cosquinhas na mamãe!

Não havia duvidas que fossem perfeitos juntos! Mais ainda havia muita coisa sobre o passado de Edward que Isabella não sabia! O único problema era saber se Edward iria querer falar sobre isso com ela. Eram uma  família feliz! Edward já tinha deixado bem claro para Charlie que não perderia Isabella de novo e estaria disposto a tudo para que isso não acontecesse...

Continua...

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Um Erro E Dois Acertos -- Capitulo 39


Acontecimentos.

Edward chegou em casa mais cedo, antes da oito da noite. O dia fora realmente calmo na empresa e parecia que as coisas caminhavam em uma ótima direção. Depois da prisão de Aro Volturi tudo estava mais calmo e a única coisa que lhe preocupava era saber que Jane Volturi ainda estava solta. A verdade era que ele queria acertar as contaspessoalmente com a jovem loira de olhos azuis e com o rosto de anjo.

– Marta, onde está Isabella? – Edward perguntou ao notar a casa tão silenciosa.

– Ela está no quarto senhor... O menino dormiu mais cedo e ela foi para o quarto. – explicou e Edward deu um sorriso para a senhora de idade – Ainda precisa de mim senhor?

– Não Marta, você já pode se recolher se desejar.

– Não irei dormir em casa. – a senhora avisou – Tenho uma reunião com uns velhos amigos e vou passar a noite por lá.

– Divirta-se então, mas peça para um dos seguranças leva-la, pois não quero você andando a essa hora da noite sozinha pelas ruas escuras.

–Claro senhor! – ela concordou.

– Marta... Você me viu crescer e é como se fosse da família, então pode parar de me chamar de senhor. – repreendeu rolando os olhos.

– Desculpe-me, é o costume menino. – a senhora sorriu.

– Tenha uma ótima noite Marta.

– Você também menino.

(...)

Edward entrou no quarto sem fazer nenhum barulho. Isabella estava sentada na cama terminando de arrumar a roupinha do pequeno Nick quando sentiu a presença do Cullen no quarto.

– Você já chegou! – exclamou sorrindo e olhando para ele deixando de lado  as pequenas peças de roupas.

– Sim... – Edward lançou o seu sorriso torto – O que está fazendo?

– Só organizando algumas roupas do Nick. – explicou dando de ombros como se não fosse nada demais. A garota ficou de pé, deu um sorriso e caminhou em direção ao amado que estava parado do lado da porta. Edward não deixou de notar que ela usava uma camiseta branca e uma calcinha de renda preta, o qual o deixou com água na boca.

– Vou tomar um banho rápido. – anunciou passando as mãos pelos cabelos logo após balançar a cabeça para afastar os pensamentos perversos.

– Deixa que eu te ajudo. – ela ofereceu assim que ele começou a desfazer o nó da gravata.

As pequenas mãozinhas da jovem Swan se apressaram em retirar o terno do Cullen deixando-o cair no chão e colocando a gravata dele em seu próprio pescoço com um sorriso matreiro nos lábios, só então começou a desabotoar a camisa branca do rapaz que já tinha a respiração alterada. Isabella sabia ser travessa quando queria, e, nesse momento, o que mais desejava era seu homem lhe dando prazer, possuindo seu corpo em qualquer lugar daquele quarto.

– Por que tenho a sensação de que você está me provocando? – perguntou segurando uma mecha do cabelo da jovem.

– É porque eu estou. – sussurrou depositando um beijo no seu peito já desnudo.

– Foi o que pensei... – gemeu assim que ela mordeu a pele do seu pescoço.

Isabella sorriu e seguiu um caminho de beijos pela barriga do rapaz dando uma atenção especial aos mamilos, provocando-os com a língua antes de continuar descendo com a boca. Rapidamente abriu a calça e a puxou juntamente com a cueca que ele usava por baixo deixando livre o seu membro que já dava sinais de vida. Olhando para ele, por cima dos cílios, a garota pegou entre às mãos o membro já rijo do noivo movimentando-o para cima e para baixo, hora rapidamente, hora bem lentamente. Edward estava se deliciando com essa carícia, hora sussurrava palavras incoerentes e hora gemia de tanto prazer. Assim que o pau do rapaz estava bastante duro e o pré-gozo já começava a melar a cabecinha do mesmo, Bella caiu de boca em seu membro, fazendo-o gemer alto com o seu ataque brusco. Ela o lambia deliciosamente, o arranhava com os dentes e contornava-o todinho com a língua deixando-o bem molhando. Edward já rolava os olhos de tanto prazer e de repente levou suas mãos para os cabelos da noiva e começou a mover o quadril de encontro à boca da jovem fodendo-a devidamente, entrando e saindo cada vez mais rápido e mais fundo.

– Bella já chega. – ordenou ofegante assim que estava prestes a gozar – Bella pare agora.

Edward a puxou e viu que a garota não conseguiu conter um bico de decepção por ele ter interrompido sua diversão.

– Não quero gozar na sua boca... – justificou se livrando dos sapatos e das meias e jogando as peças em um canto qualquer do quarto – Quero gozar dentro da sua boceta gostosa. – disse tocando Isabella no meio das pernas e apertando com os dedos o clitóris da menina que gemeu imediatamente com o contato. – Acho que você está com roupa demais Srta. Swan.

Não demorou muito e os dois já estavam unidos.  O sexo não era nada carinhoso. Eles não estavam fazendo amor e sim fodendo um ao outro. Era puro desejo... O corpo de Edward estava sobre o de Isabella e ele investia cada vez mais forte dentro de sua fenda molhada fazendo a cama balançar.

Os beijos eram urgentes, assim como a necessidade que um tinha do outro. Edward metia cada vez mais fundo, de forma brusca e selvagem fazendo Isabella gritar de prazer. As mãos da menina arranhavam as costas do noivo deixando o sexo ainda mais selvagem. Eles se moviam no mesmo ritmo tentando chegarem juntos ao êxtase do prazer. A boca dela estava colada na dele em um beijo cheio de desejo e urgência, assim como todos os seus movimentos. Edward investiu o quadril varias e varias vezes fazendo o seu membro ir fundo e preencher Isabella por completo que gemia cada vez mais em sua boca. Os corpos de ambos estavam suados e pegajosos, mas os movimentos continuavam firmes e cada vez mais rápidos. O rapaz começou a sentir o corpo de sua amada tremer dando sinal de que ela estava prestes a gozar.

– Goza para mim, amor. – ele sussurrou investindo ainda mais forte e mais fundo em sua boceta.

– Edward ooooooohhhhh! – gemeu gozando e lambuzando o membro de Edward enquanto tremia e gritava o seu nome.

Edward ainda deu mais quatro estocadas e gozou chamando pelo nome da amada e deixando o seu corpo cair sobre o dela.

(...)

O Cullen saiu do banheiro secando os cabelos com a toalha enquanto Bella estava sentada na cama e dando de mamar para o pequeno Nick, pois o bebê havia acordado antes da hora e o único jeito fora dar o peito para ver se ele dormia.

– Como está o meu garotão? – o pai perguntou sem conter o orgulho na voz.

– Faminto. – ela respondeu – Parece com você. – provocou sorrindo.

– Oh minha querida, eu sempre fui muito guloso. – entrou na provocação – Gosto de comer tudo, tudo mesmo. – lançou um sorriso diabólico e os olhos de Isabella se arregalaram porque a garota sabia muito bem do que ele estava falando, pois já tinha algum tempo que Edward havia tirado a virgindade de sua bunda, mas depois disso nunca mais tentaram nada já que ela achou desconfortável e estranho e ele não voltou insistir.

– Ele dormiu... – disse depois de um tempo – Vou leva-lo para cama.

– Tudo bem... Esperarei você na cama. – avisou cheio de malícia.

Assim que Bella voltou o noivo estava deitado na cama esperando por ela. Edward lhe deu um sorriso doce e lhe ofereceu a mão para que subisse na cama e se juntasse a ele, passou os braços em volta dos ombros da garota e deitou em posição de conchinha de modo que sua cabeça ficasse na curva do pescoço dela.

– Daqui a dois dias você será a Sra. Cullen. – sussurrou em seu ouvido.

– Eu sei. – falou sorrindo.

– Está nervosa?

– Um pouco.

– Eu também... Nunca gostei da ideia de casar. – admitiu e ela girou entre seus braços para poder ficar de frente para Edward e poder olhar em seus olhos.

– Como assim? – perguntou meio na duvida.

– Eu odiava a ideia de um relacionamento e casamento. – explicou encolhendo os ombros em um pedido de desculpas.

– Me conte o porquê. – pediu curiosa.

– Eu morei em Londres durante um bom tempo... – começou passando os dedos pelas bochechas rosadas de Isabella – Não é nenhuma história romântica Bella.

 – Quero saber mesmo assim... Se é sobre você eu quero saber.

– No tempo em que morei lá fiz faculdade e foi aí que conheci Emmett... Jacob  eu já conhecia. Foi em Londres também que conheci Jane Volturi. – Isabella enrugou a testa assim que ouviu o nome da mulher que quase acabou com todos os seus sonhos. – Eu achava que estava apaixonado por Jane, pois vivemos um amor intenso e insano. Gastei todo o meu dinheiro da herança por parte da minha mãe que meu avô havia deixado... Eram festas, jantares e presentes, tudo do mais caro que o dinheiro poderia comprar. – fez uma pausa – O meu dinheiro acabou e fiquei sem nenhum centavo no bolso, então Jane sumiu sem deixar nenhum rastro. – suspirou – Meu pai foi atrás de mim, pagou minhas dívidas e me trouxe de volta para casa... Só quando cheguei aqui foi que descobri que Jane era filha do Aro Volturi e eu quis lhe destruir tudo, só para me vingar dela e deixa-la sem nada assim como ela fez.

– E então você deixou de acreditar no amor. – Isabella sussurrou.

– Foi. – concordou – Eu poderia ter a mulher que quisesse Bella... Bastava apenas estralar os dedos que elas caiam aos meus pés. – balançou a cabeça – E isso era por raiva, tudo por culpa de Jane e um erro meu. Eu não sabia o que era um relacionamento, só queria me divertir, foder as mulheres sem compromisso algum e depois descarta-las como se não fossem nada.

– E o que mudou? – questionou curiosa.

– Você! – tocou-lhe o rosto com ternura – Você com seu jeito irritante e petulante que não sabe ficar quieta. – ela sorriu – Com essa língua solta e a mania de me desafiar e me provocar a todo o momento. Você mudou tudo em minha vida Bella... Quem diria que algum dia eu fosse ficar completamente apaixonado e louco por uma menina que mal saiu das fraldas? – brincou sorrindo.

– Eu tenho o meu charme senhor Cullen.

– Tem sim minha querida... E como tem! – deu um casto beijo em seus lábios – Você mudou tudo em mim, me fez voltar a viver e me fez desejar ser feliz ao seu lado. Veja só! Estou a dois dias de me prender a ti para sempre. – Isabella sorriu emocionada – Você me deu o melhor presente da minha vida, o Nick. – disse com ternura na voz – Um bebê... Uma parte nossa que irei amar para sempre, assim como você minha pequena menina travessa.

– Também irei te amar para sempre Edward Cullen. – declarou o abraçando e o beijando.

– Já está tarde. – avisou beijando a testa dela – Vamos dormir porque amanhã o dia será cheio.

Com muito bom grado Isabella se aconchegou nos braços do noivo descansando a cabeça contra o travesseiro e recebendo as carícias do amado até que o sono a dominou por completo.

(...)

O grande dia havia chegado. Um pequeno altar fora montando no jardim e algumas cadeiras colocadas ali, era uma cerimônia simples, apenas para a família e amigos já que Isabella não tinha parentes. Nessie seria a sua dama de hora e a decoração estava linda com flores brancas espalhadas por todo o jardim. No altar se encontrava o padre que os casariam, Esme e Carlisle. Na pequena fileira de cadeiras estava Emmett, Jacob, Rose e Marta, cada qual sentado em seus lugares. Marta tinha o pequeno Nick nos braços o qual vestia um terninho branco com uma gravatinha azul. Edward vestia um tradicional smoking preto e estava em frente ao altar, ele se encontrava muito nervoso e não podia negar que esse era um grande dia, o qual nunca mais esqueceria. Era o dia em que Isabella seria sua para sempre.

– Ela já irá entrar. – Esme disse tentando acalmar o filho.

– Eu sei. – Edward falou torcendo as mãos uma na outra – Mas precisava mesmo demorar tanto?

Uma melodia soou assim que Nessie apareceu no jardim usando um vestido vermelho longo e os cabelos soltos cheios de cachos, os quais deixavam a jovem ainda mais bonita. Atrás dela se encontrava Isabella que usava um vestido branco coberto em renda que Rose fez sobre medida para a jovem. Ela estava linda e Edward não conseguia tirar os olhos da noiva que tinha um sorriso bobo nos lábios e caminhava sozinha para o altar. Esse era o grande dia e nada estragaria isso para nenhum dos dois.

– Você está linda! – Edward sussurrou ao pegar em sua mão.

– Você também!

Fora  uma cerimônia rápida e discreta e a parte mais emocionante fora os votos dos noivos, os quais fizeram algumas lágrimas rolarem pelo rosto de Esme  e de Bella.

– Eu, Isabella Mary Swan prometo te amar todos os dias do meu respirar e estar ao seu lado sempre, te darei meu colo quando precisar e também chamarei sua atenção quando for conveniente. Nunca irei te abandonar e independente da situação estarei com você, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, até que a morte nos separe para nos unirmos novamente mais à frente porque meu amor por ti sempre será maior do que tudo que há nesse mundo. Prometo te amar sempre, todos dias e  inclusive nos feriados. – brincou sorrindo ao dizer a ultima frase.

Edward estava emocionado e havia algumas lágrimas em seus olhos que não chegaram a cair. Ele limpou a garganta  antes de pronunciar seus votos.

– Eu, Edward Masen Cullen prometo ser fiel todos os dias da minha vida e prometo também nunca te abandonar. Sempre ficarei ao seu lado e sempre te apoiarei no que for preciso. Prometo te dar carinho e amor todos os dias e te alegrar sempre que estiver triste. Prometo honra-la sempre. Irei te amar na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, em todos os dias da minha vida porque te eu amarei até o meu último respirar.

Isabella chorou diante de tamanha demonstração de amor. Edward estava muito feliz e seus olhos brilharam ainda mais quando ele colocou a aliança no dedo de Isabella e ela no dele.

– Pelo poder a mim investido eu os declaro marido e mulher! Sr. Cullen, pode beijar a noiva. – o padre anunciou.

Fora um beijo calmo e casto regado a lágrimas de felicidades. Isabella ainda chorava quando Edward limpou algumas gotas em seu rosto e deu vários beijos no local o que fez a menina sorrir. Todos estavam emocionados, pois fora um casamento simples, porém incrível. Após várias sessões de fotos e da tradicional valsa o almoço fora servido. Apesar de tudo estar saindo como planejado o casal ainda não teria sua lua de mel, pelo menos até que Nick  estivesse um pouco maior.

– Hora de dar de mamar! – Bella disse assim que ouviu o choro de Nick pela babá eletrônica – Volto já... – deu um casto beijo no marido o deixando radiante de felicidade juntamente com a família.

(...)

Fora algo bem rápido, afinal a jovem loira não tinha mais nada a perder, pois tudo o que tinha lhe fora tirado, o pai estava preso e o dinheiro em posse do FBI. Por incrível que pareça, foi fácil demais enrolar os seguranças da mansão Cullen já que era um dia de festa e quem iria dizer que a jovem muito bem vestida não era convidada da família? Edward tinha um olhar sombrio sobre Jane que possuía um sorriso brilhante nos lábios e estava acompanhada de James que ajudou a amarrar todos os Cullen e os convidados do casamento.

– Eu irei matar você sua vadia! – Rose gritou com os pés e mãos amarrados, assim como os outros.

– Cale a porra da boca sua loira burra! – Jane ameaçou – Acho melhor calar a boca ou mato você agora mesmo. – gritou.

Esme estava bastante nervosa com a situação, pois Jane apontava uma arma para todos que estavam ali e James tinha saído da sala para cumprir uma ordem da jovem.

– Edward, você deveria pelo menos ter me mandado o convite do seu casamento. – provocou chegando perto do rapaz – Seu cretino! – a garota deu um tapa na cara do Cullen que estalou alto.

– Pare com isso. – Esme gritou diante a cena.

– Senhora Cullen, até que você é uma pessoa legal, gente boa... Pena que seu filho não é como você – a Volturi comentou tocando o rosto da mulher com a arma – E eu vou ter que mata-lo. – sorriu diabolicamente.

 – Sua desgraçada, tire as mãos da minha mulher! – Carlisle soltou um grito.


– Cale a boca seu fodido! – Jane virou-se com ódio para Carlisle – Você é tão culpado quanto o desgraçado do seu filho... Ele começou tudo e eu só estou terminando.

– Você está louca. – Rose esbravejou.

– Louca e com sede de vingança... – Jane avisou – Onde está a vadia da sua mulher? – perguntou ao dar falta de Isabella – Cadê aquele bastardinho que tem como filho? Será que ele é mesmo seu filho? Acho que a piranha da tua mulher deve ter chifrado você com um segurança, afinal eu faria isso.

A garota estava perturbada e não havia duvida nenhuma nisso. A agitação do momento misturada com toda a sua raiva e sede de vingança estava mexendo consigo.

– Fique bem longe da minha mulher! – Edward berrou agitado e Jane mais uma vez bateu em seu rosto só que dessa vez com o cano da arma. A pancada foi tão forte que feriu a testa do rapaz e um filete de sangue jorrava pelo machucado.

– Cale a boca... Cale a merda da boca. – a Volturi bradou – Você não manda em nada aqui! – sorriu diabolicamente – Hum... Vamos ver quem eu mato primeiro... Você... – apontou para Edward – Vou deixa-lo por último assim como a puta da sua mulherzinha, pois quero que os dois sofram.

(...)

Bella ouviu um grito vindo da sala e rapidamente trancou a porta do quarto onde Nick dormia. Com muito cuidado passou pelo corredor até chagar a escada e assim que chegou ali conseguiu ver Jane Volturi armada e ameaçando o marido e toda a sua família. Jane não iria destruir a vida de Bella, não nesse dia tão importante. Suspirando Isabella olhou para o anel dourado que tinha em seu dedo anelar, a garota tinha se casado pela manhã e não iria deixar seu sonho ser destruído.

– Eu vou acabar com você. – sussurrou baixinho.

Enquanto isso Jane gritava e batia em Edward sempre que ele revidava algo que ela dizia.  A garota estava tão distraída que não viu quando Isabella desceu a escada e em um ato de loucura e extrema coragem a atacou.


– Vadia! – Bella gritou dando o primeiro tapa na cara de Jane e derrubando a arma que ela segurava. – Eu vou acabar com a sua raça... Sua cadela! – berrou partindo para cima da loira enchendo-a de tapa e tudo que podia, ela puxou Jane pelos cabelos e a jogou bruscamente no chão. Os gritos eram ouvidos por toda a sala principalmente quando Isabella montou sobre o seu corpo e a estapeou com vontade não dando chance alguma para a Volturi se defender.

– Isso é por você invadir minha casa! – falou dando um tapa bem forte na cara de Jane – E isso é por me fazer passar por louca... – deu um murro em sua barriga e depois vários tapas em sequencia. – E por tentar matar o meu marido. – gritou dando um soco em sua boca.

O rosto de Jane estava todo inchado e seu nariz sangrava muito. Ela tentava se soltar de Bella, mas a jovem estava com muita raiva e só queria descer a mão na cara da loira.

– Já chega! – James gritou atirando no teto e Isabella arregalou os olhos enquanto Jane estava caída no chão abaixo do seu corpo e praticamente sem força alguma.

– Levanta-se. – James ordenou – Mãos na cabeça e se junte com os outros... Você consegue se levantar Jane?

– Essa vadia quase acabou comigo. – respondeu ainda deitada no chão.

Ninguém viu ao certo o que aconteceu, mas rapidamente James se encontrava desmaiado no chão. Marta, a empregada da casa, tinha uma frigideira nas mãos e havia batido com muita força na cabeça do homem que agora estava caído no chão. Bella pegou arma que Jane havia deixado cair e apontou para a loira que levantou as mãos em um ato de rendição.

– Marta, chute essa arma para longe desse canalha e me ajude a amarrar essa vadia e esse idiota – Bella pediu.

Marta ajudou a amarra-los e  depois soltou todos que estavam rendidos.

– O que você tinha na cabeça Isabella? – Edward disse bravo, porém aliviado – Ela poderia ter a matado.

– Jane estava mais preocupada em machucar você do que a mim. – a esposa rebateu – E ninguém ameaça a minha família e sai impune.

– Você é muito teimosa. – Edward falou passando as mãos pelos cabelos de Bella – Mas eu te amo mesmo assim.

Emmett e Jacob estavam cuidando de tudo e logo a polícia chegaria para deter os dois criminosos.  O dia já chegava ao fim e havia sido bastante agitado, agora o que o casal mais queria era apenas uma boa noite de sono. Enfim parecia que tudo estava em seu lugar, que haveria paz para os dois e para todos...

Continua...