Jul M

Oi

sábado, 1 de dezembro de 2012

Um Erro E Dois Acertos-- Capitulo 33


Uma vida!

Isabella ainda dormia. Esme estava com a garota dentro do quarto e do lado de fora Edward tinha a companhia do pai, dos amigos Jacob e Emmett e até de sua irmã Rosalie, todos tentavam lhe passar palavras de conforto, mas aquilo estava sendo em vão, pois ele se sentia o pior o homem do mundo, o mais miserável possível e como se já não bastasse ainda tinha que acertar contas com um certo médico que colocou  a vida de sua amada e de seu filho em risco.

– Edward? – Carlisle chamou atenção do filho – Vamos pensar com calma, pois se você for direto ao ponto Stefan pode dizer que foi um erro médico ou algo assim e o que realmente quer saber é quem mandou que ele fizesse tudo isso.

Realmente essa era a intenção de Edward, saber quem estava envolvido por trás dessa mentira, mas um nome já ecoava em sua cabeça, agora só precisava de provas antes de fazer qualquer coisa.

O sol já estava alto no céu quando Isabella acordou, Esme estava ao seu lado e sorriu para a menina assim que a viu com os olhos abertos.
                     

– Você já sabe? – Bella perguntou tentando se levantar.

– Fique deitada querida. – Esme disse se levantando rapidamente para impedi-la. – Sim, eu já sei! Você esteve certa o tempo todo. – Murmurou tristemente, mas Isabella apenas sorriu levando a mão boa até a barriga que já mostrava um volume bem maior. – Sinto muito, eu devia ter acreditado em você afinal somos mulheres e sabemos muito bem quando estamos grávidas ou não, nosso sexto sentido não falha.

– Cadê o Edward? – Questionou fazendo com que Esme a encarasse ainda com o rosto molhado pelas lágrimas que caiam.

– Está lá fora. – Mordeu os lábios. – Bella, eu acho...

– Quero vê-lo. – Interrompeu a sogra. – Por favor, Esme peça para ele entrar.

– Eu...

– Por favor!

– Verei o que posso fazer Bella.

Esme saiu do quarto fechando a porta atrás de si e assim que surgiu no corredor todos a olharam, Edward foi o primeiro a ficar de pé, pois ao notar seu rosto molhado percebeu que havia acontecido algo.

– Ela acordou e deseja ver você Edward. – Murmurou sendo abraçada por Carlisle.


Ele sentiu um aperto no peito porque não estava pronto para encara-la, depois do que aconteceu ela deveria estar no mínimo o odiando e com toda certeza estava querendo acabar com tudo que havia entre eles.

– Seja forte. – Jacob incentivou tocando o seu ombro.

– Vai logo e encare tudo isso de frente.

– Ela nunca vai me perdoar. – sussurrou tristemente – Ai! – gemeu levando a mão na cabeça onde Rose acabava de bater.

– Pare com isso! – Rose disse irritada – Eu no lugar dela te chutaria até a morte seu cretino, mas por algum motivo ela deseja ver você. Pelo amor de Deus Edward, tenho certeza que já saiu de situação bem pior que esta, então largue de bancar o pobre coitado e encare esse problema de frente. – esbravejou enquanto todos a olhavam – O que acha que ela vai fazer? Gritar com você? Te chutar? Francamente! Você sobreviverá a tudo isso, só diga o que sente e Bella te entenderá, ela está esperando um filho seu Edward.

Ele caminhou em direção ao quarto, bateu na porta e depois abriu se deparando com Isabella deitada na cama com o braço imobilizado sobre o peito e com o outro acariciava sua barriga levemente inchada.
              

– Oi. – Edward disse meio tímido e com vergonha de Bella, tanto que não conseguia nem olhar em seu rosto.

– Oi. – respondeu dando um largo sorriso. – Vem aqui, quero você mais perto.

Edward atendeu ao pedido da garota, ele devia isso a ela. Era o mínimo que podia fazer já que a negou tantas coisas nos últimos meses.

– Sua mão, me dê sua mão. – Isabella pediu.

Ele a olhou sem entender nada, a confusão estava estampada em seu rosto e ela apenas sorriu e estendeu a mão que não estava machucada para Edward que a pegou prontamente. Assim que a tocou sentiu um choque elétrico percorrendo todo o seu corpo e Isabella colocou a mão dele junto com a sua sobre o ventre levemente inchado.
                                        

– Esse é o papai! – ela sussurrou para a sua barriga – Agora você poderá sentir os carinhos dele também.

Quem disse que homem não chora mentiu, mentiu cegamente porque Edward Cullen chorou, chorou por estar sentindo pela primeira vez a barriga da mulher, chorou por ela estar falando com tanta ternura sendo que ele não merecia, chorou por ter se deixado levar, por ter feito tudo errado e não acreditado nas palavras de Bella e por isso acabou cometendo vários erros e perdendo alguns momentos que não poderia recuperar.

– Está tudo bem. – Sussurrou sorrindo para ele.

– Eu não te mereço! – chorou e caiu de joelhos ao lado da cama colocando sua cabeça ali – Você não deveria me perdoar assim tão fácil.

– Hey, pare com isso. – tentou chamar sua atenção, mas ele não a olhou mesmo assim ela tocou em seus cabelos lhe fazendo um carinho – Eu te amo!

As palavras o pegaram de surpresa, mas Isabella se sentia mais leve por ter dito aquilo, apesar de tudo ela estava muito feliz e ninguém poderia estragar isso, nem mesmo o que aconteceu no passado, pois no fundo Edward também fora enganado. Era muito mais fácil para ela acreditar na gravidez porque sentia seu corpo mudar a cada dia, sabia que havia vida ali dentro, já para ele era mais complicado, pois Stefan era um médico famoso e bem renomado, mas a alegria que a garota estava sentindo fazia com que se esquecesse de tudo. Um filho crescia em seu ventre, havia uma parte de Edward e isso sim era um motivo para estar feliz e sorrir, deixando o que aconteceu no passado.

(...)

Bella recebeu alta no dia seguinte, ela realmente não precisava ter ficado internada, mas Edward, assim como o médico, achou melhor deixa-la em observação. O problema era que agora ela precisava de um novo médico para acompanhar sua gravidez e Edward estava matutando um jeito de conseguir arrancar algumas respostas do velho doutor Scott.

– Menina! – Marta disse sorrindo – É tão bom tê-la de volta. – abraçou-a pela cintura – Como está? E essa criaturinha aqui, está bem? – acariciou seu ventre.

Isabella sentiu os olhos se encherem de lágrimas, depois que todos passaram as saber que a gravidez era real as atenções se voltaram para ela e sua barriga que já exibia certo volume e sempre que alguém tocava seu ventre ou perguntava pelo bebê acabava se emocionando.

– Ah, não chore querida. – Esme fez um carinho em seus ombros – Vamos Bella, você precisa descansar. Marta nos ajude com as malas.

 – Claro. – Respondeu já pegando a pequena maleta das mãos de Esme. – O senhor Edward ligou e tem uma surpresa para você no quarto.

– Por que ele não foi me buscar? – Isabella perguntou limpando o rosto com a mão boa.

– Edward saiu cedo Bella e tenho até medo de saber o que ele foi fazer. – Esme explicou.

Não foi preciso de mais detalhes para a menina saber o que ele fora fazer, pois ficou bastante revoltado ao saber que estava sendo enganado por Stefan. Estava magoado consigo mesmo por ter feito Isabella sofrer e o que mais queria agora era saber quem foi que armou tudo isso para cima deles, para então descontar toda a sua raiva.

(...)

No quarto havia vários buquês de flores vermelhas, essa era a surpresa de Edward para Isabella que ficou muito emocionada, principalmente porque seus hormônios estavam à flor da pele e por qualquer coisa já estava chorando. Ela se lembrava de como foi difícil esses meses que se passaram onde eles praticamente nem se falaram, algumas vezes via que Edward entrava em seu quarto a noite para ver como ela estava, ouviu várias vezes ele sussurrando que a amava e que faria qualquer coisa para que ela não sofresse, mas Bella sentia seu bebê crescendo em seu ventre, sabia que ali dentro existia vida e ao ouvir, em uma noite dessas, da própria boca de Edward que ele também desejava um filho foi o que fez com que não desistisse.

Flash Back ON

Já era mais de uma da manhã quando Edward entrou no quarto de Isabella, ele achava que ela já estava dormindo, mas a garota estava bem acordada. O rapaz tocou os seus cabelos e fez um carinho em suas costas enquanto ela mantinha os olhos fechados e respiração calma, o seu rosto ainda estava úmido, sinal de que havia chorado antes de adormecer.

– Você não tem ideia do quanto estou sofrendo. – sussurrou tristemente – Daria minha vida só para te fazer feliz minha querida. – seus dedos acariciaram o cabelo da garota. – Eu também queria que fosse isso tudo fosse verdade, queria que estivesse um filho meu crescendo aí dentro de você, eu daria bem mais que minha vida só para te ver sorrindo novamente.

Edward ficou calado depois disso, porém manteve os carinhos que fazia na garota, tanto em suas costas quanto em seus cabelos, depois de um tempo se retirou do quarto, mas não antes de beijar a testa da sua amada. Isabella chorou muito depois que ele saiu, ela sentia um enorme aperto no peito por estar longe dele e foi depois desse momento que planejou a fuga para um hospital a fim de fazer um exame e provar toda verdade a Edward.

Flash Back OFF

Foram essas palavras que a levaram a não ficar com raiva de Edward, sua atitude deu força para que continuasse acreditando que havia mesmo um bebê em seu ventre incentivando ir adiante mesmo quando tudo parecia dizer o contrário. Ela olhou em volta do quarto admirando as inúmeras rosas vermelhas, assim como as várias pétalas no chão e viu que sobre a cama havia um bilhete em seu nome. Ao pegar o papel reconheceu a letra do namorado e foi impossível conter um sorriso.

“Desculpe minha querida por não ter ido lhe buscar no hospital, mas sei que você está em ótimas mãos e para me redimir fiz do nosso quarto o seu jardim particular. Não demoro, logo estarei em seus braços.”
 Beijos do seu Edward Cullen.

Bella guardou o cartão dentro do seu livro preferido que ficava ao lado da cama, perto da cabeceira. Esme e Marta a deixaram sozinha curtindo seu momento de felicidade, depois de tudo que passou nada mais justo do que um dia de alegria. Ela se livrou dos sapatos e do casaco pesado jogando-os no chão, pegou uma rosa e sentiu seu perfume, ficou andando pelo quarto e recordando o ambiente já que ela passou  alguns dias longe daquele lugar e estava tão distraída que nem notou quando a porta fora aberta. Edward entrou no quarto encontrando Isabella na varanda olhando para o jardim, começava a chover e o inverno estava chegando, pois a temperatura havia caído e ficou preocupado ao notar que ela não usava nenhum casaco.

Isabella sentiu o cheiro do perfume de Edward e assim que virou o rosto encontrou-o parado ao lado da porta que dava para sacada, ela sorriu e correu em sua direção pulando encima dele e fazendo os dois caírem no chão do quarto.

– Por favor, não faça isso! – Suplicou segurando-a sobre si. – Não nesse estado em que se encontra.

Isabella sorriu radiante e apenas ignorou a ordem do namorado tomando sua boca em um beijo delicioso, ela sentia muita saudade daquela boca,  daquele cheiro, daquele gosto que só Edward tinha. O beijo não era nada calmo e sim urgente, cheio de saudade e desejo, Isabella o queria tanto que não sabia se aquilo era desejo de grávida ou de mulher apaixonada, sem contar que ficaram sem fazer amor por muito tempo e o que ela mais queria agora era aplacar essa vontade.


Continua...

2 comentários:

  1. cap muito lindo eu amei!!paresce que ate q em fim eles vao poder viver em paz,sua fic e linda vc escreve muito bem

    ResponderExcluir
  2. Ai amei esse caapitulo mt lindo !!!!!!!!!! Parabéns Jul m vc é d+++++++++=

    ResponderExcluir