Jul M

Oi

domingo, 18 de novembro de 2012

O Casamento-- Capitulo 26-- Complicado!


COMPLICADO!

Alguns dias havia se passado desde a demissão de Tia da casa do Cullen. Anthony continuava frequentando assiduamente o consultório de seu psicólogo, Bella sempre levava o menino. Algumas vezes, Anthony tinha crises, ele se recusava a sair de casa, seu coração acelerava assim como sua respiração, o medo era algo visível em seus olhos, mas com calma Bella tentava conter o pequenino e não deixar com que o pânico tomasse conta dele. Quando isso acontecia, Bella ficava em casa com ele, Edward claro, ligava praticamente de cinco em cinco minutos para poder saber noticias do menino. Stefan vinha até o apartamento para poder consultar o menino e tentar resolver esses crescentes ataques de pânico. E naquela manhã não fora diferente, Anthony teve mais uma de suas crises, Bella estava no quarto com ele, Edward se recusou a sair de casa, ligou para empresa avisando que não iria trabalhar e mandou Lauren trazer-lhe, em casa, as pendencias, documentos e contratos, porque naquele dia trabalharia em sua casa.
Bella estava sentada do lado do menino em seu quarto, Anthony estava coberto dos pés a cabeça e algumas vezes Isabella podia jurar que via seu pequeno corpo tremer por baixo do cobertor.

-- Como ele está? Edward perguntou entrando no quarto.

-- Do mesmo jeito! Ela disse com a carinha triste — Vai ficar tudo bem, já, já ele vai estar sorrindo e correndo pela casa toda!
-- Pode mantê-lo aqui no quarto? Edward perguntou e Isabella olhou-lhe confusa — Lauren está a caminho para deixar alguns documentos aqui, não gostaria que ela visse meu filho!

Bella não gostava muito de Lauren antes de ela se tornar a secretaria do marido, mas agora, passou a gostar menos ainda. Quase ninguém sabia sobre Anthony, fora a família, ninguém sabia que o jovem Cullen era filho de Edward, que protegia muito o menino das pessoas de sua empresa e de rumores que pudessem prejudicar a criança.

-- Sem problemas! Ela disse dando um sorriso gentil — Liguei para Stefan, ele vem consultar Anthony aqui em casa!
-- Melhor assim! Ele disse indo até onde ela estava e sentando-se ao seu lado da cama, enquanto fazia carinho nas costas do filho — Desta forma ele não precisa sair de casa!
-- Ficará tudo bem Edward! Bella disse tentando tranquilizá-lo, afinal para Edward era tudo tão novo, até outro dia, ele nem se quer sabia que o filho tinha essa doença, e, agora tinha que lidar com tudo isso, talvez não conseguisse passar por isso sem a ajuda dela — Ele está bem, ele vai ficar bem!
-- Eu sei! Ele disse segurando a mão dela e a beijando — Obrigado por cuidar dele, não sei o que faria sem você aqui!

Bella apenas sorriu e sentiu as bochechas ruborizarem, Edward saiu do quarto deixando a mulher e o filho na cama, não demorou muito para que Stefan chegasse e a nova consulta começar com o pequeno Anthony!
.....
Emmett estava com Edward na biblioteca, seria impossível dizer qual o motivo da cara feia do jovem Cullen, ele parecia bastante irritado.

--Vamos lá Edward, não é o fim mundo! Emmett disse com ironia — Até onde eu sei esse casamento é apenas um contrato.
-- Esse cara! Ele disse bastante nervoso — Eu sei que ele é o médico do meu filho, que está ajudando a ele, mas ele precisa ser todo atirado para o lado de minha esposa!

Emmett olhou para o amigo, com um sorriso disfarçado, não acreditando no que estava ouvindo, e nem na cena que tinha visto minutos atrás, na qual Edward beijou Isabella na frente do médico do filho, só pra mostrar que a jovem Swan tinha dono!

-- Está com ciúmes? Emmett perguntou já debochando — Eu não acredito que o todo poderoso Edward Cullen está com ciúmes.
-- Não seja tolo! Ele disse ríspido — Apenas acho que não tenho vocação para corno! Isabella é minha por quatro longos anos e será apenas minha! Disso, você pode ter certeza.
-- Edward Cullen, sempre pensado com cabeça de baixo mais do que com a de cima! Emmett disse rindo — Mas sinto lhe dizer que, infelizmente, você não conseguiu me convencer...
-- Não importa! Ele disse dando de ombros — Apenas lembre-se que ninguém faz Edward Cullen de bobo.
.....
Já era noite quando Emmett foi embora, ele ainda jantou com eles, e claro, não tirou os olhos da jovem Swan e nem do amigo. Edward ignorava o fato, mas ele não! Era notável que o amigo estava mais alegre, mais vivo do que antes. Ele estava mais carinhoso com o seu filho, coisa que poucas vezes deixou transparecer. Fora o fato de ser atenciosa com a esposa, agindo ambos como uma família feliz, uma família de verdade. A família que fora negada a Edward quando criança, uma família que ele estava podendo dar para o seu filho, e a ele mesmo. Era uma pena que ele ainda não conseguia ver isso com seus próprios olhos. Ele não conseguia ver que seu casamento não era mais um simples contrato com data de vencimento.

-- Ele dormiu! Bella disse entrando no quarto — Que cara é essa? Ela perguntou ao ver a face raivosa dele.
-- O que está acontecendo entre você e esse Stefan? Ele fora direto ao ponto.
-- Nada! Ela disse sem entender — Ele é o médico de Anthony, apenas isso!
-- Ah, jura! Ele exclamou irônico — Você já percebeu como ele te olha Isabella, cai na real, o cara está dando encima de você.

Ele estava irritando, entrou no closet procurando algo que nem ele mesmo sabia o que era...  Isabella permanecia de frente para a cama, sem entender o que fora tudo isso que acabara de acontecer. Não demorou muito Edward saiu do closet sem nada nas mãos, e se enfiou debaixo das cobertas. Isabella conseguiu sair do estado de choque em que se encontrava e fez o mesmo, trocou de roupas e vestiu sua camisola feia e sem formas indo pra cama deitar-se.
....
O sol ainda nem tinha nascido direito e Edward já se encontrava de pé, na verdade ele não dormiu nada, sentiu a falta do corpo de Isabella e por algum motivo que ele mesmo não saberia explicar, ele não parou de pensar no Doutor Stefan e sua mulher juntos... Era cinco da manhã quando ele saiu da cama indo para o quarto do filho e ficando um pouco com menino que ainda dormia calmamente na cama. Voltou por o seu quarto por volta das seis e meia, encontrando Isabella ainda na cama dormindo como um anjo, o anjo mais lindo que ele já vira. Edward suspirou em frustração, passou a noite toda sentindo vontade de abraçar o corpo dela, e dormir no estilo conchinha com ela. Era assim que estava sendo nos últimos dias, eles dormiam abraçados e acordavam com Anthony invadindo o quarto. Em uma dessas invasões, Anthony quase pegou o pai e a “mãe” em pleno ato de sexual, por muita sorte e velocidade Edward conseguiu sair correndo para o banheiro e Isabella se enrolou rápido no lençol.
Mas o orgulho do homem era tão grande que ele se recusava em dar o braço a torcer, afinal eles não tinham brigado. Ele que fora dormir chateado, ele que viu coisas onde não existia, fora ele quem começou toda uma discussão a qual Isabella não via sentindo, Stefan era o médico de Anthony e era assim que Isabella o via, apenas como o médico de Anthony e era assim que iria continuar sendo...

-- Bom dia! Edward disse frio ao a ver acordada na cama.
-- Que horas são? Ela perguntou se espreguiçando.
-- 6h50mim! Ele disse terminando de arrumar a gravata — Pode dormir se quiser ainda é cedo!

O tom podia ser formal mais ainda assim ele se preocupava com ela. Isabela girou no colchão macio, se espreguiçando novamente e então saiu da cama.

-- Eu sei! Ela disse passando por ele e indo para banheiro — Mas preciso fazer algo agora pela manhã!

Foi como se Edward tivesse levando um choque, um choque forte porque seu corpo virou em direção da porta do banheiro que ainda se encontrava aberta.

-- O que vai fazer agora de manhã? Ele perguntou, sua cabeça ainda cheia de pensamentos turvos e inseguros.
-- Irei até a minha casa! Ela disse — A reforma terminou Edward, preciso ver como ficou tudo!
-- Entendo! Ele disse mais desconfiado ainda — Eu deixo você lá!
-- Não precisa! Ela disse saindo do banheiro enrolado apenas em uma toalha — Eu vou de taxi e aproveito e levo o Anthony para Escola.

Edward a encarava como se tentasse achar alguma mentira em suas palavras e em sua feição. Foi neste momento que eles ouviram um grito e saíram correndo do quarto. Anthony estava sentando na cama chorando abraçando ao travesseiro junto de seu ursinho.

-- Está tudo bem, shiiiiiiii... Está tudo bem meu amor, mamãe está aqui com você! Bella disse carinhosamente o abraçando e o aninhado em seu colo—shiiiiiii. Só foi um sonho ruim amor!

O menino soluçava. Edward estava ao lado dele. As mãos de Isabella tentavam acalmar o menino fazendo carinho em suas costas. Edward olhava tudo se sentindo impotente. Depois de algum tempo Isabella conseguiu fazer o menino dormir. Ela o carregou  para o quarto do casal e o colocou sobre cama.

-- Você vai eu fico! Ela disse — Apenas avise Jasper!
-- Não é justo! Edward disse vendo o filho dormir agora muito mais calmo, depois de acordar chorando e tremendo de medo — Ele é meu filho Isabella, você não precisa perder seu dia de trabalho e adiar seus compromissos por minha causa ou por causa do Anthony.

Ele estava preocupado, de uns tempos para cá Anthony passou a ter mais crises de pânico, ou pelo menos começou a apresentar mais frequentemente as crises, já que ele ainda não havia desenvolvido por completo a doença, era apenas o princípio de tudo, mas no ritmo que andava logo ele seria diagnosticado com essa doença.

-- Ele é meu filho! Ela disse olhando Edward — Pode não ter saído de dentro de mim, mas é meu filho de coração.

Edward não teve palavras para rebater o que ela disse, ele ficou ao lado do filho até a hora  ir para empresa, dando um beijo na cabeça do pequeno, Edward se levantou da cama olhando para Isabella.

-- Eu quero saber de tudo! Ele disse — Qualquer mudança, qualquer coisa Bella, me avise!
-- Claro! Ela disse mordendo lábios — Vou manter o celular perto é só me ligar, não se preocupe estarei com ele o tempo todo.
-- Obrigado! Ele disse beijando a testa dela e a abraçando pelos ombros — Cuide dele por mim, ele é a minha vida!
-- Vou cuidar! Ela disse o abraçando de volta — Te vejo a noite!
....
O dia não fora nada calmo para Edward, ela estava sendo gentil com Lauren, mesmo a jovem passando a maior parte do tempo se jogando para ele. Edward passou o dia entrando e saindo de reuniões. Jasper estava sem secretaria, então ele chamou a noiva para lhe ajudar, pois o dia estava muito atarefado e corrido. Carlisle, assim como Edward, ligava para Isabella entre os intervalos das reuniões.  Carlisle estava preocupado com neto, por incrível que pareça, Edward havia conversando com o pai, ele não escondeu que estava preocupando e com saudades do pequeno Anthony, e ainda se culpou por não ter notado as mudanças que ocorriam na vida do filho, os nuances da doença que o estava acometendo. Carlisle nunca tinha visto o filho assim, tão desarmado sem aquela postura arrogante e vestido em sua armadura a qual ninguém conseguia penetrar, ninguém, além do pequeno Anthony e Elizabeth e pelo o que Carlisle vinha notando, Isabella havia conseguido penetrar n essa armadura também.

-- Mais calmo, agora? Carlisle interrogou — Stefan esteve em sua casa, eu conversei com ele por telefone e tanto ele quanto Isabella afirmaram que tudo está normal! Anthony está bem!
-- Bem? Meu filho teve duas crises de pânico em menos de três dias e esse cara diz que é normal! Edward falava pelos dentes.
-- Edward, Stefan é médico! Ele exclamou — Isabella disse que conversaria com você em casa!
-- Se não tivesse essa reunião agora, eu já estaria em casa! Ele disse se virando e entrando na sala de reuniões e assim começando mais uma reunião enfadonha.
....
Já passava das oito da noite quando Edward saiu da sala de reuniões acompanhado de outros acionistas e sócios da empresa. Edward mal se despediu dos sócios, saiu com pressa em direção ao elevador indo direto para o estacionamento. Edward tirou a chave e apertou o alarme destravando o carro e assim entrando para logo em seguida dar a partida e ir para casa. Ele entrou em casa e encontrou Isabella na sala com a TV ligada e Anthony dormindo em seu colo, a criança parecia calma e ela sorriu assim que o viu entrando.

-- Ele dormiu! Ela sussurrou fazendo um gesto de silêncio para ele.
-- Irei levá-lo para o quarto! Edward disse carregando o filho no colo.

Tal ato lhe proporcionou uma das melhores sensações por ele já experimentada, Edward se sentiu vivo, e ali com seu filho nos braços, se sentiu mais forte, porém o medo ainda o rondava, a situação ainda exigia muitos cuidados. Ele ficou um bom tempo com o filho no quarto até que saiu e foi para seu quarto encontrando Isabela na cama lendo um livro.

-- Stefan pediu para o levarmos ao consultório! Bella disse — Ele vai refazer os exames.
-- E mesmo preciso? Ele perguntou e sua expressão era de alguém cansado.
-- Talvez Anthony não tenha a síndrome do pânico! Edward arregalou os olhos tamanha a surpresa — Stefan não tem certeza, por isso pediu para levamos Anthony ao consultório.
-- Então pode haver uma chance dele não ter essa doença? Bella isso é ótimo! Ele disse andando em direção à cama onde a jovem se encontrava.
-- Não é tão bom assim! Ela disse com certa preocupação — Pode ser algo mais grave, algo mais sério.
-- Ele é só uma criança! Edward sussurrou sentando na cama e levando suas mãos para os cabelos em um gesto de preocupação — Eu não sei mais o que fazer!
-- Vai dar tudo certo! Bella disse o abraçando pelas costas e o puxando para o seu colo — Vai ficar tudo bem! Vamos superar isso tudo juntos!


Edward nada disse, apenas permaneceu deitado com a cabeça no colo da mulher, sentindo seu carinho em forma de cafuné, tal ato o acalmava até o ponto em que o cansaço dominou seu corpo e sua mente o fazendo cair no mundo dos sonos. De fato a vida deles não estava sendo nada fácil, nada comparado ao que se espera da vida de recém-casados, pois não tinham nem um ano de convivência, mas a surpresa era que, juntos, eles estavam conseguindo superar as dificuldades, o que era admirável visto que o casamento deles não passava de um contrato...

Bella e Edward estavam sentados na sala de espera do consultório de Stefan, Anthony ainda não havia saído de lá. Não havia se passado ainda nem meia hora que eles estavam ali, mas para eles já pareciam uma eternidade. Ambos ficaram de pé quando Stefan apareceu na porta junto a Anthony, sua assistente pegou o menino e o levou em direção à máquina de suco. Edward e Isabella entenderam isso como sinal de que era hora deles entrarem.

-- O que ele tem? Edward fora direto ao ponto, ambos já estavam sentados na cadeira em frente à mesa do médico.
-- Primeiro eu gostaria de saber se menino andou passando por algum tipo de pressão emocional, ou algo relacionado a isso? Stefan perguntou analisando alguns pápeis que ele tinha em mãos.
-- Há algum tempo atrás, nossa antiga emprega andou dizendo coisas que não devia para ele! Edward disse — Mas o que isso tem a haver com toda a situação?
-- O que exatamente essa emprega andou dizendo?
-- Ela falou que eu não sou a mãe dele! Bella disse — Inventou uma história horrível de que assim que eu tivesse meu próprio filho mandaria Anthony para um colégio interno somente para me livrar dele! — Bella disse sentindo seu peito apertar — E sabe-se mais lá o que ela disse a criança.
-- Senhor e Sra. Cullen! Stefan disse — Eu receio que essa empregada tenha ajudado a desencadear alguns dos sintomas da síndrome do pânico.
-- Como? Ambos falaram juntos.
-- Anthony tinha apenas uma simples suspeita de síndrome, e de fato ainda tem mais! — Stefan olhou para papéis em suas mãos e voltou a olhar para eles — Ele anda sentindo uma dor no peito, e sente medo de morrer, ele passou a ter uma espécie de sentimento de indiferença, me desculpem, mas já é o terceiro sintoma, normalmente quando passamos para o quarto sintoma é porque a pessoa já possui a síndrome.
Edward estava pálido assim como Isabella, ela suspirou alto e Edward sem perceber apertou as mãos dela que estavam próximas a ele.
--- Ele ainda está no estado de desenvolvimento da mazela — Stefan disse — Mas vocês terão que tomar mais cuidado a partir de agora.
-- Como? Seja mais claro! Edward disse.
-- Sr. Cullen, a rotina do menino é monótona, ele faz sempre as mesmas coisas, Anthony precisa sair, precisa ver gente, precisa ter contato com outras pessoas.
-- Mas saímos com ele! Edward sussurrou.
-- Não está sendo o bastante! Stefan disse — Coloque o menino na natação, leve ele toda tarde ao parque o matricule em uma alguma atividade extracurricular fora da Escola, não sei, tipo judô, futebol, algo que seja bom pra ele. E mais importante ainda, que ele esteja sempre com a família! Recomendo mais passeios em família.
-- E isso vai ajudar?
-- Sim, bem mais do você poderia imaginar! Stefan disse — Continuaremos com as consultas, só que agora passará a ser de três vezes por semana, Anthony deve fazer algumas aulas de desenho ou pintura, o incentive a desenhar os seus medos e suas angustias, assim fica mais fácil sabermos com o que estamos lidando.
.....
Bella e Edward fizeram o caminho de volta para casa em silêncio, a única voz que se ouvia era a de Anthony brincado com seu boneco de ação, ele parecia tão calmo, uma criança normal, uma criança feliz. Nem Bella e nem Edward foram trabalhar naquela sexta feira, assim que eles chegaram a casa Anthony correu para a sala de jogos indo jogar o seu novo jogo no Playstation 4 novo dele. Bella estava envolvida em seus pensamentos, não diferente de Edward, só que Edward estava preso a pensamentos de culpa. Passou tanto tempo sem prestar atenção direito no menino que agora parecia ser meio tarde para tentar mudar algo.

-- Edward! Bella entrou no escritório dele, local que também funcionava a biblioteca da casa  — Precisamos conversar!
-- Tem que ser agora? Ele perguntou.
-- Sim agora! Ela entrou e fechou a porta atrás de si.
-- Bella, eu não estou com cabeça para falar sobre nada nesse momento.
-- E sobre Anthony! Ela disse ganhando assim a atenção dele.
-- O que tem o meu filho?
-- Nosso! Ela o corrigiu — Nosso filho Edward! — Ele olhou pra ela a tristeza estava viva em seu olhar — Stefan disse que ele precisa conviver com mais gente, certo?
-- Sim!
-- Ele precisa fazer algumas atividades criativas ou físicas, além das que já faz na Escola — Bella comentou — Vamos nos mudar!
-- O quê? Ele disse sem entender.
-- A minha casa...
-- Bella eu não acha que seja uma boa...
-- Deixe-me falar! Ela pediu o calando — Edward, você nunca entrou em minha casa, ela é tão ou mais espaçosa que esse apartamento, Anthony precisa de um maior espaço para poder correr e fazer bagunça. Um jardim pra poder brincar e se sujar, quem sabe podemos até dar um cachorrinho para ele. Aqui preso nessa cobertura não dá!
-- O que você sugere?
-- Que nos mudemos o mais breve possível! Ela disse temendo a reação dele — A minha casa fica em um bairro nobre, ok, de classe média, mas ainda dá para vivermos lá. Ela tem quatro suítes, dois banheiros sociais, uma cozinha, a sala de jantar e a sala de TV, um escritório-biblioteca além de um belo jardim com um grande quintal cheio de árvores onde podemos construir uma casa na árvore para Anthony, ele vai gostar!

Edward manteve-se calado por mais louco que fosse tudo aquilo, ela tinha razão, já estava na hora dele abandonar aquela cobertura, afinal ele estava casado e tinha um filho, precisava de uma casa não de um apartamento para um solteiro esnobe.

-- Nos mudamos no domingo! Ele disse fazendo Isabela soltar um grito e pular de alegria — Convide meu pai e a mulher dele, vamos fazer um jantar só para a família.
-- Sua mãe?
-- Chame-a também, Emmett deve ir, e não se esqueça de seu chefe e a noiva dele!
Ela sorriu brilhante, e levada pela alegria, ela se jogou no colo dele o abraçando pelo pescoço e enchendo seu rosto de beijos.
-- Vamos fazer algo normal e simples! Ela disse sorrindo ainda em seu colo — Anthony precisa da família.
-- Ele já tem uma família! Edward disse tocando seu rosto — Você é a melhor mãe que eu poderia dar a ele! Obrigado por cuidar tão bem do meu filho, que dizer de nosso filho.

Um sorriso nasceu nos lábios de Isabella e Edward acabou sorrindo também, com as mãos segurando o rosto dela, usando as pontas dos dedos ele acariciou os lábios da jovem, antes de tomar sua boca em um beijo calmo e delicioso.

 Isabella corresponde ao beijo sem protestar, as mãos dela fora parar nos cabelos dele, e uma das mãos dele agarrou a cintura da mulher  puxando seu corpo mais para o seu colo. O beijo que era calmo ficou urgente, os corações que batiam calmos ganharam um ritmo mais acelerado, assim como a respiração deles, logo as mãos de ambos ficaram inquietas e começaram a vagar pelos corpos um do outro. Quando as caricias passaram a ser mais ousada, eles ouviram Anthony gritar:

-- Papai, mamãe a Sue vai servir o jantar! Anthony disse do lado de fora da biblioteca — Vamos mamãe hoje a sobremesa é mousse de maracujá.

Ambos riram, não era a primeira vez que Anthony os impendia de aprofundar as caricias e partirem para o sexo, e com toda certeza estava longe de ser a última vez que ele faria isso com os pais.

-- Ele tem que parar de fazer isso! Edward disse fazendo Isabella sorrir — É sério, ele tem que parar — Edward disse rindo.
-- Ele é nosso filho! Ela disse rindo e saindo do colo dele — Mas não pode ser perfeito sempre! Ela piscou para ele — Vamos ou ele vai colocar a porta a baixo.
-- Vamos! Ele disse ficando em pé.

Os olhos dos dois foram para as calças de Edward, o volume ali era grande e bastante evidente.

-- Ok, vá ao banheiro que eu levo Anthony para a sala de jantar! — Ela sorriu — Não demore Sr. Cullen, eu estou faminta.

Por mais complicado que tivesse sido aquele dia, Edward se manteve em pé, mais tudo graças a Isabella, ela fora o porto seguro na hora em que ele mais precisou, ela fora seu braço direito e estava sendo a esposa perfeita, a mãe perfeita, e mulher perfeita em sua cama, disso Edward já não tinha mais nem uma dúvida, agora só faltava ele conseguir lidar com tudo isso sem tentar fugir...
Continua...


NOTAS SOBRE SINDORME DO PANICO.
A síndrome do pânico é um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem ataques repetidos de medo intenso de que algo ruim aconteça de forma inesperada
A causa é desconhecida A genética pode ser um fator determinante. Pesquisas indicam que, se um gêmeo idêntico tem síndrome do pânico, o outro gêmeo também desenvolverá o problema em 40% das vezes. No entanto, a síndrome do pânico em geral ocorre sem que haja nenhum histórico familiar.
A síndrome do pânico é duas vezes mais comum em mulheres do que em homens. Os sintomas normalmente começam antes dos 25 anos, mas podem ocorrer depois dos 30. Embora a síndrome do pânico ocorra em crianças, ela normalmente não é diagnosticada até que as crianças sejam mais velhas.
Exames
Muitas pessoas com síndrome do pânico buscam tratamento primeiro no pronto-socorro, pois os ataques de pânico parecem ataques cardíacos.
O médico realizará um exame físico, incluindo uma avaliação psiquiátrica.
Serão realizados exames de sangue. Outras doenças devem ser descartadas antes de diagnosticar a síndrome do pânico. Devem ser considerados distúrbios relacionados a abuso de drogas, pois os sintomas podem ser iguais aos de ataques de pânico
As pessoas com síndrome do pânico têm pelo menos quatro dos seguintes sintomas durante um ataque:
  • Dor no peito ou desconforto
  • Tontura ou desmaio
  • Medo de morrer
  • Medo de perder o controle ou de uma tragédia iminente
  • Sensação de engasgar
  • Sentimentos de indiferença
  • Sensação de estar fora da realidade
  • Náuseas ou mal-estar estomacal
  • Dormência ou formigamento nas mãos, nos pés ou no rosto
  • Palpitações, ritmo cardíaco acelerado ou taquicardia
  • Sensação de falta de ar ou sufocamento
  • Suor, calafrios ou ondas de calor
  • Tremores
Os ataques de pânico podem alterar o comportamento em casa, na escola ou no trabalho. As pessoas com a síndrome do pânico muitas vezes se preocupam com os efeitos de seus ataques de pânico.

Um comentário:

  1. amei o cap alias eu amo essa fic ela e linda!eu nao vejo a hora da bella muda o vizual e deixa o ED DELICIA mais apaixonado doq ja e.mais sera que isso td vai passa e o tal contrato porq o ed nao da um fim nisso tudo antes que alguem descubra afinal a putany e a tal tia ta solta,eu amei a ideia da bella convencer o maridão a se muda pra casa dela!vcs tão de parabens a fic e muito fofa

    ResponderExcluir