Jul M

Oi

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Um erro e dois acertos -- 27 capitulo


Alguns dias no paraíso.

O sol entrava pela janela batendo diretamente nas costas de Isabella, o espaço ao seu lado estava vazio, pois Edward já estava de pé algum tempo e uma pequena mala estava posta perto da porta.

Ele usava bermuda até os joelhos, uma camisa branca e outra azul por cima aberta, deixando a mostra a que estava por baixo. Edward estava sentado em uma poltrona e observava sua garota dormindo tranquilamente, a noite passada fora perfeita para os dois e ele sentia falta desses momentos com ela sem ter muita gente e sem muitas pessoas entrando e saindo de sua casa.

Ele precisava de um pouco de paz e fora pensando nisso que organizou uma pequena visita à casa de campo da família, passaria um final de semana todinho com Isabella e para isso acordou bem cedo e ligou para o caseiro arrumar tudo para sua chegada. Agora era só esperar sua namorada acordar e tomar seu café para partirem.

(...)

– Abra os olhos Bella. – Edward disse para Isabella que estava ao seu lado no carro. – Desse jeito vai perder toda vista e uma paisagem tão bonita dessas deveria admira-la.

Ele dirigia o carro e já estavam quase chegando à casa de campo. Isabella tentou protestar por achar que Edward estava muito cansado, mas usando seu tom mandão disse que faria isso de qualquer jeito e que ninguém seria louco de impedi-lo. Depois do discurso “eu posso fazer isso porque não estou inválido” Isabella o deixou dirigir o carro, o problema era que ela estava caindo de sono, já que  Edward na sua inquietação acabou acordando-a com beijos e caricias ousadas fazendo-a despertar sem mesmo querer.

– Eu até queria ficar de olhos abertos, mas você não me deixou dormir. – Deu um bocejo.

– Foi você quem provocou, se lembra? – Deu um risinho malicioso em direção a ela. – Ficou me provocando com aquela fantasia de gatinha e deu nisso, fiz a gatinha miar a noite todinha.

– Edward! – Isabella o repreendeu ganhando uma coloração vermelha no rosto. – Não precisa ficar me lembrando disso toda hora e a cada cinco segundos.

– Não acredito que ainda fica vermelha depois de tudo que aconteceu. – Falou sorrindo. – Você faz coisas bem pior do que ficar se fantasiando com roupas sexy, mocinha.

Bella fez uma careta e Edward gargalhou, fazia tempo que ele não se sentia assim totalmente feliz e solto e com ótimo humor, sem problemas e sem estresse apenas sentindo a paz que Isabella trouxe para sua vida.

(...)

– Edward é lindo! – Isabella disse olhando o pequeno chalé dos Cullen.


– Que bom que gostou. – Sorriu para ela. – Vamos passar o final de semana todo aqui.

Isabella sorriu radiante para ele e olhou mais uma vez para a casa construída toda de madeira e muito bem conservada. Havia um grande jardim e mais para frente um celeiro, pelo som que ouvia deduziu que havia cavalos naquele lugar. Também tinha um lago enorme na lateral da casa e várias árvores que cercavam todo o espaço, deixando tudo muito encantador.

– Venha, vou te mostrar a casa. – Disse pegando na mão dela.

Edward levou Isabella para dentro e lhe mostrou o local. A sala tinha uma grande lareira e dois sofás bastante confortáveis, um tapete fofinho e macio de tonalidade acinzentada, alguns quadros pendurados na parede, a cozinha era completa com os eletrodomésticos e a geladeira abastecida, um pequeno jardim de inverno do lado de fora da cozinha, um escritório pequeno, mas bastante confortável e uma escada que levava para o andar de cima onde ficavam os dois quartos e os banheiros.

– Nosso quarto, querida! – Ele disse colocando a mala no chão e puxando a menina pela cintura.

– É lindo! – Murmurou olhando em volta.

As cortinas eram de tonalidade branca, assim como os lençóis da cama e boa parte do quarto, as paredes tinham alguns detalhes verdes, o piso era escuro, quase preto com um tapete felpudo também na cor branca. Tudo muito bem decorado e aconchegante.

– Dona Esme que decorou toda a casa. – Falou beijando o ombro de Isabella. – Ela adora tons claros.

Bella sorriu, ela sempre achou estranho que na casa de Edward tudo era tão claro e era muito difícil de imaginar que ele tivesse escolhido esses detalhes, mas vendo que o chalé tinha a mesma tonalidade de lá, ela concluiu que fora Esme quem decorou a casa do filho.

– Ela tem bom gosto. – Bella disse e sua barriga roncou de fome.

– Ok, hora de se alimentar criança! – Edward falou rindo e roubando um selinho rápido da menina antes de puxá-la para fora do quarto.

(...)
                                     
Depois do almoço Edward e Bella ficaram na sala vendo alguns filmes antigos que ele tinha guardado naquela casa e conversaram um pouco. Fora a primeira vez que Edward falou sobre sua infância e o quanto se sentiu feliz, falou também sobre Jane Volturi.

– Ela foi a minha pior escolha na vida! Estava cego por ela e Jane se aproveitou disso, quando viu que não tinha mais nada que tirar de mim ela partiu sem deixar rastros.

Edward tinha um olhar vago e Bella sabia que falar sobre isso estava sendo difícil para ele porque querendo ou não, Jane fez parte de sua vida, uma parte que fora dividida em duas, a parte boa e a ruim e ele nunca conseguiu falar sobre isso sem sentir raiva da loira com rosto angelical.

– Carlisle me ajudou, ele nunca me forçou a nada, não diretamente. – Balançou a cabeça tentando afastar as lembranças. – Então voltei para casa e  aprendi a comandar  os negócios da família. – Ele suspirou. – Jane fez nascer em mim um Edward frio e calculista, sem coração e sem se importar com ninguém. Por um lado fico feliz dela ter feito o que fez, por outro, acho que fiquei um homem seco por dentro.

Ele ficou calado e olhando o nada em sua frente, não podia negar que na época fora muito forte o que sentiu por Jane, era coisa de primeiro amor, ou algo assim, mas se fosse comparado com o que sentia por Isabella esse sentimento não era nada. Por fim, Jane o magoou profundamente fazendo-o adotar essa máscara de gelo e ferro, onde ninguém conseguia penetrar até o momento em que Isabella entrou em sua vida.

– Você não é assim Edward. – Bella disse tocando seu rosto. – Você cuidou de mim, se lembra?

– Eu abusei de você! – Murmurou se lembrando daquele triste dia em que perdeu o controle. – Eu não devia ter feito aquilo e...

– Ei! – Repreendeu segurando o rosto de Edward fazendo-o olhar para si. – Esquece isso, se eu posso esquecer você também pode. – Disse beijando-o várias vezes. – Isso está no passado e agora estou bem. – Olhou e sorriu para ele antes de dizer ­– Eu sou forte!

Edward sorriu porque fora exatamente essas palavras que disse para ela no dia seguinte quando foi ver como estava.

– Sim, você é forte! – Tocou o rosto de Bella e puxou-a para seu colo. – Tão forte que enfrentou o chefe da máfia Volturi só para me salvar.

– Faria tudo de novo! Enfrentaria Jane e Aro quantas vezes fosse preciso só para te ter vivo e a salvo ao meu lado.

– Isso está errado! – Falou balançando a cabeça e deixando Isabella com um olhar confuso. – Sou eu quem tenho que te salvar e algumas vezes até de mim mesmo.

Isabella gargalhou alto e escorregou as mãos pelo peito dele, nos seus olhos tinham um brilho estranho e algo muito malicioso.

– Sério, senhor Cullen? – Disse escorregando para o chão e ficando entre suas pernas. – E quem vai te salvar de mim?

Edward levou alguns segundo para entender o verdadeiro significado de suas palavras até que sua bermuda fora aberta e seu membro colocado para fora, enquanto Isabella tinha os olhos brilhantes e um sorriso malicioso nos lábios.

– Isabella! – Tentou alertá-la, mas era tarde demais, ela tomou seu membro na boca. – Oh merda! Me chupa! – Gemeu levando as mãos para os cabelos dela.
    

Bella chupou seu membro com força, arranhado a pele da cabecinha com os dentes. Ela sabia que esse seria o melhor jeito de por um ponto final naquela conversa, pois não queria ficar ouvindo-o falar do quanto Jane o fez mal, sendo que poderia fazer coisa muito melhor com ele.

Os lábios da garota estavam em volta do membro de Edward engolindo-o com perfeição e acomodando-o completamente em sua boca. Com uma carinha de safada ela olhou para Edward e escorregou a língua por todo o comprimento do seu membro ereto, parando somente para chupar a cabecinha rosada do seu pau.

– Puta que pariu, que delicia! – Ele gemeu puxando-a com um pouco de força pelos cabelos. – Você está virando uma peste menina safada.


Isabella forçou um sorriso mesmo com o membro de Edward na sua boca e voltou a  fazer o que estava fazendo, chupá-lo com maestria. Suas pequenas mãozinhas foram para as bolas do rapaz, onde ela massageava com as pontas dos dedos fazendo-o gemer um pouco mais alto enquanto sua língua banhava todo seu pau e com a boca fazia movimentos de vai e vem.

Edward tinha a cabeça jogada para trás e o maxilar travado, pois ela estava o torturando com tanta perfeição que em nada lembrava a menina tímida de alguns minutos atrás.

Aos poucos a velocidade passou a ser ditada por Edward que fodia com ferocidade a boca de Isabella, soltando gemidos e palavras sem sentindo. 

A garota sabia que ele estava perto, pois seu membro já dava pequenos tremores dentro de sua garganta e então sua boca ficou cheia do gozo do rapaz que urrou de prazer ao liberar sua porra.
Ele estava ofegante e com a respiração entre cortada, gemeu alto quando olhou para Isabella e a viu engolido com gosto toda sua porra, e, para piorar tudo, a menina passou a língua pelos lábios de maneira tão sexy que seu pau vibrou só com a imagem erótica que lhe fora proporcionado.

– Tira a roupa boneca!

Continua..

3 comentários:

  1. Queee??? Só issooooooo??!!! Quero maaais!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.... Posta mais! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Isso aí Lari, nós queremos maissss! Posta mais Diwona !
    Bjundas amores

    ResponderExcluir
  3. Comecei agora a ler e apaixonei-me pela história!
    Maravilhosa! Os meus parabéns!

    ResponderExcluir