Jul M

Oi

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

A prostituta-- Capitulo 17-- Por Que Te Amo


Por que te amo

Pov Edward Cullen

Eu tive um sonho, sonhei que estava caindo e caindo, e por mais que gritasse ninguém me ouvia, a queda nunca parava e o chão nunca chegava, eu vi a luz brilhando para mim, ela tinha rosto e forma de anjo, seria errado pensar assim quando se está morrendo? Mas não, ela estava lá, me oferecia sua mão querendo me salvar, ela queria me ajudar. Não sei se foi o medo ou se foi o fato do rosto ser dela, me recusei, não quis a sua ajuda, e continuei caindo e no final eu acordava suado e pegajoso.
 Estava sendo assim, sempre assim, esse mesmo sonho nos últimos dias e sempre que via a mão que me oferecia ajuda eu pensava em pegar, mas quando via o rosto, sim o rosto do anjo, que queria me ajudar, eu recusava. Eu tinha medo, tinha tanto medo de aceitar essa ajuda, Isabella, ela povoava minha mente nos últimos dias e ainda assim eu sempre recusava a sua mão ao mesmo tempo em que caia.

(pov narrativa)

_ Sua agenda! - Bree disse ao entrar na sala dele.
 Agora de olhos grandes ainda estava com raiva, ela queria algo e não iria abrir mão assim, mas sabia que Edward não facilitaria em nada para o seu lado, até as visitas em sua cama que antes eram raras agora já nem existiam mais. Raiva misturado com ódio cercava a jovem que tinha em mente o desejo de ser a senhora Cullen, mas não seria nada fácil, ela sabia que existia uma outra na vida dele, uma que ela já tinha entendido que não era assim tão fácil de derrubar e era essa uma que ela iria atrás.
....
Aro não estava nada feliz com a perca de dinheiro que andava perdendo, claro que Isabella ainda lhe rendia muito dinheiro, mas renderia ainda mais se ela aceitasse fazer programas, ela receberia ainda mais e ele ganharia ainda mais com isso, muitos clientes ofereciam fortunas só por uma noite com a bela mulher, mas o maldito contrato que ela fez Aro assinar impedia isso, ela era apenas uma dançarina e continuaria a ser, mas Aro estava tramando algo e seria tão fácil induzir a jovem á isso.
....
Bella estava em um restaurante simples, porém sofisticado, a jovem miss Canadá ainda estava nos noticiários, assim como a miss NY, parece que as duas rainhas da beleza não estavam com a fama muito bem, e só piorava, cada dia que passava novas imagens das duas surgiam na imprensa, as orgias das duas rendiam matéria para muitos jornais até insinuações onde elas ganharam fama de garotas de programas, nenhuma das duas foram vistas, devido a democracia diplomática a Tânia Denali conseguiu sair da cadeia, mas ainda estava presa em sua bela casa em cárcere privado.
_ Olá! - Uma voz feminina fez Isabella tirar os olhos do cardápio e encarar a jovem bem vestida á sua frente — Isabella Swan!
_ Sim! - Ela disse sem se intimidar.
_ Bree Tanner! - Ela disse.
 Claro que Isabella sabia quem era, Bree era a assessora do jovem Cullen, e tinha a vida particular bem interessante, sabia que ela tinha ou teve um certo envolvimento com o Cullen.
_ O que você quer? - Ela fora direito ao assunto.
_ Ótimo! - Bree disse se sentando — vamos direto ao assunto! - A jovem deu um sorriso diabólico — quero você longe do Cullen, você não é mulher para ele, e nunca vai ser, não passa de uma dançarina de cabaré, não é mulher digna para usar o sobrenome Cullen.
Isabella olhou para a jovem que parecia ter o sorriso de vitória nos lábios, Bree sabia da armação que as jovens miss tinham feito para separar o casal e sabia que Isabella era uma pessoa emotiva e facilmente de se induzir. Estava errada essa era a outra Isabella, a Isabella que morreu á alguns meses atrás.
_ Bree Tanner! - Isabella disse olhando a jovem — vadia de quinta que foi expulsa de casa pelo pai, não tem onde cair morta e usa o sobrenome do pai para se manter viva — Isabella sorriu — tem uma vida agitada senhorita, como andam suas festinhas particulares? Dando para muitos homens ou continua a chupar bocetas?
 Nada educada foram as palavras de Isabella e Tanner estava pálida, nunca imaginou que a jovem sabia tanto sobre a sua vida, o sorriso de Isabella era grande ao ver que a jovem estava tão surpresa.
_ Querida, acho melhor você sair da mesa! - Isabella disse — vou fingir que você nunca esteve aqui e que nunca nos falamos assim você pode sair por onde entrou.
_ Você acha que isso me intimida! – Bree estava tentando se recompor.
_ Cale a boca! - Bella disse áspera — sai da minha mesa, ou juro que você será mais uma que farei questão de derrubar, não tem ideia de com quem está mexendo querida, então seja esperta e saia antes que eu acabe fazendo algo que você vai se arrepender amarguradamente.
 Tanner tentou retrucar, mas achou melhor se retirar, pois a feição da jovem não era a das melhores e cada palavra dela saiu em tom de ameaça, a jovem Tanner não estava em estado financeiro bom para poder fazer ameaças e usando a cabeça ela se retirou da mesa da jovem se dirigindo para saída do restaurante.
....

Edward estava em uma daquelas noites onde dormir seria a última coisa que ele faria. Sentia falta do corpo dela, da presença dela naquela cama, os travesseiros ainda tinham o seu cheiro, mas isso não era o suficiente para fazê-lo dormir, ele precisava dela, mas hoje ela não estava na boate ele não sabia dizer o porquê, ou se ela estava com alguém em um “encontro especial”, ou se ela simplesmente não fora trabalhar. Perguntas e mais perguntas ele tinha, mas resposta não havia para nenhuma, falar com Nessie estava ajudando muito, ele passou a conhecer Isabella de um jeito diferente, de um jeito que só os olhos fraternais da irmã dela poderiam transmitir á ele. Isabella não era uma mulher leviana que vendia o corpo por dinheiro. Isso Nessie deixou bem claro á ele, mesmo sem saber quem ele era.
“Ela está apaixonada, ela nunca esteve assim” a jovem Nessie disse “ela o ama, mas o cara é o maior idiota, não merece o amor dela”.
 A menina sabia bem mais do que dizia, Edward entendeu que a menina falava a verdade, a verdade que o amigo já havia contado, mas devido aos fatos custava a acreditar.
“Bella é o tipo de mulher que só se apaixona uma vez” a menina disse á ele “pena que esse cara esteja matando tudo isso nela. Minha irmã está ficando amargurada”.
Ele sabia disso, ás vezes Bella era tão fria com ele que ele sentia isso como um tapa na cara, como se ele fosse um monstro que iria matá-la a qualquer momento. E até ele começava a pensar isso, não só ele como Bella, ele sabia que estava magoando ela cada vez mais, ele sentia tanto medo de se entregar de novo á ela, se entregar de cabeça novamente.
“Ele é um monstro, vai matá-la” Nessie resmungou “ela está ficando tão fria que nem sei mais quem é a Bella doce e gentil, só vejo uma Bella fria e calculista. E é tudo culpa dele, desse monstro Anthony”.
_ NÃO! - Edward gritou afastando os pensamentos, mas isso não queria dizer que ele estava em paz.
 Ele saiu da cama correndo e entrando no closet do seu quarto, Edward estava em seu apartamento ele estava longe da casa do pai. Ele se vestiu rápido e saiu pegando a chave do carro. Edward andava tão obcecado em Isabella, que uma vez seguiu a jovem até a sua nova casa, a casa onde ela morava e fora para lá que ele se dirigiu. O prédio era simples e o porteiro fora subornado por ele, ele descobriu com o próprio porteiro qual era o andar dela e fora em direção ao mesmo, sem elevador ele fora de escada e quando chegou no andar onde a jovem morava a porta fora esmurrada com força uma, duas, três vez.
_ Está louco! - Bella disse ao abrir a porta assustada — O que você está fazendo? - ela perguntou quando viu quem era o louco que esmurrava a sua porta.
_ Cala boca! - Ele disse grosso como sempre.
_ O que? Quem você...
_ Cala a porra dessa boca! - Ele disse usando a mão para calar a menina — me escuta! - Ele disse agora calmo e Isabella o fitou séria — eu sei que sou grosso ás vezes, que acabo agindo como um idiota babaca, mais eu te amo.
_ O quê? - A voz dela era simplesmente um sussurro.
_ Eu te amo Isabella Swan! - Ele disse agora com um tom de voz mais alto — você é uma diaba que invadiu a minha vida de um jeito tão perturbador que me deixa até assustado, não sei e não consigo ficar sem te ver, sem te ter, sem te querer do meu lado. — ele buscou por ar — você fora a única pessoa que conseguiu fazer com que eu seja eu mesmo, ser Edward Cullen e não Edward Cullen o calculista. Você invadiu meu mundo, minha vida e minha mente, preciso de você ao meu lado ou nunca terei paz.
Todas as palavras foram ditas, o gigante de gelo, acabava de se render á rainha do gelo, mas agora o que esperar disso? Ainda mais quando você não está esperando.



Nenhum comentário:

Postar um comentário