Jul M

Oi

domingo, 16 de setembro de 2012

O Casamento -- 4 Coracão de gelo


Coração de gelo

A semana começou bem para Edward, ele sabia que agora o pai não poderia dizer nada sobre a presidência, já que Carlisle queria alguém casado e com responsabilidade, e, agora ele seria esse cara, teria uma esposa e um prestígio a mais com todos. Nunca pensou que escolher Isabella como a esposa contratada seria uma idéia tão boa, apenas queria se casar e garantir a presidência, Isabella fora um tiro no escuro, que, aliás, fora bem certeiro, direto no alvo, e, teve certeza disso quando seu pai invadiu sua sala nessa manhã.

– Edward! – Carlisle entrou na sala do filho sem ser anunciado. – Esme está preparando um jantar para hoje, leve Isabella. Não se esqueça que teremos convidados, seu primo irá apresentar a família da noiva.

Se fosse em outros tempos, Edward estaria fora dessa reunião de família, sempre fez questão de ser desagradável com o primo, pois achava que o pai preferia o sobrinho do que a ele mesmo, que era filho sangue do seu sangue. Mas agora, ouvindo o pai falar que desejava sua presença, ficou claro para si que fez a melhor escolha com Isabella.

– E, por favor, não se atrase, será as sete horas. – Falou saindo da sala.

(...)

A fofoca rolava solta na empresa, Isabella era o nome que todos falavam. Ninguém sabia dizer como isso acontecera, apenas sabiam que ela era a nova conquista do Cullen filho, uma conquista que veio bem na hora certa, já que Isabella era uma pessoa querida tanto pelo pai do ”namorado”, como também pelo primo dele, o qual ficou bem surpreso quando soube.

– Por que não me disse nada? – Ângela disse um pouco irritada com a amiga. – Espero que não tenha ficado brava por ter falado mal dele pra você.

– Ângela, para! – Murmurou sem graça. – Eu não me importo, até porque sei bem como é Edward.

E, de certo modo, a jovem estava mesmo descobrindo como era o Cullen, frio e sem coração, o noivado mal foi anunciado ao pai e no dia seguinte fez questão de mostrar esse lado. Era domingo pela manhã quando Isabella invadiu a casa de Edward, ela estava péssima, não havia dormido nada, e tudo por que não esquecera o que Edward dissera na noite passada. Sim! Carlisle confiava na jovem e ela estava o apunhalando pelas costas ao ajudar o filho.

– Não dá, eu não posso levar isso adiante. – Disse bastante perturbada.

– Tarde demais. – Respondeu sentando em seu sofá de couro.

– É só rasgar o contrato Edward e tudo termina.

– E você voltará a ser aquela coisa sem graça e submissa a todos! –Disse frio. – Não Isabella, não vou rasgar o contrato e acho bom você deixar essa crise de consciência de lado, pois agora é tarde demais para não ir adiante.

– Mas eu vou. – Com raiva puxou o contrato de dentro da bolsa.

– Isso não vai mudar nada. Eu tenho meu contrato muito bem guardado e nele está sua assinatura, querendo ou não Isabella, você está presa a mim por longos quatro anos e deveria tentar tirar aproveito disso de algum modo.

Isabella bufou e gemeu, andou de um lado para o outro enquanto os olhos clínicos de Edward analisavam a jovem e suas roupas nada atraentes.

– Você não se cansa de ser humilhada pelos outros? –Falou olhando a jovem com desdém. – Sempre sendo pisada, humilhada e colocada em segundo plano. Como foi mesmo que seu namorado disse? Oh sim! Lembra de James, que você pegou na cama com sua irmã? Ele te humilhou na frente dela, te chamou de sem graça, mal vestida e que não dava nenhum tezão nele. Fala sério Isabella! É desse jeito que pretende viver? Deixar os outros te pisarem pelo resto da vida?

Ela estava em choque, como foi que ele soube disso?

Edward foi muito além, sabia de todas as fraquezas que a jovem possuía e usaria isso a seu favor, como sempre fizera e com ela não seria diferente. Edward caminhou até a menina, se prostrando em suas costas, afastou o cabelo mau preso, deixando o pescoço exposto para si.

– Frágil e indefesa Isabella. – Sussurrou no seu ouvido. – Você parece um bichinho assustado, eu posso dar tudo aquilo que deseja, mas para isso terá que ficar do meu lado.

Nada mais fora dito, ela apenas saiu da casa do “noivo” sem rumo e sem direção pelas ruas. O maldito era pior do que ela imaginava, a fama de Edward era que ele era um homem frio e sem coração e Isabella acabara de conhecer esse cruel.

(...)

– Isabella espere! – Jasper disse antes de a jovem sair da sua sala. – Quero lhe dar os parabéns. Fiquei sabendo do seu noivado com Edward.

Bella sentiu o rosto corar, seria possível que ninguém desconfiaria que tudo não passava de um grande golpe do Cullen? Que aquilo não tinha nada de amor e sim armação?

–Juro que se fosse outra mulher diria que Edward estava armando. –Falou ficando de pé. – Mas quando meu tio disse que era você a noiva, não só fiquei surpreso, como também fiquei feliz, acho que meu primo merece alguém de fibra como você.

Claro que não! Afinal todos confiavam na doce Isabella, essa jamais seria capaz de fazer algo tão inescrupuloso como ajudar a dar o golpe em alguém. Jasper abraçou a jovem e deu um beijo em sua testa, Isabella era como uma irmã, já que a de sangue ele quase nunca via.

– Só te dou um conselho, não o deixe dominar você. Edward pode ser um bom manipulador se deixar.

– Não deixarei. – Foi tudo que Isabela disse e se retirou da sala.

(...)

Isabella olhava no espelho, um vestido verde cor de vômito estava cobrindo seu corpo, discreto, seu comprimento era dois dedos abaixo do joelho, fechado, sem decote, o vestido não tinha nenhum tipo de atrativo que deixasse à mostra as curvas da jovem. A pergunta era o que tanto Isabella escondia por baixo daquelas roupas horríveis e discretas? A jovem se vestia como uma senhora.

A campainha tocou e Isabella sabia que era Edward, ela caminhou muito a contra gosto até a porta abrindo-a. Edward olhou com uma cara feia para a jovem, apesar de a maquiagem estar impecável a roupa escolhida era horrenda, e sem atrativos.

– Definitivamente seu guarda roupa é um lixo. –Falou sem se importar com as palavras. – Vamos logo, não quero chegar atrasado.

Isabella sentiu vontade de socá-lo, que porra de homem era esse que não sabia demonstrar nem um pouco de gentileza? Ela o seguiu até o carro, Edward segurou a porta para ela entrar e depois se dirigiu até seu lugar, dando partida e indo ao seu destino.

Uma decoração simples, mas ainda era incrível para Isabella, era tudo novo, as flores em tons claros e desconhecidas por ela lhe chamaram a atenção. A sala fora muito bem decorada por Esme que sempre deixou claro seu bom gosto, mas a festa era para poucas pessoas, a família Cullen, Jasper Hale o noivo, sua irmã Rosalie Hale, do lado da noiva apenas a mãe pôde comparecer, Samantha Brandon uma senhora de idade, mas com uma beleza enorme, ao seu lado estava a doce e encantadora Alice Brandon, a jovem era pequena mais tinha um rosto lindo de fada, porém Isabella já conhecia o outro lado da jovem, o lado malvado e vingativo, e ficou muito grata Alice não implicou com ela por ser a secretária do seu noivo.

– Edward! – Carlisle cumprimentou. –Minha doce Isabella, está encantadora.

Edward teve que conter o sorriso, Isabella nunca ficaria encantadora naquela roupa, ele sabia que a jovem tinha beleza incomum, porém suas roupas e o modo senhora de se vestir a deixava sem graça.

– Venham, se juntem a todos.

– Isabella! – Esme disse indo até a menina e abraçando-a. – Que bom vê-la querida.

– Fico feliz de estar aqui. – Respondeu chateada por estar enganando pessoas tão boas.

O jantar fora algo monótono, algo que Edward não esperava, todos comeram e beberam, conversaram sobre algumas coisas em comum, claro que o noivado de Edward com Isabella também entrou em pauta.

– Então é verdade mesmo? – Rose disse com a taça de vinho nas mãos.– Vai casar mesmo com essa coisa sem graça e sem gosto? – Gargalhou.– Nossa Edward, como seu nível desceu.

Havia uma grande dor de cotovelo da loira, Rose já esteve algumas vezes na cama do jovem Cullen, porém em nenhuma vez ele insinuara um compromisso entre ambos, e vê-lo com uma jovem que não era a sua altura, sem beleza e brilho, e sim muito simples, a deixou com raiva.

– Rose. – Jasper disse repreendendo a irmã e agradecendo mentalmente que só restaram os três e Isabella na sala, já que todos os outros convidados já tinham ido embora, inclusive sua noiva. – Pare agora! Acho que você bebeu demais, Isabella me desculpe por isso.

A jovem nada disse, apenas acenou com a cabeça, ela não queria e nem sabia o que dizer para a jovem loira que dela zombava.

– Só falei a verdade. – Disse rindo. – Diz aí Edward querido, pelo menos ela é boa na cama? Oh sim, porque bonita ela não é, então tem que ser pelo menos isso para que você queira casar com ela.

– Rose já chega. – Jasper disse com vergonha da irmã. – Vamos embora agora!

– Não precisa Jasper. – Edward falou abraçando Isabela pela cintura, deixando-a ainda mais envergonhada. – Minha querida Rose, não tem idéia de como Isabella me satisfaz na cama, graças a Deus não tenho do que reclamar. Por baixo dessas roupas de senhora tem uma mulher muito gostosa.– Disse sorrindo.

Ele mentira com tanta facilidade que até Isabella acreditaria nas palavras que foram ditas, lógico que seu rosto estava vermelho, o qual ficou ainda mais corado quando Edward depositou um beijo estalado em sua bochecha rosada.

– Pode acreditar que ela é muito gostosa querida Rose, nunca vi melhor.– Falou em tom calmo e baixo, deixando Rose furiosa. – Agora que já sabe disso, não volte a falar da minha noiva desse jeito tão ridículo, e nem tente envergonhá-la em público ou irá conhecer um lado meu que jamais queria conhecer. – Disse em tom ameaçador. – Agora queridos primos, vou levar a minha bela e gostosa noiva para casa.

(...)

Isabella ainda sentia as bochechas quentes e duvidava muito que essa vergonha iria passar assim rápido. E sem falar que ainda estava surpresa porque Edward Cullen havia lhe defendido, perante a loira espetacular.

– Obrigada. – Sussurrou olhando para as mãos em seu colo.

– Está me agradecendo pelo quê? – Perguntou sem olhar para ela.

– Você me defendeu perante sua prima! Muito obrigada mesmo.

– Faria isso por qualquer pessoa.

Arrogante, por mais que ele fizesse um ato nobre sua arrogância sempre estaria por perto, para deixar Isabella irritada e furiosa como sempre. Agora a jovem já havia se arrependido de ter agradecido por seu gesto nobre.

– Chegamos Isabella!

Antes dela sair do carro ele disse rapidamente:

– Esteja pronta as sete. Passarei aqui para pegar você e levar para empresa, não se atrase porque eu odeio atrasos.

A garota saiu do carro batendo a porta com força, o homem ali dentro sabia como ninguém tirá-la de sério. O Cullen era a pior pessoa de todas, ainda mais juntando toda sua petulância e arrogância.

– Ei! Compre uma geladeira se quer ficar batendo a porta. – Gritou para que ela ouvisse antes de entrar em casa.

Isabella pensou consigo mesma, que pelo visto a convivência dos dois seria algo que até as forças armadas ficaria com medo de chegar perto. Algo que para Isabella estava sendo terrível e para Edward era só o começo da diversão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário