Jul M

Oi

domingo, 16 de setembro de 2012

Capitulo 14-- Noites De Tormenta-- Atracão


Atração
Isabella tinha levantado bem cedo aquela manhã, tomado o seu café e ido trabalhar, saiu antes do horário para resolver uns problemas com as entregas de alguns livros, voltou para a livraria e como chegara um pouco mais cedo do seu horário de almoço adiantou o trabalho, e, por isso, saira antes do final do expediente. Ela estava completamente alheia a quem lhe esperava do lado de fora, naquele momento.
(...)
Dentro do carro Edward fazia o percurso para o seu apartamento, o apartamento onde tudo começara. Isabella discutia mentalmente o que acabara de fazer, enquanto ele manobrava o carro, entrando no estacionamento. Assim que o jovem destravou o carro, Isabella saiu sem esperar que ele abrisse sua porta, seguiu até o elevador e ambos entraram ali, o caminho até o apartamento fora feito em silêncio, o nervosismo de Isabella era evidente e suas mãos suavam muito.
– Entre! – Edward disse ao abrir a porta enquanto a garota olhava para dentro do apartamento, como que se perguntasse mentalmente se deveria entrar ou não. – Isabella, entre agora e não me faça usar a força.
Ela bufou, odiava essa voz de comando que tanto mexia com si, e, o pior, é que ficava molhada só de ouvir esse tom. Ela caminhou em passos lentos entrando no apartamento que conhecia muito bem, uma vez dentro, ouviu a porta ser fechada. Tudo continuava igual, a casa que um dia fora dela estava do jeito que deixou antes de sair, nada fora mudado.
– Senta! – Ele disse apontando para o sofá. – Teremos uma conversa longa senhorita Swan.
Isabella sentou-se no sofá e Edward não deixou de admirar a bela cruzada de pernas que a jovem deu, só então notou que ela usava uma saia na cor grafite, blusa branca simples, estilo regata com um blazer por cima.
– Você continua linda. – Ele disse mais para si mesmo.
– E você continua safado, mas tenho certeza que não me trouxe aqui para elogiar minha beleza, diga logo o que quer.
– Ainda não entendeu o que eu quero Isabella? – Falou como se fosse a coisa mais obvia do mundo. – Eu quero você.
Isabella o olhava espantada enquanto Edward se levantou e atacou sua boca imediatamente
.
(...)
Haviam várias roupas espalhadas pelo chão, uma trilha que começa na sala e terminava no quarto. Os gemidos de Isabella eram possíveis ser ouvidos ao longe, o ranger da cama deveria estar enlouquecendo a vizinha do andar de baixo, mas tudo que ambos sentiam naquele momento era um grande prazer e uma imensa saudade, deixados pelas semanas que ficaram sem se ver.
Isabella estava descabela e sendo devidamente preenchida e fodida por Edward, se antes de tudo ela achava essa posição uma vergonha, agora que estava de quatro sendo penetrada com força, tudo o que fez foi gemer e deixar ser levada pelo prazer. Já era a quarta vez que transavam, ainda estavam insaciados e existia força nos dois para muito mais.

– Oh Edward! – Ela gemeu alto.
– Goza! – Fora tudo que Edward disse aplicando um tapa em sua bunda.
Ela gozou assim que sentiu a pele arder e logo depois sentiu o gozo de Edward preenchendo seu canal vaginal, seus corpos caíram sobre a cama.
– Eu senti tanto sua falta. – Edward disse ofegante, respirando com dificuldade. – Terminei com Heide, vou sair da empresa Volturi e abrir minha própria empresa de arquitetura.
Isabella ficou em silêncio tentando entender tudo que lhe fora dito, ela não acreditava no que seus ouvidos acabaram de ouvir, ele havia mesmo terminado com a noiva?
– Não vai dizer nada? – Perguntou se virando na cama e apoiando o peso do corpo sobre os cotovelos para olha-la. – Estou livre Isabella, como havia lhe prometido eu terminei com Heide para ficar com você.
– Eu... Eu não sei o que dizer.
.
– Diga que vai ficar comigo, é só isso que eu quero. – Sussurrou perto de seus lábios. –Vamos recomeçar tudo, só que dessa vez da maneira certa.– Olhou em seus olhos. – Não me ache um louco, mas sempre que te olho é como se já lhe conhecesse bem, como se já tivéssemos uma história juntos.
Isabella sorriu, ele podia não se lembrar perfeitamente de tudo que acontecera entre os dois, mas só o fato de sentir isso, de achar que ambos já se conheciam de outro momento, a deixava extremamente feliz.
– Esse sorriso é a forma de você me dizer sim? – Ele questionou.
– Eu não poderia dizer outra coisa que não fosse sim.
Edward tomou a boca da menina em mais um beijo arrebatador, os corpos de ambos reagiram ao calor do momento e acabaram se entregando um ao outro sem resevas e sem limites, até caírem na cama exaustos pelo cansaço para logo em seguida serem levados para o mundo dos sonhos.

(...)
Heide estava furiosa, andando de um lado para o outro enquanto Anthony somente observava a bela moça.
– Você sabia de tudo! – Acusou Anthony de uma vez.
– Heide querida, você também sabia. Edward iria fazer isso, ele iria terminar com você mais cedo ou mias tarde, apenas precisava de um motivo.
– E o motivo foi àquela vadia que ele tinha como secretária! – Gritou fazendo Anthony rir.
– Pois é minha querida, aquela vadia não mexeu só com o pau do meu irmãozinho, mexeu também com a cabeça dele.
Heide olhou para Anthony com um olhar mortal, o jovem parecia nem ligar para nada e apenas riu novamente da cara moça.
– Eu não vou perder o Edward para aquela vadia de quinta. – Falou entre dentes com mais raiva ainda. – Não será uma putinha qualquer que irá roubar meu noivo.
– A palavra certa seria ex-noivo. – Anthony provocou a jovem e ficou de pé. – Lamento por você querida, mas meu irmão não irá voltar atrás, ele pode até demorar a tomar uma decisão, mas quando toma é muito difícil de voltar atrás com sua palavra.
– Meu pai não vai deixar! Ele é sócio do papai e não vai gostar nada de saber que me trocou por uma puta barata.
– Vai correr para o colo do papaizinho Heide? – Anthony disse rindo. – Isso é bem típico de uma garota mimada. Bom, minha querida tenho mais o que fazer agora, depois me liga quando quiser uma boa foda e já pode esquecer meu irmão de vez porque ele não irá voltar atrás.
– É o que veremos Anthony.
(...)
Edward passou a noite com Isabella, para ele fora tão bom acordar sentindo o calor do corpo dela contra o seu, não fora preciso muito para ele se animar e acordá-la começando o dia com um bom sexo. Ambos tomaram banho juntos, trocaram muitas carícias e beijos, quando ficaram prontos tiveram que tomar café em um local perto do apartamento de Edward porque não havia comida no apartamento, e, assim que terminaram, ele deixou Isabella no trabalho e seguiu para a empresa Volturi a fim de ter uma conversa séria com o velho sócio.
– Bom dia Irina. – Cumprimentou assim que passou pela moça. – Aro já chegou?
– Sim e está furioso. – A jovem avisou.
– Tudo bem. – Disse dando um sorriso. – Irei encarar a fera.
Edward caminhou para dentro da sala de Aro, assim que a porta fora aberta Aro lançou um olhar de raiva para o jovem que não se intimidou e caminhou até a cadeira de frente para o Volturi.
– Bom dia. – Edward falou por educação.
– Como você pode fazer isso com a minha filha? – Gritou e ele se deu conta que Heide já havia lhe contado tudo. – Traí-la com aquela vadia, como pode Edward?
– Primeiro modere suas palavras e abaixe o seu tom Aro, eu não sou nenhum moleque.
– Ah não? Então como explica o fato de você estar traindo minha filha com aquela vadia da Isabella? – Aro gritou.
Edward respirou fundo mantendo a calma, não queria brigar com Aro, mas também não iria deixar que ele falasse assim de sua garota.
– Isabella não é nenhuma vadia. – Falou com voz firme. – Heide e eu não temos mais nada, por isso posso ficar com quem eu quiser.
Aro olhou em surpresa para Edward, pelo visto a mimada de sua filha não havia contado na história toda.
– Eu terminei o noivado com Heide e agora estou rompendo nossa sociedade. – Aro ficou pálido. – Irei abrir minha própria empresa de arquitetura, fazer meus próprios projetos e meu nome será reconhecido, não o seu Aro Volturi.
– Você não pode fazer isso comigo. – Falou dessa vez em tom baixo, quase um sussurro.
– Só não posso como já estou fazendo Aro, estou deixando sua empresa e quebrando qualquer elo que me ligue a você e sua família, já deixei minha carta de demissão no RH, minhas ações serão vendidas, se tiver algum lance a dar estarei disposto a ouvir.
– Edward, temos que conversar, não pode fazer isso comigo agora. – Aro disse o vendo caminhar para fora de sua sala.
– Não temos mais nada a conversar. – Falou abrindo a porta. – Já terminei tudo aqui, Aro nossa sociedade acabou!
Edward ainda conseguiu ouvir algumas coisas serem jogadas e quebradas na sala do ex-sócio. Aro já não estava mais preocupado com a filha que fora deixada antes mesmo de subir ao altar, estava preocupado com o rompimento da sociedade e a demissão de Edward que iria afetar a empresa, ele sempre soube que fora os projetos criativos e inovadores do jovem Cullen que praticamente sustentava tudo, durante os cinco anos que passara em coma foram os projetos que havia deixa armazenado em seu computador que salvou a empresa da falência.
Agora Edward estava livre, livre de tudo e pronto para começar uma nova vida ao lado de Isabella, uma vida onde tudo o que ele esperava era ser feliz e fazer Isabella a mulher mais feliz do mundo, assim como estava se sentindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário