Jul M

Oi

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O casamento-- !3-- Briga igual a sexo?


Briga igual a sexo?



O corpo de Isabella fora imprensado contra a parede, a mão de Edward fora para a sua boca sufocando o gemido que a jovem soltou quando foi penetrada com violência em uma única estocada pelo rapaz. O corpo dela subia e descia devida a rapidez dos movimentos do rapaz, fazendo Isabella ver estrelas. Os gemidos que deveriam sair altos da sua boca estavam sendo abafados pela mão de Edward que sabia que o filho estava no quarto ao lado.

(Minutos antes)


Edward entrou no quarto sendo seguido por Isabella, que assim que olhou para a cara dele sabia que tinha algo errado, ela não sabia o que esperar, mas sabia que boa coisa não seria pela cara dele nada bom viria dali.

-- Feche a porta! - Ele disse.

Isabella fez o que ele pediu, mas não saiu de perto da porta, por mais que ela não soubesse o que se passava não iria correr o risco dele cometer alguma loucura contra ela, ela não sabia dizer se Edward era violento ou não, mas não pagaria para saber.

-- Por que você não me avisou que ligaram da escola do Anthony? - Ele fora direto ao assunto.

-- Eu... Eu não achei que fosse importante! - Ela disse meio gaga – você estava no trabalho e..

-- É o meu filho claro que é importante para mim! - Ele olhou para ela com cara feia.

-- Não fora  nada demais! - ela disse sentindo um medo terrível no olhar que ele mandava para ela — esta tudo bem agora.

-- Não fora nada demais? - ele disse com ironia — Anthony briga na escola e morde o coleguinha e não fora nada demais? Desde quando você tem direito de escolher o que é importante ou não eu saber sobre meu filho.

-- Eu não achei...

Isabella estava nervosa e o olhar de Edward estava a assustando e a deixando ainda mais nervosa.

-- Você não tem que achar nada quando o assunto for meu filho! - Ele gritou em um tom moderado, mas ainda assim gritou.

-- Cala a boca! - Isabella disse, chamando a atenção dele — eu tenho tanto direito quanto você.

-- Estar casada comigo não faz de você mãe dele! - Ele disse seco como sempre — acho que lembra que só é minha esposa no papel e que eu estou pagando muito caro por isso!

As palavras dele foram como um tapa na cara dela, Isabella se xingou mentalmente por ainda acha que esse filho da mãe tinha coração, mas ela sempre estava errada afinal ele não tinha coração.

-- Você me deu permissão assim que pediu a minha permissão para ele morar aqui! - Isabella gritou fazendo seu corpo todo tremer — você é tão grosso que o menino tem medo de você.

-- Ótimo! Agora quer me ensinar como educar meu filho! - Ele disse chegando mais perto assustando Isabella ainda mais.

-- Fica longe! - Ela gritou — você não sabe de nada sobre o Anthony, você sabe pelo menos por que ele brigou na escola? Ou só ouviu o que aquela retardada da diretora da escola disse?

-- Anthony anda rebelde, ele só esta querendo chamar a atenção! - Edward disse fazendo Isabella bufar — minha mãe já tinha me falado disso, que ele anda fazendo de tudo para chamar a atenção.

-- Idiota! - Ela gritou partindo pra cima dele batendo no seu peito — como pode achar isso, Anthony não esta tentando chamar a sua atenção, Anthony tem medo das pessoas Edward e ele tem medo de você.

Os pulsos de Isabella foram presos pelas mãos fortes de Edward que a sacudiu com um pouco mais de força.

-- Do que você esta falando? - Ele perguntou em um tom sério e frio, sua respiração estava entrecortada. — como assim Anthony tem medo?

Isabella respirou fundo, buscando ar para os pulmões antes de começar a falar sobre o que Anthony tinha.

-- Eu não posso afirmar com clareza, mas acho que Anthony sofre da síndrome do pânico! - Ela disse, assim chamando a atenção de Edward – ele brigou na escola por que o garoto o assustou no banheiro com uma máscara de monstro, ele atacou o menino achando que ele iria matar ele.

Edward soltou os braços de Isabela e passou a mão pelos cabelos, ele não acreditava que o filho poderia sofrer disso, como ele nunca notou isso, justo com Anthony que era a única coisa que ligava ele com um Edward mais humano, logo seu filho que ele jurou proteger de todos e tudo.

-- Porque chegou a essa conclusão? - Ele perguntou olhando ela pela primeira vez sem ódio nos olhos.

-- Ele não se relaciona bem com as outras crianças, fica sempre no canto, e qualquer coisa o assusta, Edward! - ela explicou — eu não posso afirmar, essa síndrome tem vários modos de se desenvolver, eu posso estar errada, ele apenas pode ser tímido.

-- Não, isso não é verdade! - Ele disse empurrando Isabella, a fazendo bater com a costa contra a parede perto da porta — diz que você esta mentindo!

-- Você esta me machucando! - Ela disse ofegante e com medo — Edward eu estou dizendo que posso estar errada e de fato eu posso, mais eu acho melhor marcar uma visita para Anthony no psicólogo.

-- Ele não tem nada Isabella! - Ele disse respirando rápido sem fazer pausa. — ele não está doente! - Ele gritou assustando ainda mais Isabella.

Loucura ou não? Fora o que Isabella fez ao tentar consolar Edward, ela suspeitou disso desde o momento que viu Anthony e o modo como ele sempre se comportava na frente do pai, a briga na escola causou mais dúvidas, mas ao o ouvir dizer que tinha medo do escuro, ela ficou com mais dúvida, não poderia afirmar com certeza, mas descobriria de algum jeito. Edward tinha os olhos fechados e braços em cada lado de Isabella, mantendo ela presa contra a parede e de frente para ele, parecia tão cansado e exausto que Isabella arriscou passar as mãos pelos cabelos dele em um gesto nítido de carinho e de apoio, quando ele mexeu o corpo Isabella pensou que ele se afastaria, contrariando ele apoiou a cabeça em seu ombro relaxando e sentindo o cafuné que ela fazia em sua cabeça e inalando o doce aroma de jasmim que vinha dela.

-- Eu vou marcar uma consulta para Anthony! - Ela sussurrou ainda fazendo o carinho — só para tirar todas as dúvidas, e melhor do que arriscar.

-- Eu vou com vocês no dia! - fora tudo o que ele disse levantando a cabeça e olhando ela nos olhos — sinto muito que a tenha machucado.

-- Não machucou! - Ela disse — mas você me assustou.

-- Obrigado por cuidar do Anthony! - Ele disse sentindo um alívio ao dizer essas palavras.

-- Eu já sinto um grande carinho por ele! - Isabella disse olhando para ele depois arregalando os olhos — o que foi isso? - Ela perguntou tocando a mancha vermelha no pescoço dele.

-- Você não se lembra do que aconteceu ontem? - Ele perguntou.

-- Como assim? - Ela perguntou em dúvida — eu bebi um pouco depois não me lembro de nada com tanta clareza.
-- Você não se viu no espelho quando acordou pela manhã? - Ele perguntou com um sorriso presunçoso nos lábios.

-- Do que você está falando Edward? O que aconteceu ontem á noite? - Isabella estava assustada com o fato de não se lembrar da noite passada e bastante assustada com o sorriso nos lábios do suposto marido.

-- Vem aqui? - Ele caminhou com ela em direção ao espelho. — você não viu isso quando tomou banho?

Edward mostrou as marcas dos seus dedos no corpo da jovem, ele mostrou as marcas que estavam no braço dela subindo para o pescoço, mostrando algumas marcas vermelhas que ele tinha feito no pescoço dela que se arrastavam pelo colo indo para os seios e descendo pela barriga dela.

-- Ai meu Deus! - Ela gritou pulando para trás — não, você não fez isso! - Ela disse olhando para ele chocada.

--Eu e você! - Ele disse dando um sorriso irônico. — você parecia bem animada quando fez isso em mim! - Ele apontou para as dele — outra coisa, você tem um corpo bem bonito para ficar escondido por essas roupas feias.

Isabella sentiu um arrepio percorrer toda a sua espinha, ainda mais quando viu Edward caminhando em sua direção igual a um felino pronto para dar o bote em sua presa.

-- Não se atreva! - Ela disse batendo a costa contra a parede mais uma vez — você tirou proveito por eu estar bêbada!

-- Não preciso disso Isabella! - Ele disse — não preciso embebedar uma mulher para leva-la para a cama! - Ele chegou perto dela a prendendo contra a parede — mas tenho que admitir que você fica bem mais soltinha quando esta bêbada. 

-- Eu estou falando para ficar longe! - Ela disse já não tendo para onde fugir — você já abusou de mim ontem, deveria ter vergonha de se aproveitar de uma mulher bêbada.

Edward bufou e deu mais dois passos e prendeu Isabella de novo na parede e contra o seu corpo.

-- Acha mesmo que preciso embebedar você para te levar para a cama? - Ele perguntou em um tom sério e cheio de malícia — vou te mostrar que não preciso disso!
...
(Agora)



-- Aaaaah, mais forte! - Ela gemeu mordendo a mão de Edward que investia com força nela.

-- Ainda acha que preciso embebedar você Isabella? - ele perguntou penetrando ela com mais força e indo bem fundo.

-- Não para! - Ela gemeu — eu estou quase... Ooooh


 Os gemidos de Isabella eram altos, as investidas de Edward não eram nada gentis, o corpo de Isabella subia e descia escorregando pela parede, a fazendo sentir cada pedacinho dele dentro dela, sentindo o seu membro pulsar com uma vibração forte, fazendo ela delirar e gemer feito uma cadela no cio. A boca dele marcou ainda mais o pescoço exposto dela, assim como seu colo e seus seios, onde ele mordeu o bico e a torturava sugando cada mamilo fazendo Isabella gritar.

-- Controle-se! - ele disse tapando a boca dela sem parar de se movimentar — vai acordar o Anthony.
        
 Loucura ou não Isabella não pensou duas vezes quando chupou o dedo do meio de Edward fazendo o rapaz gemer com a cena, e investir com mais força dentro dela e fazendo sua boceta apertada mastigar ainda mais seu pau que começava a dar sinal de que ele logo gozaria. As investidas ficaram ainda mais frenéticas, Isabella tinha a mão de Edward tapando sua boca e seguindo o ritmo dele ela rebolava seu quadril de encontro com o dele dando assim mais prazer aos dois.

-- Edward, oooh! - Ela gemeu sentindo os primeiros tremores que dominaram seu corpo — eu vou, ooooooooh eu vou... aaaaaaaaaaah

 Ela jogou a cabeça pra trás gozando e sentindo todo seu corpo tremer e pulsar, Edward ainda investiu mais algumas vezes nela até gozar dentro dela, enchendo seu canal vaginal com seu gozo.

-- Ainda acha que preciso embebedar você? - Ele disse olhando para ela com um sorriso de vitória nos lábios — você fica linda corada desse jeito.


 Isabella sentiu o coração acelerar, a respiração ficar mais urgente, essa era a segunda vez que ele a chamava de linda, a fazendo sentir a alegria invadir seu peito, mas seria seguro para ela acreditar nessas palavras e deixar essa alegria invadi-la a ponto de dominá-la?


quinta-feira, 27 de setembro de 2012

O Casamento-- 12 E la vamos nos de novo!


E lá vamos nós de novo!

Edward acordou cedo, ele tinha que ir trabalhar, não deixaria espaço para outro tomar o seu lugar, que pertencia a ele por direito. Seu corpo estava dolorido, ele sabia muito bem qual eram os reais motivos dessa dor toda pelo corpo. Olhou para o lado onde Isabella ainda dormia perdida entre os lençóis, seu cabelo estava bagunçado e caído como cascatas  sobre o travesseiro, os lábios estavam inchado e meio rosado, assim como sua face, eram quatro da manhã quando Edward deixou a jovem dormir. Um sorriso presunçoso apareceu em seus lábios, ele sabia bem o que havia feito na noite passada, e o modo como usou e abusou do corpo da jovem Swan, mas ele também sabia que ela não ficou atrás, abusou dele assim como ele abusou dela, de certo modo em sua mente ambos estavam kits.

Edward seguiu para o banheiro onde fez toda sua higiene matinal e voltou para o quarto se vestindo, tentou ao máximo não fazer muito barulho, não queria acordar Isabella, ele nem a chamaria para ir trabalhar, sabia que ela não teria estado para nada depois do que fizera na noite passada, e não era só pelo fato deles terem transado, e sim pelo fato dela ter enchido a cara e com toda certeza ela acordaria de ressaca e uma baita dor de cabeça. Edward se olhou no espelho para poder dar o nó na gravata e foi nessa hora que ele viu as marcas no seu pescoço.

-- Merda! - Ela gemeu ao ver duas marcas vermelhas no seu pescoço.

Edward puxou a gola da camisa social e deixou a gravata de lado, ele tinha visto sua agenda para hoje e ficaria o dia todo na empresa seria bem mais fácil de esconder as marcas deixadas por Isabella no pescoço dele. Assim que terminou de se vestir Edward saiu do quarto deixando uma Isabella desacordada na cama. Como de costume Sue já estava em sua casa e a mesa do café posta para ele tomar.

-- Bom dia! - ele disse dando um sorriso para a senhora de idade que era como sua mãe — Isabella ficará em casa, não a perturbe a deixe descansar.
-- Claro senhor! - Sue disse.
--Sue, já disse para não me chamar de senhor, você é praticamente da família! - Edward sempre respeitou Sue, ela acabou fazendo dele um bom homem já que sua mãe não o pode fazer. — Anthony virá para casa hoje e já sabe Sue, o mesmo esquema de sempre!
-- Claro menino! - Ela disse de forma gentil.

 Edward já ia se sentando quando uma moça de olhos grandes e cor escura entrara trajando o uniforme de empregada. Ela era uma jovem bonita e nem mesmo o uniforme de empregada escondeu sua beleza.

-- Senhor Cullen! - Sue disse — Essa é Tia Valentai, a nova empregada que me ajudará nas tarefas da casa. — ela explicou.

-- Muito prazer! - Tia disse abaixando cabeça em forma de submissão.

-- Peça para Sue explicar o funcionamento da casa! - Ele disse tomando um gole do café que tinha em sua xícara — qualquer coisa fale com minha mulher, ela ficará em casa hoje.

-- Claro senhor!

 A jovem Tia se retirou junto com Sue para a cozinha, Edward terminou seu café e rumou para o escritório, ele tinha muito trabalho acumulado devido à semana que ficou fora em sua suposta lua-de-mel.

....

Edward tinha acabado de entrar em sua sala e Irina entrou logo em seguida, com sua agenda na mão.

-- Irina vai até a sala do meu primo e diga que Isabella não virá trabalhar hoje! - Edward disse se sentando em sua cadeira confortável.

-- Ela é rápida! - Irina murmurou — mal casou e já esta tirando proveito de ser esposa do dono.

-- A vida da minha mulher não é da sua conta! - Ele disse — e você não é paga para questionar as minhas ordens, é paga para cumpri-las. — Irina olhou com cara feia para ele — anda logo vai fazer o que te mandei!

Irina ainda pensou em retrucar o modo como ele lhe tratou mal, mas quando viu o olhar do jovem, ela se encolheu e marchou para fora da sala indo transmitir o recado que lhe fora ordenado.
....

Era quase dez da manhã quando Sue entrou no quarto para chamar Isabella, que acordou assustada ao se deparar com a senhora de certa idade, o susto só não fora maior por que Isabella já conhecia Sue antes mesmo do casamento.

-- Senhora! - Sue disse abrindo as cortinas - ligaram do colégo do menino Anthony! — Bella saltou da cama enrolada no lençol — parece que o menino andou brigando, querem que o pai ou a mãe vá à escola.

-- Você avisou Edward? - ela perguntou já dentro do banheiro, sua cabeça doía, mas não tanto, ela estava com uma vontade louca de vomitar.
-
-- Não acho que seja uma boa ideia! - Sue disse — o senhor Cullen tem um temperamento muito forte, acho que vai acabar brigando com o menino.
-- Ok já estou indo para lá! - Bella disse.

 Isabella não perdeu muito tempo no banho, lavou os cabelos rápido assim também como se vestiu e caminhou para a sala.

-- Sue, eu estou indo lá, se Edward ligar não comente nada! - Ela disse pegando a chave de um dos carros que Edward tinha na garagem.

Isabella ficou feliz de saber que era a Mercedes que havia na garagem, já estava se perguntando onde iria colocar Anthony se fosse algum carro superesportivo, pelo menos a Mercedes dele tinha bancos traseiros, algo que facilitava e muito a vida dela. O caminho até a escola fora rápido era quase onze da manhã, logo o trânsito ficara insuportável. Assim que Bella saiu do carro o porteiro da escola já ficou de olho, um carro importado e a mulher que saiu de dentro não estava vestida a caratêr. Calça Jens e tênis com camisa branca era o look mais básico que a jovem possuía, o resto era daí para pior, seu rosto estava abatido, pelas horas não dormidas e pela ressaca em que ela se encontrava. Isabella caminhou em direção ao diretório, não foi difícil para ela achar.

-- Bom dia! - ela disse á bela mulher que estava na recepção — Sou Isabella Cullen, vim por que ligaram para falar do Anthony Cullen.

Isabella sentiu um arrepio ao falar o sobrenome Cullen ,e ficou ainda mais sem jeito ao ver o modo como a bela dama á sua frente lhe olhava, olhava como se ela fosse alguma lunática que acabava de sair do sanatório. Com um pouco de delicadeza Isabella esfregou o belo anel de diamante que estava no mesmo dedo que sua bela aliança que era tão grossa quanto os pequenos diamantes que tinham cravados na aliança. Aquele fora o anel que Edward deu á ela de noivado, a aliança fora àquela que ele comprara para o dia do casamento que fora ungida pelo padre.

-- Mamãe! - Anthony disse correndo até ela e abraçando-a pelas pernas.

-- Senhora Cullen? - Carmem a diretora da escola apareceu mais atrás de Anthony — queira me acompanhar, por favor.

....
Isabella estava furiosa, Anthony vinha no banco de trás dormindo calmamente, ela estava presa em um engarrafamento que parecia não ter fim, ela ainda ficaria por longas horas e achou até ótimo o Anthony estar dormindo, desse jeito o menino não se assustaria com a cara de brava que ela estava. Isabella não gostou nada do modo como a diretora falou do menino, quem ela pensava que era? O fato de ela ser uma educadora não dá a ela o direito de falar de alguém assim. Definitivamente Carmem teve muita sorte em não ser esganada por Isabella, pois a vontade da menina era matar a mulher de meia idade.

 Isabella subiu carregando Anthony no colo, o menino ainda dormia como o anjo que era nos seus braços, ela olhava para aquela pequena criaturinha que dormia em seus braços e se emocionava só de ver o quanto ele era frágil e sensível, ela não deixaria ninguém fazer mal á ele, ela soube disso desde o primeiro dia em que olhou aqueles belos olhos verdes que só lembravam os olhos do seu pai.

Isabella bateu na porta, não tinha como ela abrir a porta com o menino em seu colo, em questão de segundos a porta fora aberta por uma mulher que ela não conhecia.

-- Onde esta Sue? - Ela perguntou em um tom baixo para não acordar o menino.

-- Na cozinha senhora! - A jovem disse um tom baixo, mas meio arrogante Isabella achou — deseja alguma coisa?

--Quem é você? - Não me lembro de você estar trabalhando aqui? - Isabella disse sem rodeios.

-- Sou a nova empregada! - Ela disse.

Claro, Edward havia lhe falado que tinha contratado uma nova empregada para ajudar Sue já que Anthony estava vindo morar com eles.

-- Peça para Sue ir ao meu quarto! - Ela disse caminhando em direção aos quartos da casa que fica no segundo andar — por favor, não demore!
 A empregada olhou com cara feia para Isabella, que devido estar de costa para a jovem não viu a careta que a jovem fez para ela, mas Anthony que estava já acordado mais quietinho em seu colo viu tudo e mostrou a língua para a jovem que ficou assustada com o comportamento mal educado do menino. Quando Isabella entrou no quarto do menino e o colocou na cama, foi que percebeu que ele estava acordado.

-- Esta com fome? - Ela perguntou ajudando ele a tirar o sapato.

-- Um pouquinho! - Ele disse fazendo beicinho.

-- Vou pedir para Sue trazer o seu almoço! - Bella disse beijando os seus cabelos.

-- Mamãe! - Ele disse antes da Bella sair, era a segunda vez que ele a chamava de mamãe — você vai falar para o papai o que aconteceu?

Bella não sabia o que dizer, ela não queria falar com Edward sobre isso e pelo modo que Sue falou que Edward ficaria bravo quando soubesse, era mais um motivo para não querer contar para ele.

-- Se você prometer que vai se comportar, eu não falo nada! - Ela disse sorrindo para ele.

-- Tudo bem, eu prometo! - Ele disse pulando na cama.

-- Ok, agora se senta que vou trazer o seu almoço!-  Ela disse saindo do quarto.
...

Edward estava no escritório, já passava das duas quando Irina interfonou para ele dizendo que a Carmem queria falar com ele. Irina não sabia nada sobre a existência de Anthony, assim como muitos naquela empresa. Ela sabia que Carmem era uma velha amiga de Edward, pelo menos fora isso que ele disse para a loira quando ela questionou devido as ligações dela.

-- Senhor Cullen! - Ela começou — Quero dizer que sua mulher esteve hoje aqui, Anthony se comportou mal novamente e ligamos para a sua casa e fora ela quem veio.

-- O que Anthony fez dessa vez? - Edward fora direto ao assunto.

-- Ele brigou com um colega, e mordeu o menino no braço! - Carmem disse o ocorrido — quando falei para a sua esposa, ela pareceu bastante revoltada e chegou até a se alterar aqui em minha sala — Carmem ficou em silêncio coisa de segundo — senhor Cullen, sua esposa ameaçou tirar o seu filho da nossa escola, bom acho que você devia conversar com ela.

-- Claro! - Edward disse bastante irritado com toda a situação — obrigado por me informar, tenha uma boa tarde Carmem.

Edward desligou o telefone, sua irritação estava ainda maior, já não bastava Isabella ter o feito quebrar uma parte do acordo que tinha no contrato, agora estava escondendo dele as malcriações do seu filho, Anthony era filho dele, Isabella não tinha o direito de se meter do jeito que estava fazendo na educação do menino. O resto do dia fora perdido, Edward não conseguiu se concentrar em mais nada pelo resto da tarde, e para deixar ele ainda mais irritado uma reunião de última hora com todos os acionistas da empresa fora convocado pelo pai dele era o que faltava para completar o seu dia.

.....

Isabella estava no quarto com Anthony, ele estava deitado com a cabeça no peito da jovem enquanto ela lhe contava uma história que ele ficava mudando o tempo todo, branca de neve já não tinha o mesmo encanto para ele, então ele mudava o rumo da história colocando o lobo mau e o bicho papão para devorar a branca de neve e os sete anões. Sue e Tia já haviam partido, Isabella não gostou nada da nova empregada, mas também não reclamaria com Edward, até por que ela teria uma longa conversa com ele sobre a mudança do menino de escola.

-- Então o lobo mau comeu a branca de neve! - Anthony disse e Isabella acabou rindo do modo que ele disse — fica aqui comigo? — Anthony disse se agarrando ainda mais a ela — não quero dormir sozinho!

-- Tudo bem! - Ela disse fazendo carinho em sua costa — mas por que não quer dormir sozinho? - Bella quis saber qual o motivo do medo.

-- Tenho medo do escuro! - Ele disse bocejando — e papai vai brigar comigo, quando souber que briguei na escola.

-- Mas você não teve culpa! - Bella disse lembrando o que Anthony disse a ela antes dela entrar na sala da diretora.

-- Mas o papai nunca acredita! - Ele murmurou com a voz fraquinha e cansada pelo sono. — são eles que me provocam, é sempre eles mamãe.

 Bella sentiu mais uma vez seu peito se encher, já não era a primeira vez que ele a chamava de mamãe, passou a tarde toda chamando ela assim, mas para Isabella era como se fosse a primeira vez sempre, ser chamada de mãe pelo Anthony sempre fazia seu peito se encher de alegria.

-- Pode deixar, a mamãe vai te proteger! - Ela disse beijando os cabelos do menino e fazendo um carinho logo em seguida.

...

Edward saiu tarde da empresa, tudo o que ele queria era chegar em casa e ter uma daquelas longas conversa com Bella, ela não tinha o direito de se meter desse jeito na vida do filho dele, Anthony era assunto dele, ela não tinha que se meter no modo como ele educava o menino. Os pneus do carro dele fizeram barulho ao entrar na garagem do prédio onde ele morava, o elevador parecia mais lento do que o normal, mas era tudo coisa da cabeça de Edward, ele tinha pressa de chegar, mas parecia que o tempo só atrasava.

Ele passou pela porta do apartamento fumaçando, seus olhos estavam meio vermelhos de raiva, pelo estresse da reunião e pelo estresse que ele sabia que teria agora com Isabella, ele foi direto para o quarto onde eles estavam dividindo, mas achou tudo vazio, a luz apagada. Ele olhou em volta, mas nada ali estava bagunçado, sinal que ninguém pisava naquele cômodo há algum tempo. Ele saiu e caminhou em direção ao quarto do filho e quando abriu a porta deu de cara com uma visão que ele não estava preparado ou não estava acostumado a ver. Isabella estava deitada na cama do filho com o pequeno homem deitado com a cabeça em seu peito abraçando o corpo dela e dormindo tranquilamente como um anjinho. Isabella tinha os olhos fechados, mas abriu assim que a porta fora aberta, fez sinal para Edward esperar, ela olhou para Anthony e ele dormia profundamente, com cuidado ela tirou o menino do seu peito e o deitou com todo jeito e carinho em sua cama, para logo em seguida cobrir o menino com um lençol, curvou o corpo para dar no menino um beijo de boa noite e ligou a luz do abajur ao lado da cama do menino. Depois de fazer tudo isso ela caminhou para fora do quarto do menino encontrando Edward encostado contra a parede com os braços cruzados, ele já não estava com tanta raiva assim, apenas estava confuso e surpreso com a cena que viu naquele quarto.



terça-feira, 25 de setembro de 2012

Capitulo 26-- Um Erro E Dois Acertos


Um mês de namoro

“Me provoque, me  desafie, me tire do sério, me tire do tédio, vire meu mundo do avesso. (Clarice Lispector)”

Bella respirou fundo por cinco vezes antes de abrir a porta do banheiro, ela não iria esperar mais, tinha que ser agora ou não teria coragem. Ainda se lembrava da conversa que teve com a amiga Nessie, no sexy shop, quando mostrou a fantasia para a menina.

– Homem adora essas coisas. – Nessie disse com um sorriso travesso nos lábios.

– Eu não sei. – Bella murmurou bem duvidosa de que isso fosse uma boa ideia. – Talvez o Edward não goste.

– Bella ele é homem! –  Nessie repreendeu. – Jacob adora! Sério eu não sei o que eles vêm nessas coisas, mas essas belezinhas os deixam loucos de tesão. – Disse rindo. – Leva essa de gatinha, acho que ele vai gostar já que Edward tem cara de ser bem dominador.

Bella corou, mas acabou rindo, de fato a amiga tinha razão porque Edward era bastante dominador quando o assunto era sexo.

Mandando os pensamentos para longe Bella saiu do banheiro e a primeira coisa que seus olhos captaram fora o rosto de Edward, havia ali um misto de surpresa e malícia. Isabella ainda estava parada perto da porta do banheiro e Edward se ajeitou na cama de modo que suas pernas ficassem para fora e seus pés tocassem o chão. 

Ela respirou fundo, se abaixou ficando completamente de quatro, fora até ele engatinhando e ao chegar perto esfregou o corpo por suas pernas como um gatinho faria normalmente, Edward levou sua mão para o cabelo da garota e fez um afago em forma de carinho.

Era algo novo e ao mesmo tempo muito tentador para Edward, devido aos acontecimentos das últimas semanas ver Isabella assim, desse jeitinho tentando agradá-lo, estava sendo o paraíso, sem falar da fantasia que lhe caíra muito bem. As orelhas de gatinha na cor rosa estavam sobre sua cabeça, em seu rosto ela mesma havia desenhado com lápis de olho os bigodes que os gatos têm e pintou o nariz rosado com um batom, usava uma camisola rosa transparente que cobria seu corpo, a peça era tão minúscula que deixava à mostra a pequena calcinha rosa que na parte de trás tinha um rabinho de gatinho preso na peça, Isabella estava divinamente perfeita e tentadora para ele.

– Minha pergunta pode soar meio grosseira. – Edward levantou o rosto da menina e segurou seu queixo. – Mas qual o motivo especial? – Ele sorriu malicioso. – Tudo isso é para mim?

Bella sorriu, pois tinha razão, ele não se lembrava da data daquele dia, mas ela não iria culpa-lo devido aos últimos acontecimentos que foram tensos para todos.

– Mais ou menos. – Subiu na cama e sentou em seu colo dando leves rebolados. – Quer mesmo saber o  real motivo? – Perguntou mordendo os lábios de seu amado e chupando-os no final da mordida.

Edward soltou um gemido rouco e apertou a cintura da menina com um pouco de força, fazendo as intimidades dos dois se esfregarem causando atrito entre os dois corpos.

– Quero! – Disse beijando o pescoço de Bella e mordendo sua orelha. – Você está muito gostosa assim que fiquei duro só de te ver com essa fantasia. – Sussurrou contra seu ouvido.

Claro que Edward também sabia provocar, era algo tão fácil para ele deixar Isabella molhada e pronta com apenas algumas palavras.

– Nosso aniversário! – Falou ofegante sentido as mãos de Edward em sua bunda apertando-a levemente e massageando-a. – Nosso aniversário de namoro, hoje faz um mês. – Disse tudo de uma só vez.

 Edward parou o que fazia e segurou o rosto da menina, ficou um pouco frustrado por não ter se lembrado e não estava nada confortável com isso, mas quando fora abrir a boca para falar algo Isabella o calou com um dedo em seu lábios.

– Não precisa se martirizar por não ter se lembrado e nem me dar nada. – Falou dando um sorriso radiante para ele. – Você já é o meu presente, você já me dá  tudo que eu preciso. – Deu um sorriso safado e rebolou no colo dele fazendo-o gemer. – Hoje a noite é todinha nossa. Miau! – Ela miou fazendo Edward, por fim, perder completamente o controle.


Edward virou Isabella de costas para ele, mas manteve-a em seu colo, beijou o pescoço da menina e apertou os seios por cima da camisola. Isabella não pode deixar de gemer e estava queimando por dentro que séria até impossível se controlar.

– Hum, então minha gatinha tá carente? – Edward perguntou em seu ouvido ainda massageando os seios da menina, ora apertando ora beliscando os bicos. – Fala pra mim, minha gatinha quer carinho? Ou quer ser fodida como uma verdadeira gata no cio?

Isabella gemeu quando sentiu uma das mãos de Edward entrando na minúscula calcinha que usava.

– Vejo que minha gatinha quer ser completamente fodida. – Ele provocou penetrando-a com um dedo. – Mas essa gatinha vai ter que fazer por merecer, só assim terá meu pau fodendo ela a noite inteira. – Introduziu um segundo dedo. – O que minha gatinha vai fazer para ganhar isso?

– A gatinha... –Respondeu ofegante buscando por ar, pois os dedos de Edward faziam maravilhas dentro dela. – Sua gatinha vai te chupar todinho! – Falou por fim quase gritando.

Edward sorriu com a resposta da menina, retirou os dedos de dentro dela e deu um tapa leve m sua coxa fazendo-a descer para o chão e ficar de quatro em sua frente. Isabella levou as mãos trêmulas até o botão da calça do namorado, não era a primeira vez que chuparia Edward, mas o fato de querer fazer algo diferente estava deixando-a nervosa. Com bastante cuidado, e, ao mesmo tempo pressa, ela puxou a calça levando junto à boxer branca que ele estava usando e Edward mesmo tratou de se livrar da própria camisa ficando completamente pelado e a total dispor de Isabella.

– Agora seja uma boa gatinha e me dê uma boa lambida! – Edward pediu afagando o rosto da menina.


Isabella sorriu e curvou a cabeça pra frente pegando entre as mãos o membro pulsante e duro de Edward, as veias do seu membro estavam inchadas tamanho era o tesão que ele sentia. Ela passou a língua por todo o comprimento de Edward por várias vezes e ele tentava se controlar para não gemer muito alto e nem gozar na boca da menina, pois achava que ainda era cedo para isso.


Bella com mais confiança abocanhou o membro do namorado engolindo-o quase completamente, usou a língua para circular a glande antes de começar o vai e vem com a boca chupando-o com vontade. As mãos de Edward já estavam no cabelo da menina ajudando a guiar os movimentos, ele estava alucinado de tesão fodendo a boca de sua garota e o fato dela estar o encarando o tempo todo o deixava ainda mais excitado.

Isabella para provocar um pouco passou a língua por todo o seu membro indo até suas bolas e chupando uma de cada vez, antes de voltar a colocá-lo por inteiro dentro da boca. Edward soltou um gemido rouco e alto, enrolou o cabelo de Isabella em sua mão e puxou sua cabeça para trás, enterrando seu membro por completo dentro da boca da menina.

– Ah, você tá virando uma putinha perfeita. – Falou ofegante e soltando os cabelos de Isabella que tinha um brilho nos olhos. – Minha putinha!

Ele deixou isso bem claro e Isabella sabia o que aquilo queria dizer, além de sexo selvagem queria que ela fosse uma safada e fogosa na cama. Bella voltou a chupá-lo com mais intensidade até que Edward não resistiu e gozou em sua boquinha, ela engoliu e um pouco vazou pelo canto de sua boca, então ela lambeu de forma bem sexy sem desviar os olhos dos de Edward.


– Você está virando um monstro menina. – Sussurrou puxando-a para seu colo novamente. – Minha gatinha está tão molhada de tesão, hum será que ela tá querendo pau nessa boceta? – Ele beliscou o clitóris de Bella que já estava inchado e ela gemeu alto. – Oh, sim! Minha gatinha quer meu pau fodendo essa boceta. – Já não era mais uma pergunta, pois ele sabia o que ela queria, mas queria vê-la implorar para ser fodida. – Peça para mim! – Ordenou.

– Por favor.  – Sussurrou gemendo ao sentir Edward esfregar seu membro por cima da calcinha. – Por favor, me fode! – Praticamente gritou.

– É claro que vou. – Disse sorrindo.

Edward rasgou a camisola de Bella de cima a baixo e jogou os trapos pelo chão do quarto, logo a boca de Edward percorreu todo o corpo da menina, chupando e mordendo sua pele branca, sugou e mordeu os bicos dos seios dela que gritava, gemia e implorava por mais. Suas mãos estavam em todo lugar causando ainda mais calor e deixando-a louca de tesão, os dedos dele entraram em sua calcinha encharcada e a penetrou com entusiasmo e fúria, fazendo o corpo da menina se curvar e ela arfar de prazer.

– Isso, aperta meus dedos com essa bocetinha. – Falou enquanto aumentava o ritmo.

– AAAAH! – Ela gemeu puxando os cabeços de Edward que chupava seu seios com virgor. – Edward, oh Edward! – Gritou gozando nos dedos do Cullen.

Ele sorriu ao vê-la ainda sobre o efeito do pós-orgasmo, a face vermelha, lábios meio abertos, os olhos perdidos e sem foco e o corpo tendo pequenos tremores.

– Deliciosa! – Disse chupando os dedos melados pelo gozo da sua garota de uma maneira tão sexy que a fez gemer com a cena e ficar ainda mais molhada. – Quero você de quatro gatinha.


Ela gemeu e ficou na posição que fora ordenada. Edward logo se colocou atrás da menina acariciando sua bunda e depois deu um tapa na pele branca deixando-a vermelha, ele se curvou para frente de modo que seu membro pudesse causar atrito em ambos os sexos, beijou a nunca da menina antes de sussurrar em seu ouvido.

– Você não faz ideia de como fica gostosa nessa posição! – Ele enfiou a língua em sua orelha causando um arrepio ainda maior na menina. – Não imagina o quanto desejo foder esse rabinho que fica piscando e implorando para ter meu pau, quero enfiá-lo nesse buraquinho quente e apertado. – O corpo de Isabella ficou tenso, ela nunca tinha feito isso e sabia pelo pouco que leu sobre sexo anal que doía muito. – Relaxa! – Edward sussurro ao notar sua tensão. – Não vou fazer isso, não hoje porque você precisa estar prepara querida.

Ele mordeu a orelha da menina provocando-lhe arrepios, as mãos que estavam em sua cintura fora parar em seus seios, apertando e beliscando-os, ele a torturava de um jeito delicioso e prazeroso fazendo-a arfar, então os gemidos de Isabella se tornaram gritos e súplicas por mais. Seu quadril ganhou vida própria e a menina se esfregava em Edward causando ainda mais atritos entre os seus sexos.

– Por favor! – Isabella gemeu alto. – Por favor, Edward!

– Por favor, o quê? – Ele a provocou beliscando seu clitóris. – Diga Isabella!

– Me come logo merda! – Ela gritou novamente quando ele beliscou seu clitóris com ainda mais força.

– Não é assim que as boas meninas falam. – Mordeu a orelha dela. – Vamos lá Isabella, você pode fazer melhor, você sabe ser uma putinha cama então mostra pra mim vai! –Provocou ainda mais.

– Você está me deixando louca. – Ela gemeu sentindo os dedos dele entrarem em sua boceta molhada.

– Nada se compara ao estado que você me deixou quando colocou essa fantasia, agora seja uma boa putinha e peça para ser fodida por mim.

Gemidos e mais gemidos, foi tudo que saiu da boca de Isabella durante alguns segundos e os dedos de Edward trabalhavam fervorosamente na boceta dela, deixando-a cada vez mais molhada e sempre que estava perto de gozar ele parava de estimula-la e beijava sua nunca, só daria o que Isabella tanto queria quando a garota pedisse.

– Edward! – Gritou  e gemeu frustrada quando ele parou os movimentos.

– Sim, minha querida. Vai dizer as palavras magicas? Ou prefere continuar sem sentir isso? – Ele esfregou seu membro duro na boceta molhada de Isabella fazendo-a arfar e gemer. – Diga Isabella, você sabe o jeito que eu quero, apenas diga!

– Por favor!

– Por favor o quê? – Provocou novamente.

– Por favor, me fode Edward! – Falou enquanto seu rosto ficava quente. – Me fode  até eu gozar no teu pau deixando ele todo lambuzado, me faz gemer e gritar em cima dele enquanto me fode.

– Viu como não foi difícil minha putinha!– Sussurrou contra sua pele quente e suada. –Agora toma o que você tanto deseja.


Em apenas uma investida o membro de Edward já estava todinho dentro dela e seu corpo afastou para frente enquanto um gemido ecoava pelo quarto. Os movimentos eram lentos e torturantes, ele não tinha pressa porque queria tortura-la ainda mais. Suas mãos não saíram do corpo da menina tornando tudo ainda mais prazeroso, ele mudou o ritmo das investidas de modo que ficaram mais fortes e mais fundas, suas mãos estavam ainda mais urgentes e quando Bella achou que iria ganhar seu clímax ele parou e os mudou de posição. Passou boa parte da noite torturando-a, fazendo-a gemer a cada nova investida. Edward parecia conhecer mais posições do que Isabella conseguia imaginar e a cada nova posição ela ficava ainda mais quente e mais acessa. Os gemidos se transformaram em gritos de prazer, o quarto cheirava a sexo, os corpos estavam extremamente suados, e, mais uma vez, Edward mudou de posição sentando na beirada da cama com Isabella no seu colo. Ele segurava a cintura da namorada fazendo-a subir e descer como meretriz enquanto ela cavalgava com perfeição. As mãos de Edward desceram pela carne macia da bunda de Isabella até alcançar seu buraquinho intocado, ela ficou tensa ao sentir o dedo circulando e forçando sua entrada ali.


– Relaxa. – Falou mordendo o pescoço dela. – Apenas relaxe e volte a cavalgar no meu pau, confia em mim!

As palavras dele a fez relaxar, sem contar que ela estava muito excitada, ainda mais sentindo o dedo de Edward lhe penetrar aos poucos. A cada movimento de Isabella o dedo de Edward entrava mais fundo na parte de trás do seu traseiro, a menina ditava o ritmo e sentia como se estivesse sendo preenchida completamente, quando ela se movia para frente o dedo dele saía um pouco de dentro do seu ânus, quando voltava a sentar sobre o membro de Edward o dedo dele voltava a preenchê-la por trás.

Eles estavam muito ofegantes e com mão livre Edward ajudava Isabella a subir e descer em seu membro, penetrando-a mais fundo e mais rápido como lhe era permitido, a parede da boceta dela estava cada vez mais apertada e ela gozaria em breve. Ditando um ritmo mais rápido Isabella explodiu em gozo gritando o nome de Edward e ele veio logo atrás, mordendo de leve o ombro da garota para que seu gemido fosse abafado pela pele quente e suada dela.

Ambos caíram na cama, o corpo de Isabella estava por cima de Edward e eles ainda estavam encaixados, corpos suados, respirações ofegantes e corações acelerados. Os dedos de Edward faziam desenhos imaginários nas costas dela enquanto seus corpos voltavam ao normal. Já recuperado Edward se levantou com Bella em seu colo e caminhou para o banheiro.


– Para onde está me levando? – Perguntou meio sonolenta e com o corpo mole.

– Tem que se banhar antes de dormir.

Com Isabella no seu colo e as pernas presas em sua cintura, ele ligou o chuveiro e entrou com ela. Fora um banho rápido somente para tirar o suor do corpo e o cheiro de sexo, assim que o banho terminou voltou para o quarto, secou o corpo da menina que parecia bem sonolenta, foi até o closet pegar uma camisola para ela e ajudou a vesti-la.

– Edward? – Isabella chamou quando ele voltou para dentro do closet.

 Assim que voltou para o quarto já estava usando um short de pijama, caminhou em direção à cama e se deitou ao lado da namorada que tinha a cabeça apoiada sobre os cotovelos.

– Algum problema? – Ele perguntou fazendo carinho em seu rosto.

 – Espera. – Falou se virando um pouco e abrindo a gaveta do criado mudo, tirando dali a caixinha preta de veludo. – Eu não sabia o que comprar para você, então comprei isso. –Estendeu o objeto para ele meio insegura. – Não precisa usar se não quiser, mas peço que pelo menos guarde.

– Deixe me ver! – Disse enquanto pegava a caixinha.

Edward observou que ali dentro tinha dois anéis prateados muito bem feitos, com cuidado examinou a peça em suas mãos e notou que tinha algo escrito na parte de dentro do anel. Ele pegou um dos anéis e observou cuidadosamente a escrita dentro.

“Dono da bonequinha Swan.”

Um sorriso nada discreto surgiu nos seus lábios, muito curioso para saber o que tinha no outro anel ele o pegou e também observou a escrita.

“Bonequinha do Cullen.”

Ele sorriu ainda mais, fora apenas uma vez que a chamou de bonequinha particular do Cullen e fora nessas semanas que se passaram, em meio a uma briga. Edward nunca pensou que ela faria isso, que mandaria gravar as frases no anel.

Lembranças...

– Você está insuportável com esse humor. – Isabella disse pulando da cama pronta para sair do quarto.

– Onde pensa que vai? – Ele perguntou puxando-a pelo braço.

– Vou dormir em outro quarto! – Gritou tentando se soltar dele.

– Você não vai a lugar nenhum. – Murmurou entre dentes segurando-a com firmeza. – Você é minha Isabella! Minha, e vai ficar aqui onde eu estou!

– Eu não sou sua boneca de luxo. – Falou na cara dele.

– Ah, você é sim. – Disse olhando sério para a menina. – Você é minha boneca, a bonequinha do Cullen! – Disse áspero. – A minha bonequinha Swan.

Fim da lembrança.

Edward olhou profundamente para Isabella, pegou uma de suas mãos e no seu dedo anelar colocou o anel com a frase “Bonequinha do Cullen”.

– Adorei o presente. – Falou dando um beijo nos lábios de Bella e colocando o anel que seria dele em seu dedo. – Agora durma, você precisa descansar.

Edward a puxou para seus braços fazendo-a se aconchegar ainda mais nele, fez carinho com as pontas dos dedos nas costas dela e fora apenas questões de segundos para que ela dormisse. Ele estava feliz, não sabia ao certo como demonstrar isso, mas seu peito estava cheio de felicidade. Isabella dormia calmamente em seus braços, sentindo o cheiro que ela tanto aprendera a gostar, o cheiro que era dele, o cheiro de Edward.

Continua...