Jul M

Oi

terça-feira, 19 de junho de 2012

A protistuta (Fic) Capitulo !

               A Prostituta

Lembranças
Um passo de cada vez. Apenas o futuro importava para Isabella agora. Não, ela não conseguia se arrepende das decisões tomadas, ela sabia que esta era a solução imediata para seus problemas e a única forma de salva a vida de sua irmã caçula. A culpa oprimia sua alma, para ela, estar em uma cidade distante de sua família fora a causa do inicio dos pesadelos. Estando aqui talvez tivesse impedido tudo isso e sua irmã seria uma jovem livre.


Há seis meses Renesme vivia no bordel, no começo ela odiava tudo a sua volta e sentia nojo dela mesmo por fazer isso. Aro foi bem claro quando a jogou nessa vida, ou ela fazia o que ele mandava ou seu pai e ate mesmo ela morreriam. Renesme amava muito seu pai, e sabia que a culpa de tudo era dele e ainda assim ela não conseguia sentir raiva e se para mantê-lo vivo este era o preço, ela pagaria.


Renesme lembrava com clareza a primeira vez que se viu obrigada a deita com homem desconhecido no sentido físico e emocional. Para sua sorte ou aza, ela nunca soube dizer, seu primeiro cliente era jovem . o estudante de medicina acabara de se formar e ganhará dos amigos uma noite especial no bordel, uma noite com uma virgem.


Claro que Aro cobrou caro por isso, a final a jovem era virgem e o jovem medico seria primeiro a toca em seu jovem corpo. O acordo feito e o jovem medico foi mandado para um dos quartos da casa de luxo. La ele encontrou Nessie, como era conhecida na casa, sentada na cama, encolhida e bastante assustada, trajava apenas uma camisola de seda vermelha que se destacava sobre a pela pálida, os cabelos acobreados caiam em ondas por seus ombros, o único traço em seu corpo que a fazia lembrar da mãe. os cabelos cor de cobre sempre a perseguiriam, quem sabe toda a esta dor não seria uma punição bem recebida por causar a morte a mulher que lhe deu a luz.


O jovem medico ao entrar no quarto ficou petrificado com a beleza da jovem. Ele caminhou ao seu encontro, sentando-se a seu lado na cama, ela estava com medo, não sabia como fazer e nem como agir, sua mãos estavam suando e ela se assustou quando sentiu o toque leve e suave dos dedos do jovem em sua pele. Renesme não levantou o rosto para ver quem era o homem que lhe tocava, tinha medo de ver que seu primeiro cliente era velho e opressor.


–Não se assuste! -Um voz masculina, rouca e muito convidativa ecoou no ao lado de seu ouvido.- Não machucarei você!
Nessie tentou relaxa, acalmar as batidas de seu coração. Não era fácil controlar todo o medo que sentia. A medida que as caricias do jovem ficaram mais intensa, ela não conseguiu se controla e desabou em choro doloroso. Assustado, o jovem medico, puxou o pequeno corpo para cima do seu e a ninou. Nessie chorou durante alguns minutos ou quem sabe horas, ela não saberia dizer.


O corpo forte em contato com o seu lhe acalmava. Ela pode sentir a forca do rapaz, o peito bem desenhado por músculos trabalhados e os braços fortes. Seu cheiro era amadeirado, loção de barba talvez, a pele dourada e macia ao toque, Nessie se sentiu estranha nos braços do jovem. Seu corpo reagia de maneira desconhecida.


– Esta mais calma?- A mesma voz rouco de outrora ecoou em seu ouvido.- Me diga por que chora? A assustei de alguma forma?


O jovem tinha duvidas, não fizera nada até o momento. Nessie apenas negou com a cabeça e como resposta recebeu beijos molhados sobre a pele de seu pescoço, os beijos passaram a pequenos chupões e seus dentes mordiscavam a pele pálida de seu pescoço e colo. Quando o jovem percebeu que ela não mais choraria, apertou seu seio sobre camisola e soltou um leve gemido próximo a seu ouvido.


– Eu só não sei o que fazer! - Confessou Nessie com voz chorosa –


– Nunca fizeste isso antes? -Pergunta o jovem surpreso- Nunca esteve com um homem, menina?


Menina, ele a chamou de menina. Havia percebido o quão nova ela era. Não saberia ao certo o quão nova, mas percebia a inocência infantil em seus olhos e nos traços de seu corpo.


– Diga? -Ele pressionou ao ver seu silencio-.


– Não. Nunca estive com um homem. Você é o primeiro com quem tenho mais contato.


Claro que jovem se sentiu honrado e ao mesmo tempo surpreso, afinal em pleno século XI, era raro acha um jovem que fosse ainda virgem. Claro que ele sabia que ainda existia, mais nunca tinha tido tão prazer de ter uma em seu braços.


– Jacob! -Ele disse segurando o rosto da pequena jovem em suas mãos, olhando em seus olhos pela primeira vez- Me chamo Jacob Black


Renesme se sentiu segura nos braços do jovem de pele morena, por incrível que pareça essa era primeira vez que se sentia segura em toda sua vida ate mesmo quando morava com seu pai nunca se sentia tão segura.


– Nessie. Me chamo Nessie! Ela achou melhor dizer o novo nome e não o verdadeiro. Uma regra da casa.


– Muito prazer Nessie! Ele disse beijando sua mão.
– Queria que fosse diferente, mais você saber que não será, se não for comigo seu chefe mandara outro.


Nessie sabia que Jacob dizia a verdade, e sabia que ela podia confia nele. Não entendia tal sentimento, como confiar em alguém tão cegamente, alguém que conheceu a apenas alguns minutos e que estava pagando para ter seu corpo!


– Prometo que serei carinhoso. Tentarei seu o mais gentil possível! Jacob disse a verdade, ele tentaria lhe dar uma primeira vez de verdade e em retribuição ganhara da jovem algo em especial. Em seus olhos ele encontrou algo a muito perdido, só não sabia colocar aquilo em palavras ainda.


Nessie apensa acenou com a cabeça concordando com suas palavras. Não havia como voltar atrás e se fosse para ter um primeiro, que fosse com ele.


Tudo começou tão calmo, os lábios de Jacob estavam no pescoço da menina, indo para sua clavícula e subindo para seu rosto. Ela não era primeira prostituta com quem ele se deitava, mais foi a primeira que sentiu vontade de beijar. Foi o que fez, a beijou com fome, urgência e fervo. Nessie correspondeu ao beijo com intensidade , não fora seu primeiro beijo, havia namorado antes, um colega de escola com o qual nunca mais falaria.


Jacob invadiu a boca da garota com sua língua explorando cada canto e cada estação daquela boca carnuda ao qual ele beijava com tanto fervo. Aos poucos Jacob foi deitando seu corpo sobre o da menina na cama e suas mãos desceram pela nuca da jovem em direção a seu corpo de forma faminta, seus dedos ágeis amassando a camisola e colando seu corpo ainda mais no dela. Nessie sentia todos os toques e caricias que Jacob lhe dava com tanto fervo.


Ela sentiu suas mãos ganharem vida e voarem para os cabelos negros do jovem, puxando os fios na intenção de manter seu rosto preso ao seu em um beijo avassalador. O corpo da jovem foi tomado por um calor insuportável, as mãos sobre sua camisola já não bastavam, ela queria algo mais, algo desconhecido e novo. Os dedos de Jacob fincaram sobre sua pele forçando seu quadril ainda mais contra a pele morena, sua necessidade era incontrolável, desejava afundar-se por completo naquele corpo tão convidativo.


A boca de Jacob abandonou a de Nessie o que a fez solta um gemido de lamento e ganhar um sorriso bobo do rapaz. Os lábios do jovem voltaram para seu corpo, sua boca devastava cada parte do seu pescoço chupando e mordicando sua pele sensível. Suas mãos apertavam e massageavam seus seios e pode-se ouvir o som da sede rasgando.


Sim Jacob acabara de rasgar a camisola. Seus lábios desceram um caminho de beijos molhados ate seu seio o abocanhando, lambendo e chupando com devoção, suas mãos massageavam o outro seio com maestria, ele brincava entre os dois, se dividindo em chupá-los e mordicá-los. Nessie nunca sentira tanto prazer na vida, tantas coisas novas em uma única noite. Soltava gemidos roucos e tentava a todo custo arranha, aperta e se fundi ao homem que estava lhe matando de tanto prazer.


Jacob retirou o restante do pano da camisola de seu corpo o jogando em algum canto daquele quarto. Jacob se afastou para admirar o corpo que lhe despertava tanto desejo. Ficou fascinado com tamanha beleza, mesmo que ainda não pudesse a vê-la completamente devido a minúscula calcinha em tom vermelho que usava, chegou a saliva tamanho desejo em prová-la. Jogou sua camisa no chão do quarto, retirou sua calça, sapatos e meias, permanecendo apenas com a boxer.


Jacob voltou para cima da cama beijando cada parte do corpo de Nessie, se permitindo fazer algo que nunca tinha feito, nem mesmo com as suas ex namoradas, retirou a calcinha da jovem com os dentes, fazendo com que jovem gemesse sobre seu corpo. Voltou beijando sua perna esquerda e a parte de dentro de sua coxa, por fim chegando em seu sexo, que já pingava de tesão pelo moreno. Jacob, literalmente, caiu de boca em sua boceta, chupando e sugando tudo que ali tinha, Nessie gritou, gemeu e se contorceu ao sentir a invasão em seu corpo.


Jacob a penetrou com língua arrancado dela vários gemidos alto, suplicas por mais e mais, sua boceta quente lhe queima a língua a cada investida. Nessie se contorcia e suas mãos fortes tentavam mantê-la firme no lugar. Jacob levou dois dedos sobre seu clitóris pressionando com força fazendo menina grita e gozar em sua boca. Nessie sentia seu corpo todo suado dando leve espasmo devido a nova sensação do pós orgasmo.


Jacob por sua vez chupo cada gota daquele doce prazer recém descoberto, se afastou olhando para rosto vermelho e suado da jovem, lambeu os lábios provando o resto do seu gozo.


–Tem um gosto magnífico menina!


Nessie ainda tinha rosto ruborizado devido o prazer, estava ofegante. Jacob não a deixo se recuperar e voltou a beijar cada parte de seu corpo enquanto se livra da boxer e pegava um preservativo. Afastando-se minimamente o deslizou pelo membro duro e pulsante e se colocou entre as perna da menina, mantendo suas pernas afastadas, Nessie sentiu uma pequena pressão sobre sua boceta, o membro de Jacob roçando sua entra, ela não era tão ingênua assim já tinha visto ou ouvido falar de sexo e sabia o que aconteceria agora.
–Irei com calma prometo! Ele disse beijando sua boca


Jacob forçou sua entrada, fazendo a cabeça do seu membro entra, e fazendo Nessie gemer de dor, ele continuou a penetrá-la ate atingi a barreira da sua virgindade a rompendo de uma vez. O gemido de dor fora abafado pelo beijo lascivo de Jacob. O jovem ficou imóvel dentro dela deixando que se acostuma-se com a invasão. Depois de um tempo ele começou a se move, um movimento lento, mas profundo, aos poucos eles foram ganhado ritmo e o que era calmo ficou urgente e ganancioso.


As investidas de Jacob eram fortes e arrancavam grandes gemido de Nessie, ela sentia grande necessidade de mais e mais dele, gritava pedindo por isso e ele dava ela cada vez mais, ate que ambos gozaram. Nessie tinha o corpo suado e mole, nunca sentira tanto prazer na vida. Jacob ainda tava ofegante do seu lado, mais nem um pouco saciado.


– Preciso de mais! Ele disse já com mão em seu pau que estava duro de novo


Nessie ficou em duvida, sabia que não teria mais volta, não depois de hoje, então achou melhor ter tudo o que aquele jovem pudesse lhe proporcionar. Seu futuro não lhe garantiam muitos Jacob pela frente.


– Faça-me sua de todas as formas possíveis! Nessie disse ganhado sorriso de volta de Jacob.


Jacob abusou dela de toda as forma possível, transaram em todo quarto em vários posições e de várias formas, de lado, de quatro, ela sentada em seu colo, de conchinha, com ela por cima. E por ultimo e pouco antes de sol nascer no céu de NY, Jacob também desvirginou seu outro buraco intocado. Fora um pedido da jovem, uma forma de ter tudo com aquele rapaz que aquecera seu coração, só ele teria tido este momento, só para ele e ela se entregaria totalmente.


Quando o sol nasceu ele a deixo dormindo no quarto, para nunca mais vê-la.


(...) Atual


Nessie estava sóbria pela primeira depois de muito tempo. Ela andava assim quando sua irmã estava por perto, não sabia o por que Isabella entrar para essa vida, mesmo ela dizendo que era para cuida de seu bem estar, ela não acreditava. Isabella voltou de Londres dois meses depois que Nessie foi obrigada a entra nessa vida, depois de Jacob Black, ela nunca mais sentiu prazer com nenhum homem, e que para sua sorte foram pouco.


Hoje ela era exclusiva de Sam Uley, um renomado cirurgião plástico. Um homem atraente e muita vezes agressivo, para suportar todas as agressões e humilhações que ele a submetia se entregou a bebida e as drogas. Começou com um pequeno e inocente cigarro de maconha, depois passo para cocaína e agora se afundava no crack.


Isabella por sua vez observava de longe a sua irmã. Sabia que a jovem logo sairia de seu alcance, seu ‘’dono’’ estava na cidade e a queria em seu apartamento as oitos. Ela se preocupava com irmã, sabia que seria mais um dia regado a drogas e álcool. Isabella buscava algum forma de retira a irmã das mãos dele, mais Aro tinha contrato com esse tal Uley e lógico Aro não jogava para perde dinheiro.


– Quer comer algo? Isabella perguntou


– Não, Sam vai me leva para janta fora! Nessie disse meio deprimida como sempre.


– Nessie prometa para mim que não vai usar aquela porcaria! Bella implorou a irmã


– Não enche Bella! Ela disse levantando e caminhado para quarto_ Pra você e fácil falar, não e você que se ver obrigada a ir para cama com aquele homem, não e você que apanha dele e não e você que serve com brinquedinho dele.


Nessie entrou no quarto batendo a porta com força. Isabella sempre ficava mau quando a irma jogava os fatos sobre seus ombros. Ela também trabalhava na boate de Aro, mas apenas como dançarina, não fazia programas. Já Nessie não teve a mesma sorte que sua irmã, se viu obrigada a paga a divida do pai, e durante seis meses de programas forcado, ainda tinha muito para paga a esse homem frio e sem coração. Isabella tomou banho e se arrumou ela teria que estar na boate as sete, sua primeira dança seria as oito e meia. Ela terminou de se arrumar e bateu na porta do quarto da irmã.


– Estou indo! Ela disse do lado de fora do quarto_ Por favor cuide-se!


Isabella saiu pegando um taxi para não se atrasa e foi para boate, assim que chegou, Felix um dos capangas de Aro a chamou.


– Bells, você tem que ir sala do chefe! Felix disse


– Estou indo! Foi tudo que ela disse


Bella pegou o elevador e foi direto para sala do chefe, o homem frio e sem coração que ela conhecerá ao retornar a sua cidade natal.


– Me chamou? Bella perguntou ao entra na sala


– Bells minha querida! Aro disse com seu velho tom falsário.


– Sem cerimônias Aro! Bells disse contando Aro


– Bells, sei por que entrou nessa boate! Aro disse_ Só quero saber ate onde você iria para dar a querida Nessie sua tão sonhada liberdade!


Pela primeira vez, no últimos quatro meses, Aro tinha lhe dado um fio de esperança. Qual seria seu preço?

Nenhum comentário:

Postar um comentário