Jul M

Oi

domingo, 22 de outubro de 2017

O Tempo Não Para -- Capitulo 26



“ Todo Mundo Sonha Em Viver Um Grande Amor, Eu Só Sonhei Mais Forte.”
                                     __ Bem Me Quer, Mal Me Quer.

Capítulo 26

Bella sabia que sua vida dera uma revira volta das grandes... Cinco anos atrás, ela estava sozinha e grávida, agora, ela se encontrava com uma filha de cinco anos e o namorado que sempre desejou: o pai da sua filha estava com ela.
Bella gritava desesperadamente, animada torcendo pelo namorado e a filha que estavam em competição de corrida de saco. Edward e Jasper levavam isso bem a sério, pois estavam competindo para ganhar, Nessie e Jake entraram no embalo dos pais e estavam no mesmo nível de competitividade. Alice estava lá também, mas ainda não estava em clima para comemoração, ao contrário dela, Bella gritava a plenos pulmões dando apoio moral para Edward e Nessie. Essa era a última parte da corrida e dessa prova sairiam os campeões. Quando a sirene soou, Bella explodiu em gritos e pulos.
Sim, sim, eles ganharam, mas fora por pouco, pois, logo atrás deles, estavam Jasper e Jake que ficaram com o segundo lugar. Bella correu em direção a eles, gritando e pulando animada e, assim que chegou perto o bastante, pegou a menina nos braços, enchendo-a de beijos. Logo foi puxada pelo namorado para um abraço e logo e um apaixonado beijo em público.
Claro que o falatório já corria solto desde o começo da gincana, afinal, Bella chegou de mãos dadas com o Cullen enquanto Nessie não parava de chama-lo de pai. Agora que a verdade estava sendo esfregada na cara dos moradores da cidade, ficou clara a semelhança da menina com Edward, o que deu mais motivos para fofocas entre muitas mães e conhecidos.
– Ótimo, somos o assunto da cidade! – Bella sussurrou quando Edward a libertou do beijo.
– Não me importo! Que falem! – Edward disse decidido e sussurrou no ouvido dela – Vocês duas são minhas e é bom que eles saibam logo disso.
Bella deu um sorriso tímido de canto e corou levemente, acenou para Jasper que se aproximava com Alice ao seu lado e Jake em seu colo.
– Ótima corrida! – Edward parabenizou sorrindo para o cunhado.
– Isso terá volta, Cullen! – Jasper ameaçou de brincadeira e Jake sorriu – Que tal comemorarmos com sorvete?
– Oba! – Nessie e Jake gritaram animados.
– Parece que é isso! – Bella afirmou sorrindo da reação das crianças e Edward segurou sua mão.
– Então vamos! – Edward sorriu para a família enquanto os guiava para fora dali.
..........................................
 A rotina de Bella tinha mudado completamente. Primeiro: sua casa sofreu uma invasão do Cullen que, aos poucos, estava se mudando para sua casa. Havia roupas dele no closet, sapatos espalhados pela casa, toalha esquecida em cima da cama logo pela manhã, escova de dente, colônia masculina, cuecas de marca, além de seu escritório ter virado o escritório dele também...
– Ei! – ela chamou aparecendo na porta do escritório ‘deles’ – O jantar está pronto, venha logo.
– Só um minuto, estou enviando um e-mail! – respondeu.
– Você tem dois minutos! – a morena declarou e saiu fechando a porta atrás de si.
 Por mais louco que tudo isso parecesse agora, Bella amava cada minuto, cada segundo dessa nova vida.
.................................................
Nessie dormia profundamente em seu quarto, o pai a colocara para dormir, era algo que passou a ser rotina para eles. Era como se ele tentasse recompensar pelos cinco anos nos quais não esteve presente. Bella sentia-se culpada por isso, porém, fez o que achou ser certo naquela época.
Ela havia tomado banho, Edward ainda estava trancado no escritório, trabalhando. Saiu do escritório apenas para jantar e colocar Nessie na cama, ele gostava da ideia de jantar em família, fazia isso com Alice e os outros, contudo, quando Tânia estava em casa, ele pouco participava desse tipo de reunião comum do dia a dia. Foram duas batidas na porta e ele levantou cabeça olhando naquela direção e lá estava ela: encostada contra a parede e a porta entreaberta por onde entrara. Bella usava uma das camisas dele, suas pernas estavam bem visíveis aos seus olhos, assim como a marca do bico dos seios dela contra a camisa branca.
– Hora de dormir! – ela disse sorrindo docemente.
– Que horas são?
– Quase meia noite. – respondeu e caminhou em direção ao ruivo – Eu entendo que você tem que trabalhar, mas já está tarde, baby.
– Perdi a noção do tempo... – ele disse passando as mãos pelos cabelos e bagunçando-os ainda mais.
– Isso eu notei! – Bella apontou indo para trás da cadeira e massageando os ombros dele.
– Hum... Isso e ótimo – ele gemeu pelo toque dela – Onde estão suas camisolas? Tenho certeza que lhe comprei uma dúzia delas.
– Gosto das suas camisas! – ela sussurrou com a voz rouca enquanto seguia com a massagem.
– Sabe... Você fica linda em qualquer coisa – declarou e a morena curvou sua cabeça para beijar a curva de seu pescoço.
– Assim como você... – respondeu – Venha, vamos para a cama.
Bella tentou leva-lo pela mão, mas Edward foi mais rápido e a puxou de volta fazendo-a cair sentada em seu colo.
– Adoro seu perfume! – sussurrou sentindo o cheiro enquanto beijava o pescoço da morena – Você é o meu vício, Bella.
Ao dizer isso, Edward a beijou com vontade, intensamente. 


As mãos do ruivo voaram em direção às longas madeixas castanhas, bagunçando-as e a morena fez o mesmo com os macios e caóticos fios ruivos. Enquanto sua língua se aprofundava na boca dele, ele sugava a dela em dança erótica e romântica.Edward arrumou a morena em seu colo, sem quebrar o beijo, e suas mãos foram descendo pelas costas da morena até chegarem ao seu destino, a bunda dela, onde ele apertou com muito prazer.
Gemidos escaparam da boca da morena e foram retribuídos com um movimento rápido do ruivo que a colocou deitada sobre a mesa, derrubando alguns objetos no processo.

– Você é a minha perdição! – ele sussurrou olhando com os orbes verdes e escurecidos pelo desejo para a morena deitada sobre a mesa usando apenas a sua camisa e com a face corada.
Edward abriu lentamente os botões de sua camisa expondo o abdômen perfeito e o peito nu. Jogando a camisa sobre a cadeira, ele partiu para ataque, abrindo de supetão a camisa da morena, fazendo com que alguns botões voassem com a velocidade brutal do movimento. Então, ele tomou a boca da morena novamente, em beijo urgente, para depois abandoná-la e traçar uma trilha de beijos do pescoço da morena até seus seios, partindo primeiro para o seio esquerdo, onde sugou e mordiscou levemente,  fazendo a morena se contorcer sob seus toques. Partindo depois para o direito, fez o mesmo movimento com a língua em volta dele.

Bella gemeu alto com o ataque repentino do ruivo e puxou seus cabelos na tentativa de conter o ataque, o que só fez Edward mudar o alvo, descendo a boca mais e mais até chegar à sua cavidade úmida onde ele não piedade, mordendo e chupado com prazer o mel que escorria sem cessar. Mesmo parecendo impossível que ela ficasse ainda mais molhada e desejosa, quando Edward enfiou a língua em sua gruta molhada, Bella gritou, gozando em sua boca.

O ruivo levantou a cabeça apenas para olhar a morena espalhada em sua mesa, ofegante e corada. Ele lambeu os lábios olhando-a intensamente nos olhos, fazendo-a gemer com a visão sexy dele. Edward desceu uma das mãos para desabotoar a calça e então libertar seu membro, que já se encontrava duro de excitação. Ele massageou ainda olhando diretamente nos olhos cor de chocolate.
Esfregando a cabeça do seu membro na entrada molhada dela, Edward a penetrou fazendo ambos gemer com a invasão brusca.

Os movimentos foram ditados por ele, o ritmo era rápido, o prazer e o desejo deles eram grandes e eles tinham pressa em saciá-los. Bella gemia e sussurrava o nome dele a cada investida. A cavidade da morena já estava sufocando seus movimentos, um sinal que ela estava perto. Em um movimento rápido, Edward colocou Bella em seu colo, fazendo a morena rebolar em seu membro, subindo e descendo sobre ele e, com ajuda dele, os movimentos passaram a ser mais rápidos e mais urgentes.

Bella gritou a plenos pulmões quando gozou, sendo seguida por ele que explodiu em gozo dentro dela. A boca dele tomou a sua, envolvendo-a em um beijo urgente e cheio de muito desejo.
Aos poucos a respiração deles foi voltando ao normal e os tremores do corpo foram parando. Bella mantinha a cabeça apoiada sobre o ombro dele e Edward tinha seu rosto enterrado na curva do pescoço dela.
–Acho que precisamos de um banho... – Edward comentou beijando o pescoço dela.
– Só banho...? – era quase uma pergunta.
– Não! – Edward respondeu e Bella sentiu sorrisinho dele contra sua pele – Vou comer você debaixo do chuveiro também...
Bella gemeu só com o pensamento, fazendo Edward sorrir, pois ele sentiu a mudança no corpo da morena ao ouvir suas palavras. Bella sabia que seria outra noite de sexo prazeroso com o homem que amava.

Continua.


sábado, 21 de outubro de 2017

Descendentes -- Capitulo 11-- Livro 2 -- Narrativa Bella Swan

11 - A garota com fogo nos olhos

Eu acordei na enfermaria, não tinha nenhum ferimento, nenhum machucado, mas era como se tivesse sido quebrada em mil pedaços. Esme me informou que nem Edward e nem  Irina foram encontrados, Carlisle me visitou para pedir desculpas e disse que daria um jeito.
Mas era como se o vazio tivesse voltado novamente, me senti como uma criança, a mesma de quando estava sendo treinada por Caius, onde tudo que existia era apenas vazio, sem emoções.
Os dias foram passando e junto deles, os meses, três meses se passaram e ninguém teve notícias de Edward, os ministros se encontrarão para tratar da possível ameaça com essa reviravolta. Jasper e Emmett se sentiam culpados por não ter tido chance de impedir Edward de partir, eles eram bons amigos. Tanya me culpava, e todos ainda estavam surpreso em saber que Irina era mais uma das traidoras.
- Parece cansada. – Sue disse, me encontrando novamente na varanda. – Sua mãe esteve aqui, disse que você pode volta para casa quando desejar.
- Eu sei. – Eu digo e dou um sorriso forçado.
- Lamento, Bella. – Sue diz. — Eu sei o quanto ele é importante para você.
Eu não digo nada e Sue não espera uma resposta, porque ela simplesmente sai e me deixa sozinha, eu continuo na casa que era dele. Eu  tenho esperanças dele voltar, eu tenho esperança dele ainda ser o mesmo. Mas a verdade é que eu sabia que tudo havia mudado no momento que ele me deixou ali sozinha, desacorda com o seu ataque.

(...)

Eu estava do lado de fora, sentada em uma árvore ao lado da sala do primeiro ministro, Aro e Caius estão na cidade, a reunião deles  será hoje.
- Você sabia que isso poderia acontecer. – Aro fala, friamente. — Deveria ter matado ele quando teve a chance.
- Calado! – Carlisle exclamou, irritado. — Você não sabe de nada a respeito daquele garoto.
- Claro, claro. Sei que é um assunto delicado, já que ele é seu sobrinho. – Aro retruca e Carlisle bufa.
- Vamos manter a calma. – Esme diz.
- Onde está a Bella? – Caius pergunta.
- Evitando multidões. – Esme informa.
- Ela não era responsável por manter ele sob controle? – Caius pergunta e percebo a  reprovação em sua voz.
- A sua querida pupila foi além, se apaixonou pela missão. – Aro diz, acidamente. — Além de ser a alimentadora dele, a garota estava envolvida com ele fisicamente e emocionalmente. O seu soldado perfeito, querido irmão, se tornou um fracasso.
- Carlisle, você não me informou isso. – Caius diz, irritado.
- Bella seguiu sua missão até o último minuto. – Carlisle diz, em minha defesa. — Tem que levar em conta o fato dela  ser humana e uma jovem, tem o direito de viver sua vida.
- Uma garota como ela não tem que se dar a esses pequenos luxos da vida. – Aro diz. — Ela sabe que no momento que Heidi assumir o trono ela morre.
- Duvido muito. – Caius diz e eu sei que ele está me defendendo por outro motivo. – Não se esqueça que é de Bella que você fala.
- Chega! – Carlisle diz. — O poder da princesa não se estende sobre esse acampamento, e tampouco o poder da rainha. Bella foi renegada pela família real e ela ganhou uma nova família, mantenha a princesa sob seu controle ou teremos que intervir. Querendo ou não, Bella pertence a uma família importante.
Revirei meus olhos e saltei da árvore, aquela conversa não chegaria a lugar nenhum, ao sair dali, me deparei com Alice.
- Espionando? – Ela pergunta
- Não é da sua conta. – Eu respondo.
- Bella, eu sinto...
- Muito? – Eu completo sua fala. — Você não sente, e não me olhe com esse olhar de pena, eu não preciso dela. Podemos ter uma ligação, você pode ser a minha bruxa mágica, mas você não é minha dona. E nunca será.
- Eu nunca disse que sou sua dona. – Ela fala. - Mas eu fui a bruxa que lançou o feitiço sobre suas armas, então tenha um pouco de confiança em mim.
Fiz um movimento bem rápido, o corpo de Alice estava contra uma das  árvores e meu braço estava pressionando contra seu pescoço, a sufocando levemente.
- Você tentou me matar, Alice. – Eu digo olhando nos olhos dela. — Você tentou me matar assim que  eu possuí o elemento fogo, por causa de suas malditas visões você tentou me matar, e por pouco não conseguiu. Você é uma princesinha mimada.
 Eu a solto e me afasto dela, respirando fundo. Alice tem as mãos em volta do seu pescoço, respirando aliviada por eu ter soltado ela.
- Fica longe do meu caminho, é o melhor que você faz. – Digo para ela e uso o vento para sumir dali.

(...)

Acordar pela manhã é bem mais sofrido a cada dia, eu sentia um buraco grande no peito.
Naquela manhã eu estava na sala de treinamento treinando com Caius. Ele queria saber como eu estava, outra mentira que ele contava, eu o conhecia. Sei bem o que passei em suas mãos para chegar no nível que estou, por esse motivo odeio a ideia de me colocarem um rótulo.
- Soube por Aro que você e o jovem Drácula tiveram um envolvimento. – Caius comenta casualmente. — Você sabe que  as coisas podem sair do controle quando envolvemos o coração.
 Ao me dizer isso, ele me jogou no chão, ficando por cima de mim e colocando uma adaga contra o meu pescoço.
- Você foi criada para ser a melhor. – Caius me lembra. — Então não se deixe levar por uma fraqueza como esse amor, ninguém que experimenta esse sentimento tem uma boa história para contar sobre o fim dele. Volte a ser um soldado perfeito.
Ao me dizer isso ele saiu de cima de mim e voltou a caminhar, me deixando caída no tatame.
- O que aconteceu com ele? – Eu consigo perguntar.
- Ainda não sabemos. – Caius me diz. — Espero que quando chegar a hora você faça o que tem que ser feito.
E então ele sai, me deixando sozinha, perdida em pensamentos e com um grande buraco no peito.
- Ele queria superar você. – A voz de Demetri veio de trás de mim. – Ele sempre perguntava de você, quem a treinou, tudo o que nós mantivemos em segredo.
- E foram esses segredos que fizeram ele nos deixar. – Eu comento, sarcástica.
- Achávamos que quanto menos ele soubesse, seria mais fácil. – Demetri diz. – Era para Tanya ser a alimentadora, ela era perfeita, ela não sabia nada, nem mesmo um comentário, mas você acabou sendo a alimentadora dele, Bella. Não era para se envolver, era apenas para você manter ele sob controle, a chave de tudo está na mente dele.
- Eu vi cada lembrança dele, uma após outra. -  Eu digo. — Você não tem ideia do quanto foi agoniante ver ele sofrer e não poder dizer nada.
- Essa luta não é sua. – Demetri diz. — Então não se meta.
- Você se importa com ele. – Eu digo, ficando de pé. — Aro e Caius querem ele morto, você vai deixar eles o matarem?
- Você vai conseguir matá-lo? – Demetri me pergunta. — É essa a pergunta que você tem que se fazer, já que é sobre você que eles estão jogando essa responsabilidade.
Eu apenas olho para Demetri, que sai me deixando sozinha. Francamente, eu sei de toda a verdade que envolve Edward. Mas eu tenho o meu próprio jeito de ver as coisas.

(...)

Naquela noite eu estava na varanda da casa quando Carlisle veio me visitar. Heidi e Aro haviam partido pouco depois do acontecido, pouco depois dele nos deixar. Incrível como as coisas mudam, ninguém mais chama seu nome, apenas os que tiveram maior contato com ele e que sempre  falou. Mas os outros se referem a ele como “ele” ou como “Drácula”, referindo à sua linhagem.
- Parece cansada. minha querida. – Carlisle diz, chegando perto e se sentando, eu não digo nada. — Sinto muito.
- Pelo o quê? – Eu pergunto.
-  Entregar em suas mãos uma tarefa tão difícil.
-  Você tinha que ter falado a ele – Eu digo. – Se você tivesse dito...
- Bella, você é a única que sabe a verdade. – Carlisle diz. — Você é a única que sabe o que, de fato, aconteceu com os pais dele e com minha irmã, eu confiei a você esse segredo assim que descobri tudo.
- Ainda acho que ele precisa saber.
- Ele nunca me perdoará.
- Você só vai saber se tentar. – Eu digo e olho para ele. — Edward tem um coração, para os outros pode ser que soe estranho dizer isso, mas ele tem um lado humano, e esse lado ele com toda certeza herdou de Elizabeth.
Carlisle nada me disse, apenas ficou ali ao meu lado, olhando as estrelas, vendo o tempo passar devagar.

Continua...


“ Não importa a distância que nos separem, o meu amor, é seu.”

                                                --- Amor Além da Vida

sábado, 14 de outubro de 2017

Descendentes -- Capitulo 10

10 – Então eu sou um monstro

Ela estava caída no chão, havia ferimentos em seus braços e pernas, sua roupa estava coberta por sangue, assim como à sua volta, os olhos negros estavam sem vida.
Acordo assustado com coração batendo acelerado contra o peito, minha respiração está ofegante. Eu olho para lado e lá está ela, dormindo profundamente ao meu lado, Bella havia voltado. Sobre a conversa que eu ouvi ela falar com Carlisle, eu apenas fingi não ter ouvido nada, não perguntei e nem mesmo comentei, eu sabia que ela não falaria nada, ela sempre diz: “Não é da sua conta.” e então muda de assunto. Esse lado dela me irrita muito, mas naquele momento estava feliz de ter ela aqui perto de mim, tinha sonhado com ela morta, ouvir seu coração bater e sua respiração lenta me acalma.
Me arrumei na cama, puxando ela para meus braços e afundando meu rosto na curva do seu pescoço, sentindo seu cheiro que sempre seria um vício para mim.  Desse jeito eu fiquei até adormecer novamente aquela noite.
(...)
 Duas longas semanas haviam se passado desde que Bella voltou para o acampamento, ela nada falou de sua missão. A cerimônia de magia, como é chamada, foi feita no sábado. Bella estava presente e parecia feliz por mim.
 Naquele sábado a minha arma oficial passou a ser a lança de duas pontas, e agora eu podia ativá-la em batalhas apenas sussurrando as palavras mágicas, Mary foi a bruxa que lançou o feitiço sobre a minha arma, então apenas nós dois podemos ativar a lança, mais ninguém.
Meu treinamento ficou cada vez mais rigoroso, o que eu fazia antes era nada, comparado com o que Demetri estava fazendo agora. Ele me soltou na floresta e colocou alguns Guardas de Elite para me caçar, foi como se fosse um treinamento de vida ou morte, eu consegui me sair bem, mas os outros não. Estavam todos treinando pesadamente depois dos últimos ataques, muitos de nós passaram a levar o treinamento a sério, Emmett e Jasper estão cada vez mais fortes, assim como Jake, que fica pouco no acampamento, está fazendo missão em dupla com Félix, já que Bella está proibida de sair do acampamento por um tempo, parece que sua missão foi mal sucedida e como punição ela teria que ficar afastada de missões de campo.
- Parabéns. – Demetri diz quando terminamos o treinamento. – Seu nível está ótimo, Edward. Você já pode ser considerando um soldado nível 1.
- Mas ainda não dá para ser de elite. – Eu respondo por ele. – Qual é o nível da Bella? – Eu pergunto.
- Nenhum. – Demetri diz. — Bella se recusou a fazer todos os exames para subir de nível.
- Como?
- Sua alimentadora odeia rótulos. – Demetri diz e sorri. — Mas se eu fosse dar um nível para ela, eu diria que ela é um Soldado de Elite, pelas habilidades e talentos que tem, ela é incrível.
- Meu nível é perto do dela?
- Você vai chegar lá. – Demetri me diz. — Você é bem mais forte do que os da linhagem dela, apenas continue treinado.
- E o que eu venho fazendo desde o dia que cheguei aqui?
- E veja só onde você chegou. – Demetri diz e me joga a garrafa de água. – Não tenha pressa, Edward. Você é um guerreiro por natureza. Agora vai tomar banho.
 E ao me dizer isso ele sumiu, descobri que Demetri além de Soldado de Elite, ele tem controle por dois elementos, o vento e o fogo. Segundo Félix, poucos soldados conseguem dominar esses dois elemento tão perfeitamente como ele. Bella estava em casa, sentada no sofá com alguns papéis nas mãos, ela sorriu quando me viu entrar.
- Parabéns. – Ela disse sorrindo ainda mais. — Soube que venceu o desafio da floresta.
- Foi. – Digo caminhando em sua direção. – E você, o que fez o dia todo?
- Relatório. – Bella diz. — Algo está passando despercebido por mim, estou tentando descobrir o quê.
- Você não tem que ser prefeita, Bella. – Eu comento e ela me olha.
- Mas eu não sou. – Ela diz. – Eu apenas estou tentando entender o que está acontecendo.
- E é tão ruim assim?
- Sempre foi ruim – Bella diz e suspira. — Digamos que só está piorando. Você está fedendo, deveria tomar banho. – Ela comenta.
- Ok. – Eu digo rindo da cara dela. — Que tal sairmos um pouco?
- Tipo um casal? – Ela pergunta.
- Não é o que somos?
Ela sorriu abertamente e balança a cabeça acenando um sim, então eu vou em direção ao meu quarto para tomar banho.
(...)
Sair com Bella é diferente. Primeiro porque ela chama a atenção, segundo porque eu também chamo a atenção, e terceiro porque todos no acampamento já desconfiam do que rola entre nós dois.
- Então, o que vai acontecer com os pais de Jasper? – Eu pergunto curioso.
- Eles voltarão para o acampamento. – Bella diz pensativa, enquanto vamos em direção à praça. — Não tem porque eles ficarem longe. Afinal, Elena e Marcos são incríveis Soldados de Elite.
- Bella, eu estive pensando. – Comento e ela tem os olhos em mim. — É possível apagar a memória de alguém?
- Em que sentido? – Ela questiona.
- Lembrança, pensamentos, essas coisas. É possível ser apagada ao ponto de não ficar rastros?
- Apenas se a bruxa for boa. – Bella diz.
- Apenas bruxas?
- Não, sua linhagem tem esse talento. – Bella informa. — Não são todos, mas alguns da linhagem Drácula possuíam o talento de roubar pensamentos, ler mentes e hipnose. Mas você é o último da linhagem, então eu não sei se você tem esse talento ou não.
- Entendi. – Eu falo. — Mas pode ser que eu tenha?
- Claro, a sua linhagem é a mais forte de todas, perdendo apenas para a linhagem de Zeus. Mas não se preocupe, Hércules já está morto.
- Você está brincando? – Eu questiono e ela ri da minha cara.
- Seu bobo. Mas não é tão brincadeira assim, eu sou filha Ares, não esqueça disso. – Ela fala. — Dizem que vocês, Dráculas, herdaram a imortalidade dos deuses e a beleza humana.
- Por que a minha linhagem foi extinta? – Eu pergunto curioso.
- Porque alguns de vocês tentaram virar deuses. – Ela explica. — Não sei muito, apenas sei que alguns de vocês tentaram tornar esse lugar o seu reino e escravizar as linhagem inferiores. Isso causou a rebelião das raças e muitos da sua linhagem foram mortos. Com o acordo selado, a paz voltou, mas não muito tempo depois houve uma guerra onde muitos morreram da sua linhagem e das outras, e aos poucos a sua passou a desaparecer até sobrar alguns, e até esse alguns passarem ao seus pais e agora você.
- Por que essas pessoas que controlam Apanhadores de Almas me querem?
- Na verdade é apenas suposição. – Bella diz e fica pensativa. – Dizem que apenas um descendente direto de Drácula poderá criar uma nova linhagem, uma linhagem tão poderosa que ninguém poderá controlar ou vencer. Mas é apenas uma suposição.
- Mas eles acreditam nisso? – Eu questiono.
- Eles acreditaram em tudo o que lhe convém.
-  O que quer dizer?
- Fugir daqui. – Bella diz. – Ir para o mundo humano, dominar e escravizar uma raça fraca, é o que eles desejam.
- Como eles acham que posso fazer isso?
- Não sei. - Bella diz, mas seu olhar estava distante. — Vamos? – Ela me chama e então voltamos a caminhar em direção aos nossos amigos.
(...)
 Os dias foram passando, assim como os meses, e estávamos nos preparando para o final do semestre, e claro, a prova de mudança de nível. Bella se recusou a fazer as provas novamente. É difícil entender esse lado dela, todos sabiam quem era Bella e suas habilidades de luta, mas ela se recusa a colocar rótulos nela. Foi o que ela disse: “O meu nível não determina a minha força.”. Francamente, ela me irrita com esse papo barato. Já ao contrário dela, eu queria saber meu nível, Demetri já não consegue me acompanhar mais, minha velocidade é maior do que a dele, minha força está maior do que a dele, e eu já tenho total domínio sobre minha arma. Consigo usá-la de todas as maneira possíveis em batalha.
Emmett e Jasper também estão em outro nível agora, Emmett passou a levar a sério o seu treinamento, e Jasper passou a treinar mais duro após a verdade sobre Rosie vir à tona, seus pais estão de volta à cidade, são pessoas bem educadas e muito queridas por todos. Alice está sempre por perto, parece que ela e Jasper se dão muito bem. Mas a relação dela com a Bella ainda é a mesma, cheia de ódio e rancor. Tentei uma vez falar com Bella sobre Alice, mas ela disse “Alice é um caso perdido.”. E então rapidamente mudou assunto, me beijando e fazendo-me esquecer o que realmente desejava saber.
A relação entre Bella e eu é estranha e prazerosa. Somos namorados, porém na frente dos outros ela age como sempre foi, fria e calculista. Sua única preocupação é me manter sob seus olhos, o acampamento foi atacado duas vezes durante esses meses que se passaram, das duas vezes tiveram muitas mortes e muita destruição foi causada. Bella matou muitos apanhadores de Alma e vi cada movimento dela, lutamos lado a lado, mas por algum motivo ainda acho ela melhor do que eu, ela sempre estava protegendo as minhas costa.
À noite, quando estávamos apenas nós dois era diferente, ela era mais “ela”, uma Bella sorridente e alegre que me deixa louco. Ela é meu encaixe perfeito, meu vício. Com ela não tem frescura, é sempre intenso e a química é pura explosão, sempre me aproveitava desse momento para beber seu sangue, é como um ritual de passagem ou sei lá o que seja, é nesses momentos que consigo tomar minha droga direto da fonte. Bella já não se importava mais, uma vez ela disse: “Você só pode ser louco. Mas eu já me acostumei com esse seu fetiche.”. Eu sabia que essa Bella apenas eu conheço, mais ninguém.
 Em contrapartida, algumas coisa ficavam ainda mais estranha. Descobri que Bella não foi treinada aqui, e sim em outro acampamento. Caius, o   terceiro ministro, que a treinou, se Bella é assim, ele fez isso.  As conversas sobre uma possível guerra estão cada vez mais fortes. E as informações sobre meus pais ficavam cada vez mais difíceis. Consegui ouvir Marcos, o pai de Jasper, falando sobre o meus pais, dizendo que eles eram incríveis e ao mesmo tempo letais para todos eles. Ninguém falava ao certo o que aconteceu, mas eu  sei que há muita coisa por trás dessa história, que ninguém queria me contar. Também ouvi Jake conversando com Bella, essa foi a conversa mais estranha já vista entre eles dois.
- Você sabe o que vai acontecer. – Jake disse a ela. – Bella, você precisa acabar logo com isso.
- Não. – Ela disse. – Eu preciso de mais tempo, eu sei que posso mudar isso.
- Ele não vai entender. – Jake retrucou. – Ou você o mata, ou ele vai acabar matando você.
- Não me importo em morrer. – Ela disse. – Jake, são minhas responsabilidades, então fique fora disso.
- Se tudo isso fugir do controle, eu mato ele. – Jake disse a ela, então não ouvi mais sua voz.
Nunca perguntei a Bella do que se tratava, mas naquele dia tive a pura certeza que Jake sempre soube quem era Bella, e acredito que ele saiba bem mais do que deixa transparecer.  De certo modo ele tem medo de Bella, ou é apenas respeito por ela ser uma ótima guerreira. O fato é que ele e Bella estão mais envolvidos do que deixam os outros saberem.
As noite com Bella são as melhores, quando ela não sumia sem dar notícia, o sexo com ela ficava mais intenso. Naquela noite, no dia em que ouvi sua conversa com Jake, ela estava diferente, transamos contra a parede do quarto, 


e tive o prazer de fazer amor com ela de quatro em minha cama, me dando a bela visão da sua bunda deliciosa. 

Enquanto gozávamos, mordi Bella em seu ombro esquerdo, sugando o seu sangue como sempre fazia. Ela é o meu ponto de equilíbrio.
(...)
 Naquela noite eu estava voltando do treino com Demetri, Bella nunca mais treinou comigo, e naquela manhã ela havia saído em missão junto com Félix, seu treinador. Encontrei Irina sentada na praça sozinha olhando as estrelas.
- Irina. – A chamo, me aproximando dela. — O que faz aqui sozinha?
- Olhando as estrelas. – Ela responde. — E você?
- Acabei de treinar.
- Oh, sim. – Ela disse analisando minhas roupas. — Vejo que está mais forte.
- É o que todos dizem.
- Eles dizem a verdade. – Ela comenta e sorri. – Em relação a tudo.
Eu olhei para ela, que tem os olhos atentos sobre mim, então eu caminho em sua direção e me sento.
- O que você quer dizer? – Faço a pergunta diretamente. Essa mania, tenho que admitir, peguei de Bella.
- Eu não sei, talvez você não goste do vou falar. – Ela comenta e então joga a cabeça para trás.
- Irina, fala de uma vez! – Eu digo.
Irina nunca disse nada, apenas nos acompanhava nas missões, ela era o tipo medrosa que todos tentavam proteger, mas Bella uma vez comentou que tinha algo nessa garota que lhe incomodava, e nesse momento começo a pensar que Bella tem razão.
- Irina. – Eu tento chamar sua atenção.
- É sobre os seus pais, eu sei a verdade.
As palavras dela deixaram meu coração acelerado e minha garganta queimava, já tinha se passado algum tempo desde o momento que tomei minha ampola de sangue.
- Diga.
- Alguns dizem que eles enlouqueceram, outros dizem que eles foram possuídos. – Irina diz e me olha. — Mas a verdade é que seus pais foram os únicos que tentaram mudar a realidade. Por que temos que seguir ordens? Somos separados por acampamento e um reino onde a princesa é uma vadia.
- Onde você quer chegar?
- Seus pais foram mortos por tentarem mudar o sistema. – Irina me diz. — Carlisle matou os dois.
- Não! – Eu digo não acreditando nas palavras dela.
- Conheço alguém que sabe toda a verdade. – Irina diz e me olha, seus olhos azuis estão negros agora. – Se deseja conhecer eles, me encontre à meia-noite no lado sul perto da floresta, posso te levar diretamente a eles.
- O que você disse, o que disse sobre Carlisle? – Eu questiono.
- Foi ele que matou os seus pais, se não acredita pergunta para ele.
Irina sumiu de maneira que ela nunca tinha feito antes, foi como se ela tivesse ganhado uma nova habilidade. Ou estava fazendo como a Bella, estava apenas escondendo sua verdadeira face, meus olhos estavam negro, eu estava com sede, mas minha sede por verdade era maior do que minha sede por sangue. Segui tão rápido para a sala de Carlisle que nem mesmo me dei ao trabalho de bater ao entrar.
- O que está acontecendo? – Carlisle pergunta ao me ver.
- Me diz a verdade. – Eu digo entre dentes, sinto um ódio grande correr por minhas veias. – Você, foi você que matou meus pais?
Os olhos de Esme – que também estava presente – se arregalaram. Carlisle ficou pálido e mudo ao mesmo tempo, seus olhos foram para Esme que nesse momento tinhas as mãos cobrindo sua boca, e então eu soube que era verdade
- Maldito! – Eu gritei e sem me dar conta, virei a mesa que separava nós dois, a jogando contra a parede. – Você mentiu esse tempo todo para mim. Por quê? – Meus gritos iam ficando cada vez mais altos.
- Edward, se acalme! – Carlisle diz levantando as mãos em gesto de rendição.
- Eu não quero! – Eu grito em sua direção, partido para cima dele.
 Carlisle é tão rápido quanto eu, ele se defende dos meus ataques mas nunca contra-ataca. Então eu ativo minha arma. Ele apenas me olha com dor em sua face.
- Eles estavam fora de controle. – Carlisle diz. — Eu precisei fazer isso!
- Matá-los? – Eu grito enfurecido. — Você os matou.
Mais uma vez parto para cima dele, mas dois Soldados de Elite entram na frente tentando me conter, mas ainda assim eu consigo derrotá-los, atacando diretamente e jogando um pela janela e o outro pela porta. Minha força e velocidade comparada a deles é mil vezes maior.
- Eu vou matar você. – Eu digo a Carlisle voltando minha atenção a ele.
- Edward, por favor. – Esme diz chamando minha atenção, vejo que ela também possui uma espada em mãos, ela deve ter ativado sua arma enquanto eu lutava com os outros.
- Não se meta. – Carlisle diz para ela. — Edward, desative sua arma e vamos conversar.
- Para me conta mais mentiras? – Eu pergunto sarcástico. — Dizer o quanto meus pais são incríveis mas que você os matou a sangue frio?
- Eles estavam matando pessoas!
- Ainda assim, você os matou. – Eu grito. — Você poderia ter feito outra escolha, mas você me deixou sem pais, me mandou para o mundo dos humanos e deixou aqueles Apanhadores de Alma matarem a Nane. Ela era minha mãe, a única que conheci.
- Eu sinto muito. – Carlisle diz. - Se eu pudesse voltar no tempo teria feito diferente.
- Teria me matado também.
- Não é verdade. – Carlisle diz. — Jamais poderia ter matado você.
- Mentiroso. – Eu grito e parto para cima dele, mas duas espadas impedem meu ataque direto a ele.
- É possível ouvir os gritos lá de fora. – Bella diz me olhando diretamente nos olhos. – Desativa a sua arma.
- Você sabia? Me diz a verdade, você também sabia?
- Sobre seus pais? – Bella pergunta e então eu sei que ela também sabia.
- Você mentiu para mim. – Eu grito e revido o ataque, o que faz ela recuar alguns passos para trás, deixando um espaço entre nós dois.
- Não diria que eu menti. – Bella diz e mantém sua guarda. – Eu não vou lutar contra você.
- Então saia da frente. – Eu retruco. — Eu vou matá-lo.
Bella ri levemente de canto, aquele sorriso sem emoção, então ela levanta a espada de prata e parte para cima, ela ataca primeiro e eu contra-ataco usando minha lança. 


Ela luta bem, mas dessa vez eu estou bem melhor do que última vez que lutamos, estou revidando de igual para igual, giro a lança entre as minhas mãos e então a ponta afiada passa de leve pelo rosto de Bella, cortando superficialmente a sua bochecha esquerda, o que faz o sangue escorrer.
- Eu não quero machucar você. – Eu digo e ela me olha atentamente.
- Então desativa a sua arma. – Ela diz.
- Ele mentiu, vocês mentiram para mim, eu tenho o direito de saber o por quê. – Eu grito – De todos você era quem eu mais confiava.
- Essa não é minha luta. – Ela disse. — E não tem que ser a sua, o que aconteceu está no passado, pare agora.
- A verdade, eu quero a verdade.
- Eles eram traidores. – Bella diz. — Carlisle fez isso para salvar outras vidas, seus pais estavam fora de controle, você não entenderia.
- Então você sempre soube.
- Edward, eu não quero machucar você, mas se você tentar matar Carlisle eu terei que fazer isso.
- Você o protege mesmo sabendo que ele é um assassino? Como você pode fazer isso?
- Eu não posso falar. – Bella diz. – Agora pare, por favor, eu estou pedindo. Por tudo que já vivemos, desativa a arma.
- Você é tão igual a ele. – Eu digo e dou dois passo para trás. – Eu vou embora daqui.
- Não! – Bella diz dando um passo em minha direção. — Você não tem que ir, você não pode.
- O que eu não posso é ficar aqui.
Desativo minha arma e saio tão rápido como quando entrei na sala de Carlisle, Bella me acompanhou mas eu estava indo mais rápido. Bella me seguiu em direção ao lado sul do acampamento, ela parecia disposta a me parar de qualquer jeito, mas eu não ficarei aqui mais um minuto sequer. Irina conhece alguém que sabe a verdade, e agora eu quero saber toda a verdade sobre meus pais. E para isso eu tenho que sair  daqui. Carlisle é mentiroso, e ele nunca me contará a verdade sobre meus pais.
- Para. – Bella gritou. – Eu estou pedindo.
- O que foi real? – Eu pergunto parando de correr, me virando e encarando ela. — Me diz, tudo isso foi real ou você estava fazendo isso apenas para me ter no controle?
- É claro que foi real. – Ela diz me olhando firmemente.
- Claro que foi. – A voz era de Irina, ela estava em cima de uma árvore e então ela salta ao nosso encontro. — Você tem razão, ela só estava lhe mantendo no controle.
- Irina. – Bella diz surpresa. — O que faz aqui?
- Vou levar ele embora. – Ela diz e caminha em minha direção. – Ele quer a verdade, e eu darei a ele a verdade.
- Então era você. – Bella disse entendendo algo que eu desconheço.
- Você é esperta demais, Swan. Esse é o seu problema. – Irina diz. — Gostava mais quando você não se metia nos assuntos dos outros.
- Você fez as armadilhas. – Bella acusa ela.
- É, eu fiz cada uma delas. – Irina admite. — Você tinha que ficar longe dele para eu poder me aproximar. Mas você parecia estar cada vez mais envolvida, o que foi frustrante, já que todos sabem que você não tem um coração.
- Edward, a Irina está mentindo para você. – Bella me diz.
- Não tanto quanto vocês mentiram.
- Isso é verdade.  – Irina diz. – Bella nunca te disse qual é o seu melhor talento? – Irina pergunta me olhando, e eu olho dela para Bella. – Ela rouba lembranças, é por isso que ela estava tão íntima de você, ela precisava ficar perto para garantir que você não lembraria de nada.
- Do que você está falando? – Eu pergunto confuso.
- Da morte dos seus pais. – Irina fala. — Você estava lá, você os viu morrer, Carlisle também tentou matar você, mas seus pais lhe mandaram para o mundo dos humanos.
- Cala a boca, Irina! – Bella gritou.
- Bella, sempre soube a verdade. – Irina cantarolou as suas palavras. – Carlisle não foi o único a mentir para você, Bella sempre faz o que ele manda.
- Irina. – Bella chama a atenção de Irina, já ativando suas armas novamente. – Eu vou matar você.
- Fique longe. – Eu digo e então movimento minhas mãos, e pela primeira vez crio uma rajada de vento que manda Bella para cima e a joga no chão a alguns metros longe de nós. – É hora de partirmos.
- Deveria matá-la. – Irina aconselha. – Ela virá atrás de você.
- Vamos, Irina. – Eu digo seco e frio.
Irina nada diz, apenas me segue e saímos dali, sinto como se meu coração tivesse parado de bater, Bella ficou no chão, caída desacordada. Talvez a rajada de vento tenha sido forte demais para ela, ou talvez ela não esperasse que eu atacasse ela. Eu sei que a cor dos meus olhos nunca mais serão a mesma, mas nesse momento eu preciso me libertar de toda essa mentira, nem que para isso eu tenha que virar um monstro. A partir de agora eu apenas acreditarei em mim mesmo, ninguém nunca mais me controlará, preciso ficar ainda mais forte, e para isso eu tenho que ficar só.

 The End

                                   “ A paixão faz de nós tolos.”

                                                --Amor e Inocência